ESPERANÇAS E CONSOLAÇÕES

1 - O HOMEM PODE GOZAR NA TERRA UMA FELICIDADE COMPLETA?

RESP.: Não, pois a vida lhe doi dada como prova ou expiação, mas dele depende abrandar os seus males e ser tão feliz quanto se pode ser na Terra.

2 - CONCEBE-SE QUE O HOMEM SEJA FELIZ NA TERRA QUANDO A HUMANIDADE ESTIVER TRANSFORMADA, MAS, ENQUANTO ISSO NÃO SE VERIFICA, PODE CADA UM GOZAR DE UMA FELICIDADE RELATIVA?

RESP.: O homem é, na maioria das vezes, o artífice de sua própria infelicidade. Praticando a lei de Deus ele pode poupar-se muitos males e gozar de uma felicidade tão grande quanto o comporta a sua existência num plano grosseiro.

3 - A FELICIDADE TERRENA É RELATIVA À POSIÇÃO DE CADA UM; O QUE É SUFICIENTE PARA A FELICIDADE DE UM FAZ A DESGRAÇA DE OUTRO. HÁ, ENTRETANTO, UMA MEDIDA COMUM DE FELICIDADE PARA TODOS OS HOMENS?

RESP.: Para a vida material, a posse do necessário; para a vida moral, a consciência pura e a fé no futuro.

4 - AQUILO QUE SERIA SUPÉRFLUO PARA UM NÃO SE TORNA O NECESSÁRIO PARA OUTRO, E VICE-VERSA, SEGUNDO A POSIÇÃO?

RESP.: Sim, de acordo com as vossas idéias materiais, os vossos preconceitos, a vossa ambição e todos os vossos caprichos ridículos, para os quais o futuro fará justiça quando tiverdes a compreensão da verdade. Sem dúvida, aquele que tivesse uma renda de cinquenta mil libras e a visse reduzida a dez mil, considerar-se-ia muito infeliz por não poder continuar fazendo boa figura, mantendo o que chama a sua classe, ter bons cavalos e lacaios, satisfazer a todas as paixões etc... Julgaria faltar-lhe o necessário. Mas, francamente, podes considerá-lo digno de lástima, quando ao seu lado há os que morrem de fome e de frio, sem um lugar em que repousar a cabeça? O homem sensato, para ser feliz, olha para baixo e jamais para os que lhe estão acima, a não ser para elevar sua alma ao infinito.

5 - EXISTEM MALES QUE NÃO DEPENDEM DA MANEIRA DE AGIR E QUE FEREM O HOMEM MAIS JUSTO. NÃO HÁ ALGUM MEIO DE SE PRESERVAR DELES?

RESP.: O atingido deve resignar-se e sofrer sem queixas, se deseja progredir. Entretanto, encontra sempre uma consolação na sua própria consciência, que lhe dá a esperança de um futuro melhor, quando ele faz o necessário para obtê-lo.

6 - POR QUE DEUS BENEFICIA COM OS BENS DA FORTUNA CERTOS HOMENS QUE NÃO PARECEM MERECÊ-LOS?

RESP.: Esse é um favor aos olhos daqueles que não enxergam além do presente; mas sabei-o, a fortuna é uma prova geralmente mais perigosa que a miséria.

7 - A CIVILIZAÇÃO, CRIANDO NOVAS NECESSIDADES, NÃO É A FONTE DE NOVAS AFLIÇÕES?

RESP.: Os males deste mundo estão na razão das necessidades artificiais que criais para vós mesmos. Aquele que sabe limitar os seus desejos e ver sem cobiça o que está fora das suas possibilidades, poupa-se de muitos aborrecimentos nesta vida. O mais rico é aquele que tem menos necessidades. Invejais os prazeres dos que vos parecem os felizes do mundo. Mas sabeis, por acaso, o que lhes está reservado? Se não gozam senão para si mesmos, são egoístas e terão que sofrer o reverso. Lamentai-os, antes de invejá-los. Deus às vezes permite que o mau prospere, mas essa felicidade não é para se invejar, porque ele pagará com lágrimas amargas. Se o justo é infeliz é porque passa por uma prova que lhe será levada em conta, desde que a saiba suportar com coragem. Lembrai-vos das palavras de Jesus: "Bem aventurados os que sofrem porque serão consolados".

8 - O SUPÉRFLUO NÃO É, POR CERTO, INDISPENSÁVEL À FELICIDADE, MAS NÃO SE DÁ O MESMO COM O NECESSÁRIO. ORA, A DESGRAÇA DAQUELES QUE SERÃO PRIVADOS DO NECESSÁRIO NÃO É REAL?

