DIÁLOGO FAMILIAR

DIÁLOGO FAMILIAR

A chuva caíra durante toda a noite encharcando o vale e a capineira... Nas encostas dos morros vizinhos podia-se ver, ainda, pequenas poças de água que escorriam silenciosamente...

Em torno da casa o gramado refletia as luzes do amanhecer nas gotas de chuva que salpicavam nas hastes mais longas do capim, balanceando-se sob o influxo da brisa matinal... O céu azulado carregava nuvens esbranquiçadas lembrando embarcações com destino ignorado, içando suas velas rumo ao infinito das horas... Os pássaros estavam inquietos e voavam em bandos, pousavam de quando em vez nas árvores e, movimentando os galhos, faziam descer como fios de prata as águas retidas em suas folhas... Do solo molhado chegava até nós o cheiro de terra, de flores silvestres, trazendo-nos à lembrança outros tempos, outras manhãs de verão. Tudo em volta lembrava o renascer de um novo tempo, de novas esperanças...

Meu coração, entretanto, estava ressequido e sem a costumeira paz que acompanha meus dias neste outono da vida... Estranhos pensamentos invadiam minha mente, ensombrando meu ser. Tentava reagir olhando tanta beleza em torno de mim, mas retornavam os mesmos e constantes apelos à tristeza, ao desânimo... A terra amanhecia de alma lavada após a chuva que se abatera sobre ela, mas minha alma não conseguia emergir daquele mundo de sombras e tristes pensamentos...

Pus-me a orar, erguendo meus olhos até a mais alta montanha, distante e azulada, onde os raios do sol já projetavam luz e vida. Consegui pensar na grandeza de Deus e assim me senti melhor e comecei a refletir nas causas que me levaram a tanto desalento e lembrei-me de você, meu filho.

Voltando a um tempo distante, revi você cavalgando na capineira que estava diante de mim... Você era ainda um adolescente, tão forte e de feições tão perfeitas, cabelos revoltos ao vento, que corria em minha direção mostrando seu cavalo; habilidade e força competiam com sua coragem e juventude...

Tão distante esta fase de nossas vidas, como me sinto hoje, com você tão ausente, embora perto fisicamente... Fiquei recordando os momentos em que conversávamos sobre o futuro, dos planos, seus desejos e projetos...

Havia muita confiança e semelhança entre nós - aquela mesma insegurança ou timidez que escondia nossa coragem em enfrentar desafios, nossa insatisfação ante um gesto de Injustiça, nosso desapego às coisas materiais e até mesmo um certo desprezo pelos que se debatem com lutas tão injustiçadas para possuí-las.

O tempo muda tanto as pessoas ou somos nós que mudamos o tempo, usando nossas disposições como veículos inadequados à viagem da vida?

Na sua maturidade, atualmente, já não descubro aquele jovem de outrora, de olhos sonhadores e alma desnuda como a terra molhada que a água da chuva lavou, levando detritos, removendo impurezas...

Foram difíceis seus dias. A luta tem sido árdua neste atalho que você escolheu, distanciando-o da estrada larga e promissora em que deveria ter permanecido...

Mesmo assim, não deixe que as dificuldades materiais, os embaraços e as lutas do dia a dia sufoquem seus ideais enobrecedores. Reaja e lute pelo ideal de sua vida.

O amor é sempre responsável. Amando, você se sentirá sereno e estará semeando em torno de você o entendimento, a paz, e as aspirações mais nobres poderão se tornar realidade, condizentes com sua condição de filho de Deus.

As lutas íntimas serão sempre travadas no silêncio de suas horas de reflexão. As batalhas externas são as mais fáceis de ganhar, contudo as que travamos em nosso mundo íntimo são as mais penosas e difíceis. Não desanime. Estas requerem muita renúncia, coragem e abnegação.

Repila com veemência os pensamentos materialistas que o levam a menosprezar as melhores aspirações de seus sentimentos religiosos como se a alma estivesse destinada ao aniquilamento após a morte física... Não menospreze os ensinamentos que procurei semear em seu coração para que lhe servissem de apoio na vida adulta, minimizando as dores de seu espírito necessitado de amor e compreensão...

Não seja alheio ao sofrimento dos que estão caminhando a seu lado... A solidariedade é a alavanca da paz e do progresso moral da Humanidade e você faz parte dela.

Observe aqueles que sempre estiveram a seu lado, dando todo o suporte para que sua vida fosse menos árdua e não lhe faltasse o essencial. Procure desenvolver em seu coração o sentimento de gratidão que é uma virtude rara, mas muito im¬portante para que tenhamos serenidade íntima.

Não desanime. Olhe para trás e veja quantos obstáculos você já conseguiu superar e quanto já cresceu. Mantenha puros seus lentimentos e aprenda a perdoar. E um exercício constante esse aprendizado que nos torna menos egoístas e mais solidários.

Hoje, neste diálogo familiar, que desnuda minha alma an¬te o desejo de ajudá-lo, busco na prece o apoio de que neces-lito. Procure manter-se tranquilo e ter em sua vida a bênção de Deus que, certamente, melhor do que eu, sempre o amou e sabe quanto você merece para prosseguir vencendo suas luzes e dificuldades.

Rogando a este Deus de Amor que o abençoe, sua mãe.

LUCY D. RAMOS