A CORTINA DO TEMPO

INTRODUÇÃO

Desce, suavemente, a cortina do tempo, neste entardecer de luzes e cores outonais, fechando um novo ciclo de atividades... Há murmúrios de vozes de gente apressada buscando a condução para o regresso ao lar. Outros caminham sem rumo, aturdidos, ainda, pelos problemas sem solução, receosos de retornarem à realidade da vida. Jovens caminham em direção ao centro urbano ou para a reunião com os amigos. Muitos se esquecem em bancos do jardim, sem pressa de voltar para a solidão de seus dias, mas, mesmo assim, tocados pelos últimos reflexos do sol que declina no horizonte. Há uma suave magia em cada entardecer...

Como acontece em nossas vidas, há, neste momento, um encantamento nostálgico que nos leva a reflexões e evocações dos tempos que não retornam mais...

Sempre associei a vida aos ciclos da Natureza, manhã, tarde, noite... As horas vão passando sem nos darmos conta do quanto vivemos ou quanto ainda viveremos neste dia, neste tempo, nesta busca incessante que é a vida de todos nós.

Observamos que a manhã ressurge com tanta luz que nos ofusca a visão se nos detivermos apenas a contemplar o céu. Há encantamento e cores em profusão que se misturam com os sons que retumbam na anarquia dos cantos, das vozes, dos roncos dos motores que movimentam os carros em correria no alvorecer... Recomeça um novo dia, abrindo um novo ciclo no calendário do tempo.

Ao entardecer, o movimento desacelera seu ritmo e há como uma pausa no turbilhão das coisas que se sucedem ou que já aconteceram ao longo do dia... No horizonte perduram, ainda, os matizes coloridos nas nuvens que se movimentam mais devagar. O sol vai descendo, aos poucos, escondendo-se na montanha azulada e um suave langor envolve a cidade, levando-nos a meditar com maior intensidade na contemplação da Natureza que interage sobre nós.

As luzes deste entardecer me levaram a pensar como seria bom para todos se nos sentíssemos sempre assim, lânguidos, serenos e receptivos aos sons e ao encantamento neste ocaso da vida... Mas sei que não é possível esta serenidade íntima em todos os momentos, quando borrascas e ventanias sacodem a Natureza, alterando os sons e ensombrando as luzes...

Na vida do ser humano ocorre uma alternância de luzes e sombras, encontros e desencontros, chegadas e partidas que mudam as emoções, os sentimentos... O ser humano busca por meio de algo em que possa acreditar e se apegar - o amor e o sonho, a ilusão e a esperança.

A mensagem e o encantamento que a vida demonstrou a cada momento para mim, desejo repassar para você, querido leitor, na certeza de que as luzes deste entardecer possam colorir seus dias, amenizar sua angústia, tirá-lo da solidão e mostrar que tudo podemos se temos fé e confiança em Deus e em nossa destinação espiritual.

Existem momentos de solidão, de dor, de desafios que nos assustam...

Outros de esperanças, de aprendizado, de apoio fraterno e companheirismo que nos sustentam.

Outros, ainda, de comodismo e indiferença quando nos colocávamos em repouso, procurando restaurar as forças perdidas nas lutas e nos embates físicos. Contudo, foi necessário delinear com clareza os limites destas pausas para que não nos perdêssemos na ociosidade ou na insensatez que poderiam nos distanciar dos deveres assumidos junto à família e ao Movimento Espírita.

No entardecer da vida, neste outono matizado pelas luzes que ainda perduram em meus dias, quero mostrar como é benéfico para nossas almas acreditar na recuperação do ser humano, na redenção dos que buscam acertar e no poder cicatrizante do amor e do perdão quando aplicados nas feridas da alma.

Não creio limitar meu pensamento e minhas reflexões apenas para os que, como eu, já atingiram o outono ou o inverno da vida. Espero que os mais jovens possam encontrar também algo que os anime a viver, a refletir na beleza da Natureza, no poder da fé e do amor.

Se estamos chegando ao cais para a grande viagem da libertação, fechando também um ciclo em nossa viagem, os jovens e os que estão ainda atravessando a maturidade deverão prosseguir preparando um mundo melhor para os que retornam, pleno de paz e de esperanças...

E a vida continua nos diversos ciclos que se sucedem....

Manhã, tarde e o anoitecer... Todos com suas nuances e oportunidade de crescimento para todos aqueles que buscam, em Jesus, o roteiro sublime da redenção espiritual.

Juiz de Fora -MG LUCY DIAS RAMOS