ALÉM  DA  NOITE

Félix Pacheco

Dos corações clamando agonia e desterro

Cal o orvalho do pranto em fel da desventura...

A saudade a chorar dita a rota do enterro,

Mas o túmulo em si é breve noite escura...

 

Espírito é sol no corpo, — escrínio perro,

Jóia viva a brilhar além da sepultura,

Luz ativa a esmorecer, sob a lama do erro,

Ou cresce a refulgir, se ascende bela e pura.

 

Onde vá, todo ser caminha lado a lado.

Da luz que exprime sempre o amor profundo e ardente

Ou da sombra que em tudo é tenebroso mito,

 

A deixar cada dia o crisol do passado,

Vai e vem a sofrer, no esmeril do presente,

Para estampar-se, enfim, nos troféus do Infinito!

 

 

Do livro Fonte de Luz. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.