COMUNICAÇÕES E ARTES

I - COMUNICAÇÃO: MÍDIA

1) Nos dias atuais, tem-se observado uma verdadeira guerra comercial nos canais de TV pela penetração da religião nas residências. A permanecer este estado de coisas, no amanhã poderemos entender que haverá uma separaçâo de veículo na mídia por produtos diferenciados, atendendo à segmentaçâo (produtos comerciais e conteúdo programático) que a religião está provocando ?

Os Espíritos Lúcidos e os Benfeitores Nobres não compartem dos métodos que são apresentados nas televisões com o objetivo de levar a mensagem de vida eterna aos interessados . . Não se pode divorciar a proposta da religião da ética de apresentá-la. Somente os meios dignos podem responder pelas realizações dignificadoras.

Algumas das técnicas que vêm sendo apresentadas, em determinados setores das denominadas religiões eletrônicas, ferem frontalmente a qualidade do ensino de Jesus às criaturas, que jamais se utilizou de lavagem cerebral ou de mecanismos equivalentes para atrair simpatizantes. A Sua autoridade e a profundidade dos conceitos por Ele emitidos, cativavam e despertavam para a realidade transcendente da vida. Quando faltam esses valores, apelam-se para os recursos da sugestão, do engodo, do fanatismo e da acusação em nome da Verdade.

Igualmente, a utilização da proposta religiosa para a distribuição e venda de produtos terrenos, com a possibilidade de enriquecimento dos seus líderes agride o Evangelho, que preconiza a renúncia aos bens materiais, a superação das ambições desordenadas que a ganância desenfreada propõe.

2) Considerando-se o imenso poder da mídia em nosso tempo e também o atual estágio da Humanidade, onde ainda preponderam os vícios sobre as virtudes, como se dará a evolução conquanto forças antagônicas exerçam total controle sobre a mídia?

O progresso é inevitável no processo de desenvolvimento da sociedade. O que hoje se apresenta como desafio ou sonho, amanhã se tornará realidade, abrindo espaços para conquistas ainda mais audaciosas. O fanal do ser humano é a plenitude. O estágio atual mesmo se apresentando caótico, também revela extraordinárias conquistas que beneficiam sobremaneira o ser, ampliando-lhe os horizontes da vida e diminuindo-lhe inúmeros sofrimentos que antes lhe constituíam verdadeiras tragédias.

Certamente, no que diz respeito à mídia, vive-se o período da transição e da conquista de novos valores.

O abuso leva ao cansaço do uso e, por conseqüência, ao abandono do recurso perturbador.

Desse modo, surgem, a cada momento, propostas renovadoras e realidades inesperadas que vão modificando a estrutura da comunicação e propondo a melhora das anteriores apresentações, que já não têm como renovar-se para manter-se no estágio em que se encontram.

3) Com o surgimento e crescimento de novos meios de comunicação, como por exemplo as redes de computadores e video-conferências, qual será o destino da mídia impressa (jornais e revistas) nas próximas décadas?

Não nos encorajamos a fazer futurologia. Não obstante, os periódicos - jornais e revistas - sobreviverão às admiráveis conquistas da moderna comunicação, facultando análise dos fatos com mais calma e possibilidades amplas de reflexão. Ao mesmo tempo, em razão da facilidade de serem conduzidos, propiciarão melhor intercâmbio de idéias. Constata-se que, embora o grandioso progresso da Informática e demais ciências encarregadas de simplificar a comunicação, aumenta o número de títulos e a tiragem de periódicos, que se multiplicam com velocidade, em tipos, propostas culturais e áreas de informação. É provável que se adaptem a novas fórmulas e apresentação, conforme já vem sucedendo.

4) Nos dias atuais Observamos de maneira tímida nas novelas televisivas a presença da mensagem espírita, com conteúdo, muitas vezes, incorreto, mas divulgando a mensagem. Como será no amanhã essa participação? Continuará tímida?

