NO DIA DAS MÃES

Querida mãezinha Irene (Irene Casemiro Espejo, mãe de Gabrielzinho), meu pai Gabriel (Gabriel Espejo Martinez, pai de Gabrielzinho), aqui estou, rogando a Deus nos abençoe.

Não poderia deixar passar esta oportunidade sem lhes endereçar algumas palavras ao coração.

Junho está aí, assinalando 19 anos do meu renascimento espiritual (Refere-se à data do seu desencarne, ocorrido em 27/6/1974). Entretanto, nem o tempo, nem a minha transferência para cá alteraram o amor e a gratidão por vocês.

Por aqui, aprendemos muita coisa. Amar e servir. Perdoar e construir. Mas devo dizer que, entre tudo o que reúno hoje, aquilo que recebi de vocês é, ainda, o maior tesouro que trago.

Nossos corações permanecem unidos e vocês sabem disso.

O serviço ao próximo é a tarefa que nos vincula ao mesmo campo mental.

Caridade não é apenas a soma de oito letras resultando numa palavra vã. É a soma do amor e da ação, levando aos outros todo bem que nos seja possível.

Não apenas compaixão para com os que sofrem, mas ir ao seu encontro, levando o benefício ao nosso alcance .

Não apenas nutrir-se de conhecimento, mas levá-lo aos que ainda andam nas sombras da ignorância.

Sei que estas palavras, grafadas por um lápis ao qual vocês não estão acostumados, poderão gerar dúvidas e questionamentos (Todas as mensagens anteriores havia sido psicografadas pelo médium Francisco C. Xavier). Se isso ocorrer, consultem vossos corações, onde deposito o meu amor, e eles vos responderão com acerto.

Minha querida mãe, neste dia, dedicado aos anjos que no mundo chamamos de mãe, quero beijar-lhe as mãos, transmitindo todo meu afeto e reconhecimento. Você bem sabe que, pelo fio do pensamento, permanecemos unidos.

Nossa irmã Rose (Rose M. Machdo Souto Ferreira estava presente a reunião) está presente e beija sua mãezinha, assim como nosso irmão Olavo ( Olavo Machado, esposo de Daisy), que deixa à querida Daisy (Daisy J. Machado, dirigente do Centro Espírita Allan Kardec) o abraço esperado.

O tempo acabou, mas estejam certos de que todos continuamos juntos, abraçados aos ideais renovadores do Evangelho.

Mãezinha Irene, meu pai Gabriel, recebam o abraço do sempre seu,

Gabrielzinho (Gabriel C. Espejo)