BURILAMENTO

Emmanuel

 

 

Diante da Vida Universal, pontilhada de constelações, cuja grandeza nos escapa, por agora, á compreensão, imaginemos o homem primitivo a contemplar da insipiência de sua taba uma cidade super-culta, povoadas de escolas e santuários, oficinas e monumentos.

Decerto que semelhante visão lhe encorajaria o estímulo do progresso, mas não o exoneraria do dever de aprimorar-se na própria educação, antes de qualquer arrancada às eminências entrevistas.

Indispensável estejamos alerta no aperfeiçoamento que nos é necessário, antes de tentar ascensão à Espiritualidade Superior.

A Terra, em seus múltiplos círculos de ação, simboliza para nós, desencarnados e encarnados, a universidade preciosa, congregando variados cursos de evolução.

A Dor e a dificuldade, o trabalho e a provação, em suas esferas de serviço, representam matérias abençoadas em cuja assimilação, ser-nos-á possível, efetuar o próprio burilamento, à feição do diamante que, aprisionado no cascalho, reclama o esmeril que o dilacera, convertendo-se, por fim, na pedra formosa e rara, suscetível de refletir as magnificências da luz.

Nosso problema essencial, por enquanto, é o de nossa adaptação as Leis Divinas, de que Jesus Cristo, ainda e sempre, é o nosso exemplo maior.

Semelhante adaptação se constitui se humildade e de amor, para a Sabedoria Celeste encontre em nós a justa ressonância.

Contemplando as estrelas e indagando acerca dos mundos sublimes, não nos esqueçamos da própria sublimação, a fim de que, transformados, um dia em estrelas conscientes no campo da vida, possamos em qualquer parte retratar o Eterno Bem, realizando com a nossa simples presença a exaltação do Senhor.

 

 

Do livro Nascer e Renascer -  Psicografia de Francisco Cândido Xavier