NÃO PERCAS O IDEAL

NÃO PERCA O IDEAL!

No dinamismo da vida que nos envolve a cada amanhecer, não devemos ficar indiferentes aos objetivos maiores da existência nem nos quedar em pensamentos sombrios e negativos.

É importante lutar sempre contra o que nos leva a estados depressivos, a sentimentos de menosprezo pela vida ou por nossos semelhantes, ao desinteresse. Abrir as janelas da alma, sair da concha escura do eu que limita nossa visão e percepção do real objetivo da vida, ensombrando-nos o ser, restringindo nossas aspirações mais nobres, dando-nos, enfim, um sentimento de angústia e desalento.

É necessário, neste processo, manter vivo o ideal. Começamos a envelhecer quando perdemos a capacidade de sonhar, de desejar coisas, de fazer planos... Este envelhecimento não depende da idade cronológica. É a alma que envelhece, perde a vitalidade, o desejo de prosseguir...

O antídoto deste estado de espírito será manter a fé e a confiança no futuro, reacender em nosso íntimo a crença na imortalidade da alma, manter o ideal de buscar o crescimento espiritual, enriquecendo-nos com a busca de novos conhecimentos, de novas experiencias.

Não nos determos para lamentar as perdas, questionar os danos e as incompreensões... Buscar no ideal sublime da fraternidade, da generosidade, as alavancas de sustentação para que o coração, sob o influxo da luz do amor, se abra em flores, perfumando o caminho por onde transitamos.

Não importa o sofrimento que nos visita a alma se soubermos superar as dificuldades de nosso mundo íntimo, buscando, no alimento espiritual que a crença raciocinada nos proporciona, o lenitivo e a coragem para prosseguir vivendo.

Problemas? Ingratidões? Abandono? Quem não os enfrentou na vida?

Somos herdeiros de nossos atos do pretérito e colhemos hoje a semeadura de ontem...

Recursos valiosos e ideais enobrecedores? Também os possuímos. Saibamos, assim, cultivá-los e agradeçamos a Deus tantas dádivas em nosso viver.

Cultivemos sempre os valores positivos que enriquecem nossas existências e não abramos espaço aos impulsos negativos que, ainda, persistem em nos confundir, amedrontando--nos, às vezes, quando em momentos de solidão.

Li em algum livro esta frase que parafraseia Carl Sandburg (1878-1967): "Sou um idealista. Não sei, ao certo, para onde vou, mas já estou a caminho". E compreendo, atualmente, com mais profundidade, o que ele quis dizer em "ser idealista", mesmo desconhecendo o caminho a seguir... Prosseguir sempre, sem esmorecer, nesta jornada que é a vida, onde sombras e luzes se alternam...

Joanna de Angelis nos leciona:

"O recolhimento interior, mediante análise profunda dos recursos ao alcance, favorece o homem para que encontre os meios que fazem cessar o sofrimento".

Com a harmonia interior e com o sentido real da existência, conseguimos prosseguir confiantes, mantendo o ideal que nos impulsiona a buscar novos valores neste viver de agora, sabendo que é ilimitado o processo de nosso crescimento espiritual.

Viver, portanto, é um grande desafio nos dias atuais, mas se nos apresenta, também, como uma rara oportunidade que não podemos subestimar.

Nosso ideal maior é seguir Jesus, o Mestre incomparável. Quem se alimenta psiquicamente deste ideal, ao contrário do pensamento citado, sabe para onde vai, o que busca da vida. Procura ser fiel aos ideais cristãos, vivenciando-os a cada dia.

Nestes dias tumultuosos e sombrios, quando o homem sofre o impacto de várias dificuldades ante mudanças nos hábitos tradicionais, dando surgimento a novos procedimentos, é imprescindível parar e analisar o comportamento nas atividades diárias. Analisar nossos sentimentos, avaliar nossas atitudes perante o próximo e aquilatar nossos valores morais, refletindo a respeito da direção que estamos dando às nossas vidas.

Busquemos em nossas consciências os valores e padrões éticos com que estamos conduzindo nossos passos na busca de nossos sonhos e ideais.

Ela mostrará o caminho da harmonia íntima e da plenitude. Mesmo quando não soubermos como agir ou que direção dar à nossa vida, busquemos na oração o fio de luz para orientar nosso caminho e o Evangelho de Jesus será o roteiro sublime, apontando-nos as diretrizes seguras na conquista do aprimoramento íntimo e da elevação espiritual.

O importante é não ceder à onda de pessimismo que avassala o mundo atual e não se deixar levar pelo comodismo e a passividade ante os desafios do caminho quando formos chamados a auferir nossos valores morais.

Mesmo reconhecendo no sofrimento sua função educativa, como via de nossa redenção espiritual, busquemos a saúde integral por meio da vivência cristã.

Ensina-nos Joanna de Angelis que: "A saúde integral, a paz, a alegria interior resultam da lucidez mental, que elege os atos correios para a existência modeladora da ascensão". E cita, no livro Plenitude, os oito passos que Buda recomendava para uma via de salvação: crer retamente, querer retamente, falar retamente, operar retamente, viver retamente, esforçar-se retamente, pensar retamente, meditar retamente. Quem medita retamente crê, quer, fala, opera, vive, esforça-se e pensa com retidão, adquire os valores indispensáveis à salvação. Nesse estágio, a pessoa doa-se e já não mais vive, sendo o "Cristo que vive" nela. Liberta-se, por fim, do sofrimento.

LUCY D. RAMOS