Vivemos sob a inexorável Lei do progresso, e tudo marcha para o equilíbrio e a perfeição.

A ciência e a tecnologia, embora não aplicadas exclusivamente para o bem, têm promovido o crescimento do ser humano, elevando-o a pontos culminantes no seu processo de evolução cultural, apesar de ainda não haver alcançado o patamar moral superior. São recursos valiosos para a felicidade humana, ao lado de outras conquistas que vêm diminuindo as dores e os sofrimentos, proporcionando alegria e discernimento, beleza e paz ...

Acreditamos que, no futuro, a televisão contribuirá de forma positiva para a sociedade feliz, quando aqueles que a comandam modificarem a sua visão em torno da vida e do ser nas suas variadas expressões.

A televisão, em si mesma, é neutra. O uso que dela se faz, é que a torna educativa ou perniciosa. Assim, portanto, à medida que as criaturas se modifiquem para melhor, sob o ponto de vista moral mais amplas possibilidades serão aplicadas para a realização dos objetivos elevados que todos perseguimos.

5) Como usar a força dos meios de comunicação, na construção de uma sociedade menos massificada?

A preservação da individualização do ser humano será sempre efeito da educação em bases de profundo respeito pela criatura e pela sua identidade. Enquanto prevaleçam os preconceitos e as diferenças de classes na estrutura da sociedade, essa, naturalmente, estabelecerá parâmetros separatistas, envolvendo todos aqueles que não lhe compartem as regalias em uma expressão massificada, a fim de ser facilmente manipulada. Infelizmente, os meios de comunicação têm exercido esse papel amputador dos valores individuais e da dignidade pessoal.

A medida que o homem se desenvolva moralmente perceberá que a vida é um direito à disposição de todos e que lhe cumpre o dever inalienável de auxiliar aqueles que se encontram em estágio de menor desenvolvimento, a fim de que possa crescer e contribuir mais vigorosamente em favor do progresso geral. Para tanto, utilizando-se da educação por intermédio dos veículos de comunicação que, sem perderem a sua finalidade informativa, promotora de interesses pessoais e de grupos, também contribuirá para a iluminação das consciências e harmonia dos sentimentos humanos. As suas programações terão finalidades elevadas, buscando sempre a edificação moral e não apenas a sensação que nivela os seres pelo inferior: auxiliarão no desenvolvimento das aptidões inatas - as de natureza divina que jazem no imo dos seres - erguendo-os para a conquista da sua realidade espiritual.

Assim, é possível uma proposta para programas pelos veículos de comunicação como fórmula ideal para a construção de uma sociedade menos massificada, menos perturbada.

6) Qual a responsabilidade dos profissionais da comunicação e dos defensores dos direitos de divulgação?

Graves responsabilidades lhes pesam sobre a consciência. O indivíduo é sempre o resultado das ações praticadas livremente, assim como pelos pensamentos que projeta no espaço, e que, hoje ou mais tarde, retornam ampliados pelo potencial da energia semelhante de que se nutrem. No que diz respeito à liberação dos costumes, à apresentação das cenas de violência, de agressividade, de sexo explícito e vícios que ultrapassam os limites do suportável os seus aficionados, em nome da liberdade promovem a libertinagem, estimulando os instintos que deveriam ser educados e desenvolvendo o cinismo, que pretende substituir a compostura, eliminando a razão e o discernimento, e a todos reduzindo à condição primária de objetos para o prazer mórbido.

Educar é criar hábitos considerados saudáveis. Todos os costumes que pervertem e levam à consumpção, longe se encontram de ter caráter educativo, antes conspirando contra os valores humanos e os princípios da ética e da moral, gerando desordem, fomentando o caos.

7) É lícito ao Estado estabelecer censura à divulgação de comportamentos contrários aos princípios morais adorados pela média de sua população?

