MEDIUNIDADE

MEDIUNIDADE

Novamente venho dar aos encarnados um pouco mais de conhecimento além do que conseguem obter com os cinco sentidos do corpo e com o raciocínio, mediante o qual se esforçam por compreender aquilo que não é ainda possível provar através da Ciência.

De forma alguma menosprezo a Ciência. Disso dou provas quando tento explicar algo mais, no intuito de auxiliar essa mesma Ciência a ampliar seus conhecimentos e descobrir meios de comprovar o que todos os médiuns afirmam.

Não desisto e nenhum transmissor espiritual se deixa abater quando verifica que grandiosos ensinamentos, trazidos com enormes dificuldades, são relegados ao desprezo ou à crítica menos construtiva.

Faz parte de nosso mister sofrer decepções, mas nunca o desânimo nos atinge, porque todos nós sabemos qual o objetivo que temos a alcançar. A incredulidade, o ceticismo de muitos, as dúvidas e até as ofensas são escolhos que dificultam nossa tarefa, mas enrijessem nosso espírito, tornando-o mais apto ao cumprimento da missão que o Senhor nos confiou.

Na Terra muitos médiuns são ridicularizados e sofrem pela incompreensão de pessoas que desejam obter, por seu intermédio, provas irrefutáveis da existência de outro plano de vida; outros sofrem, vítimas dos que tentam provar serem eles farsantes e que, por meio de uma dita mediunidade, exercem fascínio sobre as criaturas. Assim, verificamos que só aquele que possui a certeza de que é portador de um dom útil aos demais, aquele que amadureceu suas faculdades à custa de penosas encarnações, de ingentes esforços por sua evolução, consegue manter-se firme no propósito de se prestar a ser intermediário dos ensinamentos, com os quais a Espiritualidade visa encaminhar os encarnados a uma elevação maior de propósitos.

O médium é um espírito que encarnou decidido a colaborar no adiantamento dos que ainda não conseguem entrever outra realidade senão a física. O que possui equilíbrio e virtudes que lhe granjeiam atenções dos companheiros de jornada; que consegue exercer serenamente sua humilde tarefa, sem desânimo e até com entusiasmo; que é capaz de fornecer aos Espíritos uma colaboração constante e eficiente, embora tenha, ainda e sempre, de cuidar de seus afazeres dentro do ambiente em que vive, de acordo com suas atribuições na sociedade - esse médium veio preparando-se de longa data. Ninguém consegue ser exímio em uma arte se não veio, em várias encarnações, solidificando o aprendizado de múltiplas experiências.

Médiuns notáveis, que se encontram no mundo em vários se to res de atividade, iniciaram há séculos seu preparo. Foram perseguidos por suas idéias, fracassaram muitas vezes, sentiram-se frustrados em suas mais belas aspirações. Muitos deles chegaram a ser imolados quando tentavam defender a justiça e até mesmo as verdades científicas e filosóficas que pregavam. No duro cadinho do sofrimento forjaram suas faculdades medianímicas. Alguns já foram precursores das atividades mediúnicas sem terem sido reconhecidos como tais.

A codificação de Allan Kardec deu uma nova oportunidade aos espíritos, já preparados, de contarem pontos de merecimento na observância das leis naturais de intercâmbio dos encarnados com os espíritos desencarnados, permitindo-lhes ser os intérpretes destes no meio dos que ainda se encontram com a indumentária terrena. Muitos irmãos rogam essa oportunidade, uns com maiores, outros com menores aptidões, cada qual servindo, dentro do círculo ao qual consegue levar a mensagem que trouxe para ser divulgada.

Todos os médiuns têm meios de encontrar oportunidade de trabalho. Há os que executam suas tarefas conscientes do que estão fazendo, seja transmitindo recursos espirituais adquiridos ou o que conseguem captar da Espiritualidade.

Nem todos os médiuns, porém, trabalham em Centros e dão passes, porquanto os há dentro das mais diversas atividades do homem, como o pintor, o músico, o professor, o médico etc; embora nem sempre o saibam, agem conscientes do que fazem, ora usando a experiência obtida anteriormente, ora sob a influência dos mentores. Alguns fazem descobertas sensacionais e pensam que foi somente devido à sua própria capacidade. Não se nega o valor pessoal da criatura, mas aqueles que alcançam grande destaque em suas atividades contam sempre com hostes espirituais impulsionando-os de outro Plano. Infelizmente, os que agem de forma negativa, também arregimentam espíritos infelizes para colaborarem em seus atos insanos. É de se lastimar.

Há os que temem um fracasso e, por isso, rogam, antes de encarnar, lhes seja dado um meio que os obrigue a seguir o caminho que traçaram para si mesmos. Vemos, então, os portadores de doenças estranhas das quais só se livram quando encontram um grupo espiritualista que os socorre e orienta. Passam a exercer uma mediunidade inconsciente, sem saberem sequer dos métodos usados no cumprimento da missão mediúnica.

Muitos dormem e assim trabalham até que acordam, completamente alheios ao que fizeram ou disseram.

Mediunidade há que se evidencia em pessoas que jamais tiveram idéia do que isso fosse. Passam sua vida ajudando o próximo com rezas e aconselhando "menzinhas", que sempre curam, embora a variedade de chás seja exígua para tantos males que afligem o homem encarnado.

Aquele irmão que está iniciando sua escalada necessita de esclarecimento para abreviar seu caminho na aquisição das faculdades, que um dia lhe permitirão manter contato consciente com a Espiritualidade Maior e propiciar grandes passos à
Humanidade. Os médiuns de hoje, dentro do dom ou dos dons de cada um, procuram levar à compreensão da mediunidade o maior número possível de irmãos neófitos, obtendo, desse modo, o aprimoramento de suas faculdades.

Quando voltarmos novamente ao cenário terrestre, precisaremos contar com valorosos Espíritos amigos que nos preparem o ambiente para o trabalho que pretendermos realizar. Quanto maior for o número de irmãos esclarecidos ao nosso redor, maior será a projeção de nosso trabalho no ramo da realização eficiente dentro do plano do Criador.

O médium é a firme pilastra com que conta o Mestre para que seu Evangelho brilhe em todos os quadrantes da Terra, soberano, unindo todos os povos num amplexo de amor e compreensão.

Assim é. Sei que divaguei um pouco. E que me entusiasmei com o assunto. Difícil é avaliar o que um médium representa para um Espírito, que procura comprovar a continuação da vida na transmissão de suas mensagens. Com isso, não estou desejando jogar confete em ninguém, mas despertar os médiuns para a grande importância que o exercício da mediunidade representa para todos nós.

Por isso ficamos felizes quando sabemos que nossos entes queridos se encaminham, usando sua mediunidade, para construírem um mundo melhor amanhã.

Alayde A.e Silva