RESP.: O homem não é verdadeiramente desgraçado senão quando sente a falta daquilo que lhe é necessário para a vida e a saúde do corpo. Essa privação é talvez consequência de sua própria culpa e então ele só deve queixar-se de si mesmo. Se a falta fosse de outro, a responsabilidade caberia a quem tivesse causado.

9 - PELA NATUREZA ESPECIAL DAS APTIDÕES NATURAIS, DEUS INDICA EVIDENTEMENTE A NOSSA VOCAÇÃO NESTE MUNDO. MUITOS MALES NÃO PROVÊM DO FATO DE NÃO SEGUIRMOS ESSA VOCAÇÃO?

RESP.: Isso é verdade, e muitas vezes são os pais que, por orgulho ou avareza, fazem os filhos se desviarem do caminho traçado pela Natureza, comprometendo-lhes com isso a felicidade. Mas serão responsabilizados.

10 - ENTÃO CONSIDERAIS JUSTO QUE O FILHO DE UM HOMEM DA ALTA SOCIEDADE FABRICASSE TAMANCOS, POR EXEMPLO, SE FOSSE ESSA A SUA APTIDÃO?

RESP.: Não se precisa cair no absurdo nem no exagero; a civilização tem as suas necessidades. Por que o filho de um homem da alta sociedade, como dizes, teria de fazer tamancos, se pode fazer outras coisas? Ele poderá sempre se tornar útil na medida de suas faculdades, e não as aplicar em sentido contrário. Assim, por exemplo, em vez de um mau advogado, poderia ser talvez um bom mecânico etc..

11 - HÁ PESSOAS QUE, PRIVADAS DE TODOS OS RECURSOS, MESMO QUANDO REINE A ABUNDÂNCIA EM SEU REDOR, NÃO VÊEM OUTRA PERSPECTIVA DE SOLUÇÃO PARA O SEU CASO A NÃO SER A MORTE. QUE DEVEM FAZER? DEIXAR-SE MORRER DE FOME?

RESP.: O homem jamais deve ter a idéia de se deixar morrer de fome, pois sempre encontraria meios de se alimentar, se o orgulho não se lhe interpusesse entre a necessidade e o trabalho. Frequentemente dizemos que não há profissões humilhantes e que não é o ofício que desonra; mas o dizemos para os outros e não para nós.

12 - É EVIDENTE QUE, SEM OS PRECONCEITOS SOCIAIS, PELOS QUAIS SE DEIXA DOMINAR, O HOMEM SEMPRE ENCONTRARIA UM TRABALHO QUALQUER QUE O PUDESSE AJUDAR A VIVER, MESMO DESLOCADO DE SUA POSIÇÃO. MAS ENTRE AS PESSOAS QUE NÃO TÊM PRECONCEITOS OU QUE OS PÕEM DE LADO, NÃO HÁ AS QUE ESTÃO IMPOSSIBILITADAS DE PROVER AS SUAS NECESSIDADES EM CONSEQUÊNCIA DE MOLÉSTIAS OU OUTRAS CAUSAS INDEPENDENTES DE SUA VONTADE?

RESP.: Numa sociedade organizada segundo a lei do Cristo, ninguém deve morrer de fome.

13 - POR QUE AS CLASSES SOCIAIS SOFREDORAS SÃO MAIS NUMEROSAS DO QUE AS FELIZES?

RESP.: Nenhuma é perfeitamente feliz; pois aquilo que se considera a felicidade muitas vezes oculta pungentes aflições. O sofrimento está por toda parte. Entretanto, para responder ao teu pensamento, direi que as classes a que chamas sofredoras são mais numerosas porque a Terra é um lugar de expiação. Quando o homem a tiver transformado em morada do bem e dos bons Espíritos, não mais será infeliz neste mundo, que será para ele o paraíso terrestre.

14 - POR QUE, NESTE MUNDO, GERALMENTE A INFLUÊNCIA DOS MAUS PREDOMINA SOBRE A DOS BONS?

RESP.: Pela fraqueza dos bons. Os maus são intrigantes e audaciosos; os bons são tímidos. Estes, quando quiserem, assumirão a preponderância.

15 - SE É O HOMEM, EM GERAL, O ARTÍFICIE DOS SEUS SOFRIMENTOS MATERIAIS, SÊ-LOS-Á TAMBÉM DOS SOFRIMENTOS MORAIS?

