26 - SEXO

Amor livre

Um dos temas em evidência, na atualidade, é o amor livre, a união entre o homem e a mulher, sem nenhum vínculo sério, sem compromissos em relação ao futuro e, consequentemente, sem cogitar de matrimônio e filhos.

Embora alguns espíritos mais lúcidos, dentre os que debatem o assunto, demonstrem o perigo de abolir-se o instituto da Família, selado pelo compromisso do casamento, há uma forte tendência, particularmente nas grandes cidades, para o cultivo do amor livre. Dir-se-ia com mais propriedade sexo livre, já que somente a busca de sensações, na promiscuidade sexual sem responsabilidade, poderia justificar semelhante pretensão.

Na questão n.º 695, de "O Livro dos Espíritos", interroga Allan Kardec: "O casamento, ou seja, a união permanente entre dois seres é contrária às leis da Natureza?"

Resposta: "É um progresso na marcha da Humanidade." Na questão seguinte interroga o Codificador: "Qual seria o efeito da abolição do casamento na sociedade humana?"

Resposta: "O retorno à vida animal".

E Kardec comenta que a união livre e fortuita dos sexos pertence ao estado de Natureza. O casamento é um dos primeiros atos de progresso das sociedades humanas, porque estabelece a solidariedade fraterna e se encontra entre todos os povos, embora nas mais diversas condições. E acentua: "A abolição do casamento seria, portanto, o retorno à infância da Humanidade e colocaria o Homem abaixo mesmo de alguns animais que lhe dão exemplo de uniões constantes."

Todo anseio mal orientado de liberdade, ainda que pretendendo inspirar-se em nobres ideais, acaba por levar à manifestação de impulsos primitivos da personalidade humana. O amor livre é uma tentativa de retorno à poligamia, estágio superado da Evolução.

O verdadeiro amor jamais cogita da própria liberdade, pois realiza-se na felicidade do ser amado, em permanente doação. O casamento é um compromisso que lhe dá signiificado e objetivo. É o supremo crédito de confiança no outro; é a certeza que alguém com capacidade de fazer feliz outro alguém.

Ainda que estas considerações pareçam simples poesia, distanciadas da realidade; ainda que para muitos os compromissos matrimoniais representem apenas lutas, problemas, dificuldades e sofrimentos, devemos lembrar que o instituto da Família, selado pelo casamento, é a escola onde fazemos nossa iniciação nos domínios do Bem e da Virtude.

A comunhão fraterna que se estabelece entre o homem e a mulher que se decidem a enfrentar a vida juntos, ensaiando afeto e desprendimento, levando-os a conjugar o verbo de suas ações não mais na primeira pessoa do singular (eu), mas na primeira do plural (nós) ...

O misterioso e sublime amor que brota, espontâneo, em seus corações, ao receberem nos braços um filho, tornando-os capazes de todos os sacrifícios para dar-lhe sustento e garantir-lhe a vida ...

Todos esses valores, reunidos na bênção do matrimônio que transforma as paredes frias de uma casa em acolhedor lar, representam uma fecundação do Espírito para as realizações mais nobres, acelerando sua jornada evolutiva.

Podem surgir no reduto doméstico a dissensão e a amargura, o tédio e a mágoa, inspirando nos cônjuges a idéia de que sua ligação teria sido um lamentável engano, estimulando os menos avisados a procurarem a própria satisfação nos domínios do amor livre.

É preciso considerar, entretanto, que a grande maioria dos casamentos tem ascendentes espirituais e raízes no passado. As almas reunidas no lar para as experiências em comum são velhos conhecidos ...

Companheiros de delinqüência, inimigos, desafetos, vítima e verdugo, devedor e credor, são expressões usadas para definir as causas geradoras das situações do presente. Apresentam-se, na verdade, por pálidas indicações de inenarráveis tragédias e escuros dramas passionais ocorridos no pretérito, a determinarem o reencontro das personagens no lar para o necessário reajuste. E toda fuga representará sempre transferência do compromisso para o futuro, em regime de débito agravado.

E os que tiveram seus lares desfeitos, não obstante os reiterados esforços para manterem a integridade familiar? Será lícito procurarem nova experiência?

E por que não? A comunhão afetiva é alimento para a Alma, é precioso estímulo para árduas jornadas do Mundo. Assim como acontece em outros países, chegará o tempo em que o Brasil terá o divórcio, favorecendo corações lesados, com a bênção de novas esperanças.

É importante considerar, todavia, que toda experiência nos domínios do sexo, sem responsabilidade, sem antecipação do amor leal e sincero estabelecendo vínculos sérios com vistas a uma vida em comum, será sempre o retorno às tendências da animalidade, gerando intranqüilidade e desequilíbrio.

Em qualquer relacionamento humano, particularmente nos domínios do sexo, se esperamos alegria e paz, é preciso que o amor venha primeiro.

Richard Simonetti

COMUNHÃO SEXUAL
CONQUISTA DO PRAZER
PROBLEMAS DO SEXO
PROBLEMAS DO SEXO - MAIA
PROSTITUIÇÃO
O SEXO
SEXO E AMOR
SEXO E OBSESSÃO
SEXUALIDADE
VIDA E SEXO