CIÊNCIAS FILOSÓFICAS

CIÊNCIAS FILOSÓFICAS E PSICOLÓGICAS

I - PSICOLOGIA

1) Atualmente se constata uma grande crise no relacionamento entre homens e mulheres especialmente no que se refere ao casamento. Como se analisa isso?

Toda vez que a cultura se liberta da escravidão ou dos preconceitos, as mágoas guardadas surgem em forma de reação quanto ao status e, normalmente, há exagerada vivência da liberdade, o que, quase sempre se transforma em libertinagem, como reação inconsciente às limitações amargamente experienciadas.

Em feliz oportunidade a mulher se liberta da sujeição absurda ao estigma de inferioridade em relação ao homem, a quem esteve submetida por largo período, adquirindo o lugar que merece na sociedade competitiva e lutadora. Possuidora de todos os requisitos exigíveis para uma vida em comum, perfeitamente concorde com os direitos de ser humano, destaca-se, ainda mais, pela sensibilidade e pelas imensas possibilidades da maternidade, que sempre a enriquece e mais a dignifica. No entanto, inevitavelmente vem tombando nos resvaladouros de alguns desequilíbrios, até que o ajustamento à nova ordem de valores se faça com normalidade, recuperando a sua real liberdade, sem exageros nem lutas por supremacia ou uso abusivo das suas faculdades e funções fisiopsicológicas.

Nesse contexto, o matrimônio propicia a dignidade de uma existência monogâmica, respeitando-se o parceiro, mas que à mulher sempre foi imposta, sem que se lhe ouvissem os interesses e aspirações, como também ocorreu a muitos homens, cujos consórcios conjugais lhes eram determinados por interesses do Estado, como outros de natureza econômica e social, sem que fossem auscultados os envolvidos, que teriam de viver a situação proposta. Essa conduta gerou muita desgraça oculta e pública adultérios vergonhosos e crimes horrendos-mas que, hoje, com a liberdade de escolha, os indivíduos vêm preferindo inicialmente a experiência do relacionamento íntimo para depois a eleição do matrimônio.

O casamento, no entanto, não é apenas um vínculo legal, porém, é a forma constitucional de responsabilizar os parceiros pela união, aproximando-os mais e honrando a prole através do amor que deve prevalecer em qualquer situação como normativa de vida digna.

Acreditamos que o casamento permanecerá na sociedade humana, por constituir-se uma das grandes e belas conquistas da inteligência e da emoção, superando as paixões perturbadoras que ainda predominam no ser humano.

2) Com o aprimoramento do conhecimento poderão ocorrer mudanças no comportamento dos indivíduos? O que se conhece como família será mantido?

A medida que o indivíduo se aprimora, naturais mudanças se operam no seu comportamento. Aquilo que, em determinado momento, lhe constituía base e parâmetro de atitude modifica-se diante dos valores novos adquiridos e das realizações operadas no seu mundo interior. O crescimento íntimo dita normas e atividades que se alteram para melhor, ampliando-lhe e enriquecendo-lhe o entendimento do ser, em relação a si mesmo, ao seu próximo e à vida. É natural portanto, que mudanças profundas se operem na sua conduta.

Como a família é a pedra angular do edifício da sociedade, ela sobreviverá ao caos do momento, ressurgindo com valores ora esquecidos e inspirada no código do Evangelho de Jesus, tendo como alicerce o amor, e como colunas mestras do relacionamento doméstico a verdadeira fraternidade, o bem e o respeito recíproco entre todos os seus membros.

No lar são forjados os heróis ou modelados os criminosos, graças ao comportamento do grupo, especialmente tendo-se em vista os Espíritos que o constituem. Por isso mesmo, todo o empenho deve ser direcionado à família, a fim de harmonizar os interesses de todos que ali se encontram vinculados pelo sangue, membros, no entanto, da grande família universal.

3) Quando compreenderá o homem que tudo se resume na busca da felicidade e, então, orientará sua vida de forma coerente com essa busca?

Essa ocorrência se dará quando haja o real despertar da consciência das responsabilidades, quando o indivíduo compreeender lucidamente que a sua felicidade é infinita, e que o prazer de que desfruta, pela sua transitoriedade, é apenas ilusão com doloroso despertar. Portanto, esse fenômeno evolutivo terá lugar no momento em que se deseje.

4) A alegria é manifestação de um estado íntimo. Poderia nos definir como se manifesta esse sentimento no mundo espiritual?

