RATINHOS BRANCOS

I - AGRADECIMENTOS

A Deus, pois por seu amor existo e sei que posso ser feliz com tudo o que Ele me oferece.

A meus guias, mentores e amigos espirituais, por todo o esforço abnegado que têm realizado em favor de minha evolução.

A minha família, pelo amor, respeito e apoio que sempre recebi.

A minha amada esposa e companheira Karen, que sempre me amou, dedicou-me seu carinho e compreensão, apoiou-me incondicionalmente e muito auxiliou na realização desta obra, da qual fui mero instrumento.

Aos autores espirituais, que demonstraram extrema paciência com minhas fraquezas, desvelando interesse e amor.

Ao Dimitri, à Beatriz e à Claudete, cuja amorosa disposição na análise crítica e sincera desta obra foi decisiva para sua concretização.

II - COMENTÁRIOS

Em agosto de 2009, percebi intensa aproximação de irmãos da espiritualidade aos quais não estava familiarizado, mas que, no entanto, causaram-me profunda sensação de paz e bem-estar. Nessa oportunidade, um espírito muito amigo, companheiro de longos e distantes séculos de jornada, comunicou-me que eu receberia um presente.

Questionado a respeito por minha esposa, Karen, ele me esclareceu se tratar da transcrição de um romance espírita.

Surpreendi-me, mas, como aprendi que a melhor maneira de conduzir minha relação com meus mentores e guias é seguir-lhes a orientação, evidentemente submetendo essas orientações ao crivo da razão, decidi não interpor obstáculos e me dispus ao trabalho proposto.

Devo confessar que minhas expectativas a respeito eram pequenas, pois sempre considerei, e ainda tenho essa impressão, que em matéria de mediunidade ainda tenho muito a aprender.

Entretanto, Deus, em sua infinita misericórdia, permitiu que fôssemos brindados com um trabalho que, apesar das adversidades inerentes à minha pessoa, mostrou-se com um texto riquíssimo em detalhes. Uma história que me proporcionou imensurável prazer e cujas nuances ainda prometem.

Confesso, também, ter tido minha atenção chamada, diversas vezes, por amigos e familiares, pelo fato de que eu subestimava minha sensibilidade mediúnica; mas, infelizmente, minha opinião continua inalterada, pois acredito que esta obra existe não por mim, mas pela causa espírita.

Como pude constatar, é verdadeira a orientação de que, por menores que sejam ou que consideremos nossas possibilidades como servidores da espiritualidade e do amor de nosso Criador, basta que efetivamente nos apresentemos disponíveis, que nos escudemos nas lições do Evangelho, na prece e vigília constantes e no estudo sistemático da codificação, para que consigamos dar alguma contribuição ao movimento Espírita Cristão.

Augustus Ciprus, neste livro, descreve-nos os dramas da família de Petrus, vividos no decorrer das duas guerras que mais marcaram a humanidade em sua história recente, ocasião em que ele mesmo foi o mentor espiritual de Petrus Viert.

Muitos aprendizados relacionados à Lei de Causa e Efeito a que estamos sujeitos no uso de nosso livre-arbítrio nos mostram que nem sempre tomar as decisões corretas é tão difícil como pensamos, basta que superemos as exigências e imposições do "eu".

A história aqui descrita nos introduz às atividades de Gustavo e Henrique, duas "crianças" em plena atividade socorrista no plano espiritual, que nos fornecem notícias de como iniciaram tais atividades. Esperamos, ansiosamente, a prometida continuação de seus relatos.

Tivemos o prazer de receber em nosso lar a visita desses dois pequeninos "ratinhos brancos" em diversas ocasiões, o que faziam regularmente muito antes das presenças indefiníveis que vivêramos em agosto de 2009.

Meu sincero desejo é de que esta obra leve aos irmãos e irmãs que a lerem material suficiente para a reflexão, pois a mim me levou a buscar mais intensa e ativamente novas transformações íntimas, especialmente no campo referente ao preconceito como espírita atuante.

A todos as bênçãos do viver em Cristo!

LASZLO JOSEF MATRAI - TAUBATÉ, 12 DE JULHO DE 2010.

PRIMEIRA PARTE
 
..1 - A FAMÍLIA VIERT
..2 - A GUERRA E A BATALHA
..3 - BATALHA DOS CORAÇÕES
..4 - PEÇAS DA VIDA
..5 - AMOR PROIBIDO
..6 - ATINGIDOS PELA GUERRA
..7 - TRÁGICA NOTÍCIA
..8 - RECOMEÇANDO
..9 - NOVAS PEÇAS DA VIDA
..10 - O RETORNO AO LAR
..11 - MAIS CONFLITOS
..12 - "MEA-CULPA"
..13 - REVELAÇÕES
..14 - A VIDA SEGUE SEU CURSO
..15 - TUDO TEM SEU FIM
..16 - NOTÍCIAS DO PASSADO.
 
SEGUNDA PARTE
 
..17 - RECOMEÇANDO
..18 - PRIMEIROS PASSOS
..19 - A ALA INFANTIL
..20 - PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS
..21 - PERDÃO
..22 - SOCORRO FAMILIAR
..23 - REENCONTROS
..24 - PROVAS
..25 - FIM

 

IV - BIOGRAFIA

Laszlo Josef Matrai, nasceu em 15 de setembro de 1961, no município de Ribeirão Pires, em São Paulo.

Filho de imigrantes húngaros, funcionário público municipal, é casado e tem quatro filhos.

Aos nove anos de idade, sentindo as primeiras manifestações da mediunidade ostensiva, clara a evidente, ele se tornou espírita, passando a frequentar um Centro Espírita.

Durante a juventude, conheceu várias casas espíritas, sempre buscando estudar a Doutrina Espírita por meio dos livros codificados por Allan Kardec.

Aos dezoitos ano, Laszlo participou do primeiro curso de educação mediúnica no Centro Espírita Maria Amélia, localizado em Rudge Ramos, São Paulo.

Após o curso começou a trabalhar como médium de incorporação em trabalhos de desobsessão e pronto-socorro espiritual.

Durante sua trajetória, participou de muitos cursos de orientação na USE-SP, Federação Espírita de São Paulo e Federação Espírita Brasileira.

Foi aluno e depois dirigente do curso de Aprendizes do Evangelho, na Aliança Espírita Evangélica.

Estudou e aproundou-se também em conhecimentos de Umbanda, em casas cuja tônica exclusiva é a prática da caridade.

Tem como lema "sempre que possível, buscar conhecer bem antes de falar a respeito de alguém ou de algo".

Os trabalhos com a psicografia tiveram seu início em 2009.

Atualmente, além de psicografar, ele participa ativamente de trabalhos espirituais ligados à problemática da saúde física como reflexo dos dramas espirituais do ser, na Seara Espírita Nova Vida, em Taubaté, São Paulo, cidade onde reside há 13 anos.