Ao Estado é lícito o dever de disciplinar o abuso em quaisquer áreas do comportamento dos seus cidadãos, estabelecendo Leis compatíveis com o seu nível de progresso e desenvolvimento. Em um Estado fragilizado pelas licenças morais, os direitos humanos derrapam no desrespeito e as pessoas mais indefesas - crianças, idosos, enfermos - ficam à mercê dos dominadores e exploradores de todo gênero. A preservação dos valores éticos deve estar presente em todas as Constituições, não apenas escrita, mas sobretudo respeitada e vivida, estabelecendo-se diretrizes de preservação da dignidade e da honra da criatura humana como essenciais à própria existência. Quando assim não ocorre, as autoridades governamentais perdem a compostura, adotando as mesmas condutas dissolventes daqueles que exploram e aniquilam a esperança da vida social estabelecendo o retorno do primarismo à civilização, que facilmente derrapa em guerras lamentáveis, em condutas excêntricas, em comportamentos de indiferença humana pela própria sociedade.

Não propomos que seja adotada uma conduta semelhante à da média ou da maioria da população, porque onde prevalecessem a licenciosidade, o despautério, a hediondez, aí teríamos a medida-padrão para o procedimento de todos ...

As conquistas espaciais, no macrocosmo, e das micro-partículas, no microcosmo, demonstram a presença da ordem, do equilíbrio de um Pensamento Causal e Ordenador de todas as coisas, assim conclamando à harmonia e ao equilíblio, portanto, ponto de partida para a elaboração de um código que regulamente tudo aquilo que agrida, que fira, que ultraje, que perturbe, que induza ao crime e à decadência, tendo como modelo a harmonia vigente no Universo e na Vida.

8) O desenvolvimento dos sistemas de comunicação informatizados elimina as distâncias físicas, as fronteiras dos países e dificulta ou impede a retenção de informações secretas com segurança. Existe alguma tendência no sentido de se tornar a vida material semelhante à vida descrita nos planos espirituais?

Sem dúvida avançamos para a Unidade. Todas as informações, nos diferentes campos do conhecimento, têm por objeto equipar o homem de esclarecimentos que lhe facultem o crescimento na direção de Deus. Da mesma forma, as tecnologias modernas, que objetivam o progresso, são inspiradas por Missionários que se reencarnam com objetivos de aproximar a vida na Terra àquela que pulsa fora do corpo físico nas esferas espirituais.

Graças aos recursos da Eletrônica e da Física Quântica se pode ter uma idéia das ondas e vibrações que compõem o mundo parafísico, no qual os Espíritos vivemos.

A existência física se sutiliza cada vez mais, lentamente assemelhando-se à vida espiritual embora a distância vibratória que ainda as medeia.

9) Diante de tudo que temos visto pela Imprensa, até onde chegarão os representantes religiosos para arrebanhar adeptos? Qual será a reação das crianças ao futuro a uma tentativa de formação religiosa seja ela qual for?

Sendo a Escola realmente leiga, sem que professores materialistas e utilitaristas, cépticos e amargos, transmitam suas mensagens pessimistas aos alunos, cuidando de cumprir a grade estabelecida, e o Lar se encarregue de orientar religiosamente os seus membros, a propaganda bombástica da fé eletrônica perderá completamente o sentido, qual ocorre com muitos produtos apresentados, que embora impressionem pela beleza da embalagem e dos seus divulgadores, nunca são adquiridos, graças à má qualidade de que se fazem portadores. As pessoas menos esclarecidas certamente aderirão à novidade, recebendo orientação própria para o seu nível de consciência, por falência de outros credos que não souberam ou não quiseram conduzir corretamente os seus fiéis que ora os perdem, mudando de rotulagem e permanecendo, não obstante, castrados, com os instintos freados, de alguma forma menos sujeitos a deslizes morais que, de outra maneira, seriam factíveis de acontecer. Há estágios na evolução da criatura, nos quais o amor ainda não nasceu e o temor predomina nessa fase, o seu deve ser o deus do medo, da imposição arbitrária, a sua terá que ser a religião melhor, a salvadora sem muito esforço, a fim de que através da reencarnações chegue a Deus pelo amor, e à fé, mediante a razão.

