DEMÔNIOS

1 - O diabo existe?

RESP.: Não como uma força que se contrapõe ao poder divino, devotado ao mal eterno. E apenas um filho transviado de Deus, sujeito a leis inexoráveis de evolução que o reconduzirão, mais cedo ou mais tarde, aos caminhos do Bem.

2 - Segundo as tradições religiosas, os demônios são anjos que se rebelaram desde a criação do Mundo. São tão resistentes à renovação que insistem, perenemente, no exercício do mal...

RESP.: Assim como na Terra, temos no Além os rebeldes sem causa, orientados pela própria imaturidade, ainda que, não raro, de atilada inteligência. Mas não são impermeáveis à renovação. Mais cedo ou mais tarde, invariavelmente, todos acabam submetendo-se às Leis Divinas, que objetivam conduzir-nos à per­feição. Para isso fomos criados por Deus, que jamais falha em seus objetivos.

3 - Dentre os meios usados pelo Criador para converter seres demoníacos ao Bem, inclui-se a reencarnação?

RESP.: Sem dúvida. Muitos deles transitam entre nós, ainda dominados pela rebeldia e pela ambição de domínio, destacando-se por inicia­tivas que geram a conturbação e a desordem. Adolf Hitler (1889-1945), Joseph Stalin (1879-1953), Saddam Hussein (1937-), Slobodan Milosevic (1941-) e Osama bin Laden (1957-) são bons exemplos.

4 - Aparentemente não lhes foi útil a experiência reencarnatória, já que conservaram suas tendências à dominação e à maldade.

RESP.: Deus não tem pressa, nem impõe sua vontade aos filhos rebeldes. Deixa que aprendam, ao longo dos séculos, à custa de dolorosas experiências, que o mal não é uma opção inteligente na economia da Vida Eterna.

5 - O que dizer da afirmativa de que o demônio manifesta-se no Centro Espírita?

RESP.: A ignorância é sempre atrevida. Pior que ela só a má-fé dos que têm algum conhecimento sobre o assunto e insistem em confundir as pessoas ingênuas. Não raro, depois de desencarnados, esses críticos manifestam-se em nossas reuniões mediúnicas, convertidos em almas penadas, a lamentar seus equívocos.

6 - O Espiritismo é contrário ao exorcismo?

RESP.: O exorcismo parte do princípio de que estamos lidando com representantes do mal, que devem ser expulsos. A experiência em reuniões de intercâmbio com o Além nos ensina que são irmãos nossos em estado de desequilíbrio, necessitados de orientação, não de exorcização.

7 - São sempre malévolos os propósitos de espíritos perturbadores?

RESP.: Negativo. Não raro, lidamos com Espíritos inconscientes de sua situação, que se aproximam de familiares encarnados e lhes transmitem algo de suas perplexidades, perturbando-os. Não há a intenção de prejudicar. São como náufragos que se agarram a uma tábua de salvação.

8 - Se são as almas dos mortos que se manifestam, envolvendo pessoas em desajuste, como não o percebem aqueles que lidlam com elas, nas reuniões de exorcismo, em determinados grupos religiosos?

RESP.: Não percebem porque não se dão ao trabalho de conversar amigavelmente, procurando definir as motivações e necessidades dessas entidades. Partem do pressuposto de que é o demônio e tratam logo de exorcizá-lo com palavras de ordem. Lamentável.