AMOR - LEI DA VIDA

AMOR - LEI DA VIDA

O amor é a essência da vida.

"Deus é amor", acentuava o apóstolo João, imbuído da certeza de que somente por meio deste sentimento o homem poderá vencer a si mesmo e ao mundo. À medida que assimilamos e vivenciamos o amor, vamos nos aproximando cada vez mais do Criador.

Estamos imersos neste amor causal da evolução nos dois planos da vida - material e espiritual. Essa força criadora que tudo governa, desde o macrocosmo aos micro-organismos do mundo, exerce sua atração mecânica, estabelecendo a harmonia em tudo o que existe no Universo. Nós, que habitamos o planeta Terra, ínfima parcela deste Universo, estamos, ainda, msaiando os primeiros passos na compreensão deste amor imensurável que provém da Criação Divina. Jesus nos ensinou 0 caminho da redenção espiritual que nos conduz ao amor mais pleno e nos proporciona uma assimilação maior desta fonte inesgotável donde provêm as energias vitalizantes destinadas ao nosso equilíbrio físico e mental.

Vivemos num mundo de ondas e vibrações. Exalamos e inalamos fluidos que se afinam com o nosso mundo íntimo, expresso através dos nossos sentimentos e por eles caracterizados. Nosso pensamento é força criadora que plasma e constrói nosso futuro. A vivência do amor satura o íntimo de sentimentos nobres, altruístas e nos faz receptivos a energias positivas e criadoras do Universo.

O pensamento, que é a manifestação de nossos ideais e retrata nosso mundo interior, tem sua origem no Espírito eterno e, certamente, irá refletir em nosso exterior, de forma saudável ou negativa, o que pensamos, como agimos e reagimos ante os desafios do caminho.

A educação do pensamento é essencial em nosso processo evolutivo e na busca das soluções dos problemas diários, no enfrentamento das dificuldades em nossos relacionamentos, na harmonização de nossa vida orientada pelas diretrizes das lições do Evangelho de Jesus.

Em torno de nós a harmonia predomina na Natureza, nas leis de equilíbrio da vida, como orientações ao nosso desenvolvimen¬to moral e espiritual, emoldurando nossas vivências com as bele¬zas que cantam em toda a parte a nos indicar o roteiro seguro, na edificação do bem maior em todos os momentos.

Cabe a cada um de nós desenvolver essas potencialidades e educar nossos sentimentos para que o nosso pensar seja claro e objetivo, coerente com os padrões éticos preconizados pela moral cristã.

Refletindo acerca do amor em nossas vidas, podemos dizer que ele habita nosso mundo interior quando:

• Beneficiamos nosso próximo sem aguardar retribuição.

• Perdoamos sem condicionar nosso gesto ao arrependimento do agressor ou sua consideração para conosco.

• Ajudamos aos caídos do caminho, sem preconceitos ou exigências de mudanças em suas vidas.

• Compreendemos a ingratidão dos que amamos sem nos tornar amargurados ou descrentes.

• Renunciamos em favor dos outros nossas facilidades e oportunidades sem cobrar atenções ou gestos de gratidão.

• Somos indulgentes sem proclamar nossas virtudes.

** Somos humildes sem subserviência ou revolta íntima.

• E temos em nosso coração a alegria de viver em paz, agradecidos a Deus por tudo que recebemos da vida.

Para nós que já percorremos uma longa vida e já adentramos na maturidade física, buscando a espiritual, talvez seja mais fácil agir como enumeramos acima, mesmo assim é árdua estrada da redenção espiritual.

Somos meros aprendizes do Evangelho de Jesus! Entretanto, se perseverarmos no bem, veremos que nossos hábitos irão se consolidando e estaremos, no futuro, agindo naturalmente com equilíbrio e bom senso.

Na história das civilizações encontramos exemplos de abnegados apóstolos do bem exercitando o amor e influenciando benéficamente o pensamento daqueles que os seguiam. Eles nos apontam os caminhos, encorajam-nos a prosseguir nas lutas redentoras, edificam com seus gestos de amor o alicerce sublime de uma nova era de paz e fraternidade a que todos estamos destinados.

Todos nós trazemos em nosso mundo íntimo a centelha divina desse amor. Se ainda não o sentimos ou o sufocamos nas sombras do egoísmo e do orgulho, estamos retardando nosso progresso moral.

Joanna de Angelis nos diz que:

A harmonia que predomina no Universo igualmente se encontra no ser humano, que momentaneamente está em desenvolvimento dessas belezas que cantam em toda parte, emulando-o ao avanço sem repouso, ao trabalho sem fadiga, à edificação do melhor em todos os momentos.

Não esmorecer, portanto, ante os desafios do caminho, ante as incompreensões dos que estão ao nosso lado, ante os desenganos que tantas vezes nos levam ao desejo de tudo abandonar e perder os ideais acalentados ao longo dos anos, no esforço incessante de alçar vôos mais altos sem nos darmos conta de que nosso lugar é aqui mesmo e nosso momento é este, o agora, na concretização de nossos deveres e compromissos.

Trabalhar sempre, sem pausas inoportunas ou descansos descabidos que nos distraem e perturbam nossa caminhada, retardando-nos o avanço, mas sobretudo buscar nas realizações enobrecedoras o motivo real de nossas vidas em seu sentido mais amplo, enriquecendo nossas horas com as luzes do amor que habita os recônditos de nosso ser imortal.

Edificar nosso mundo íntimo com os alicerces do amor, sol em nossas almas, impulsionando-nos aos gestos mais nobres e às realizações sublimes da generosidade, do perdão, da compreensão e da tolerância, vivenciando-as em todos os momentos de nossas vidas, seja no lar, na casa espírita, na sociedade, exemplificando em cada momento a nobreza de ser parte deste Universo imensurável que é o Amor Divino, que a tudo comanda e a tudo provê.

Agindo assim, estaremos realmente imersos neste Amor que é a essência da vida, e nosso entardecer será mais iluminado com as cores da esperança e da plenitude íntima.

Lucy d. ramos