II - PROPAGANDA

10) Atualmente a propaganda tem uma grande credibilidade junto ao público, até porque existem órgãos de defesa do consumidor que não permitem abusos. Como será a credibilidade da propaganda junto ao público dos cenários futuros?

O ser humano avança para a conquista da consciência lúcida, portanto, da responsabilidade. O periodo do ludíbrio, da marginalidade, vai sendo substituído pelo da razão e do respeito aos direitos alheios, que um dia dominarão as paisagens do mundo. Assim sendo, cada produto conquistará o consumidor conforme a sua qualidade, de acordo com o valor que possui, e não somente pelas apregoadas nas propagandas bombásticas e inautênticas.

Havendo respeito pelo consumidor, serão cuidados mais a legitimidade do produto e seus conteúdos, independendo da apresentação, da embalagem, às vezes belas, porém sem corresponderem ao que é divulgado.

11) Com o desenvolvimento da realidade virtual e o avanço da informática multimídia, as técnicas de vendas sofrerão mudanças? Como a propaganda será afetada por estas novas tecnologias?

O progresso é inestancável, apresentando-se sob vários aspectos e propondo mudanças, às vezes, radicais, no comportamento das criaturas e nas suas atividades.

É natural portanto, que as novas conquistas da área da comunicação proponham mudanças estruturais de técnicas para as vendas. Já podemos observar que as velhas fórmulas de propaganda cederam lugar à velocidade das informações, modificando completamente os métodos de mercado.

Assim também, à medida que se desenvolver uma área do conhecimento, outra será aberta para complementação do trabalho que não cessa.

Dessa forma, serão criadas novas técnicas de propaganda, conforme ora sucede, sempre baseadas no respeito ao consumidor, que se torna cada vez mais exigente, discernindo entre o que deve ou não adquirir, como efeito do conhecimento dos produtos que lhe são apresentados.

II - ARTES - ESTÉTICA

12) O que define o estilo de cada artista, quer na Música, literatura, pintura, etc. ?

Cada Espírito vê e sente a Arte com as suas características e expressões evolutivas, porquanto, à medida que o ser progride, amplia a capacidade de perceber a beleza e senti-la nas suas várias expressões. Essa forma de identificação muito pessoal que é resultado da experiência individual expressa-se na aptidão por uma ou por outra manifestação da Arte, bem como na maneira de traduzir o sentimento no instante da sua captação. Colocando a sua maneira de entendimento e emoção cria o estilo, que se poderia chamar o legítimo autógrafo colocado naquilo que faz.

13) Quais os gêneros artísticos que mais se aproximam do Belo, do Uno, em se considerando todos praticados com amor expressividade e devoção?

Toda manifestação de Arte que inspira paz e eleva o ser, que o estimula a progredir e a amar, tornando a vida mais nobre e feliz, traduz o Belo, o Uno, por ser emanação do Seu Psiquismo. Na sua imensa diversidade encontramos a mesma magia e grandeza, formando um painel de unidade, que liberta a criatura humana das paixões mais primitivas, aproximando-a da Fonte Geradora de Vida. Nenhuma, no entanto, específica, porquanto, em se considerando os vários estágios em que se encontram os seres terrestres, fazem-se necessárias todas as expressões, a fim de atingir igualmente e sem distinção os candidatos à aproximação do Incomparável Artista, de Quem tudo procede. No entanto, a Música, em razão da sua capacidade de penetrar o imo do ser, graças às suas melodias que arrebatam e sensibiliizam, despertando o divino no humano, parece ser o veículo que mais aproxima a criatura do seu Criador...

14) Seria a vida a expressão artística de Deus?

A Vida é emanação do pensamento de Deus que se exterioriza em completa harmonia, portanto, como forma sublime de Arte.

15) Que tipo de Arte existe no Mundo Espiritual?

