9 - DA POLÔNIA ÀS MINAS GERAIS

9 - DA POLÔNIAS ÀS MINAS GERAIS

O Mestre Jesus, na sua infinita sabedoria e bondade, conhece bem os seus seguidores, os que lhe podem assessorar, mas vê também, em cada um, a ação das forças da liberdade.

O espírito jungido à matéria busca desordenadamente as suas diretrizes e se perde bastas vezes na penúria da vida, porque deixa de crer num Ser Supremo.

Mas há homens voltados unicamente à prática do amor e da caridade, homens que não se intimidam no cumprimento da sua específica missão e sabem vencer na Terra os desafios da vida.

Num mundo imaginário se fecha o homem egoísta, esquecido de que a cobrança do passado pede o carregar da cruz num orbe de prova e de expiação.

Vê-se a razão da serenidade de agir, mas se deixa levar pela vaidade. São espíritos fracos que, no veneno da vida, contaminam a nossa Terra com as guerras.

Luta-se pelo orgulho e pelo egoísmo, destruindo a Terra e os irmãos, abrindo feridas na própria alma.

Enxerga-se apenas o sentido da destruição pelas mãos ambiciosas do homem que ainda não entendeu a grandeza do amor.

Mas o Cristo Consolador mostra mesmo a essas criaturas o caminho marcado pela grandeza da bondade divina direcionando a Terra.

No meio de uma revolta sem limites, onde se expandia livremente o egoísmo e levava-se jovens ao campo da destruição, lá no explodir da primeira grande guerra, surge este irmão André com a bondade no coração, descido à Terra para ensinar outros irmãos.

No seio de sua ideologia religiosa, mostrava que sobre o Céu e a Terra ainda existia o amor, embora imperando a guerra.

Chegava a aborrecer as mentes conturbadas, visivelmente contrariadas perante as leis de amor.

Todavia, a glória da justiça divina se fez presente, palavras sábias penetravam no cérebro do jovem e faziam calar a boca de toda aquela gente, mostrando a beleza do amor.

Um jovem perdia a vida à frente dos companheiros, mas mostrava na Espiritualidade a grandeza do seu amor.

A sinceridade de um coração expulsava as trevas com a sua luz. Sabia que o seu caminho era Jesus!

Dos campos da Polônia às terras do Brasil se transpôs André como um homem de fé para auxiliar ainda as criaturas. A Doutrina dos Espíritos era o seu novo ideal.

Cultivando-a na bela colônia espiritual, desceu de novo à Terra para dar expansão ao seu amor, abraçado à simplicidade, mostrando a beleza pairando entre os Céus e a Terra.

Eis-nos a falar de um grande homem: um gigante deitado mostrando a sublimidade do amor em terras de Minas Gerais, exprimindo em atos e palavras o Espiritismo mais puro.

Não se abateu com a enfermidade, porque era doutorado nas leis do amor.

Desdobrou-se a todo instante na alegria de mostrar o Espiritismo na sua autenticidade, desfraldando no Brasil a Doutrina da caridade.

Sobre os Céus e a Terra um espírito de grande firmeza moral mostrou a todos os irmãos que a Doutrina dos Espíritos fala a linguagem do nosso coração !

Henrique