NAS  TRILHAS  DA  CARIDADE

Emmanuel

A caridade nunca falha...

- Paulo. (I Coríntios, 13:8.)

 

A caridade possui maneiras múltiplas de ajudar, em tudo aplicando o senso das di­mensões.

No atendimento de cada necessidade ei-la que se expressa não somente com a luz da bondade, mas também com o metro da prudência: distribuindo alimento às vítimas da penúria, abstém-se de azedar o pão com o vinagre da reprimenda, respeitando a condição dos que lhe ba­tem à porta;

medicando o enfermo, não lhe exige atitudes em desacordo com os desajustes orgânicos em que o socorrido se veja, e sim escolhe os melhores gestos de tolerância e compreensão, de modo a servi-lo;

alfabetizando o ignorante, não lhe reclama de­monstrações de cultura antes do aprendizado, mas revela paciência e brandura para guiar-lhe a in­teligência nos mais simples degraus da escola.

Assim também, se invocamos a caridade a fim de orientar os que se transviam, não nos cabe es­quecer as dificuldades em que se encontram.. Para recuperar-lhes o equilíbrio não basta identificar-lhes as fraquezas e reprová-las. É imprescindível ano­tar-lhes a posição desfavorável e socorrê-los sem exigência.

Daí o impositivo de se reconhecer, em qualquer parte, quanto à distribuição da verdade, que, se existe um modo distinto para que a beneficência exerça a caridade de saber assistir nos domínios do corpo, nos reinos do espírito é preciso que ela aperfeiçoe igualmente a caridade de saber explicar.

 

 

Mensagem psicografada por Francisco Cândido Xavier. Do livro “Bênção de Paz"