Há expressões de estesia nas diferentes Esferas Felizes, que a mente humana ainda não pode conceber, nem o seu vocabulário traduzir. Mediante uma comparação simples pode-se ter idéia da qualidade e tipo de Arte existente na Espiritualidade, particularmente naquela onde vivem as Entidades nobres. Se observarmos a contribuição do homem primitivo em relação à Arte, mediante as pinturas rupestres, e compararmos com as elevadas conquistas realizadas pelo pensamento hodierno, veremos a distância que medeia entre ambas e a gradação da beleza em ascensão.

Assim, em relação às elaborações conseguidas no Mundo Espiritual, o homem terrestre agora estaria na fase rupestre ...

Tenhamos sempre em mente que a Terra é cópia grosseira do mundo espiritual, entendendo-se, todavia, que existem esferas ainda inferiores onde estagiam os Espíritos rebeldes e primários que se comprazem no erro e no mal sendo aí, diferente, porque mais grotescas as suas manifestações artísticas, pois que, também as existem.

Quando surgem, na Terra, movimentos artísticos inovadores e manifestações especiais da Arte, os seus pioneiros são Espíritos elevados que se reencarnaram, para transferir do mundo das causas para o dos efeitos o que há de belo, nobre e edificante, o mesmo ocorrendo nas mais diferentes áreas do conhecimento humano.

16) Pintura mediúnica é Arte? Traria ela alguma importância real para o Movimento Espírita, para a Doutrina Espírita?

Da mesma forma que a psicografia e a psicofonia, nas expressões da mediunidade intelectual contribuem valiosamente para a comprovação da imortalidade, ao lado de outras manifestações positivas do fenômeno mediúnico, a psicopictografia é recurso nobre de arte para a confirmação da sobrevivência do Espírito à disjunção molecular do corpo. O estilo do pintor, suas características, sua mensagem oferecem expressivo contributo para a afirmação da vida após o túmulo, como também pelo ensejo que oferece de trazer beleza e harmonia para encanto das criaturas humanas.

A Doutrina Espírita não oferece maior contribuição, tendo-se em vista que a Codificação encontra-se estruturada e completa, não sendo a mediunidade psicopictográfica que irá aumentar a sua excelente proposta de sabedoria.

O fenômeno necessita da Doutrina a fim de se explicar, porém a Doutrina dispensa o fenômeno, por ser ela um conjunto de lições profundas e ricas de iluminação e beleza, de que o insigne Allan Kardec se fez o incomparável intermediário.

Assim, o fenômeno confirma a Doutrina e essa elucida-o.

III - EDUCAÇÃO ARTÍSTICA

17) Arte também é Futo de exercícios da criatividade do ser e por isso existiria como um segmento da Sabedoria Universal em outros mundos?

Sem qualquer dúvida, o exercício é fator de realizações mais belas e perfeitas em todas as áreas do pensamento. A medida que o homem se exercita, a sua criatividade se desenvolve por encontrar campo de expansão e realização, como um prosseguimento do Divino Pensamento nos diferentes mundos do Universo.

18) Todo artista com sua obra estaria realmente reencarnado no seu tempo e lugar? Muitos perdem-se nos vicios, inquietos pela incompreensão do seu meio, da sociedade e dizem estar antes do seu Tempo.

Não existem acontecimentos casuais nas Leis Soberanas que regem a Vida. Todos nos encontramos no lugar certo, na hora exata. A rebeldia, resultado de imaturidade espiritual, responde pelas reações do desequilíbrio de cada um que foge da realidade, procurando mecanismo de autojustificação, a fim de escapar da responsabilidade do insucesso. Naturalmente, em alguns casos, o artista precede o seu tempo, a fim de fazer que o progresso avance, sendo ele pioneiro de novas expressões e condutas.

Os vícios não têm justificação que seja válida, porquanto muitos heróis e artistas, santos e apóstolos, cientistas e pensadores jamais encontraram compreensão dos seus contemporâneos e nem por isso derraparam nas fugas espetaculares do desequilíbrio e da dependência das paixões primitivas.

