EMANCIPAÇÃO DA ALMA

HÁ UMA RELAÇÃO MUITO FORTE ENTRE: "EMANCIPAÇÃO DA ALMA, SONO E SONHOS".

1 - COMO DEFINIR A ALMA?

RESP.: "ALMA é um espírito encarnado", segundo a definição dos próprios Espíritos LE, perg. 134. Allan Kardec, chama alma ao ser imaterial e individual que em nós reside e sobrevive ao corpo. Portanto, ALMA é o princípio inteligente que habita o corpo físico, utilizando-o como instrumento de sua atividade no mundo material, enquanto que Espírito e a alma do desencarnado, mera questão de terminologia para facilitar o entendimento.

2 - O ESPÍRITO ENCARNADO PERMANECE VOLUNTARIAMENTE NO ENVOLTÓRIO CORPORAL?

RESP.: É como perguntar se o prisioneiro está satisfeito sob as chaves. O Espírito encarnado aspira incessantemente à libertação, e quanto mais grosseiro é o envoltório, mais deseja ver-se desembaraçado.

3 - DURANTE O SONO, A ALMA REPOUSA COMO O CORPO?

RESP.: Não, o Espírito jamais fica inativo. Durante o sono, os liames que o unem ao corpo se afrouxam e o corpo não necessita do Espírito. Então ele percorre o espaço e entra em relação mais direta com os outros Espíritos.

4 - COMO PODEMOS AVALIAR A LIBERDADE DO ESPÍRITO DURANTE O SONO?

RESP.: Pelos sonhos. Sabei que, quando o corpo repousa, o Espírito dispõe de mais faculdades que no estado de vigília. Tem a lembrança do passado e, às vezes, a previsão do futuro; adquire mais poder e pode entrar em comunicação com os outros Espíritos, seja deste mundo, seja de outro. Frequentemente dizes: "Tive um sonho bizarro, um sonho horrível, mas que não tem nenhuma verossimilhança". Enganas-te. É quase sempre uma lembrança de lugares e de coisas que viste ou que verás numa outra existência ou em outra ocasião. O corpo estando adormecido, o Espírito trata de quebrar as suas cadeias para investigar no passado ou no futuro.

5 - POR QUE NÃO NOS RECORDAMOS SEMPRE DOS SONHOS?

RESP.: Nisso que chamas sono só tens o repouso do corpo, porque o Espírito está sempre em movimento. No sono, ele recobra um pouco de sua liberdade e se comunica com os que lhe são caros, seja neste ou em outros mundos. Mas, como o corpo é de matéria pesada e grosseira, dificilmente conserva as impressões recebidas pelo Espírito, mesmo porque o Espírito não as percebeu pelos órgãos do corpo.

Os sonhos são o produto da emancipação da alma, que se torna mais independente pela suspensão da vida ativa e de relação. Daí uma espécie de clarividência indefinida, que se estende aos lugares, os mais distantes ou que jamais se viu, e algumas vezes mesmo a outros mundos. Daí também a lembrança que retrata na memória os acontecimentos verificados na existência presente ou nas existências anteriores. A extravagância das imagens referentes ao que se passa ou se passou em mundos desconhecidos, entremeadas de coisas do mundo atual, formam esses conjuntos bizarros e confusos que parecem não ter nem senso, nem nexo. A incoerência dos sonhos ainda se explica pelas lacunas decorrentes da lembrança incompleta do que nos apareceu no sonho. Tal como um relato ao qual se tivessem truncado frases ou partes de frases ao acaso: os fragmentos restantes, sendo reunidos, perderiam toda significação.

6 - É NECESSÁRIO O SONO COMPLETO, PARA A EMANCIPAÇÃO DO ESPÍRITO?

RESP.: Não. O Espírito recobra a sua liberdade quando os sentidos se entorpecem; ele aproveita, para se emancipar, todos os instantes de descanso que o corpo lhe oferece. Desde que haja prostração das forças vitais, o Espíritose desprende, e quanto mais fraco estiver o corpo, mais o Espírito estará livre.

