FILOSOFIA DO OTIMISMO

FILOSOFIA DO OTIMISMO

Da janela do meu escritório, vislumbro nova paisagem, bem diversa da que me acostumei a admirar em nossa antiga moradia... Contornando nosso bairro, como um muro de veludo esverdeado salpicado de flores, neste outono de tantas luzes e cores, observo a solidez da montanha à minha frente... O dia ainda se alonga neste entardecer e fico pensando na vida de todos nós entremeada de lutas e dores, de alegrias e momentos de paz. Busco na Natureza que me envolve a serenidade, o refúgio onde meu mundo íntimo se acalme e meu pensamento se ordene no objetivo que me leva a escrever para você, querido leitor. Assim, procuro levar até seu coração o que sinto, o que posso de melhor oferecer deste conhecimento que a vida nos legou, enriquecida pelas luzes da Doutrina Espírita, abençoada pela fraternidade e o amor dos que me cercam.

A montanha que delimita minha visão não impede que eu descubra atrás de sua forma compacta o que se passa além de seus limites. Ela é justamente o ponto de referência do obstáculo maior a vencer, da necessidade urgente de me deslocar sobre suas árvores floridas e voar rumo ao infinito, onde, certamente, terei a amplidão do longo caminho a percorrer, nessa trajetória, buscando o crescimento espiritual.

Você já notou como surgem em nossas vidas impedimentos e entraves a este crescimento?

Como é difícil sobrepor tais empecilhos para alçar vôos mais altos na conquista dos valores imperecíveis do espírito imortal?

É realmente difícil. No mundo moderno parece-nos que tudo conspira contra este desejo de melhoria íntima e de crescimento espiritual. Difícil, mas não é impossível. Tudo dependerá de nosso esforço, de nossa capacidade de alçar este vôo de qualidade, de bom senso, de desejo real, na concretização deste ideal enobrecedor - nosso desenvolvimento moral.

Acomodar é mais fácil. Lutar contra tantos obstáculos vai exigir de nós muita perseverança e tenacidade. Mas esse é o caminho de nossa felicidade e de nossa paz.

Emmanuel nos leciona que:

Se crises dessas te amarfanham a sensibilidade, não esmoreças e suporta com firmeza a tempestade espiritual em que te vejas, sem desertar do posto de serviço em que a sabedoria da vida te situou. Provavelmente, agora não percebes os fios invisíveis que entretecem as ocorrências para o bem, no entanto, se permaneces fiel ao próprio dever, agindo e servindo, em tempo breve, reconhecerás, muito embora as provações sofridas, que a Lei de Deus, em nosso benefício, faz sempre o melhor.15XAVIER, Francisco C Amigo. P. 35 e 36.


O Benfeitor espiritual tece esses comentários suavizando o coração de quantos se viram diante de ocorrências infelizes como enfermidades, perdas de entes queridos, crises morais envolvendo familiares e amigos, diversas dores que, lesando o campo emotivo, requisitam de todos nós vigilância e fé para que não desequilibrem nosso mundo íntimo.

Simbolizando a montanha como a barreira a nos impedir o avanço para nossa libertação espiritual, sabemos que não conseguiremos retirá-la de nossa frente com violência ou insensatez. Requer cautela, prudência e habilidade para contorná-la buscando vencer os percalços da caminhada ou enfrentar com coragem a difícil subida até seu topo, o que irá ferir nossos pés, cansar nosso corpo na sua trajetória íngreme, com perigos a nos espreitar a cada passo... No entanto, vencidas as dificuldades do caminho, quanta beleza na amplidão que descortinamos após a chegada... O horizonte azulado sem limites, o ar puro penetrando nossos pulmões, o aroma das flores silvestres, a água límpida da fonte que nasce em suas entranhas. E o mais importante - a liberdade e a paz que são reflexos da conquista realizada pelo nosso esforço e pela nossa perseverança.

Assim também em nossas vidas. Vencidas as lutas ou enfrentadas com coragem e resignação, superamos as barreiras que nos prendem à retaguarda do medo, da acomodação e da indiferença e conquistamos a consciência ética de que nos esforçamos, de que perseveramos e estaremos livres para novos enfrentamentos em nossa romagem evolutiva.

Agora, voltando a observar a montanha à minha frente, ela se desfaz sob o toque mágico da imaginação e vejo além do horizonte: os campos floridos, o rio que caminha para o mar, serpenteando entre as trilhas que sulcam o vale, ensinando-nos que vale a pena lutar e buscar sempre a concretização de nossos ideais, mesmo que isso nos custe lágrimas, acúleos a nos ferir os pés, lacerações na alma diante da ingratidão e da incompreensão alheia.

Se temos um ideal, vale a pena lutar e viver no encalço de sua realização.

Este é o sentido da vida daqueles que sabem o caminho e não perdem a esperança e a fé!

Para sua reflexão, prezado leitor, transcrevo as luzes da sabedoria de Emmanuel, psicografia do querido Chico Xavier:

Quando a sombra se faça mais espessa em torno de ti, acende a chama da oração e prossegue. A luz da prece te fará ver a estrela da esperança a guiar-te em rumo certo, porque a esperança é a baliza na marcha de todos os corações que procuram por Deus.! [...] Ergue-te a cada dia para fazeres o melhor que puderes.16 Por maior seja a dor que te fira, asserena-te e espera, mas espera agindo para o bem. Nunca te entregues ao desespero. Certas provas expressam bênçãos ocultas das quais, na Terra, não se compreende o significado imediatamente.

Nada será obstáculo em sua vida, se dispuseres a lutar com fé e otimismo! XAVIER, Francisco C Amigo. P. 96. Id., ib., p. 94.

LUCY D. RAMOS