O verdadeiro artista não espera o aplauso imediato. Ele sabe que está trabalhando para o futuro e, por isso, confia no que faz, aguardando que a posteridade considere o que contempla e valorize a sua realização. Quem aguarda resposta imediata, gratidão e recompensa, ainda transita na faixa do egoísmo, guindado ao orgulho vão, que entorpece os sentimentos.

19) O Espírito que foi uma artista busca reencarnar-se sempre como artista?

Não necessariamente. A evolução do ser é abrangente, facultando-lhe experiências em várias áreas do conhecimento, do comportamento, da iluminação. É comum, no entanto, ver-se o Espírito que se realizou em determinado campo de vivência, retornar na mesma atividade, de modo a ampliar o espaço das realizações, não somente plenificando-se, mas também favorecendo a Humanidade com a visão mais ampla e profunda em torno daquela conquista.

O artista, em particular, tende a voltar a reencarnar-se no círculo da beleza, mas, quase sempre em outro gênero de expressão, crescendo na forma de traduzir a grandeza e a majestade da Vida, que a sua sensibilidade capta com maior desenvoltura. Assim, podemos identificar, por exemplo, Rafael Sanzio renascendo como Frederico Chopin, transformando cores em sons, mas permanecendo vinculado à harmonia.

20) Quais os Espíritos que atuariam ao lado dos artistas?

De acordo com o idealismo de cada qual a Lei de afinidades que vige no universo faz que sintonizem os artistas encarnados com Espíritos semelhantes. Normalmente, quando se propõem aos objetivos de elevação deixam-se arrastar pelas vibrações superiores do Mundo Espiritual transcendental, e entram em sintonia com os mestres da Arte, encarregados de a promoverem na Terra, ampliando as paisagens do sentimento e da harmonia, da estética e da ventura nas mentes e nos corações. Quando, porém, agitados pelas paixões perturbadoras ou objetivando as manifestações do campeonato da insensatez, tornam-se instrumentos de equivalentes Espíritos que ainda se comprazem no cultivo das experiências primárias e alucinantes.

Uns e outros, no entanto, sempre que se desprendem temporariamente do corpo, através do sono vão vivenciar, de acordo com os seus interesses, experiências na Erraticidade, de onde trazem lembranças que transformam em mensagens enviadas às criaturas. Nunca faltam, porém, os inspiradores nobres que os convidam ao crescimento pessoal e da sociedade, já que são portadores dos recursos de captação da harmonia, com objetivos definidos de engrandecerem as manifestações artísticas entre os homens.

IV - FILOSOFIA DA ARTE

21) Qual a destinaçâo da Arte no mundo e de que maneira ela evolui?

A Arte tem como meta materializar a beleza invisível de todas as coisas, despertando a sensibilidade e aprofundando o senso de contemplação, promovendo o ser humano aos páramos da Espiritualidade. Graças à sua contribuição, o bruto se acalma, o primitivo se comove, o agressivo se apazigua, o enfermo se renova, o infeliz se redescobre, e todos os outros indivíduos ascendem na direção dos Grandes Cimos. A Arte permanecerá no mundo assinalando as fases de progresso ou de tormento das criaturas, porém oferecendo sempre harmonia e trabalhando os sentimentos elevados.

Desse modo, evolui do grotesco ao transcendental, aprimorando as qualidades e tendências, que estarão sempre à frente dos comportamentos de cada época. Lentamente, e às vezes com rapidez, a Arte se desenvolve alterando os conteúdos e melhor qualificando a mensagem de que se faz portadora.

22) As tradições culturais devem ser preservadas ou incentivadas? Ou devem render-se à adequação de uma nova realidade?

Não se pode nem se deve matar o passado. Seria como destruir o alicerce da edificação, ameaçando-a de desmoronamento. Da mesma forma, não se pode abandonar o que a Arte tem para oferecer ao presente, graças ao seu passado. Pelo contrário, todos os artistas encontraram, nas fontes do ontem, a inspiração para as experiências do futuro, mesmo quando alteranndo as formas, discordando e sugerindo novas expressões.

