REPAREMOS  NOSSAS  MÃOS

Emmanuel

“E Jesus, estendendo a mão, tocou-o dizendo: quero, sê limpo.”

(MATEUS, 8:3.)

 

         Meditemos na grandeza e na sublimidade das mãos que se estendem para o bem...

         Mãos que aram a terra, preparando a colheita...

         Mãos que constroem lares e escolas, cidades e nações...

         Mãos que escrevem, amando em louvor do conhecimento...

         Mãos que curam na medicina, que plasmam a riqueza da ciência e da indústria, que asseguram o reconforto e o progresso...

         Todas elas se abrem, generosas, na direção do Infinito, gerando aperfeiçoamento e tranqüilidade, reconhecimento e alegria, conjugando-se , abnegadas, para a extensão das bênçãos da Sabedoria e de Amor na Obra de Deus.

         Mas pensemos também nas mãos que se estendem para as sombras do mal...

         Mãos que recolhem o ouro devido ao trabalho em favor de todos, transformando-se em garras de usura...

         Mãos que acionam apetrechos de morte, convertendo-se em conchas de sangue e lagrimas...

         Mãos que se agitam na mímica estudada de quantos abusam da multidão para conduzi-la à indisciplina em proveito próprio...

         Mãos que ferem, que coagulam o fel da calúnia em forma de letras, que amaldiçoam, que envenenam e que cultuam a inércia...

         Todas elas se cerram sobre si mesmas em círculos de aflição e remorsos pelos quais se aprisionam às trevas do sofrimento.

         Reparemos, assim, a que forças da vida estendemos as nossas mãos.

Jesus, o Mestre Divino, passou no mundo estendendo-as no auxilio de todos, ensinando e ajudando, cirando e afagando, aliviando corpos enfermos e levantando almas caídas, e, para mostrar-nos o supremo valor das mãos consagradas ao bem constante, preferiu morrer na cruz, de mãos estendidas, como que descerrando o coração pleno de amor à Humanidade inteira.

 

Livro Palavras de vida eterna. Psicografia de Francisco Cândido Xavier