AS VERTENTES DA FELICIDADE

AS VERTENTES DA FELICIDADE

Segundo o pensamento da benfeitora espiritual Joanna de Angelis, há duas vertentes para se alcançar a felicidade: a dor que regenera, liberando do caos em que cada um se atirou, e o amor que santifica, alçando as emoções libertadoras.

Neste processo de libertação e de crescimento espiritual que Joanna classifica como sofrimento bem aceito ou do amor vivenciado com abnegação, o ser humano atinge um estágio no qual, mesmo sofrendo, consegue prosseguir sem esmorecimento, aliviando as dores alheias.

Vamos, de estágio em estágio, maturando nossas emoções, buscando apurar a sensibilidade ante tudo o que nos cerca. A dor se faz menos intensa e a solidão se afasta quando procuramos minorar as dificuldades dos que nos buscam ávidos de orientação, desejando esclarecer seus sentimentos e seus pensamentos a fim de encontrar novos rumos para caminhar com mais segurança e determinação.

Na solidão das horas que se alongam neste dia, busquei você, querido leitor, para dispersar um sentimento de tristeza que tentava dominar meu mundo íntimo. Estando a sós, muitas vezes, nos esquecemos de que podemos ser úteis se buscarmos a companhia dos que sofrem mais do que nós. Escrevo com a intenção sincera de aliviar meu coração e de fazer chegar até o seu os sentimentos bons que a vida me propiciou nos momentos de dor, pelos benefícios assimilados na riqueza do conhecimento espírita, na contemplação da Natureza que busco entender e amar, e, principalmente, nas lições de Jesus - sempre a nos convidar para o caminho do amor, onde nunca estaríamos sós.

Da janela de meu escritório percorro com o olhar a vastidão do horizonte, que nesta primavera de flores e encantamento é um convite à vida e ao amor. As luzes do entardecer douram as árvores e iluminam o caminho dos transeuntes apressados e dos viajantes em seus carros velozes, contrastando com a tranquilidade das pessoas que transitam no jardim ou se aquietam nos bancos, com o olhar perdido sem se fixarem nas flores perfumadas ao seu lado... Crianças brincam distraídas no parquinho, e suas vozes e risos enfeitam a praça e alegram o ambiente. É difícil não sentir saudades numa tarde assim, tão familiar e tão vibrante que me faz recordar outros momentos em companhia dos que já não estão a meu lado...

Mas neste sentimento de dor e saudade posso, conversando com você, procurar um momento de reflexão, no qual nossos sentimentos se mesclem - o meu com a dor da separação e o seu, quem sabe, similar ao meu na busca de apoio ou em estágio mais profundo de sofrimento, fazendo com que eu sinta nesta oportunidade a grandeza do amor de Deus tocando o íntimo de meu ser e fazendo chegar ao seu coração a luz da compreensão e da generosidade.

As lições incomparáveis que a dor nos propicia, no exercício da paciência, do perdão, da compreensão, da fé e da gratidão aos que nos confortam, nos faz entender que o próximo degrau a galgar nesta caminhada é buscar no amor o alicerce sublime para novas conquistas e enfrentamento de novos pesares ao longo da vida. Quando estamos preparados para este estágio evolutivo, podemos caminhar sob o peso de novas responsabilidades e em condições de padecer novas dores.

Porque assim compreendendo, iremos sofrer menos e estaremos tão envolvidos com a dor de nosso próximo que não teremos tempo para reclamar o peso de nossa cruz.

Joanna de Angelis nos ensina que, quando a dor nos regenera e o amor nos purifica o coração, já estamos em condições de minorar o sofrimento alheio, e nos diz:

Quanto mais abnegado, mais fardos pesados carrega, ensinando como se pode ser feliz, sem a necessidade de acumular coisas, de fruir prazeres contínuos, de desfrutar de saúde e de receber aplausos, valores que o mundo estabelece como únicos, mas que, em realidade, são apenas meios para novos empreendimentos iluminativos.