Em cada período, naturalmente, não é a Arte que se lhe adequa mas este que se adapta ao que ela vem realizando e promovendo, pois que o pensamento sempre precede aos acontecimentos.

23) Quando mais evoluído o planeta, maior seria a sua integraçâo com as Artes?

A medida que o ser se despoja do fardo que o retém atado às paixões, mais amplas e sutis se lhe fazem as percepções, facultando-lhe uma captação mais detalhada e enriquecedora das paisagens e magias do mundo transcendente, Assim, igualmente, quanto mais evoluído o planeta mais integrado estará com a Arte sublime que supera as formas e se exterioriza, deixando de ser estática para tornar-se vibrante e integrativa, mimetizando aqueles que a contemplam com o seu conteúdo invulgar. Nessas Regiões Felizes, a Arte é viva, portadora de calor e comunicativa pela emoção que esparze, tornando o observador igualmente observado e, portanto, mergulhado na beleza que irradia.

V - PSICOLOGIA DA ARTE

24) Toda manifestaçâo artística é expressâo do pensamento do próprio artista?

Nem sempre, porquanto, normalmente o artista é portador de grande sensibilidade psíquica, o que lhe permite sintonizar com outros estetas, que já se encontram desencarnados, e que anelam por continuarem desenvolvendo a sua visão de beleza. Utilizam-se, desse modo, daqueles que estão em equivalente faixa vibratória e os inspiram, muitas vezes, mediunicamente, qual o demonstram as biografias de inúmeros deles, que declararam haver sido dirigidos enquanto trabalhavam.

25) Como identificar o artista verdadeiro?

O legítimo portador da beleza caracteriza-se pelo conteúdo da mensagem que expressa, enriquecendo a Humanidade com paz, com inspiração e engrandecimento moral, fazendo que, através da sua manifestação de arte, as pessoas se encontrem e confraternizem, respeitando-se umas às outras, sem os apelos às paixões perturbadoras que induzem à violência, ao sexo desvairado, aos tormentos que desgovernam as emoções com predominância das sensações.

O artista real é missionário de Deus como co-criador junto à Humanidade. A sua contribuição permanece edificando, mesmo quando ele morre, e não raro, pela qualidade e profundidade do conteúdo da sua inspiração, que antecipa o futuro, não é reconhecido como gênio, senão depois da sua morte.

26) A Arte, como lazer de forma geral traz algum benefício às pessoas?

São inegáveis os benefícios que a Arte proporciona às pessoas, particularmente em forma de lazer e de terapia, porquanto, não somente o trabalho é essencial ao crescimento espiritual como também o repouso, a meditação, o encontro consigo mesmo. Nesses momentos, qualquer manifestação de Arte ajuda no processo de elevação e libertação do pensamento, conduzindo-o aos cenários agradáveis da alegria, da paz, da plenificação.

27) Não teria Jesus utilizado o recurso da Arte para sensibilizar a alma humana, quando passou o seu Evangelho através de parábolas com forte colorido de histórias fantásticas e elucidativas?

Na Sua condição de Mestre, Jesus sempre utilizou a Arte de bem apresentar os Seus ensinamentos, recorrendo à metodologia mais adequada à época em que viveu, que se apoiava na sabedoria das narrações, ocultando a profundidade dos Seus ensinamentos na roupagem das parábolas, a fim de preservá-los para o futuro, apresentando-os sempre atuais, conforme o grau de desenvolvimento cultural da sociedade. Utilizou-se, desse modo, da pauta da natureza, para cantar a mais extraordinária melodia que os ouvidos humanos jamais escutaram.

Inspirados no Seu poema de vida, inumeráveis artistas, através dos séculos, imortalizaram em forma, cor e som, a eterna mensagem de amor e de vida que Ele, Artista Sublime, insculpiu nas consciências.

