SONATA AO AMOR

1 - AGRADECIMENTO

Sou profundamente agradecida ao maestro Bryan Lowe pela distinção da confiança depositada na minha intermediação mediúnica, para transmitir aos leitores esta história tão bela quanto tocante. Trata-se de um testemunho comovente, que no decorrer da leitura nos eleva com facilidade a uma compreensão da vida situada acima das aparências das situações e das considerações superficiais, sobre um dentre os dilemas mais difíceis atualmente vivenciados pela humanidade reencarnada — o drama dos portadores do vírus HIV.

Durante todo o processo de recepção e desenvolvimento do texto, fatores ímpares contribuíram para a conclusão bem-sucedida do trabalho conjunto entre as duas esferas da vida, em razão da empatia indescritível entre o espírito comunicante e a médium — servindo-me, ainda desta vez, como ferramenta maravilhosa de aprendizado acerca das sutilezas e particularidades da transmissão mediúnica.

Já apreciadora da música clássica, durante este período vi-me atraída irresistivelmente para a minha coleção de clássicos ligeiros, o que funcionava como tão necessária quanto poderosa ferramenta de inspiração. A impressão, sem nenhuma margem de dúvida, era de experimentar todas as nuances das emoções e percepções do autor, como se em mim se estabelecesse, efetiva e surpreendentemente, uma continuidade sua, o que certamente demandou dos meus mentores iniciativas particularizadas para me resguardar das sensações associadas aos pormenores mais difíceis das vivências dos personagens principais, ainda bastante latentes na sensibilidade apurada do músico e espírito autor.

O leitor amigo poderá constatar ser a história de vida do estimado maestro destas que, de tão emocionantes quanto belas, nos oferecem sensações díspares - a vontade de que fosse a nossa história e o nosso romance. E, a um só tempo, a comoção de só se imaginar como se daria para nós tal espécie ímpar de sofrimento, que normalmente rejeitamos intimamente para as trajetórias por nós eleitas, durante a nossa permanência nos palcos terrenos.

Mais que rejeitar, todavia, cabe-nos compreender, sem julgar, que qualquer acontecimento marcante a nos colher em qualquer instante da caminhada possui sempre as suas raízes nalgum contexto de passado mais ou menos distante. É a lei da colheita e das responsabilidades individuais para cada iniciativa. E é importante que se entenda que os reveses, a isso associados, seja por conta da intemperança, invigilância ou imaturidade, em tempo certo haverão de nos atingir, a cavaleiro de importante ensinamento para a continuidade eterna de nossas jornadas rumo ao infinito.

Dedico, assim, esta obra, em relação à qual nutro carinho todo especial, aos artistas clássicos. Aos musicistas, maestros e professores. Aos estudantes, compositores e instrumentistas, por ajudarem, de maneira atemporal, a sustentar acesa, neste mundo ainda alimentado por luzes e sombras, a chama da música que cura.

CHRISTINA NUNES
Médium

2 - INTRODUÇÃO

O leitor haverá de me perdoar a liberdade de relatar esta história em terceira pessoa, à exceção do epílogo, embora contando a respeito de mim mesmo em época não tão distanciada do seu tempo de agora.

É que tudo é tão entranhado, e ainda tão latente, que tal forma de narrar, segundo orientação de meus próprios mentores, me favorece com maior equilíbrio íntimo, resguardando-me das dores bastante acirradas que ainda me fustigam a alma por conta dos meus elos recentes com pessoas e vivências difíceis.

Os pactos de união estável celebrados por algumas religiões do mundo proclamam, nas cerimônias e altares onde os noivos trocam votos de fidelidade, o legendário "na saúde e na doença, na alegria e na tristeza", como forma de compromisso de lealdade mútua ante todos os futuros embates da vida.

Forçoso reconhecer, porém, que votos tão promissores não encontram resistência da parte dos que assim entrelaçam seus destinos, em muitas das vezes, diante dos primeiros desafios com que a vida em comum os convida a confirmar amor autêntico e apoio mútuo em instantes mais difíceis, nos quais o que prevalece não são as horas de venturas ou de sorrisos.

E é justo nestes momentos, amigos em passagem pela Terra, que se faz mais refulgente aquele amor abençoado pelas luzes da compaixão, do entendimento e da autenticidade residente nas afeições cujas raízes se perdem em tempos, lugares e épocas longínquas. Tal amor é sempre redivivo, quando seres assim entrelaçados se reúnem em instantes-chave da jornada para missão de apoio mútuo e troca daquela afetividade que, mais que embevecer, enleva, fortalece e cura!