7 - PARECE-NOS, ÀS VEZES, OUVIR EM NOSSO ÍNTIMO PALAVRAS PRONUNCIADAS DISTINTAMENTE, E QUE NÃO TÊM NENHUMA RELAÇÃO COM O QUE NOS PREOCUPA. DE ONDE VÊM ELAS?

RESP.: Sim, e até mesmo frases inteiras, sobretudo quando os sentidos começam a entorpecer. É, às vezes, o fraco eco de um Espírito que deseja comunicar-se contigo.

8 - MUITAS VEZES, NUM ESTADO QUE AINDA NÃO É O COCHILO, QUANTO TEMOS OS OLHOS FECHADOS, VEMOS IMAGENS DISTINTAS, FIGURAS DAS QUAIS APANHAMOS OS PORMENORES MAIS MINUCIOSOS. É UM EFEITO DA VISÃO OU DE IMAGINAÇÃO?

RESP.: Entorpecido o corpo, o Espírito trata de quebrar a sua cadeia: ele se transporta e vê, e se o sono fosse completo, isso seria um sonho.

9 - TÊM-SE ÀS VEZES, DURANTE O SONO OU O COCHILO, IDÉIAS QUE PARECEM MUITO BOAS, E QUE, APESAR DOS ESFORÇOS QUE SE FAZEM PARA RECORDÁ-LAS, SE APAGAM DA MEMÓRIA. DE ONDE VÊM ESSAS IDÉIAS?

RESP.: São o resultado da liberdade do Espírito, que se emancipa e goza, nesse momento, de mais amplas faculdades. Frequentemente também, são conselhos dados por outros Espíritos.

10 - DE QUE SERVEM ESSAS IDÉIAS OU ESSES CONSELHOS, SE A SUA RECORDAÇÃO SE PERDE E NÃO SE PODE APROVEITÁ-LOS?

RESP.: Essas idéias pertencem, algumas vezes, mais ao mundo dos Espíritos que ao mundo corpóreo, mas o mais frequente é que, se o corpo as esquece, o Espírito as lembra, e a idéia volta no momento necessário, como uma inspiração do momento.

11 - O ESPÍRITO ENCARNADO, NOS MOMENTOS EM QUE SE DESPRENDE DA MATÉRIA E AGE COMO ESPÍRITO, CONHECE A ÉPOCA DE SUA MORTE?

RESP.: Muitas vezes a pressente; e às vezes tem dela uma consciência bastante clara, o que lhe dá, no estado de vigília, a sua intuição. É por isso que algumas pessoa prevêem a própria morte com grande exatidão.

12 - A ATIVIDADE DO ESPÍRITO, DURANTE O REPOUSO OU O SONO DO CORPO, PODE FATIGAR A ESTE?

RESP.: Sim, porque o Espírito está ligado ao corpo como o balão cativo ao poste. Ora, da mesma maneira que as sacudidas do balão abalam o poste, a atividade do Espírito reage sobre o corpo, e pode produzir-lhe fadiga.

13 - DO PRINCÍPIO DE EMANCIPAÇÃO DA ALMA DURANTE O SONO PARECE RESULTAR QUE TEMOS, SIMULTANEAMENTE, DUAS EXISTÊNCIAS DO CORPO, QUE NOS DÁ A VIDA DE RELAÇÃO EXTERIOR, E A DA ALMA, QUE NOS DÁ A VIDA DE RELAÇÃO OCULTA. É ISSO EXATO?

RESP.: No estado de emancipação , a vida do copro, cede lugar à da alma, mas não existem, propriamente falando, duas existências; são antes duas fases da mesma existência, porque o homem não vive de maneira dupla.

14 - DUAS PESSOAS QUE SE CONHECEM PODEM VISITAR-SE DURANTE O SONO?

RESP.: Sim, e muitas outras, que pensam não se conhecerem, se encontram e conversam. Podester, sem que o suspeites, amigos em outro país. O fato de visitardes durante o sono, amigos, parentes, conhecidos, pessoas que vos podem ser úteis, é tão frequente que o realizais quase todas as noites.

15 - QUAL PODE SER A UTILIDADE DESSAS VISITAS NOTURNAS, SE NÃO AS RECORDAMOS?