Expressa-se como paz de espírito, sem mágoa do passado nem ansiedade pelo futuro. É um estado de harmonia interna, rico de júbilos, que leva à plenitude.

5) Qual a importância da nossa participação em atividades comunitárias, principalmente em países como o nosso?

Quando o ser desperta para o valor de si mesmo, descobre-se membro atuante da sociedade e que de si depende a felicidade do grupo social no qual se encontra. Com essa consciência vem a necessidade imediata de participação na comunidade em que se encontra. A contribuição de cada um, sem qualquer preconceito de raça, de credo, de política, tendo apenas o objetivo de servir, é dos mais relevantes serviços a que se pode entregar aquele que pensa e deseja auxiliar a Humanidade no seu processo de desenvolvimento, sem o que estará trabalhando egoisticamente e contribuindo para que o mal predomine, já que o seu é um bem inoperante, portanto, inútil.

6) As motivações do ser humano para continuar a viver poderão ser outras no futuro?

Essa alteração de conduta vem sucedendo lentamente nas sociedades menos materialistas, mais humanitárias e eticamente constituídas. As necessidades biológicas da sobrevivência são apresentadas as de natureza espiritual, porque a função da reencarnação na Terra é desenvolver os valores que dormem latentes no Espírito, auxiliando-o a limar arestas e a crescer na fraternidade, no sentimento do amor.

O mundo é escola de bênçãos, na qual o ser se engrandece e se aprimora.

Desse modo, se lhe desenvolvem lentamente outras aptidões e necessidades de viver na Terra, motivado por outras buscas, outros valores, outras conquistas.

7) Em vista de descobertas recentes a respeito de alterações da arquitetura cerebral presentes em alguns casos de homossexualismo, haveria modificação no nível de responsabilidade dos Espíritos encarnados insertos nesse comportamento?

O homossexualismo é processo natural de experiência evolutiva, através do qual o Espírito, portador de uma psicologia diferente da sua anatomia, deve desenvolver valores pertinentes a ambas manifestações, sem que, necessariamente, deva corrromper-se, entregando-se a comportamentos sexuais perturbadores.

O Espírito imprime, nas sutis tecelagens do cérebro, aquilo que lhe é mais importante para o desenvolvimento próprio. É natural portanto que, em alguns casos, estejam presentes na estrutura cerebral alterações compatíveis com os processos da sua reencarnação, de modo a expressar-se nas preferências, nas manifestações comportamentais, na forma de encarar a vida. Isso, porém, não lhe faculta o direito de perverter-se, permitindo-se uma conduta agressiva ao próprio organismo.

Da mesma forma, o heterossexual, pelo fato de enquadrar-se no equilíbrio biológico de uma anatomia idêntica à sua psicologia, não se pode propor conduta vulgar, desrespeitando aquele com quem se une, produzindo dilacerações nas almas e gerando graves transtornos para o seu futuro espiritual.

O Apóstolo Paulo, por duas vezes (I Coríntios 6: 12 e 10:23) refere-se: Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm: todas são lícitas, mas nem todas edificam.

Ensina o grande pregador que o problema da licitude não deve estimular o comprometimento do Espírito, porquanto, muitas atitudes permitidas, que ferem os Códigos Soberanos, não edificam, antes perturbam o ser.

8) A dor utilizada como forma de aprendizado para esta e para vidas futuras. Como se processa a internalização desse aprendizado? Existem processos mais brandos na busca evolutiva? Quais as opções?

O mecanismo da evolução dá-se através das experiências que fazem parte da vida. A aprendizagem resulta da fixação dos métodos que produzem bem-estar, que estimulam ao progresso intelecto-moral ampliando os horizontes e possibilidades do Espírito em crescimento na Terra.

Em toda parte vige a presença do amor de Nosso Pai, conclamando à ordem, ao trabalho, ao dever.

Quando o Espírito se equivoca por ignorância repete a lição, a fim de aprender a discernir o que deve daquilo que lhe não é lícito realizar. Insistindo, porém, no equívoco por teimosia, revolta ou desafio às Leis que regem a Vida, desarmoniza-se interiormente e abre espaço para a instalação da dor, que se lhe torna um convite áspero à renovação.

Descobrindo-se em sofrimento e percebendo que do seu próprio esforço depende a libertação, desperta para a realidade e empenha-se em liberar-se, trabalhando pela aquisição dos valores malbaratados.

