EM  HOMENAGEM  A  KARDEC

 

Amaral Ornellas

 

 

A Cultura atingira o apogeu da descrença,

Imergira-se o Templo em fumo de vanglória

E, embora fosse o Cristo a eterna luz da História,

Afligia-se a Terra em sombra espessa e imensa.

 

A Civilização padecia a presença

De soberano caos em púrpura irrisória,

Sob a pompa do verbo esfervilhava a escória

Da cegueira e do escárnio a erguer-se em treva densa.

 

Mas Kardec domina a enorme noite humana

E traz no Espiritismo a Fé que se engalana,

Ao fulgor da Razão generosa e sincera...

 

O Evangelho ressurge. O Céu brilha de novo.

E Jesus, retornado ao coração do povo,

Acende para o mundo o Sol da Nova Era.

 

 

Do livro Fonte de Paz. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.