CAMINHOS DA VIDA

CAMINHOS DA VIDA

Caminhos, sendas, trilhas e estradas que se cruzam ao longo da vida...

Os caminhos são delineados para cada um de nós em nossa programação reencarnatória, todavia, suas demarcações, seus extensos ou breves roteiros, suas mudanças são frutos do livre--arbítrio e de nossa conduta aqui na Terra.

A bússola direcional está ínsita na consciência ética de cada ser.

Observando os caminhos, verificamos quanto são diferentes em suas formações, traçados e roteiros. Na cidade, as estradas modernas feitas pelo homem, buscando sua integração e seu intercâmbio no mundo civilizado, se apresentam áridas e, apesar do intenso movimento, muitas vezes, são trilhas de solidão e insegurança. Os caminhos feitos pela Natureza sob o traçado do caminhar de seus transeuntes, sulcados ao longo dos anos, são rústicos e não obedecem às linhas da engenharia moderna, entretanto, são mais expressivos e nos convidam a maiores reflexões... Distantes das cidades, em algum lugar mais ermo, em roças humildes ou fazendas modernas, os caminhos se assemelham pela singeleza de suas linhas, pela vegetação que delimita suas curvas, pelo chão de terra, com tonalidades variadas, sempre marcados por pés descalços, botas sertanejas, rastros de animais ou sulcos de carroças e carros, deixando trilhas indicativas dos rumos tomados.

Gosto de observar os caminhos da fazenda e me perco em cogitações que me levam a refletir nos mistérios da vida de quantos por ali passaram... Existe um, em particular, que me chama a atenção pela beleza das árvores que o circundam, pela singularidade da curva que o separa de mim, ocultando-me o que poderá ocorrer além deste caminho. Ela poderá significar a distância daquele que parte, a chegada de alguém ou, ainda, demarcar a solidão da ausência dos que não poderão mais cruzar esta dimensão, acercando-se de nós...

Quantos já o percorreram?

Quantos corações ansiosos aguardaram o regresso de alguém através desta estrada?

Quantos sentiram a tristeza de ver partir os que se foram para nunca mais regressar?

Quando penso em caminhos, os vejo amplos, infinitos, estendendo-se além dos limites de minha imaginação... Os atalhos são imprevisíveis, às vezes perigosos... Encurtam distâncias, mas fogem, muitas vezes, ao roteiro traçado.

Para nós cristãos existe um caminho seguro ensinado por Jesus. "EU SOU o caminho..." Nem sempre fácil, nem sempre risonho e florido, mas o único apropriado a nos conduzir fielmente na conquista do crescimento espiritual.

Seguir Jesus é prosseguir para todo e sempre na estrada ilimitada e ampla das conquistas imperecíveis do Espírito imortal.

Segui-lo é renunciar às vãs ambições da posse, das quiméricas aquisições que não transpõem o túmulo. Permutar os limites do que se toca pelo horizonte sem-fim das realizações espirituais. É ter sem deter. Possuindo sem dominar.

Se pensarmos em um caminho digno e nobre para acelerar nosso desenvolvimento moral, é certo que o encontraremos por meio do amor. Não há corações que não se enterneçam ao toque do amor. Por isso, os caminhos dos que amam, mesmo que sejam ásperos e difíceis, com óbices dificultando a marcha, serão sempre perfumados pelas flores do perdão, da generosidade e da ternura.

Caminhos, trilhas, sendas e atalhos que se cruzam e que se perdem nas curvas da ilusão, da desesperança e do desamor... Se amo, supero as pedras do caminho, enfrento as dificuldades do transcurso áspero e difícil porque meus olhos veem além da curva que nos separa do termo da chegada. Meus sonhos e desejos de alcançar o porto final dão-me alento e coragem para prosseguir...

Que de mais seguro existe para nós nas trilhas da evolução? Certamente seguir o roteiro sinalizado pelo Mestre Jesus.

Embora as estradas da terra jazam em abandono pelo descaso de muitos, sem esperança e sem solidariedade, não poderemos nos omitir ante a obra de regeneração proposta por Jesus e consolidada nos ensinamentos espíritas.

"' FRANCO, Divaldo P. Luz do mundo. P. 93.

Acendamos a luz da esperança e busquemos o sol deste alvorecer que nos convida a prosseguir.

Há flores no caminho, aguardando os homens que estejam dispostos a vencer as distâncias emocionais e espirituais que os separam, a conquistar os espaços morais. O convite é o mesmo que ontem. Ele nos fez e agora nos chega sob ótica nova, profunda, compativel com a época em que nos encontramos.

Decisivo, é penetrante; atual, é libertador !

LUCY D.RAMOS