23 - PAIXÕES

O princípio das paixões é inerente à natureza do ser humano.

Quando bem dosado e orientado leva o homem a grandes feitos, a grandes realizações.

Em tudo na vida o erro está no abuso e não no uso. Por exemplo: trabalhar e comer são atividades positivas, mas trabalhar e comer excessivamente é prejudicial.

As paixões são como um cavalo que é útil quando governado e perigoso quando governa (LE 908); em assim sendo, a paixão negativa consiste no fato de o homem ser dependente de algo exterior a si; quanto mais domínio sobre si tiver, mais livre será.

O princípio das paixões não é portanto um mal, pois repousa sobre uma das condições providenciais de nossa existência.

A paixão propriamente dita é o exagero de uma necessidade ou de um sentimento; está no excesso e não na causa (LE 908).

O homem não deve, portanto, esquecer que o Espírito é o senhor que pode e deve controlar a vida do corpo; o corpo é mero instrumento destinado a servir o Espírito.

Desta forma , todo sentimento que eleva o homem acima da natureza animal anuncia o predomínio do Espírito sobre a matéria e o aproxima da perfeição (LE 908).

O homem poderia sempre vencer as suas más tendências pelos seus próprios esforços; o que lhe falta é vontade, disposição do Espírito, iniciativa. Quando o homem julga que não pode superar suas paixões é que seu Espírito nelas se compraz, como conseqüência de sua própria inferioridade (LE 911).

Equipe de Ensino

PAIXÕES