ARMAGEDOM: O CÉU E O INFERNO

1 - Prefácio

Integrando-se à Série Desvendando o Universo, este é mais um livro do sábio Galileu Galilei, em parceria com o também sábio O Pregador, ambos valendo-se da mediunidade de João Berbel para que seja espelhada, com os reflexos possíveis, a preocupante instalação do Armagedom sobre os dois planos da Terra.

Com as suas magistrais dissertações, cujo brilho já é sobejamente conhecido pelos nossos leitores, esses dois espíritos amigos vêm chamar a atenção dos terráqueos para a situação de beligerância, de conflito exacerbado, de desencontros ideológicos, de guerra religiosa observada no plano espiritual, com profunda repercussão em toda a nossa espiritosfera, psicosfera e ecosfera.

O momento é gravei— gritam as trombetas no Além. O final dos tempos está em pleno e acentuado vigor! — insistem os mentores amigos.

Valorizando este novo alerta, esta nova obra em forma de perguntas e respostas a serem lidas atentamente, nossos leitores estarão igualmente colocando o ouvido, a mente e o coração às palavras proféticas do Cristo sobre a grande transição planetária que ora estamos vivendo.

Este tema, aclarado com a sabedoria dos luminares da Espiritualidade, não poderia faltar nesta Série assumida pelo nosso caro irmão Galileu Galilei, ora coadjuvado pela grande competência de O Pregador, retratando, sob uma profunda visão, o nosso tenebroso momento, para que os encarnados se possam situar intelectual e moralmente nas situações cada vez mais críticas enfrentada pelo nosso planeta e todos os seus habitantes.

Estando com a boa vontade e discernimento desses dois mentores, estamos também confiantes no Mestre Maior e sua supervisão de todos os acontecimentos relativos à Terra e sua evolução.

Nossa gratidão, pois, àqueles que, cientes de nossa grande imperfeição, estão sempre nos inspirando na senda dos bons propósitos.

Os Editores

2 - Introdução

A noite mais ainda se escurece... O monte no horizonte longínquo, as pegadas do viandante perdido numa estrada...

A humanidade, pelas vias da ignorância, sente o choque do metal a dividir em pedaços os sentimentos.

Mas um novo horizonte se desenha nos céus. A alegria se exprime na alegoria de um patamar mais alto de entendimento que somente os grandes filósofos poderiam absorver de chofre.

A luz divina está erguida sobre o horizonte e deixa-se derramar tal fonte de um poder sem igual.

Tomado do mais puro sentimento, o olhar se estende sobre a Terra...

O grande Crivo de Deus anuncia, no seio do Alta Espiritualidade, que ele próprio assumiria o manto carnal, pisar o chão na qualidade de homem, determinado a mostrar uma era nova onde o amor haveria de renascer, mesmo que fosse ao peso do sangue derramado, mesmo que fosse debaixo de muitas lágrimas.

Então, preparando tal nova situação, anjos benditos da seara superior estabeleceram os parâmetros da estadia da Luz sobre a Terra.

As trevas eram fortes, a escuridão tomava conta dos corações. Os profetas viam o derramar de mais e mais sangue. A espada que estalava era o hino da força odienta de homens contra homens.

Em grandeza imaculada, em pureza de coração, o Crivo de Deus reúne-se então com a cúpula superior e faz a sua descida.

Anjos anunciam na Terra a Luz que adviria — e, naqueles momentos, a escuridão tomando os corações sente o estalar de um raio fulminante a tocar o solo terrestre, provocando o repentino descontentamento.

As cruzadas imaginárias se dividiam. As trevas se abriam em brechas para que a Luz lhes penetrasse. Pisando então sobre aquele solo, consagrou-se por sobre os demais, mostrando a pureza do seu amor.

Do patamar da Alta Espiritualidade se assistia ao modificar do palco chamado vida, recebendo a Luz mais pura que o planeta já vira.

Olhando compassivo para a Terra, os véus se desfaziam e mostravam a autenticidade das leis divinas, tal um astro eterno fazendo renascer na escuridão um novo amanhecer. Assim era a Luz que exsurgia. Mas chegava na figura simples de um missionário do amor. Fitava as florestas, as serras, as águas... Contemplava as estrelas e via ali a pluralidade dos mundos do Pai; via na Lua o útil satélite a complementar as energias da Terra, estabelecendo o equilíbrio fisiológico dos seres.

— Terra, és tu o patrimônio da vida — e a minha vida te darei, para que o meu sangue seja derramado pelas mãos dos homens e para que todos possam compreender a grandeza do amor. Então herdarás, ó Terra, muitas guerras. Homens erguerão a mão da destruição, aniquilando-se mutuamente. Mas um dia entenderão a razão de eu ter estado aqui — e o amor geminará sobre o solo e sobre as vias sangrentas da guerra! Um dia o clarão da minha palavra penetrará em todos os corações!

E aquele Missionário da Luz fazia das suas pegadas a libertação, erguendo os aleijados, devolvendo a visão aos que padeciam na escuridão, mostrando novos horizontes, mostrando novas luzes.

A Terra recebeu aquele que só doava amor, mas que herdou o calvário para repouso dos seus restos mortais.

Para mostrar que somos imortais, estendeu o seu gesto de perdão a toda a humanidade, mostrando que os homens ainda eram ignaros dos próprios atos e penetravam nos meandros escuros de uma doutrina vazia que longe permanecia do sentimento do amor.

