PALAVRAS  DE  JESUS

Emmanuel

 

 “Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros;
e vosso Pai Celestial as alimenta.

Não tendes vós muito mais valor do que elas?”

JESUS; MATEUS, 6: 26.

 

“Deus conhece as nossas necessidades e a elas provê, como for necessário.

0 homem, porém, insaciável nos seus desejos, nem sempre sabe contentar-se com o que tem: o necessário não lhe basta, reclama o supérfluo.

A Providência, então, o deixa entregue a si mesmo. ” Cap. 25, 7.

 

Vale-se muita gente do Evangelho para usar as expressões literais do Senhor, sem qualquer consideração para com o sentido profundo que as ditou, simplesmente para exaltar conveniência e egoísmo.

Exortou o Divino Mestre: “Não vos inquieteis pelo dia de amanha.

Encontramos aqueles que se baseiam nestas palavras, destinadas a situar-nos na eficiência tranqüila, para abraçarem deserção e preguiça, olvidando que o próprio Jesus nos advertiu: “Andai enquanto tendes luz.

” Asseverou o Eterno Amigo: “Nem só de pão vive o homem.

” Há companheiros que se estribam em semelhante conceito, dedicado a preservarnos contra a volúpia da posse, para assumirem atitudes de relaxamento e desprezo, à frente do serviço de organização e previdência da vida material, sem se lembrarem de que Jesus multiplicou pães, no monte, socorrendo a multidão cansada e faminta.

Afirmou o Excelso Benfeitor: “Realmente há Céus.

“ Em todos os círculos do ensinamento cristão, aparecem os que se aproveitam da afirmativa, dedicada a imunizar-nos contra as calamidades da avareza, para lançarem diatribes contra o dinheiro e sarcasmos contra os irmãos’chamados a manejálo, na sustentação do trabalho e da beneficência, da educação e do progresso, incapazes de recordar que Jesus honrou a finança dignamente empregada, até mesmo nos dois vinténs com que a viúva pobre testemunhou a própria fé.

Disse o Cristo: “Não julgueis.”

” Em toda parte, surpreendemos os que se prevalecem do aviso que nos acautela contra os desastres da intolerância, para acobertarem viciação e má-fé sem se prevenirem de que Jesus nos recomendou igualmente: “Orai e vigiai a fim de não cairdes em tentação.”

” Admoestou o Mestre dos Mestres: “Ao que vos pedir a túnica, cedei também a capa.”

” Não poucos mobilizam o asserto consagrado a impelir-nos ao -culto do desprendimento e da gentileza, para estabelecerem regimes de irresponsabilidade e negligência, quando o Cristo nos preceituou a obrigação de entregar a cada um aquilo que lhe pertence, até mesmo nas questões mínimas do imposto exigido pelos poderes públicos, ao solicitar -nos: “Dai a César o que é de César.”

” Não podemos esquecer que as palavras do Cristo, no curso dos séculos, receberam interpretações adequadas aos interesses de grupos, circunstâncias, administrações e pessoas.”

A Doutrina Espírita brilha hoje, porém, diante do Evangelho, não apenas para aliviar e consolar, mas também para instruir e esclarecer.

 

Extraído do livro " O Livro da Esperança" - Psicografado por FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER