A POESIA E O SOFRIMENTO

A POESIA E O SOFRIMENTO

É que na minha memória fique esta vida bem viva, para contar minha história de mendiga e de cativa e meus suspiros de exílio. Porque há doçura e beleza na amargura atravessada e eu quero a memória acesa depois da angústia apagada. Com que afeição me remiro.21MEIRELES, Cecília. Poesia Completa. Vol. I, p. 472.

Analisando os versos da poetisa e de tantos outros que vivenciaram momentos de dor e souberam gravar por meio da poesia fatos inesquecíveis que marcaram suas vidas, encontramos sempre o elo inseparável do sofrimento e do sentimento de perda que eles souberam imprimir com beleza e serenidade.

Podemos afirmar que o sentimento de renúncia e a capacidade de transformar em versos a dor que os oprime coloca-os em condição privilegiada na vida terrena, sem mitificar sua posição espiritual e sensibilidade ante o mundo, enaltecendo o mérito e valores já conquistados moralmente.

Sinto muito presente em minha vida os versos de alguns pensadores e poetas que me ajudaram a vencer dificuldades, que amenizaram momentos de angústia e dores acerbas. Daí meu sentimento de gratidão a inúmeros deles, sejam seus versos psicografados por Chico Xavier, como os de Auta de Souza, Maria Dolores, sejam os de Cecília Meireles que tocam meu coração, ou os pensamentos de Tagore, de Amélia Rodrigues, na psicografia de Divaldo Franco... Todos eles caem como gotas de orvalho em meu coração ressequido quando a dor visita minha alma em momentos de incompreensão e de desafios existenciais.

Quando iniciei esta conversa com você, querido leitor, acabara de ter os versos acima de Cecília Meireles, que me faz companhia há tantos anos, mesmo sem que ela saiba. Todavia esse é o destino dos poetas, dos escritores, dos comunicadores que expressam sua arte - chegarem tão perto de seus leitores, serem acolhidos com afeição, às vezes até veneração, e muitos deles não se darem conta disto, por ser impossível estar tão presente cm tantos lugares há tanto tempo, por meio do pensamento, mesmo aqueles que já estão em outra dimensão de vida.

Por entender que a vida com poesia fica mais amena e se foi na mais gratificante, é bom, de quando em vez, aprofundar-mo-nos um pouco mais nas belezas com que os poetas se expressam... Convido-o a buscar o melhor entendimento e expressão destes versos - que na minha memória fique esta vida bem Viva, para contar minha história —, neles Cecília Meireles busca retratar sua experiência, mesmo sofrida, memorizando a como indicador para, nos dias futuros, evitar novos desenganos, e sinalizar para os que a lêem como agir nesta travessia sem erros e com mais serenidade íntima.

Não vivemos apenas no presente. Podemos nos colocar fora do tempo atual, mentalizando nosso passado ou nos projetando no futuro. É uma característica do ser pensante. Podemos dizer que a memória não registra apenas nosso passado. Ela é a depositária de nossas lembranças, de nossos sonhos, de tudo o que é significativo para o nosso presente. E podemos utilizá-la como referência para nosso progresso moral, evitando incorrer nos mesmos erros e ajudando-nos a vencer nossos temores e conflitos.

"Porque há doçura e beleza na amargura atravesada e eu quero a memória acesa depois da angústia apagada." — Quem tem a sensibilidade de acolher estes versos e lembrar os momentos de dor atravessados, dos quais podemos colher instantes de rara beleza e mesmo nuances de paz quando visitados pelos fios invisíveis do amor de Deus, que atende nossas súplicas, entende seu desejo de guardar na memória a vida bem viva e de manter acesa esta lembrança depois que a dor e a amargura se dissipam. É um compromisso do poeta para com a vida, sobrepor-se ao sofrimento e relatar sua experiência para que outros se beneficiem de tudo que ele apreendeu, de tudo que sofreu...

"Com que afeição me remiro" - diz a poetisa - feliz ao resgatar por meio da dor o que a oprimia e sentindo a liberdade dos que sonham e fazem de suas vidas exemplos de renúncia e, generosamente, compartilham seus momentos de encantamento e privacidade.

Pessoas assim já estão no limiar de uma nova vida, vivem nos dois planos existenciais - o material e o extrafísico - na condição de exilados das regiões mais sutis que o pensamento os leva a contemplar. Percebem nuances e detalhes em tudo que os cerca, como poucos conseguem ver - seja no orvalho que tremula na folha ressequida ao amanhecer, seja na dança das nuvens no entardecer, ou no espelho das águas do lago que retratam a beleza do céu, das árvores que o circundam, no sorriso triste do ancião e no beijo frio da menina pobre que recebeu seu olhar e sua bondade... O poeta percebe como ninguém a beleza da vida, a bondade de Deus, o poder da renúncia e do perdão. Quase sempre incompreendido, não tem pressa e aguarda sabiamente que os outros também saibam contemplar a vida e possam sentir a poesia das coisas...

Tive a felicidade, na minha juventude, de conhecer poetas sonhadores com este mundo de paz e encantamento, um em especial acompanhou de perto meu ingresso no Movimento Espirita como "orientador" da Mocidade Espírita da que eu participava na saudosa Barra do Pirai. Sebastião Lasneau é o seu nome, e prossegue pela mediunidade de Raul Teixeira a nos beneficiar com seus versos e indicar o roteiro seguro para nossas vidas, sob as luzes do Evangelho de Jesus.

O maior de todos os poetas foi Jesus, que lecionava a mais profunda filosofia de vida - o amor - com exemplos simples da Natureza e do cotidiano dos homens, como o grão de mostarda, a beleza do mar, a riqueza do trigo, a semente a brotar em terra Fértil, os peixes na rede, dourados pelo sol do entardecer, a simplicidade da criança, os caminhos floridos de Betânia e, mesmo na cruz, encontrou no gesto do perdão a sublime experiência da amargura atravessada e superada como legado maior aos Que viriam depois dele e entenderiam que o sofrimento é companheiro dileto dos que amam e sabem compor versos para minimizar as agruras dos que sofrem, ofertando o coração como setas de luz no caminho dos homens.

Se você, meu amigo e irmão, companheiro de ideal, sabe compor versos, distribua-os com generosidade para os que caminham a seu lado, fale do seu amor, de sua vida, de suas experiências e estará semeando flores de renúncia, de perdão, de estímulo e alegria de viver, o que certamente o fará feliz mesmo nos momentos de dor... Porque na vida dos poetas, sob a análise fria de alguns, tudo é incoerente, porém para muitos sinaliza o roteiro seguro para alçar voos mais altos aonde a sensibilidade os possa levar. Para eles não se conta apenas o tempo quantitativo, prevalecendo em suas memórias mais fortemente o tempo qualitativo, que deixa marcas indeléveis.

Se possível for, desejo que você possa mentir, como a poetisa, o valor real do tempo:

"E que na minha memória fique esta vida bem viva para contar minha história de mendiga e de cativa e meus suspiros de exílio".22

LUCY D. RAMOS