Como detentores do conhecimento do Evangelho de Jesus, ie huscarmos realmente sua vivência, incorporando-o em nosso modo de ser, de agir, no trato com os sofredores, com os que nos buscam nos labores espíritas e principalmente nos familiares difíceis - cobradores e fiscais prestimosos - a nos indicar onde precisamos mudar e melhorar, estaremos prontos para alcançar a verdadeira felicidade, que se distingue pelo prazer de servir, pela paz da consciência e pela serenidade íntima em momentos de dor e solidão.

Mas são raros os momentos de solidão se estamos prontos para ouvir o chamamento de Tesus no socorro aos que sofrem. E agora que estou quase encerrando nossa conversa, já me sinto melhor, mais encorajada a prosseguir, mesmo estando só nesta tarde de tantas recordações e rara beleza.

Há em todos os seres uma centelha deste amor divino que nos concita ao perdão, ao despojamento e a prosseguir sem esmorecer, mesmo sentindo no cerne da alma esta sensação fugidia de que não somos mais tão fortes fisicamente e verificar que o corpo, às vezes, não acompanha as ânsias da alma em seu desejo de lutar e vencer as dificuldades do caminho, na concretização de nossos deveres e projetos de um mundo melhor. Resta-nos, mesmo assim, no ocaso de nossas vidas aqui na Terra, a fé iluminando nosso raciocínio e a luz do amor suavizando nossos sentimentos.

Compreendendo quanto temos necessidade do amor em nossas vidas, necessário se faz que, possuidores desse sentimento irrestrito e catalisador de energias positivas, saibamos exteriorizar esta força além das fronteiras do nosso eu, libertando-o e libertando-nos na busca da felicidade real.

Assim pensando, busco-o neste desejo sincero de repassar o que sinto e dizer quanto amo a vida, as pessoas que estão a meu lado, mesmo as distantes, que um dia se foram sem motivo, a Natureza que me envolve em fluidos de paz, aos que já não estão comigo, tendo encerrado seu ciclo de vida na Terra, mas presentes pelos elos do amor que não se rompem, amo a Deus e este amor imensurável me faz feliz, mesmo sofrendo, como diz o poeta em seu hino de louvor: "escondido estás no verde das florestas, nas aves em festa, no sol a brilhar... Quando a dor me consome, repito seu nome e mesmo sofrendo eu posso cantar...".

0 amor é luz que clarifica as sombras dos sentimentos conturbados e perturbadores. O amor é balsamo que suaviza as dores que crucificam os seres distanciados da fé e da resignação. 0 amor é alavanca sublime que ergue os caídos, é sustentáculo na defesa dos excluídos no mundo de preconceitos cruéis, é libertação do ser humano das algemas do ódio e da violência.

Sendo as vertentes da felicidade - o sofrimento que nos redime e o amor que nos purifica - saibamos aproveitar todos os momentos de nossas vidas transformando nossas experiências em suportes nesta caminhada evolutiva, transformando nossas maiores aspirações em conquistas reais e enobrecedoras.

Amando estaremos vivenciando o aprendizado que nos enriquece o ser sob as luzes consoladoras do Espiritismo, conscientes do sentido existencial de cada um de nós, na busca da verdade que se descortina a cada etapa vencida, a cada degrau atingido nesta escalada em que todos nós nos empenhamos rumo à nossa destinação espiritual.

Amorterapia, portanto, é o processo mediante o qual se pode contribuir conscientemente em favor de uma sociedade mais saudável, logo, mais justa e nobre. Essa terapia decorre do autoamor, quando o ser se enriquece de estima por si mesmo, desdobrindo o seu lugar de importância sob o sol da vida e, esplende de alegria, reparte com as demais pessoas o sentimento que o assinala, ampliando-o de maneira vigorosa em benefício das demais criaturas.

LUCY D. RAMOS