Hoje, com a mente e o coração alentados em Jesus, a grande inspiração de todas as épocas, posso afirmar, com grande regozijo íntimo, que fui um desses bem-aventurados, a quem a rápida quanto atribulada última passagem pela Terra agraciou com a presença de uma dessas almas que nos comparecem nos instantes mais críticos da trajetória como anjos iluminados, amenizando, com a força de seu amor e da sua simples presença, toda a bagagem de vivências muitas vezes ríspidas que a Lei de Causa e Efeito nos confronta, para o nosso aprendizado e melhor engrandecimento interior.

É desta etapa do longo caminho que venho lhes dar testemunho, agradecendo aos mentores da médium com os quais venho obtendo aprendizado precioso para a renovação de meus rumos na continuidade das fases nestes horizontes surpreendentes. Agradeço também pela oportunidade desta iniciativa, que, além de funcionar como esclarecimento útil aos que buscam a literatura espírita para um entendimento maior do que nos aguarda para além da sepultura, num nível muito pessoal, me auxilia a sustentar a esperança de que, embora estejam nomes e lugares circunstanciais compreensivelmente mudados, a personagem principal destes fatos talvez que, intuitivamente, ou pela ação ininteligível da Providência, venha a acessá-la — nem que ao menos de modo indireto, acolhendo o meu amor e os meus melhores sentimentos de gratidão eterna.

Porque, pela sua rara compreensão do que realmente dá sentido à busca de todos nós pela felicidade, coube-me conquistá-la quando menos contava com isso, e enquanto ainda aí, entre os que passeiam transitoriamente pelo mundo material, em tempos em que nem eu mesmo mais cria que a vida pode, sim, e a qualquer momento, ser feita dos nossos melhores sonhos.

IOHAN
(espírito)
Rio de Janeiro, 7 de outubro de 2011

CHRISTINA NUNES - MÉDIUM

..CAPÍTULO 1 - NUM SÁBADO ENSOLARADO
..CAPÍTULO 2 - O MAESTRO
..CAPÍTULO 3 - DURANTE UM ENSAIO
..CAPÍTULO 4 - A PRIMEIRA AULA
..CAPÍTULO 5 - CONVERSA ENTRE MÃE E FILHA
..CAPÍTULO 6 - O TELEFONEMA DO PROFESSOR
..CAPÍTULO 7 - NA VIAGEM PARA CABO FRIO
..CAPÍTULO 8 - CONFLITOS ÍNTIMOS
..CAPÍTULO 9 - UM DIA DE LAZER
..CAPÍTULO 10 - CORTINA DE FUMAÇA
..CAPÍTULO 11 - EM MEIO À ENCHENTE
..CAPÍTULO 12 - A FORÇA DO DESTINO
..CAPÍTULO 13 - A PRIMEIRA NOITE
..CAPÍTULO 14 - ENCRUZILHADA
..CAPÍTULO 15 - A REVELAÇÃO
..CAPÍTULO 16 - O CASO DE BRYAN
..CAPÍTULO 17 - CONFLITOS
..CAPÍTULO 18 - À DERIVA DOS SENTIMENTOS
..CAPÍTULO 19 - O RESULTADO
..CAPÍTULO 20 - POR UM DESCUIDO
..CAPÍTULO 21 - ENTRE O AMOR E A RAZÃO
..CAPÍTULO 22 - TOMBO DAS NUVENS
..CAPÍTULO 23 - O RIO CONTORNA AS PEDRAS
..CAPÍTULO 24 - DESAGRADÁVEL DESCOBERTA
..CAPÍTULO 25 - IMPASSE PROFISSIONAL
..CAPÍTULO 26 - DIAS DIFÍCEIS
..CAPÍTULO 27 - REVESES
..CAPÍTULO 28 - PROVA DE AMOR
..CAPÍTULO 29 - A VISITA DE OTÁVIO
..CAPÍTULO 30 - CONCLUSÕES INEVITÁVEIS
..CAPÍTULO 31 - ENTENDIMENTO DE PAI
..CAPÍTULO 32 - VIAGEM A GALES
..CAPÍTULO 33 - EM CARDIFF
..CAPÍTULO 34 - SONATA AO AMOR
..CAPÍTULO 35 - DE VOLTA AO BRASIL
..CAPÍTULO 36 - O CASAMENTO
..CAPÍTULO 37 - A EXPLICAÇÃO
..CAPÍTULO 38 - QUANDO O AMOR PREVALECE
..CAPÍTULO 39 - TEMPOS DE EXPIAÇÃO
..CAPÍTULO 40 - DIÁLOGO CONFIDENCIAL
..CAPÍTULO 41 - ODE À ALEGRIA
..CAPÍTULO 42 - DESPEDIDA
..CAPÍTULO 43 - EPÍLOGO: EM NOSSA INTENÇÃO