RESP.: Ordinariamente, ao despertar, resta uma intuição que é quase sempre a origem de certas idéias que surgem espontaneamente, sem que se possa explicá-las, e não são mais que as idéias hauridas naqueles colóquios.

16 - O HOMEM PODE PROVOCAR VOLUNTARIAMENTE AS VISITAS ESPÍRITAS? PODE, POR EXEMPLO, DIZER AO ADORMECER: ESTA NOITE QUERO ENCONTRAR-ME EM ESPÍRITO COM TAL PESSOA; FALAR-LHE E DIZER-LHE TAL COISA?

RESP.: Eis o que se passa: o homem dorme, seu Espírito desperta, e o que o homem havia resolvido o Espírito está, muitas vezes, bem longe de o seguir, porque a vida do homem interessa pouco ao Espírito, quando ele se liberta da matéria. Isto para os homens já bastante elevados, pois os outros passam de maneira inteiramente diversa a sua existência espiritual: entregam-se às suas paixões ou permanecem em inatividade. Pode acontecer, portanto, que segundo o motivo assim preposto, o Espírito vá visitar as pessoas que deseja; mas o fato de o haver desejado quando em vigília, não é razão para que o faça.

17 - CERTO NÚMERO DE ESPÍRITOS ENCARNADOS PODEM ENTÃO SE REUNIR E FORMAR UMA ASSEMBLÉIA?

RESP.: Sem nenhuma dúvida. Os laços de amizade, antigos ou novos, reúnem assim, frequentemente, diversos Espíritos, que se sentem felizes em se encontrar.

Pela palavra "ANTIGOS" é necessário entender os laços de amizade contraídos em existências anteriores. Trazemos ao acordar uma intuição das idéias que haurimos nesses colóquios ocultos, mas ignoramos a fonte.

18 - UMA PESSOA QUE JULGASSE MORTO UM DE SEUS AMIGOS, QUE NA REALIDADE NÃO ESTIVESSE, PODERIA ENCONTRAR-SE COM ELE EM ESPÍRITO E SABER ASSIM QUE CONTINUAVA VIVO? PODERIA, NESSE CASO, TER UMA INTUIÇÃOAO ACORDAR?

RESP.: Como Espírito, pode certamente vê-lo e saber como está. Se não lhe foi imposto como prova acreditar na morte do amigo, terá um pressentimento de que ele vive, como poderá ter o de sua morte.

19 - QUAL A RAZÃO POR QUE A IDÉIA DE UMA DESCOBERTA, POR EXEMPLO, SURGE AO MESMO TEMPO EM MUITOS PONTOS?

RESP.: Já dissemos que, durante o sono, os Espíritos se comunicam entre si. Pois bem, quando o corpo desperta, o Espírito se recorda do que aprendeu, e o homem julga ter inventado. Assim, muitos podem encontrar a mesma coisa ao mesmo tempo. Quando dizeis que uma idéia está no ar, fazeis uma figura mais exata do que pensais; cada um contribui sem o suspeitar, para propagá-la.

Nosso Espírito revela assim, muitas vezes, a outros Espíritos, e à nossa revelia, aquilo que constitui o objeto das nossas preocupações de vigília.

20 - OS ESPÍRITOS PODEM COMUNICAR-SE, SE O CORPO ESTIVER COMPLETAMENTE ACORDADO?

RESP.: O Espírito não está encerrado no corpo como numa caixa: ele irradia em todo o seu redor; eis por que poderá comunicar-se com outros Espíritos, mesmo no estado de vigília, embora o faça mais dificilmente.

21 - POR QUE DUAS PESSOAS, PERFEITAMENTE DESPERTAS, TÊM MUITAS VEZES, INSTANTANEAMENTE, O MESMO PENSAMENTO?

RESP.: São dois Espíritos simpáticos que se comunicam e vêem reciprocamente os seus pensamentos, mesmo quando não dormem.

Há entre os Espíritos afins uma comunicação de pensamento, permitindo que duas pessoas se vejam e se compreendam sem a necessidade dos signos exteriores da linguagem. Poderia dizer-se que elas falam a linguagem dos Espíritos.