NO  ESTUDO  DA  SALVAÇÃO

Emmanuel

 

“E todos os dias acrescentava o Senhor à Igreja aqueles que se encontravam em salvação.”

 (ATOS, 2:47.)

 

         A expressão fraseológica do texto varia por vezes, acentuando que o Senhor acrescentava à comunidade apostólica todos aqueles “que estavam se salvando” ou “que se iam salvar”.

         De qualquer modo, porém, a notícia serve de base a importante estudo da salvação.

         Muita gente acredita que salvar-se será livrar-se de todos os riscos, na conquista da suprema tranqüilidade.

         Entretanto, vemos o Cristo apartando as almas em processo de salvação para testemunho incessante no sacrifício.

         Muitos daqueles que foram acrescentados, ao serviço da Igreja nascente, conheceram aflição e martírio, lapidação e morte.

Designados por Jesus para a Obra Divina, não se forraram à dor.

         Mãos calejadas em duro trabalho, conheceram sarcasmos soezes e vigílias atrozes.

         Encontraram no Excelso Amigo não apenas o Benfeitor que lhes garantia a segurança, mas também o Mestre ativo que lhes oferecia a lição em troca do conhecimento e a luta como preço da paz.

         É que salvar não será situar alguém na redoma da preguiça, à distância do suor na marcha evolutiva; tanto quanto triunfar não significa deserção do combate.

         Consoante o ensinamento do próprio Cristo, que não isentou a si mesmo do selo infamante da cruz, salvar é, sobretudo, regenerar, instruir, educar e aperfeiçoar para a Vida Eterna.

 

 

Livro: “Palavras de Vida Eterna” - Psicografia Francisco Candido Xavier – Espírito Emmanuel