Assim, a dor tem uma função educativa, que decorre da necessidade de aprendizagem e de afirmação de valores internos que devem ser desenvolvidos.

Não obstante, a Divindade, que é Amor, dispõe de recursos inumeráveis para que o Espírito evolua sem a necessidade do sofrimento, tais como a obediência, o trabalho, o devotamennto ao Bem, a eqüidade, o serviço desinteressado, a elevação mental, produzindo a sintonia com a Ordem Universal.

A dor não é mecanismo punitivo, mas agente estimulante para o progresso, mesmo porque, muitos Espíritos Nobres periodicamente mergulham nas sombras da Terra a fim de sofrerem espontaneamente, de forma a ensinarem aos demais que o sofrimento conduz à reflexão, ao equilíbrio, tornando-se, portanto, metodologia dignificadora.

II - FILOSOFIA

9) É possível introduzirmos alguma premissa nova, nesta afirmativa de Hegel: Dialética é um modo de perceber o real em evolução (vir-a-ser) por movimentos contraditórios (tese-antítese-síntese) em ciclos sem fim?

Com a introdução do pensamento filosófico de Jesus, a respeito do amor a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, temos o mais seguro paradigma de transformação da sociedade e do seu desenvolvimento em uma linha ascensional que segue ao Infinito para a aquisição da perfeição. Considerando-se que o homem e a mulher são seres essencialmente espirituais e que a vida na Terra é transitória, faz-se indispensável que sejam trabalhados socialmente esses indivíduos integrais, de modo a alterar para melhor o grupo a que pertencem, que ampliará a sua capacidade de crescimento na razão direta em que se encontre desenvolvido interiormente, como manifestação da Essência Divina, e não como fruto espúrio do acaso. A visão dialética do indivíduo cede lugar à espiritual, em que o ser tem uma destinação estabelecida anteriormente, que lhe cumpre alcançar mediante o esforço que empreenda.

Não desejamos aqui referir-nos a uma Religião institucionalizada, que se faz instrumento de poder e autoritarismo, de cujos efeitos danosos, que vêm do passado, ainda sofre a sociedade. Essas doutrinas religiosas, que se aliaram ao Estado para governar e impor os seus postulados, estão distantes do pensamento de Jesus Cristo, que não propôs nenhuma delas, mas viveu e ensinou a amar sem qualquer imposição ou interesse de ordem política. O amor, na colocação do Mestre Galileu, é o hálito divino sustentando a vida em toda parte.

10) As modernas abordagens da Ciência Experimental apontam para um Universo probabilístico, isto é indicação de que, mesmo nas partículas infinitesimais a Inteligência Divina se faz, restando alguma parcela de decisão em todos os níveis evolutivos? Implica em dizer que não existe apenas automatismo absoluto em qualquer nível da Criação ?

O que denominamos automatismo é resultado de uma Lei de Causa e Efeito muito bem trabalhada, a fim de que se repita dentro do campo da ordem que foi estabelecida.

Em nível algum da Criação encontra-se ausente a Divina Inteligência que tudo permeia e vitaliza, encaminhando à harmonia vibratória mesmo as partículas infinitesimais que constituem o Universo.

11) Observa-se uma crise de paradigmas no âmbito da Ciência e das Religiões, levando aos graves conflitos de identidade dos indívíduos. De que forma poderão ser superados esses conflitos?

O homem moderno encontra-se em crise de afirmação, enfrentando os problemas por ele mesmo gerados e que o surpreenderam com novos conceitos em torno da vida e da evolução. Assim, onde quer se encontre, leva-os consigo, e refletem seu estado interior, apresentando as suas dificuldades e conflitos, insatisfações e ansiedades. Eis porque vemos nos diferentes grupos sociais, políticos e religiosos, científicos e filosóficos, artísticos e tecnológicos, os desafios, as dificuldades e os problemas avolumando-se.

Nas religiões em geral, esses conflitos se manifestam em forma de rebeldia ou de fanatismo, atendendo às necessidades íntimas de auto-afirmação e auto-satisfação.

Somente quando o indivíduo compreender o real sentido da sua presença na Terra e o alto significado existencial, é que superará os conflitos e estabelecerá paradigmas novos, que tenham por base a vida e o ser humano em prevalência, desaparecendo os conflitos que assolam em toda parte.

Espírito Vianna de Carvalho