TRABALHADORES

 

Emmanuel

 

 

Realmente, muitos trabalhadores são chamados ao ministério do Cristo, para o levantamento do Reino de Deus na Terra.

Entretanto, quase todos menoscabam o tempo -a excelsa concessão da infinita Bondade.

 

Muitos, ao invés do suor na tarefa a que foram trazidos, gastam as horas repetindo frases brilhantes, embriagados de verbo inútil...

 

Entregam-se outros, desavisados, ao indébito exame dos companheiros, quais se fossem meros fiscais da obra que não lhes pertence.

 

Consagram-se muitos à infindáveis querelas, supondo-se os defensores da Eterna Sabedoria.

Devotam-se inúmeros à adoração preguiçosa, julgando exaltar os méritos da Majestade Excelsa, ajustados à função de puro ornamento das Grandes Revelações.

 

Outros muitos, ainda, fogem deliberadamente ao trabalho, enregelando os próprios passos no frio da indiferença a se imobilizarem nas sombras da negação...

E perdem os minutos divinos, atingindo o término da jornada à maneira de farrapos mentais, mendigando a luz que eles pr6prios menosprezaram.

 

Os trabalhadores despertos, todavia, ainda mesmo quando chamados à obra nos últimos lances do dia, sintonizam-se com a dever que lhes cabe, elegendo na renúncia o clima da própria ação e, de braços resolutos no serviço a realizar aprendem que o tempo 6 tamb6m qual a solo fecundo, a retribuir-nos em regime de percentagem crescente as bênçãos que semeamos...

 

Acordados, pois, para os Acordados, pois, para a responsabilidade que nos assiste, saibamos construir com Jesus o progresso e a segurança, a alegria e a tranqüilidade dos outros, na certeza de que somente assim, edificando a bem daqueles que nos rodeiam é que, em verdade, conseguimos obter da vida a construção do próprio bem.

 

 

Do livro Fonte de Paz. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.