— Pergaminhos e leis... E vós que fossilizais as pegadas frias do sangue dos vossos irmãos na memória ardente da vossa consciência, não choreis por mim, e sim pelos vossos filhos e pela ignorância que sobrecai nos atos dos homens — porque momentos de trevas adivirão, sofrimentos afligirão os corações, e somente a tal preço verá o homem, um dia, que o amor é a força soberana da alma, e só então entender-me-ão. Então, ó mulheres, por que chorais por mim? Chorai por vós próprias e pelos vossos filhos—porque se o lenho, hoje ainda verde, já se queima, imaginai, mulheres, o que será de vós quando ele estiver seco! Mas em verdade e em verdade vos digo, mulheres, que felizes serão de vós aquelas que estiverem estéreis e que não procriarão — porque muitas serão aquelas que, por vias do tormento, do sofrimento soprado pelo tempestuoso vento, haverão de chorar as mesmas lágrimas que derramo hoje pelos vossos filhos. Direis aos montes que caiam sobre vós e eles soterrar-vos-ão!

Hodiernamente, quantas não são, pois, as mães derramando as suas lágrimas, porque as notícias do horror estão a ferir os seus mais íntimos sentimentos?!

E, como força autêntica da vida, resta-lhes o apego à sua fé, tal uma luz que exprima os seus maiores anseios e se acenda dentro dos corações.

Cinturões de luzes, tomando todo o nosso sistema, dão-nos a razão de entender que a supremacia da vida é a evolução moral dos seres, que o espírito é imortal e que devemos, mesmo sobre as vias marmóreas da existência carnal, amar-nos uns aos outros para que encontremos a verdadeira felicidade, que à vezes é despercebida do nosso lado — pois se são muitos os que buscam, na irônica grandeza, um bom lugar na Pátria do Espírito, verdadeiros merecedores são aqueles que sabem brilhar por sobre as trevas e sabem mostrar a autenticidade do amor, vivenciando todos os bons sentimentos e compreendendo que Inferno e Céu são apenas estágios a aprisionar a alma, muitas vezes pelo próprio desconhecimento do legítimo amor.

Tomados de piedade, buscamos as profecias de Jesus, projetando-nos ao nosso agora, quando guerras intensas se formam no plano espiritual, exaltando a imoralidade.

E, no plano terreno, vemos bombas de grande potencial, de milhares de megatons, comprimindo na dor os corações, alcançando vibratoriamente os planos espirituais, espelhando a realidade do grande Armagedom.

O ideal maior que nos inspira é o de espantar as trevas com o grande lume que vem de Jesus, para iluminar toda a humanidade.

Paz!

O Pregador

..1 - CONCEITO DE FIM DE MUNDO
..2 - CHEGADA DO FIM DOS TEMPOS
..3 - FASE DO PERÍODO DO FIM DOS TEMPOS
..4 - SINAIS DO FIM
..5 - ARMAGEDOM
..6 - REBOLIÇO NO ALÉM
..7 - CONSCIENTIZAÇÃO QTO.AO FINAL DOS TEMPOS
..8 - OS GOVERNOS E A TRANSIÇÃO
..9 - TRANSIÇÃO E COSMO
..10 - CATÁSTROFES FÍSICA E ESPIRITOSFERA
..11 - CATÁSTROFES E MOVIMENTAÇÃO DOS UMBRAIS
..12 - REENCARNES COMPULSÓRIOS
..13 - SERES UMBRALINOS E FOCOS DE REENCARNE
..14 - CATACLIMAS E CONFLITOS SOCIAIS
..15 - APOCALIPSE: AUTORIA E MISTÉRIO
..16 - APOCALIPSE: SIMBOLO, TEMPO E REALIDADE
..17 - INFLUÊNCIAS NAS SOCIEDADES SECRETAS
..18 - PANORAMA ATUAL DOS UMBRAIS
..19 - FALANGE DAS DROGAS
..20 - COMBATE ÀS DROGAS
..21 - EXPANSÃO ISLAMITA
..22 - MAOMÉ E MOISÉS
..23 - AÇÃO DO MAOMETISMO
..24 - PROFECIA DAS DUAS TORRES
..25 - COLÔNIAS MUÇULMANAS..
..26 - DURAÇÃO DO FINAL DOS TEMPOS
..27 - INSPIRAÇÕES ÀS GUERRAS
..28 - ASCENSÃO DOS PODERIOS RELIGIOSOS
..29 - RESGATE DOS CRENTES NA RESSURREIÇÃO
..30 - ASSÉDIO NAS ATIVIDADES ESPÍRITAS
..31 - DESTINO DOS RETARDATÁRIOS
..32 - OS AFILIADOS DA BESTA
..33 - BRANCAS VESTES DO REINO
..34 - MONTANHAS ARDENTES, ÁGUAS AMARGAS
..35 - ABRE-SE O POÇO DO ABISMO
..36 - A MULHER DO SOL E DA LUA
..37 - DURAÇÃO DA TRANSIÇÃO
..38 - A VOLTA DE JESUS
..39 - A SUBSTITUIÇÃO DE JESUS
..40 - NOVO MESTRE
..41 - ARMAMENTISMO DO ORIENTE MÉDIO
..42 - VERTICALIZAÇÃO DO EIXO DA TERRA
..43 - CONTRIBUIÇÃO DOS EXTRATERRESTRES
..44 - ESTÁGIO ATUAL DO BRASIL
..45 - O FANTASMA DA FOME
..46 - REENCARNAÇÃO DOS ORIENTAIS NO BRASIL
..47 - AÇÃO SUPERIOR NA PREVENÇÃO CATACLÍSMICA ..
..48 - CONCENTRAÇÃO DE ESPÍRITOS NOS PÓLOS
..49 - AQUECIMENTO GLOBAL E EXTINÇÃO DOS PÓLOS ..
..50 - DESENCARNES E REENCARNES EM MASSA