RESP.: Mais ainda, pois os sofrimentos materiais são às vezes independente da vontade, enquanto o orgulho ferido, a ambição frustrada, a ansiedade da avareza, a inveja, o ciúme, todas as paixões, enfim, constituem torturas da alma. Inveja e ciúme! Felizes os que não conhecem esses dois vermes vorazes. Com a inveja e o ciúme não há calma, não há repouso possível. Para aquele que sofre desses males, os objetos da sua cobiça, do seu ódio e do seu despeito se erguem diante dele como fantasmas que não o deixam em paz e o perseguem até no sono. O invejoso e o ciumento vivem num estado de febre contínua. É essa uma situação desejável? Não compreendeis que, com essas paixões, o homem cria para si mesmo suplícios voluntários e que a Terra se transforma para ele num verdadeiro inferno?

16 - A PERDA DE ENTES QUERIDOS NÃO NOS CAUSA UM SOFRIMENTO TANTO MAIS LEGÍTIMO, QUANDO É IRREPARÁVEL E INDEPENDENTE DA NOSSA VONTADE?

RESP.: Essa causa de sofrimento atinge tanto o rico como o pobre; é uma prova ou expiação, e lei para todos. Mas é uma consolação poderdes comunicar-vos com os vossos amigos pelos meios de que dispondes, enquanto esperais o aparecimento de outros mais diretos e mais acessíveis aos vossos sentidos.

17 - QUE PENSAR DA OPINIÃO DAS PESSOAS QUE CONSIDERAM AS COMUNICAÇÕES DE ALÉM-TÚMULO COMO UMA PROFANAÇÃO?

RESP.: Não pode haver profanação quando há recolhimento e quando a evocação é feita com respeito e decoro. O que o prova é que os Espíritos que vos são afeiçoados se manifestam com prazer, sentem-se felizes com a vossa lembrança e por conversarem convosco. Profanação haveria se as evocações fossem feitas com leviandade.

18 - COMO AS DORES INCONSOLÁVEIS DOS QUE FICARAM NA TERRA AFETAM OS ESPÍRITOS QUE PARTIRAM?

RESP.: O Espírito é sensível à lembrança e às lamentações daqueles que amou, mas uma dor incessante e desarrazoada o afeta penosamente, porque ele vê nesse excesso uma falta de fé no futuro e de confiança em Deus e, por conseguinte, um obstáculo ao progresso e talvez ao próprio reencontro com os que deixou.

19 - AS DECEPÇÕES PROVOCADAS PELA INGRATIDÃO E PELA FRAGILIDADE DOS LAÇOS DE AMIZADE NÃO SÃO, TAMBÉM, PARA O HOMEM DE CORAÇÃO, UMA FONTE DE AMARGURAS?

RESP.: Sim, mas já vos ensinamos a lastimar os ingratos e os amigos infiéis, que serão mais infelizes do que vós. A ingratidão é filha do egoísmo e o egoísta encontrará mais tarde corações insensíveis como ele próprio o foi. Pensai em todos os que fizeram maior bem do que vós, que valiam mais do que vós, e no entanto, foram pagos com ingratidão. Pensai que o próprio Jesus, quando na Terra, foi injuriado e desprezado, tratado de patife e impostor, e não vos admireis de que o mesmo vos aconteça. Que o bem que fizeste seja a vossa recompensa neste mundo e não vos importeis com o que dizem os beneficiados. A ingratidão é uma prova para a vossa persistência em fazer o bem. Isso vos será levado em conta, e os que não vos foram reconhecidos serão punidos tanto mais quanto maior houver sido a sua ingratidão.

20 - AS DECEPÇÕES CAUSADAS PELA INGRATIDÃO NÃO PODEM ENDURECER O CORAÇÃO E TORNÁ-LO INSENSÍVEL?

RESP.: Seria um erro pensar assim, porque o homem de coração, como dizes, será sempre feliz pelo bem que que praticar. Ele sabe, se não o reconhecerem nesta vida, na outra o farão, e o ingrato sentirá então remorso e vergonha.

21 - ESTE PENSAMENTO NÃO IMPEDE QUE O SEU CORAÇÃO SE SINTA FERIDO.ORA, DISSO NÃO PODE NASCER-LHE A IDÉIA DE QUE SERIA MAIS FELIZ SE FOSSE MENOS SENSÍVEL?

RESP.: Sim, se ele preferir a felicidade do egoísta, uma bem triste felicidade! Se ele sabe, no entanto, que os amigos ingratos que o abandonam não são dignos da sua amizade e que se enganou a respeito deles, não deve mais lamentar a sua perda. Mais tarde encontrará os que melhor o compreenderão. Lamentai os que vos tratam de maneiras que não mereceis, pois terão uma triste recompensa. Mas não vos aflijais por isso: é o meio de vos elevardes sobre eles.