VI. - SOCIOLOGIA DA ARTE

28) Sabemos que poucos seres humanos na atividade são afeitos aos aspectos mais sublimados da Arte. Qual seria a consequência, se isso fosse ao contrário?

Seria viver o futuro na atualidade. Cada época se faz caracterizar pelas suas conquistas e prejuízos, ficando assinalada como lição viva para a posteridade. É natural que, neste período de trânsito, muitas criaturas ainda se encontrem com afinidades direcionadas para as paixões primitivas e suas expressões, materializando, na arte o nível evolutivo no qual ainda se demoram. Todavia, a balbúrdia que se vem instalando no mundo e a confusão de valores em torno da Arte, na sua multiface, é transitório, passando ao porvir como página de identificação de um período humano paradoxal no qual o ser quase atingiu as estrelas e, não obstante, permaneceu durante algum tempo, sob o ponto de vista moral, em patamar inferior, salvadas, naturalmente, as exceções.

O progresso multiplica-se por si mesmo e sedimenta-se na sinuosa inferior, onde começa a linha ascencional até o ápice, no qual estagia, para novamente descer, sempre porém, a nível menos baixo do que o imediatamente anterior.

29) Quais contribuições Arte e Religião mutuamente trouxeram no decorrer da evolução humana? Qual aquela que foi mais influenciada pela outra?

Extraídos os excessos, que são da natureza humana, na sua fase primária de desenvolvimento intelecto-moral, ambas, que se confundem nos recuados dias da pré-história, ofereceram valiosa contribuição para o processo da evolução dos seres. Nas pinturas rupestres encontramos o homem primitivo tentando comunicar-se graficamente, deixando marcas da sua trajetória no rumo do pensamento pré-mágico, quando começou a sentir as primeiras necessidades da compreensão das Leis da Vida e do seu Autor. Ali mesmo se iniciou o culto de adoração às Forças Vivas que o rodeavam, expressando-se de forma grotesca, porém traduzindo o primeiro sentimento de temor, já que se encontrava impossibilitado de amar, governado como se sentia pelo instinto, ainda longe da razão. Desse modo, ambas nasceram quase simultaneamente e, através da História, a Religião sempre influenciou a Arte, mesmo quando se lhe opondo, assinalando cada período com a riqueza das suas inspirações. Sem o apoio da Religião, que sempre direcionou o destino dos povos, de alguma forma amparada pelo Estado, com exceção do Cristianismo nos seus primórdios, a Arte disporia de poucos recursos financeiros para atingir as cumeadas da beleza que alcançou e hoje, livre das amarras totais do religiosismo, alça vôos mais audaciosos em busca de outros níveis e mensagens.

30) Quase sempre, todo artista necessita comercializar a sua obra para sobreviver. Alguns tornam-se milionários. Como é visto esse mercado pelo mundo espiritual?

Desde que não se trata de uma realização eminentemente mediúnica, caracterizando-se pelo esforço pessoal daquele que produz a obra de Arte, é justo que a possa dispor conforme lhe aprouver. Face ao encontro de compradores, alguns dos quais se tornam mais investidores financeiros do que admiradores do Belo, é válido que venda o seu trabalho, a fim de viver com dignidade. Todo excesso, no entanto, é prejudicial e na Arte, em razão das ambições que entram em jogo comercializando-a, e impedindo que os menos aquinhoados financeiramente possam também desfrutá-la, torna-se uma conquista lamentável para aqueles que a possuem para deleite exclusivo do seu orgulho e egoísmo. No passado, geralmente, com poucas exceções, os artistas viveram e desencarnaram faltos de recursos, especialmente quando sua expressão de Arte não correspondia aos padrões convencionais estabelecidos, inspirando-se, ainda mais no próprio sofrimento e produzindo incomparáveis obras que vêm sensibilizando a cultura e a Humanidade séculos em fora.

Espírito Vianna de Carvalho