APATIA

Se a atitude violenta, precipitada, pode levar a desastres de conseqüências lamentáveis, a apatia é sempre fator de desconserto e atraso na máquina do progresso.

Quase sempre a apatia tem origem no programa cármico do Espírito em prova. É decorrência de graves aflições e erros que não foram necessariamente corrrigidos pelo Espírito e ressumam do imo dalma como expressão deprimente, paralisante.

O apático é alguém que perde a batalha antes de enfrentá-la ...

Encontra-se em processo de evolução com o objetivo de vencer as injunções penosas, devendo investir grandes esforços pelo superá-las.

No estado de debilidade de forças a que se entrega e no qual se deixa paralisar, aprisionado nas teias da indolência, deve e pode romper todos os vínculos e reorganizar-se, iniciando o esforço, a princípio mentalmente, para depois tornar em ações a programática a que se deve submeter, engajando-se no compromisso reabilitador.

Facilmente, aquele que padece a constrição da apatia acomoda-se à situação, e, apesar de penosa, constitui-lhe uma forma de bem-estar, que leva à inércia, ao desequilíbrio.

Vida é ação.

Ação é movimento a ser empreendido para o bem e o progresso, de cujo esforço resultam as conquistas que impulsionam à felicidade.

Elimina, do teu vocabulário, as frases pessimistas habituais, substituindo-as por equivalentes ideais.

Não digas: "não posso", "não suporto mais", "desisto". Faze uma mudança de paisagem mental e corrige-a por outras: "tudo posso, quando quero", "suporto tudo quanto é para o meu bem" e "prosseguirei ao preço do sacrifício, para a vitória que persigo".

O homem transita pelos caminhos que elege, nos quais se compraz.

A apatia é doença da alma, que a todos cumpre combater com as melhores disposições.

Na luta competitiva da vida terrestre, não há lugar para o apático.

Receando o labor bendito ou dele fugindo, mediante mecanismos de evasão inconsciente, a criatura se deixa envenenar pela psicosfera mórbida da autopiedade, procurando inspirar compaixão antes que despertar e motivar o amor.

Nos estados apáticos, dão-se início os processos de auto-obsessão quanto da submissão obsessiva a Espíritos inconseqüentes, que se comprazem em explorar, psíquica, emocional e organicamente os que se lhes fazem vítimas espontâneas ...

Reage com vigor à urdidura da apatia, do desinteresse.

Ora e vence o adversário sutil, que em ti procura alojamento, utilizando-se de justificáveis falsas.

A lei do trabalho é impositivo das leis naturais que promovem o progresso e fomentam a vida.

Não é por outra razão que a tradição evangélica nos informa: "Ajuda-te e o céu te ajudará", conclamando-nos à luta contra a apatia e os seus sequazes que se fazem conhecidos como desencanto, depressão, cansaço e equivalentes.

Joanna de Ângelis