A AURA ESPIRITUAL DOS SERES

A AURA ESPIRITUAL DOS SERES

Aqui nos achamos em treinamento dos estudos que estamos fazendo. É preciso pôr em prática a teoria. Esse é o motivo de eu ter vindo hoje. O grupo todo assiste ao nosso trabalho.

Lembra-se de como descrevi a coloração de sua aura em minha última mensagem? Notei que você também não sabia explicar o porquê. Então fui buscar auxílio com o mentor e ele nos deu pormenorizada explanação, tão clara que todos nós entendemos. Como estamos aprendendo a dar conhecimentos e você também não sabe, vou aproveitar a oportunidade para esclarecê-la. Espero sair-me bem.

Procure ficar com a mente livre e sem querer raciocinar por sua conta. Faça como se não soubesse do meu intuito. Vamos ao trabalho.

Passam as nuvens róseas, refletindo os raios solares. Ao fim do dia, ou na aurora, elas se colorem e apresentam muitas vezes belos espetáculos. As cores se confundem e vão até o alaranjado escuro; e não se sabe onde começa um onde termina outro.

O céu é todo franjado e as nuvens têm formas diversas e diversa coloração. É a luz benfazeja do sol a refletir-se e decompor-se ao deparar com a atmosfera da Terra, que contém poeiras, gases diversos e água.

Imagine a beleza de um céu estrelado, cheio de pontos uminosos amarelos, azuis, vermelhos, verdes, etc. Cada ponto é um sol. Que reflexos dariam eles na Terra se a iluminassem? Como se decomporia a luz ao expor-se à atmosfera da Terra?

Cada grânulo de poeira ou gota de água, que cor apresentaria? Que reflexos maravilhosos seriam, se todos eles iluminassem simultaneamente o mesmo ocaso! Ou o amanhecer! Ora, isso não é possível, pois são muitos e em variedade infinita.

Como seriam as manhãs terrenas se a Terra também emitisse raios que, embora sem intensidade semelhante, se estivessem entrelaçando ou resistindo à passagem de luz do sol (ou dos sóis, na hipótese de serem vários)? Como se apresentaria o ocaso ou o amanhecer? De que forma enxergaríamos o horizonte?

Pense e imagine cada raio de luz, ou cada partícula emitida, encontrando-se com outro raio em sentido contrário. Que impressão nos daria o fenômeno visto da Terra? Talvez víssemos um bombardeamento policrômico de partículas que se modificariam ou se adensariam, formando um belíssimo jogo de variadas cores em mutação constante.

E seria, então, uma visão de pequenos sóis que se acenderiam, e se apagariam ininterruptamente, para darem lugar a outros, em sequência instantânea. Pena que nossos olhos não teriam possibilidade de observar. Enxergaríamos o resultado do fenômeno em seu conjunto: as cores predominantes, decorrentes das dominantes físicas que exercessem com maior intensidade a influência na combinação das cores. E diríamos, como dizemos, que o céu está alaranjado, róseo, avermelhado...

No entanto, se possível fosse dispormos de órgãos próprios para seletar os componentes cromáticos desse fenômeno, veríamos uma chuva de luzes modificando suas tonalidades até o infinito, num jogo de cores arrebatador.

A Terra, porém, não é luminosa. Mas o Espírito o é!

Sua luz depende da maior ou menor intensidade com que ele participa da vida da criatura. Seu metabolismo emite uma energia diferente da física ou paralela a ela. Essa energia desprendida em partículas que emanam em torno do campo de ação do
Espírito, que é o corpo, mais intensamente em umas partes e menos em outras, conforme a atividade do momento (em volta dele há entes que também emitem luz) - é a aura espiritual dos seres. A emissão de luz, sua intensidade e a frequência vão depender da qualidade do Espírito. Há os que pouca energia irradiam; há os que emitem monotonamente a mesma espécie ou forma de energia; há os parcimoniosos, que guardam para si a melhor força para as transferirem no sentido físico etc.

Entretanto, há os que, em determinadas ocasiões, emitem rajadas violentas de energia e os que a emitem abundante, mas em frequência regular, sem violência. Essa emissão de energia forma a chamada "aura emotiva ou psíquica", que caracteriza os sentimentos do indivíduo. Como cada frequência corresponde à manifestação de uma cor, a aura toma a cor que se relaciona com o que o Espírito está sentindo ou pensando.

A aura espiritual só é influenciável por agentes externos que sejam também luz espiritual, ou esteja sendo produzida por elementos espirituais. Quando se encontram duas auras resplandescentes, digamos na cor azul, essa cor é reforçada e aumentada muitas vezes de intensidade, uma cor que representa a caridade, como o rosa, este (rosa) ficará mais escuro e a luz que fará brilhar as partículas que se chocarem será vermelha. A não ser que a energia emitida pelo rosa seja tanta que elimine a intensidade da emissão vermelha. Se a aura rosa chocar-se com várias auras ao mesmo tempo azuis, amarelas, lilases etc, veremos nesse encontro miríades de meteoros formando-se e desaparecendo logo, cada qual de uma tonalidade, conforme a energia de que cada partícula estiver carregada.

Esse foi o motivo pelo qual me confundi com sua aura. Eu mesmo a influenciava e já causava transtornos à sua coloração. Outras pessoas também estavam aqui, todas desejando dirigir-lhe o pensamento, o que as fazia emitir, em sua direção, um jato de energia que ia chocar-se com sua aura e produzir o fenômeno que observei. Qual a cor inicial da aura?

Não nos soube dizer o mentor naquele instante, porque, ao desenvolver-se, cada ser apresenta modificações diversas, e o estudo de todos esses detalhes depende, realmente, de possuirmos dotes espirituais de intuição e vidência.
Espero que tenha entendido mais ou menos o que expliquei. Se fui feliz na explicação é que já começo a aprender.

Alayde A.e Silva