22 - DESDE QUE OS ESPÍRITOS SIMPÁTICOS SÃO LEVADOS A SE UNIR COMO SE EXPLICA QUE ENTRE OS ENCARNADOS A AFEIÇÃO FREQUENTEMENTE EXISTA APENAS DE UM LADO E O AMOR MAIS SINCERO SEJA RECEBIDO COM INDIFERENÇAE MESMO COM REPULSA? COMO, ALÉM DISSO, A MAIS VIVA AFEIÇÃO ENTRE DOIS SERES PODE SE TRANSFORMAR EM ANTIPATIA E, ALGUMAS VEZES, EM ÓDIO?

RESP.: Não compreendes, então, que seja uma punição, embora passageira? Além disso, quanto há que pensam amar perdidamente porque julgam apenas as aparências e, quando são obrigados a viver em comunhão, não tardam em reconhecer que se tratava somente de uma paixão material. Não é suficiente estar enamorado de uma pessoa que vos agrada e que supondes dotada de belas qualidades; é vivendo realmente com ela que a podereis apreciar. Quantas uniões, por outro lado, que a princípio pareciam incompatíveis e com o correr do tempo, quando ambos se conheceram melhor, se transformaram num amor terno e durável, porque baseado na estima recíproca! É necessário não esquecer que o Espírito é quem ama, e não o corpo, e que, dissipada a ilusão material, o Espírito vê a realidade. Há duas espécies de afeição: a do corpo e a da alma, e frequentemente se toma uma pela outra. A afeição da alma, quando pura e simpática, é duradoura; a do corpo é perecível; eis porque os que se julgam amar com um amor eterno acabam se odiando, quando passa a ilusão.

23 - A FALTA DE SIMPATIA ENTRE OS SERES DESTINADOS A VIVER JUNTOS NÃO É IGUALMENTE UMA FONTE DE SOFRIMENTOS, TANTO MAIS AMARGA QUANTO ENVENENA TODA A EXISTÊNCIA?

RESP.: Muito amarga, de fato; mas é uma dessas infelicidades de que, na maioria das vezes, sois a primeira causa. Em primeiro lugar, as vossas leis são erradas, pois acreditais que Deus vos obriga a viver com aqueles que vos desagradam? Depois, nessas uniões procurais quase sempre mais a satisfação do vosso orgulho e da vossa ambição do que a felicidade de uma afeição mútua. E sofreis, então, apenas a consequência dos vossos preconceitos.

24 - MAS NESSE CASO NÃO HAVERÁ QUASE SEMPRE, UMA VÍTIMA INOCENTE?

RESP.: Sim, e isso é para ela uma dura expiação, mas a responsabilidade da sua infelicidade recairá sobre os que causaram. Se a luz da verdade tiver penetrado em sua alma, ela se consolará com a fé no futuro. De resto, à medida que os preconceitos se enfraquecerem, desaparecerão também as causas infelicidades íntimas.

25 - A PREOCUPAÇÃO COM A MORTE É PARA MUITAS PESSOAS UMA CAUSA DE PERPLEXIDADE; MAS POR QUE ESSA PREOCUPAÇÃO, SE ELAS TÊM O FUTURO PELA FRENTE?

RESP.: É errado que tenham essa preocupação. Mas que queres? Procuram persuadi-las, desde cedo, de que há um inferno e um paraíso, sendo mais certo que elas vão para o inferno, pois lhes ensinam que aquilo que pertence à própria Natureza é um pecado mortal para a alma. Assim quando se tornam grandes, se tiverem um pouco de raciocínio, não podem admitir isso e se tornam ateus ou materialistas. É dessa maneira que são levados a crer que nada existe além da vida presente. Quanto aos que persistiram na crença da infância, temem o fogo eterno que deve queimá-los sem os destruir.

26 - ALGUMAS PESSOAS NÃO ACHARÃO ESTES CONSELHOS DE FELICIDADE UM POUCO BANAIS, NÃO VERÃO NELES O QUE CHAMAM LUGARES-COMUNS OU VERDADES CEDIÇAS, E NÃO DIRÃO POR FIM, QUE O SEGREDO DA FELICIDADE CONSISTE EM SABER SUPORTAR A INFELICIDADE?

RESP.: Há as que dirão isso, e numerosas. Mas muitas delas são como certos doentes aos quais o médico prescreve a dieta: desejariam ser curados sem remédios e continuando a entregar-se aos excessos.