POR  ENQUANTO

Emmanuel

 

         Por enquanto, é inútil que o homem no mundo lavre escrituras e acordos sobre propriedades que lhe não pertencem.

         Usufrutuário da fazenda terrestre vive para dizer adeus, cada dia, aprendendo, não raro, com dificuldades e revolta, a arte de despedir-se.

         Por enquanto, cidades preciosas e imponentes são patrimônio móvel das gerações que se sucedem, ininterruptas...

         Casas solarengas são transmitidas de pais para filhos, quando não descem à treva das disputas envenenadas que rodeiam o sepultamento daqueles que as relegam aos descendentes...

         Dinheiro, por mais abundante, inevitavelmente, derrama-se-lhe das mãos, poderoso e inútil, sempre que a enfermidade incurável lhe rói o arcabouço...

         Indumentária pomposa termina no túnel valioso dos museus, quando não se reduz à cinza em covas de lodo e sombra...

         Afetos, na feição carnal, passam apresados, confiando-o a dolorosas reflexões...

         Realizações da inteligência sofrem a passagem do tempo com a modificação invariável das informações provisórias da ciência, embora respeitável e digna...

         O corpo maneiroso, de que tanto se ufana, sofre a pressão do guante irresistível da morte quando menos espera...

         Por enquanto, então, a glória da criatura brilha na oportunidade de fazer o bem e exaltá-lo em cada instante da vida...

Por enquanto, o poder, a posse, a autoridade, a aptidão e a saúde são nossos instrumentos sublimes de serviço, que podemos utilizar em nossa própria sublimação.

         Tenhamos assim, em mente, a importância do minuto que recebemos do Senhor por empréstimo de sua |Infinita Misericórdia, e procuremos realizar o investimento do verdadeiro progresso, burilando nosso espírito para que estejamos em condições de retratar-lhe os desígnios.

         Acordemos para semelhante realidade, enquanto é hoje, de vez que, por enquanto, a oportunidade de glorificar o bem com o Cristo, onde estivermos, é a única benção que possuímos, porque, no planeta móvel tudo se transforma e tudo se eleva para o melhor e aquilo que julgamos, na Terra, como sendo nossa propriedade absoluta e positiva, pode metamofosear-se de um momento para outro, em azorrague de desesperação sobre nossa própria alma, além de converter-se simplesmente em um punhado de cinzas, no corpo ciclópico do mundo em constante ascensão.

 

Extraído do livro Bênçãos de Amor. Autores Diversos

Psicografia de Francisco Cândido Xavier.