INSTITUTO  DE  TRATAMENTO

Emmanuel

 

 “0 que é nascido da carne é carne e o que é nascido do Espírito é espírito.”

JESUS - JOAO, 3: 6.

 

 “Os laços de família não sofrem destruição alguma com a reencarnação,
como o pensam certas pessoas.

 Ao contrário, tornam-se mais fortalecidos e apertados.

 O principio oposto, sim, os destrói.’ - Cap. IV, 18.

 

 Atingindo o Plano Espiritual, depois da morte, sentimentos indefiníveis nos senhoreiam  o coração.

 Nos recessos do espírito, rebentam mágoas e júbilos, poemas de ventura e gritos de aflição, cânticos de louvor pontilhados de fel e brados de esperanças que se calam, de súbito, no gelo do sofrimento.

 Rimos e choramos, livres e presos, triunfantes e derrotados, felizes e desditosos...

 Bênçãos de alegria, que nos clareiam.

 pequeninas vitórias alcançadas, desaparecem, de pronto, no fundo tenebroso das quedas que nos marcaram a vida.

 Suspiramos pela ascensão sublime, sedentos de comunhão com as entidades heróicas que nos induzem aos galardões fulgentes dos cimos, todavia, trazemos o desencanto das aves cativas e mutiladas.

 Ao invés de asas, carregamos grilhões, na penosa condição de almas doentes...

 Na concha da saudade, ouvimos as melodias que irrompem das vanguardas de luz, entretecidas na glória dos bem-aventurados. no entanto, austeras admoestações nos, chegam da Terra pelo sem-fio da consciência...

 Nas faixas do mundo somos requisitados pelas obrigações não cumpridas.

 Erros e deserções clamam dentro de nós, pedindo reparos justos...

 Longe das esferas superiores que ainda não merecemos e distanciados das regiões positivamente inferiores em que nossas modestas aquisições evolutivas encontraram inicio, concede-nos, então, a Providência Divina,, o refúgio do lar, entre as sombras da Terra e as rutilâncias do Céu,por instituto de tratamento, em que se nos efetive a necessária restauração.

 É assim que reencarnados em nova armadura física, reencontramos perseguidores e adversários, credores e cúmplices do pretérito, na forma de parentes e companheiros para o resgate de velhas contas.

 Nesse cadinho esfervilhante de responsabilidades e inquietações, afetos renovados nos chamam ao reconforto, enquanto que aversões redivivas nos pedem esquecimentos...

 A vista disso, no mundo, por mais atormentado nos seja o ninho familiar abracemos nele a escola bendita do reajuste onde temporariamente exercemos o oficio da redenção.

 Conquanto crucificados em suplícios anônimos atados a postes de sacrifício ou semi-asfixiado no pranto desconhecido das grandes humilhações, saibamos sustentar-lhe a estrutura moral, entendendo e servindo, mesmo à custa de lágrimas, porque é no lar, esteja ele dependurado na crista de arranha-céus, ou na choça tosca de zinco, que as leis da vida nos oferecem, as ferramentas de amor e da dor para a construção e reconstrução do próprio destino entregando-nos, de berço em berço, ao carinho de Deus que verte inefável, pelo colo das mães.

 

Extraído do livro " O Livro da Esperança" - Psicografado por FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER