ESPÍRITO

1 - O QUE É ESPÍRITO?

RESP.: ESPÍRITO: É o PRINCÍPIO INTELIGENTE do Universo (LE, perg.23). Por princípio entende-se aqui o fundamento que dá origem ao Universo, e nele permanece como essência universal. Portanto, por espírito entende-se aqui o princípio da inteligência, abstração feita das individualidades designadas por esse nome (LE, perg. 25a).

2 - QUAL A DIFERENÇA ENTRE ESPÍRITO E espírito?

RESP.: "ESPÍRITO": serve para designar as individualidades extra-corpóreas.
"espírito": serve para designar o elemento inteligente do Universo.

3 - OS ESPÍRITOS SÃO CRIADOS TODOS IGUAIS SIMPLES E IGNORANTES. EXPLIQUE?

RESP.: Os Espíritos são criados todos iguais: simples e ignorantes, com as mesmas possibilidades de evolução, porque sendo Deus Justo e Misericordioso jamais poderia criar seus filhos em desigualdade de condições. Mas como e quando foram criados não há como saber. Importa sim saber que sendo Deus eterno, tem criado sempre: o trabalho da criação não cessa nunca.

4 - QUAL A NATUREZA DOS ESPÍRITOS?

RESP.: Os Espíritos são definidos na Codificação como sendo "os seres inteligentes da criação que povoam o Universo, fora do mundo material" (LE, perg. 76), entendendo-se por Espíritos os seres extra-corpóreos que se encontram no plano espiritual adequado ao seu estado evolutivo. Falta ao homem termos de comparação para definir a natureza dos Espíritos. Não se pode dizer que são imateriais. O mais certo será dizer que são incorpóreos.

5 - OS ESPÍRITOS HABITAM UM LUGAR CIRCUNSCRITO NO UNIVERSO? COMENTE.

RESP.: Os Espíritos não habitam um lugar circunscrito no Universo, pois estão por toda a parte. Não estão encerrados no Céu ou no Inferno conforme ensinam as várias religiões. Eles habitam todo o Universo, locomovendo-se com incrível velocidade e estão ao lado dos seres encarnados sem que estes o percebam; interditas aos Espíritos menos Evoluídos.

6 - COMO SE DEVE ENTENDER O DOM DA UBIQUIDADE ATRIBUÍDA AOS ESPÍRITOS?

RESP.: Ubiquidade é a faculdade de estar ao mesmo tempo em mais de um lugar. Os Espíritos não possuem o dom da ubiquidade no sentido absoluto, pois, para isso teriam de dividir-se, possibilitando cada uma de suas partes estar em lugares diferentes simultâneamente. "Não pode haver divisão de um Espírito, mas cada um deles é um centro que irradia para diferentes lados, e é por isso que parecem estar em muitos lugares ao mesmo tempo.

7 - AS NOSSAS EXPIAÇÕES PODEM SER AMENIZADAS?

RESP.: Espíritos recalcitrantes e rebeldes perdem o direito ao livre-arbítrio de escolherem as tribulações por que devam passar, porém os Espíritos que se mostram aptos a caminhar no roteiro do bem e estando arrependidos das faltas cometidas, podem escolher o gênero de provas que os levem ao triunfo do resgate bem sucedido.

8 - O QUE PREDOMINA NOS ESPÍRITOS IMPERFEITOS?

RESP.: Os Espíritos Imperfeitos caracterizam-se pela ignorância, desejo do mal e apego as paixões que lhe retardam o desenvolvimento, pois neles há o predomínio da matéria sobre o Espírito. Têm a intuição de Deus, mas não o compreendem. Tais características não são iguais para todos, uma vez que progridem, e se modificam, à medida que desenvolvem sua inteligência e moralidade.

9 - QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DO ESPÍRITO BOM?

RESP.: Espíritos Bons são os que chegaram ao meio da escala. O desejo do bem e a sua realização decorrem do grau de evolução que atingiram, pois, há neles o predomínio do Espírito sobre a matéria e, consequentemente, a busca da sabedoria e da moralidade. Compreendem Deus e sentem-se felizes quando fazem o bem e quando impedem o mal LE, perg. 107.

10 - O PROGRESSO INTELECTUAL E O PROGRESSO MORAL ANDAM SEMPRE JUNTOS?

RESP.: Não. O progresso intelectual e o progresso moral raramente andam juntos, mas o que o Espírito não consegue em dado tempo, alcança em outro, de modo que os dois progressos acabam por atingir o mesmo nível. LE perg. 192

11 - O QUE SÃO ANJOS E DEMÔNIOS?

RESP.: Os anjos, arcanjos, serafins são ESPÍRITOS PUROS: estão no mais alto grau da escala e reunem em si todas as perfeições. LE perg. 128. HÁ DEMÔNIOS? Não. Demônios são portanto, os Espíritos ainda imperfeitos, transitoriamente desviados do bem e que se comprazem no mal alheio. Pela sua índole imperfeita, estabelecem domínio sobre outros Espíritos, encarnados ou desencarnados. Pertencem à 3ª Ordem da escala Espírita por se rebelarem contras as provas que lhes tocam e que por isso as sofrem mais longamente.

12 - EXISTEM PENAS ETERNAS? EXPLIQUE

RESP.: A Doutrina Espírita esclarece que as penas não são eternas; o prazo de expiação para os Espíritos imperfeitos está subordinado à sua vontade de melhorar para ascender à categoria de Espíritos Puros. Deus não privilegia mais a uns do que a outros, pois, é soberanamente justo e bom.

13 - O ESPÍRITO TERÁ QUE NECESSARIAMENTE PASSAR PELO CAMINHO DO MAL?

RESP.: Os Espíritos não precisam necessariamente passar pela fieira do MAL para chegarem ao bem, mas sim pelo caminho da ignorância. Todos têm o livre-arbítrio para escolher entre um e outro caminho, mas é justamente pelo uso correto que fazem de sua escolha é que conquistam o mérito para chegar à Primeira Ordem. O livre-arbítrio se desenvolve à medida que o Espírito adquire consciência de si mesmo.

14 - O ESPÍRITO PODE ESTAR EM DOIS LUGARES AO MESMO TEMPO?

RESP.: Através do pensamento sim. Mas, por irradiação. O seu corpo não se divide.

15 - O ESPÍRITO MANTÊM A INDIVIDUALIDADE APÓS A MORTE? EXPLIQUE

RESP.: Sim. É muito natural que um leigo em assuntos de espiritualidade alimente a curiosidade de saber em que se transforma a alma no instante da morte. Allan Kardec define a alma como sendo o Espírito encarnado. Assim, é natural que, no instante da desencarnação, a alma volte a ser Espírito, conservando a sua individualidade e seu perispírito, guardando a mesma aparência da última encarnação.

16 - O QUE SERIA ENTÃO UMA INDIVIDUALIDADE?

RESP.: Individualidade, portanto, seria a consciência de si, sem ponderar o tempo, ou seja, o "EU SOU". Contudo, há que se observar o atual estágio do despertamento espiritual do homem, no qual a aparência física se constitui no fator preponderante para o reconhecimento das individualidades; isto é possível, uma vez que o perispírito conserva a forma da última encarnação, facilitando assim o reconhecimento dos membros de um determinado grupo.

17 - POR QUE A PERCEPÇÃO NÃO É IGUAL PARA ENCARNADOS E DESENCARNADOS?

RESP.: Percepção é a faculdade que os Espíritos têm de perceber o mundo à sua volta, faculdade essa que nos Espíritos desencarnados é muito mais acurada do que nos encarnados. Isto ocorre em função da matéria compacta que representa verdadeiro entrave para a livre manifestação das suas faculdades; livres da matéria, a inteligência e demais potencialidades se revelam em toda a sua plenitude. Porém, a maior ou menor expressão de tais atributos está diretamente relacionada ao grau evolutivo de cada um.

18 - COMO É A PERCEPÇÃO DO TEMPO PARA OS ESPÍRITOS?

RESP.: Os Espíritos vivem fora do tempo tal como é concebido no plano físico, pois a medida temporal praticamente deixa de existir para eles; enquanto para os encarnados os séculos são longos, para os desencarnados não passam de instantes que se diluem na eternidade.

19 - OS ESPÍRITOS ELEVADOS PODEM VER EM DOIS LUGARES SIMULTANEAMENTE?

RESP.: Sim. Esta é outra particularidade inerente aos Espíritos elevados, é que podem ver em dois lugares simultaneamente, uma vez que transportam-se com a velocidade do pensamento; os que são mais elevados irradiam seus pensamentos em várias direções ao mesmo tempo.

20 - PODE O ESPÍRITO ESCOLHER PROVAS MUITO RUDES E UMA EXISTÊNCIA REPLETA DE PERCALÇOS A FIM DE APRESSAR A SUA EVOLUÇÃO?

RESP.: Parece evidente o fato de o Espírito geralmente escolher as provas mais fáceis de ser vencidas, no entanto, isso não ocorre pois, na vida espiritual ele compara os prazeres fugitivos e grosseiros com a felicidade inalterável que entrevê, e então que lhe importam alguns sofrimentos passageiros? É assim que quando desencarnado prefere provas mais rudes e suscetíveis de apressar o seu progresso.

21 - O ESPÍRITO PODE ENGANAR-SE QUANTO À EFICÁCIA DA PROVA ESCOLHIDA?

RESP.: Pode acontecer de, por vezes, o Espírito enganar-se quanto à eficácia da prova que escolher. Pode escolher uma que esteja acima de suas forças, e então sucumbe. Pode também escolher uma que não lhe dê proveito algum, como um gênero de vida ociosa e inútil. Mas, nesse caso voltando ao mundo dos Espíritos, percebe que nada ganhou e pede para recuperar o tempo perdido.

22 - TODOS OS ESPÍRITOS TÊM LIVRE-ARBÍTRIO NA ESCOLHA DE SUAS PROVAS?

RESP.: Um Espírito inexperiente, simples e ignorante, não pode escolher uma existência com pleno conhecimento de causa e ser responsável por essa escolha. Entretanto, à medida que vai evoluindo e que o seu livre-arbítrio se desenvolve, tornando-se senhor de si, passa a tomar decisões por si mesmo; porém, se não aceitar os conselhos dos bons Espíritos, poderá cair em deslizes, comprometendo o seu processo evolutivo. Algumas provas podem ser impostas em vez de serem escolhidas espontaneamente; isto porém, acontece apenas com Espíritos inferiores, que revelam-se refratários às orientações dos bons Espíritos, assim como no caso de expiação de faltas, o que obviamente auxiliará o seu progresso.

23 - HÁ LIVRE ACESSO DOS ESPÍRITOS A TODOS OS LUGARES? EXPLICAR

RESP.: Nem todos os Espíritos têm acesso, reciprocamente, uns junto aos outros. Os bons vão por toda parte e é necessário que assim seja, para que possam exercer a sua influência sobre os maus. Mas as regiões habitadas pelos bons são interditadas aos imperfeitos, a fim de que não levem a elas o distúrbio das más paixões.

24 - COMO OS ESPÍRITOS SE RECONHECEM NA ESPIRITUALIDADE?

RESP.: Os Espíritos reconhecem-se e constatam sua individualidade pelo perispírito, que os torna seres distintos uns para os outros, como os corpos entre os homens. Desta maneira reconhecem aqueles que foram seus filhos, pais, amigos ou inimigos quando encarnados. Geralmente ao desencarnar a alma vê os parentes e amigos que a precederam no mundo dos Espíritos, os quais felicitam-na como no regresso de uma viagem. A alma do justo é recebida como um irmão bem-amado e longamente esperado; a do mau é recebida com natural reserva.

25 - COMO SE PODE APAZIGUAR OS ESPÍRITOS VINGATIVOS?

RESP.: Só se pode apaziguar esses Espíritos vingativos com o bem, jamais com o mal. Nossos sentimentos atuam sobre os outros segundo uma lei física: a da assimilação e repulsão dos fluidos. Assim sendo, os bons sentimentos quebram toda eventual expressão vibratória entre os seres imantados pelo ódio, envolvendo a ambos em eflúvios de harmonia. Além disso, o bom procedimento não dá, pelo menos, nenhum pretexto a represálias, e com ele se pode fazer de um inimigo um amigo antes e depois da morte.

26 - QUAL A RELAÇÃO DOS ESPÍRITOS DAS VÁRIAS HIERARQUIAS, COM RELAÇÃO AO MUNDO MATERIAL?

RESP.: Os Espíritos de ordem elevada só por um tempo relativamente curto de aproximam do plano material. Tudo aquilo que observam, inclusive as coisas às quais os homens dão tamanha importância, é mesquinho aos seus olhos, face às grandezas do infinito. Os Espíritos de elevação mediana são os que mais frequentemente vêm ao plano material porém, consideram as coisas de um ponto de vista diferente do que quando encarnados, uma vez que vêem por um ângulo de maior elevação. Os Espíritos vulgares são os que mais se comprazem com as coisas triviais do mundo material e constituem o aglomerado de Espíritos que formam a população invisível do planeta, uma vez que conservam os mesmos gostos e tendências que tinham quando no corpo carnal.

27 - OS ESPÍRITOS LEMBRAM-SE DAS EXISTÊNCIAS VIVIDAS NO MUNDO MATERIAL?

RESP.: Os Espíritos lembram das existências vividas no mundo corpóreo, e muitas vezes ao fazerem a avaliação dos erros cometidos, lamentam-se amargamente dos deslizes, assim como o homem que, atingindo a idade da razão, ri das suas loucuras da juventude, ou das puerilidades da sua infância.

28 - QUAL O COMPORTAMENTO DO ESPÍRITO QUE VÊ INTERROMPIDA SUA TAREFA QUANDO ENCARNADO?

RESP.: Aquele que tenha dado início a um trabalho sem conseguir terminá-lo, trata de influenciar outros Espíritos encarnados a que a finalizem. Se tinha, quando encarnado o objetivo de propiciar um bem estar à humanidade, ele continua a se animado da mesma propósito, procurando um continuador que possa dar prosseguimento a esse algo que tenha iniciado.

29 - OS ESPÍRITOS SABEM EM QUE MOMENTO SE DARÁ O RETORNO AO PLANO MATERIAL?

RESP.: A uma pergunta se os Espíritos sabem em que época a reencarnação se dará, os benfeitores espirituais esclareceram que assim como um cego pressente quando se aproxima do fogo, os Espíritos desencarnados sabem que terão que retomar um corpo, do mesmo modo que um encarnado sabe que um dia vai morrer, ignorando, no entanto, quando isso se dará.

30 - O ESPÍRITO PODE ESCOLHER O GÊNERO DE PROVA PELA QUAL TERÁ QUE PASSAR?

RESP.: Nem sempre, dependendo do seu grau de evolução. A união de Espírito com um determinado corpo pode ser imposta da mesma maneira que as diferentes provas, sobretudo quando o Espírito ainda não está apto a fazer um conhecimento de causa. Como expiação, o Espírito pode ser constrangido a se unir ao corpo de uma criança que por seu nascimento e pela posição que terá no mundo, poderá tornar-se para ele um meio de castigo.

31 - QUANDO COMEÇA E QUANDO SE COMPLETA A UNIÃO DA ALMA COM O CORPO?

RESP.: Segundo a orientação dos Espíritos, a união da alma ao corpo começa na concepção, mas não se completa senão no instante do nascimento. Desde o momento da concepção, o Espírito designado para tomar determinado corpo a ele se liga por um laço fluídico que se vai encurtando cada vez mais, até o instante em que a criança vem à luz. NOTA: Como esta união se dá célula à celula, e que temos por volta de três a cinco trilhões, segundo André Luiz, esta ligação se complementa por volta dos 7 anos. Lembrando ainda que há um tempo notório em que o Espírito reencarnante pode desistir de sua ação e os seus mentores a aceitam embora com consequências para o Espírito reencarnante e para a futura mãe: aborto natural. (Ocorre em muitos deles que a mãe nem saber que estava grávida).

32 - AS FACULDADES MORAIS E INTELECTUAIS SÃO ATRIBUTOS DO ESPÍRITO OU DO HOMEM?

RESP.: As faculdades morais e intelectuais do homem são atributos do Espírito que nele está encarnado, e não do corpo físico, que apenas é o seu veículo de expressão. Consequentemente, o homem de bem é a encarnação de um Espírito elevado, enquanto que aquele que se submete às vibrações próprias da matéria, é porque nele habita um Espírito imperfeito.

33 - MUITAS PESSOAS ACREDITAM QUE AS FACULDADES MORAIS E INTELECTUAIS SÃO RESULTANTES DA ENCARNAÇÃO EM SEU CORPO DE VÁRIOS ESPÍRITOS. EXPLIQUE

RESP.: É comum observar-se certo antagonismo entre as faculdades morais e intelectuais de um mesmo homem, criando a falsa idéia de haver mais de um Espírito nele encarnado. Esta suposição no entanto, é absurda, pois o homem não pode ter em si dois Espíritos. Assim não tem qualquer fundamento a teoria de que as diferenças entre as faculdades morais e intelectuais venham a ser consequência de vários Espíritos encarnados em um só corpo. O homem não poderia ser uma combinação de vários Espíritos, pois então perderia a sua individualidade.

34 - ESPÍRITOS INTELIGENTES, QUANDO ENCARNADOS, SÃO NECESSARIAMENTE MAIS EVOLUÍDOS E, PORTANTO, PROPENSOS A PRÁTICA DO BEM?

RESP.: O Espírito caminha sempre numa marcha ascendente; contudo, seu processo evolutivo não ocorre simultaneamente em todos os sentidos. Em determinadas etapas reencarnatórias, ele se adianta no conhecimento científico e /ou intelectual, e em outras suas qualidades MORAIS afloram de maneira mais acentuada, até que ambos os atributos o elevem. A prática do bem diz mais respeito a elevação moral.

35 - COMO SE EXPLICA A ORIGEM DE CERTAS IDÉIAS QUE SURGEM ESPONTANEAMENTE?

RESP.: Da mesma maneira que os indivíduos influenciam, são também influenciados pelos desejos, pelas fixação de seus interesses, emitem e captam certa ordem de idéias em regime de influência recíprocas. É nesse regime que, durante o sono, os Espíritos comunicam-se entre si suas idéias. O que chamamos de INSPIRAÇÃO, são pensamentos enviados pelos Espíritos superiores e/ou nosso anjo da guarda.

36 - O ESPIRITISMO NÃO ACEITA A TEORIA DE ENTIDADES CRIADAS ETERNAMENTE PARA A PRÁTICA DO MAL?

RESP.: O bom senso que caracteriza o Espiritismo não aprova a existência de entidades voltadas inexoravelmente para o mal, porquanto isto seria a negação peremptória da infinita misericórdia de Deus. Esses seres nada mais são do que as almas dos homens que por ainda não se terem despojado das tendências malévolas.

37- COMO APAZIGUAR AS ENTIDADES VOLTADAS PARA O MAL?

RESP.: Ao invés de sacrifícios materiais para apaziguar essas entidades, o que se deve fazer é renunciar à intransigência humana que teima em considerá-los irreversíveis gênios das sombras e, indulgentemente, aplicar-lhes a lei de caridade e do perdão, porque, só assim pelo exemplo, é que os homens podem enternecer essas almas rebeldes com sucesso, predispondo-as à prática do bem e redirecionando-as a senda que leva a reforma íntima.

38 - JESUS RECOMENDOU A RECONCILIAÇÃO COM OS INIMIGOS, ENQUANTO ESTIVERMOS COM ELES A CAMINHO. POR QUÊ?

RESP.: Não havendo perdão irrestrito, o Espírito daquele que é inimigo do encarnado, ao passar para o mundo espiritual continuará a ter sentimentos de rancor e de vingança, atuando sobre a vida do encarnado e mesmo causando-lhe sérias perturbações. Foi por esse motivo que Jesus recomendou a conciliação com o adversário, isto é, enquanto "estiver a caminho com ele", isto é, enquanto estiverem juntos encarnados, pois sem isso, muito mais problemática será a reconciliação futura, quando os desafetos estiverem em planos diferentes.

39 - OS ESPÍRITOS VÊEM TUDO O QUE FAZEMOS?

RESP.: Um pensador famoso já alertava "uma falta jamais seria cometida, se o faltoso soubesse estar sendo observado pela pessoa que mais respeitasse". Ninguém melhor que o Espírito consciente para conhecer esta profunda verdade, já que os Espíritos a tudo observam por estarem permanentemente em todo o derredor. E não se trata de um só ou dois. São inúmeros os Espíritos que acompanham o quotidiano dos homens: uma quantidade que se assemelha a multidão das mais movimentadas ruas de uma cidade.

40 - QUAL A INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS LEVIANOS E DOS ESPÍRITOS SÉRIOS SOBRE NOSSOS PENSAMENTOS?

RESP.: Os Espíritos levianos juntam-se às ilusões dos encarnados e preparam-lhe verdadeiras armadilhas; isto os leva a divertirem-se às custas dos menos avisados. Já Espíritos sérios, tais como os protetores e amigos, preocupam-se com a segurança dos que lhes são caros, lamentam suas atrapalhadas e o mau uso do livre-arbítrio, e porisso procuram sempre auxiliá-los.

41 - OS ESPÍRITOS CONHECEM MUITAS VEZES AQUILO QUE O HOMEM DESEJA OCULTAR A SI MESMO? COMENTE.

RESP.: Há, porém, uma diferença entre o homem na via pública, e os Espíritos no quotidiano: é que o homem, como encarnado, só observa o que está sobre ao alcance da vista; não consegue penetrar no íntimo das criaturas; os Espíritos, entretanto, podem penetrar fundo nos pensamentos, por mais secretos que sejam. Conhecem, muitas vezes, aquilo que o homem deseja ocultar a si mesmo. Nem atos nem pensamentos podem ser dissimulados para eles. Os Espíritos atuam nos nossos pensamentos, e estes não conseguimos camuflar.

42 - OS ESPÍRITOS IMPERFEITOS SÃO OS INSTRUMENTOS DESTINADOS A EXPERIMENTAR A FÉ E A CONSTÂNCIA DOS HOMENS NO BEM?

RESP.: Sempre que nos deparamos com pessoas difíceis isso não significa um castigo mas, sim uma benção, pois, estaremos tendo a oportunidade de testarmos o quanto já adquirimos de qualidades tais como: tolerância, fraternidade, amor, etc.. Precisamos crescer, precisamos reajustar-nos com todos e esses Espíritos são os instrumentos para avaliar-nos e quanto já adquirimos de virtudes, ou melhoramos, quão harmoniosos já estamos com as Leis Divinas.

43 - QUAIS SÃO OS RECURSOS PARA NEUTRALIZAR A INFLUÊNCIA DOS MAUS ESPÍRITOS?

RESP.: O recurso infalível para neutralizar a influência dos maus Espíritos é fazer o bem, colocar toda confiança em Deus, guardar-se de ouvir sugestões que possam dar guarida a maus pensamentos, que insuflam a discórdia e que excitam as paixões. É preciso desconfiar sempre de todos os apelos que exaltem o orgulho, porque as forças do mal se prevalecem das fraquezas humanas para exercer o seu domínio. "Orai e vigiai".

44 - O QUE SIGNIFICA O "ORAI E VIGIAI"?

RESP.: É grande a dificuldade de diferenciar-se os pensamentos próprios dos que são sugeridos. Os pensamentos próprios são, em geral o que ocorrem no primeiro impulso. Se forem na direção do bem, idéias novas, boas virão somar-se e fortalecê-los. Se ao contrário, forem na direção do mal, sugestões das sombras é que prevalecerão, avolumando-se-lhes as consequências negativas; nisto consiste o "orai e vigiai" a que se referiu Jesus.

45 - COMO PODEMOS DEFINIR OS ESPÍRITOS?

RESP.: Podemos dizer que os Espíritos são os seres inteligente da Criação. Eles povoam o Universo, além do mundo material.

46 - OS ESPÍRITOS SÃO SERES DISTINTOS DA DIVINDADE, OU NÃO SERIAM MAIS DO QUE EMANAÇÕES OU PORÇÕES DA DIVINDADE, POR ESSA RAZÃO CHAMADOS FILHOS DE DEUS?

RESP.: Meu Deus! São sua obra, precisamente como acontece com um homem que faz uma máquina; esta é a obra do homem, e não ele mesmo. Sabes que o homem, quando faz uma coisa bela e útil, chama-a sua filha, sua criação. Pois bem: dá-se o mesmo com Deus; nós somos seus filhos, porque somos sua obra.

47 - OS ESPÍRITOS TIVERAM PRINCÍPIO OU EXISTEM DE TODA A ETERNIDADE?

RESP.: Se os Espíritos não tivessem tido princípio, seriam iguais a Deus; mas, pelo contrário, são sua criação, submetidos à sua vontade. Deus existe de toda a eternidade, isso é incontestável; mas quando e como Ele criou, não o sabemos. Podes dizer que não tivemos princípio, se com isso entendes que Deus, sendo eterno, deve ter criado sem cessar; mas quando e como cada um de nós foi feito, eu te repito, ninguém o sabe; isso é mistério.

48 - UMA VEZ QUE HÁ DOIS ELEMENTOS GERAIS DO UNIVERSO: O INTELIGENTE E O MATERIAL, PODEMOS DIZER QUE OS ESPÍRITOS SÃO FORMADOS DO ELEMENTO INTELIGENTE COM OS CORPOS INERTES SÃO FORMADOS DO MATERIAL?

RESP.: É evidente. Os Espíritos são individualizações do princípio inteligente, como os corpos são individualizações do princípio material a época e a maneira dessa formação é que desconhecemos.

49 - A CRIAÇÃO DOS ESPÍRITOS É PERMANENTE OU VERIFICOU-SE APENAS NA ORIGEM DOS TEMPOS?

RESP.: É permanente, o que quer dizer que Deus jamais cessou de criar.

50 - OS ESPÍRITOS SE FORMAM COMO A TODAS AS OUTRAS CRIATURAS, PELA SUA VONTADE; MAS REPITO AINDA UMA VEZ QUE A SUA ORIGEM É UM MISTÉRIO?

RESP.: Como podemos definir uma coisa, quando não dispomos de termos de comparação e usamos uma linguagem insuficiente? Um cego de nascença pode definir a luz? Imaterial não é o termo apropriado; incorpóreo seria mais exato, pois deves compreender que, sendo uma criação, o Espírito deve ser alguma coisa. É uma matéria quintessenciada, para a qual não dispondes de analogia, e tão eterizada, que não pode ser percebida pelos vossos sentidos.

51 - DESDE O PRINCÍPIO DA SUA FORMAÇÃO O ESPÍRITO GOZA DA PLENITUDE DE SUAS FACULDADES?

RESP.: Não; porque o Espírito, como o homem, tem também a sua infância. Em sua origem, os Espíritos não têm mais do que existência instintiva, possuindo apenas a consciência de si mesmos e de seus atos. Só pouco a pouco a inteligência se desenvolve.

52 - QUAL É O ESTADO DA ALMA EM SUA PRIMEIRA ENCARNAÇÃO?

RESP.: O estado da infância na vida corpórea. Sua inteligência apenas desabrocha: ela ensaia para a vida.

53 - AS ALMAS DOS NOSSOS SELVAGENS ESTÃO NO ESTADO DE INFÂNCIA?

RESP.: Infância relativa, pois são almas já desenvolvidas. Dotada de paixões.

54 - A ALMA, UMA VEZ NO MUNDO DOS ESPÍRITOS, TEM AINDA AS PERCEPÇÕES QUE TINHA NESTA VIDA?

RESP.: Sim, e outras que não possuía, porque o seu corpo era como um véu que a obscurecia. A inteligência é um atributo do Espírito, mas se manifesta mais livremente quando não tem entraves.

55 - AS PERCEPÇÕES E OS CONHECIMENTOS DOS ESPÍRITOS SÃO INDEFINIDOS? EM UMA PALAVRA, SABEM ELES TODAS AS COISAS?

RESP.: Quanto mais se aproximam da perfeição, mais sabem: se são superiores, sabem muito; os Espíritos inferiores são mais ou menos ignorantes em todos os assuntos.

56 - OS ESPÍRITOS CONHECEM O PRINCÍPIO DAS COISAS?

RESP.: Conforme a sua elevação e a sua pureza. Os Espíritos inferiores não sabem mais do que os homens.

57 - OS ESPÍRITOS COMPREENDEM A DURAÇÃO COMO NÓS?

RESP.: Não; e isso faz que nem sempre nos compreendais, quando se trata de fixar datas ou épocas.

58 - OS ESPÍRITOS FAZEM DO PRESENTE UMA IDÉIA MAIS PRECISAE MAIS JUSTA DO QUE NÓS?

RESP.: Mais ou menos como aquele que vê claramente tem uma idéia mais justa das coisas do que o cego. Os Espíritos vêem o que não vedes e julgam diferentes de vós. Mas ainda uma vez: isso depende de sua elevação.

59 - COMO TÊM OS ESPÍRITOS O CONHECIMENTO DO PASSADO? ESSE CONHECIMENTO É PARA ELES ILIMITADO?

RESP.: O passado, quando dele nos ocupamos, é um presente, precisamente como te lembras de uma coisa que te impressionou durante o teu exílio. Entretanto, como não temos mais o véu material que obscurece a tua inteligência, lembramo-nos das coisas que desapareceram para ti. Mas nem tudo os Espíritos conhecem, a começar pela sua própria criação.

60 - OS ESPÍRITOS CONHECEM O FUTURO?

RESP.: isso ainda depende da sua perfeição. Quase sempre, nada mais fazem do que entrevê-lo, mas nem sempre têm a permissão de o revelar; quando o vêem, ele lhes parece presente. O Espírito vê o futuro mais claramente à medida que se aproxima de Deus. Depois da morte, a alma vê e abarca de relance as suas migrações passadas, mas não pode ver o que Deus lhe prepara. Para isso é necessário que esteja integrada N'Ele, depois de muitas existências.

61 - OS ESPÍRITOS CHEGADOS À PERFEIÇÃO ABSOLUTA TÊM COMPLETO CONHECIMENTO DO FUTURO?

RESP.: Completo não é o termo, porque Deus é o único e soberano Senhor e ninguém o pode igualar.

62 - OS ESPÍRITOS VÊEM DEUS?

RESP.: Somente os Espíritos superiores o vêem e compreendem; os Espíritos inferiores o sentem e adivinham.

63 - QUANDO UM ESPÍRITO INFERIOR DIZ QUE DEUS LHE PROÍBE OU PERMITE UMA COISA, COMO SABE QUE A ORDEM VEM D'ELE?

RESP.: Ele não vê Deus, mas sente a sua soberania, e quando uma coisa não deve ser feita ou uma palavra não deve ser dita, ele o sente como uma intuição, uma advertência invisível que o inibe de fazê-lo. Vós mesmos tendes pressentimentos que são para vós como advertências secretas, para fazerdes ou não alguma coisa. O mesmo acontece conosco, mas em grau superior, pois compreendes que, sendo mais sutil do que a vossa a essência dos Espíritos, podemos receber mais facilmente as advertências divinas.

64 - A ORDEM É TRANSMITIDA DIRETAMENTE POR DEUS, OU POR INTERMÉDIO DE OUTROS ESPÍRITOS?

RESP.: Não lhe chega diretamente de Deus, pois para comunicar-se com Ele é preciso merecê-lo. Deus transmite as suas ordens pelos Espíritos que estão mais elevados em perfeição e instrução.

65 - A VISTA DOS ESPÍRITOS É CIRCUNSCRITA COMO NOS SERES CORPÓREOS?

RESP.: Não, é uma faculdade geral.

66 - OS ESPÍRITOS PRECISAM DE LUZ PARA VER?

RESP.: Vêem pela luz própria, sem necessidade de luz exterior; para eles não há trevas, a não ser aquelas em que podem encontrar-se por expiação.

67 - OS ESPÍRITOS PRECISAM TRANSPORTAR-SE PARA VEREM DOIS LUGARES DIFERENTES? PODEM VERAO MESMO TEMPO NUM E NOUTRO HEMISFÉRIO DO GLOBO?

RESP.: Como o Espírito se transporta com a rapidez do pensamento, podemos dizer que vê por toda parte de uma só vez. Seu pensamento pode irradiar-se e dirigir-se para muitos pontos ao mesmo tempo. Mas essa faculdade depende da sua pureza: quanto menos puro ele for, mais limitada é a sua vista; somente os Espíritos superiores podem ter visão de conjunto.

68 - O ESPÍRITO VÊ AS COISAS TÃO DISTINTAMENTE COMO NÓS?

RESP.: Mais distintamente, porque a vista penetra o que a vossa não pode penetrar; nada a obscurece.

69 - O ESPÍRITO PERCEBE SONS?

RESP.: Sim, e percebe até mesmo os que vossos sentidos obtusos não podem perceber.

70 - A FACULDADE DE OUVIR, COMO A DE VER, ESTÁ EM TODO O SEU SER?

RESP.: Todas as percepções são atributos do Espírito e fazem parte do seu ser. Quando ele se reveste de corpo material, elas se manifestam pelos meios orgânicos; mas, no estado de liberdade, não estão mais localizadas.

71 - SENDO AS PERCEPÇÕES ATRIBUTOS DO PRÓPRIO ESPÍRITO, ELE PODE DEIXAR DE USÁ-LAS?

RESP.: O Espírito só vê e ouve o que ele quiser. Isto de uma maneira geral, e sobretudo para os Espíritos elevados, porque os imperfeitos ouvem e vêem frequentemente, queiram ou não, aquilo que pode ser útil ao seu melhoramento.

72 - OS ESPÍRITOS SÃO SENSÍVEIS À MÚSICA?

RESP.: Queres falar da vossa música? O que é ela perante a música celeste, essa harmonia da qual ninguém na Terra pode ter idéia. Uma é para outra o que o canto do selvagem é para a suave melodia.

73 - OS ESPÍRITOS SÃO SENSÍVEIS ÀS BELEZAS NATURAIS?

RESP.: As belezas naturais dos vários globos são tão diversas que estamos longe de conhecer. Sim, são sensíveis a elas, segundo as suas aptidões para as apreciar e compreender. Para os Espíritos elevados há belezas de conjunto, diante das quais se apagam, por assim dizer, as belezas dos detalhes.

74 - OS ESPÍRITOS EXPERIMENTAM AS NOSSAS NECESSIDADES E OS NOSSOS SOFRIMENTOS FÍSICOS?

RESP.: Eles o conhecem, porque o sofreram, mas não o experimentam materialmente como vós, porque são Espíritos.

75 - OS ESPÍRITOS SENTEM FADIGA E NECESSIDADE DE REPOUSO?

RESP.: Não podem sentir a fadiga como a entendeis, e portanto não necessitam do repouso corporal, pois não possuem órgãos em que as forças tenham de ser restauradas. Mas o Espírito repousa, no sentido de não permanecer numa atividade constante. Ele não age de maneira material, porque a sua ação é toda intelectual e o seu repouso é todo moral.

76 - QUANDO UM ESPÍRITO DIZ QUE SOFRE, DE QUE NATUREZA É O SEU SOFRIMENTO?

RESP.: Angústias morais, que o torturam mais dolorosamente que os sofrimentos físicos.

77 - COMO ALGUNS ESPÍRITOS SE QUEIXAM DE FRIO OU CALOR?

RESP.: Lembrança do que sofreram durante a vida, e algumas vezes tão penosa como a própria realidade. Frequentemente, é uma comparação que fazem para exprimirem a sua situação. Quando se lembram do corpo, experimentam uma espécie de impressão, como quando se tira uma capa e algum tempo depois ainda se pensar estar com ela.

78 - O ESPÍRITO QUE ANIMA O CORPO DE UMA CRIANÇA É TÃO DESENVOLVIDO QUANTO DE UM ADULTO?

RESP.: Pode ser mesmo mais, se ele mais progrediu, pois são apenas os órgãos imperfeitos que o impedem de se manifestar. Age de acordo com o instrumentos de que se serve.

79 - NUMA CRIANÇA DE TENRA IDADE, O ESPÍRITO, FORA DO OBSTÁCULO QUE A IMPERFEIÇÃO DOS ÓRGÃOS OPÕE À SUA LIVRE MANIFESTAÇÃO, PENSA COMO UMA CRIANÇA OU COMO UM ADULTO?

RESP.: Enquanto criança, é natural que os órgãos da inteligência, não estando desenvolvidos, não possam dar-lhes toda a intuição de um adulto; sua inteligência, com efeito, é bastante limitada, até que a idade lhe amadureça a razão. A perturbação que acompanha a encarnação não cessa de súbito com o nascimento e só se dissipa com o desenvolvimento dos órgãos.

80 - COM A MORTE DA CRIANÇA O ESPÍRITO RETOMA IMEDIATAMENTE O SEU VIGOR PRIMITIVO?

RESP.: Assim deve ser, pois que está desembaraçado do seu envoltório carnal, entretanto, ele não retoma a sua lucidez primitiva enquanto a separação não estiver completa, ou seja, enquanto não desaparecer toda a ligação entre o Espírito e o corpo.

81 - O ESPÍRITO ENCARNADO SOFRE, DURANTE A INFÂNCIA, COM OS CONSTRANGIMENTO IMPOSTO PELA IMPERFEIÇÃO DOS SEUS ÓRGÃOS?

RESP.: Não; esse estado é uma necessidade; é natural e corresponde aos desígnios da Providência. É um tempo de repouso para o espírito.

82 - QUAL É, PARA O ESPÍRITO, A UTILIDADE DE PASSAR PELA INFÂNCIA?

RESP.: Encarnando-se com o fim de aperfeiçoar, o Espírito é mais acessível, durante este tempo, às impressões que recebe e que podem ajudar o seu adiantamento, para o qual devem contribuir os que estão encarregados da sua educação.

83 - POR QUE OS PRIMEIROS GRITOS DA CRIANÇA SÃO DE CHORO?

RESP.: Para excitar o interesse da mãe e provocar os cuidados necessários. Não compreendes que, se ela só tivesse gritos de alegria, quando ainda não sabe falar, pouco se inquietariam com as suas necessidades? Admira, pois, em tudo, a sabedoria da Providência.

84 - QUAL O MOTIVO DA MUDANÇA QUE SE OPERA NO SEU CARÁTER A UMA CERTA IDADE, E PARTICULARMENTE AO SAIR DA ADOLESCÊNCIA? É O ESPÍRITO QUE SE MODIFICA?

RESP.: É o Espírito que retoma a sua natureza e se mostra tal qual era.

85 - COMO COMPREENDER A NOÇÃO DE PERSONALIDADE?

RESP.: A compreensão da personalidade, no mundo, vem sendo desviada de seus legítimos valores, pelos espíritos excêntricos, altamente preocupados em se destacarem no vasto mundo das letras. Entendem muitos que "ter personalidade" é possuir espírito de rebeldia e de contradição na palavra sempre pronta a criticar os outros, no esquecimento de sua própria situação. Outros entendem que o "homem de personalidade" deve sair mundo a fora, buscando posições de notoriedade em falsos triunfos, porquanto exigem o olvido pleno dos mais sagrados deveres do coração. Poucos se lembraram dos bens da humildade e da renúncia, para a verdadeira edificação pessoal do homem, porque, para a esfera da espiritualidade pura, a conquista da iluminação íntima vale tudo, considerando que todas as expressões da personalidade prejudicial e inquieta do homem terrestre passarão com o tempo, quando a morte implacável houver descerrado a visão real da criatura.

86 - COMO ENTENDER A SALVAÇÃO DA ALMA E COMO CONSEGUÍ-LA?

RESP.: Dentro das claridades espirituais que o Consolador vem espalhando nos bastidores religiosos e filosóficos do mundo, temos de traduzir o conceito de salvação por iluminação de si mesma, a caminho das mais elevadas aquisições e realizações no Infinito. Considerando esse aspecto real do problema de "salvação da alma", somos compelidos a reconhecer que, se a Providência Divina movimentou todos os recursos indispensáveis ao progresso material do homem físico na Terra, o Evangelho de Jesus é a dádiva suprema do Céu para a redenção do homem espiritual, em marcha para o amor e sabedoria universais.
Jesus é o Modelo Supremo. O Evangelho é o roteiro para a ascensão de todos os Espíritos em luta, o aprendizado na Terra para os planos superiores do Ilimitado. De sua aplicação decorre a luz do espírito. No turbilhão das tarefas de cada dia, lembrai a afirmativa do Senhor: "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida".
Se vos cercam as tentações de autoridade e poder, de fortuna e inteligência, recordai ainda as suas palavras: "Ninguém pode ir ao Pai senão por mim". E se vos sentis tocados pelo sopro frio da adversidade e da dor, se estais sobrecarregados de trabalhos no mundo, buscai ouví-Lo sempre no imo d'alma: - "Quem deseje encontrar o Reino de Deus tome a sua cruz e siga os meus passos".

87 - OS GUIAS ESPIRITUAIS TÊM UMA PARTE ATIVA NA TAREFA DE NOSSA ILUMINAÇÃO PESSOAL?

RESP.: Essa colaboração apenas se verifica como no caso dos irmãos mais velhos, ou dos amigos mais idosos nas experiências do mundo. Os mentores do Além poderão apontar-vos os resultados dos seus próprios esforços na Terra, ou, então, aclarar os ensinos que o homem já recebeu através da misericórdia do Cristo e da benevolência dos seus enviados, mas em hipótese alguma poderão afastar a alma encarnada do trabalho que lhe compete, na curta permanência das lições do mundo.
Que dizer de um professor que decifrasse os problemas comuns para os alunos? Além disso, os amigos espiituais não se encontram em estado beatífico. Suas atividades e deveres são maiores que os vossos. Seus problemas novos são inúmeros e cada espírito deve buscar em si mesmo a luz necessária à visão acertada do caminho.
Trabalhai sempre. Essa é a lei para vós outros e para nós que já nos afastamos do âmbito limitado do círculo carnal. Esforcemo-nos constantemente. A palavra do guia é agradável e amiga, mas o trabalho de iluminação pertece a cada um. Na solução dos nossos problemas, nunca esperemos pelos outros, porque, de pensamento voltado para a fonte de sabedoria e misericórdia, que é Deus, não nos faltará, em tempo algum, a divina inspiração de sua bondade infinita.

88 - A AUTO-ILUMINAÇÃO PODE SER CONSEGUIDA APENAS COM A TAREFA DE UMA EXISTÊNCIA NA TERRA?

RESP.: Uma encarnação é como um dia de trabalho. E para que as experiências se façam acompanhar de resultados positivos e proveitosos na vida, faz-se indispensável que os dias de observação e de esforço se sucedam uns aos outros. No complexo das vidas diversas, o estudo prepara; todavia, somente a aplicação sincera dos ensinamentos do Cristo pode proporcionar a paz e a sabedoria, inerentes ao estado de plena iluminação dos redimidos.

89 - COMO ENTENDER O TRABALHO DE PURIFICAÇÃO NOS AMBIENTES DO MUNDO?

RESP.: A purificação na Terra ainda é qual o lirio alvo, nascendo do lodo das amarguras e das paixões. Todos os Espíritos encarnados, porém, devem considerar que se encontram no planeta como em poderoso cadinho de acrisolamento e regeneração, sendo indispensável cultivar a flor da iluminação íntima, na angústia da vida humana, no círculo da família ou da comunidade social, através da maior severidade para consigo mesmo e da maior tolerância com os outros, fazendo cada qual, da sua existência, um apostolado de educação onde o maior beneficiado seja o seu próprio espírito.

90 - COMO INICIAR O TRABALHO DE ILUMINAÇÃO DA NOSSA PRÓPRIA ALMA?

RESP.: Esse esforço individual deve começar com o auto domínio, com a disciplina dos sentimentos egoísticos e inferiores, com o trabalho silencioso da criatura por exterminar as próprias paixões. Nesse particular, não podemos prescindir do conhecimento adquirido por outras almas que nos precederam nas lutas da Terra, com as suas experiências santificantes - água pura de consolação e de esperança, que poderemos beber nas páginas de suas memórias ou nos testemunhos de sacrifício que deixaram no mundo.
Todavia, o conhecimento é a porta amiga que nos conduzirá aos raciocínios mais puros, porquanto, na reforma definitiva de nosso íntimo, é indispensável o golpe da ação própria, no sentido de modelarmos o nosso santuário interior, na sagrada iluminação da vida.

91 - CONSIDERANDO QUE NUMEROSOS AGRUPAMENTOS ESPÍRITAS SE FORMAM APENAS PARA DOUTRINAÇÃO DAS ENTIDADES PERTURBADAS, DO PLANO INVISÍVEL, QUAIS OS MAIS NECESSITADOS DE LUZ: OS ENCARNADOS OU OS DESENCARNADOS?

RESP.: Tal necessidade é comum a uns e outros. É justo que se preste auxílio fraterno aos seres perturbados e sofredores, das esferas mais próximas da Terra; entretanto, é preciso convir que os Espíritos encarnados carecem de maior porcentagem de iluminação evangélica que os invisíveis, mesmo porque, sem ela, que auxílio poderão prestar ao irmão ignorante e infeliz? A lição do Senhor não nos fala do absurdo de um cego a conduzir outros cegos?
Por esta razão é que toda reunião de estudos sinceros, dentro da Doutrina, é um elemento precioso para estabelecer o roteiro espiritual a quantos desejem o bom caminho. A missão da luz é revelar com verdade serena. O coração iluminado não necessita de muitos recursos da palavra, porque na oficina da fraternidade bastará o seu sentimento esclarecido no Evangelho. A grande maravilha do amor é o seu profundo e divino contágio. Por esse motivo, o Espírito encarnado, para regenerar os seus irmãos da sombra, necessita iluminar-se primeiro.

92 - ENTRE A DOR FÍSICA E A DOR MORAL, QUAL DAS DUAS FAZ VIBRAR MAIS PROFUNDAMENTE O ESPÍRITO HUMANO?

RESP.: Podemos classificar o sofrimento do espírito como a dor-realidade e o tormento físico, de qualquer natureza como a dor ilusão. Em verdade, toda dor física colima o despertar da alma para os seus grandiosos deveres, seja como expressão expiatória, como consequência dos abusos humanos, ou como advertência da natureza material ao dono de um organismo.
Mas, toda dor física é um fenômeno, enquanto que a dor moral é essência. Daí a razão por que a primeira vem e passa, ainda que se faça acompanhar das transições de morte dos órgãos materiais, e só a dor espiritual é bastante grande e profunda para promover o luminoso trabalho do apereiçoamento e da redenção.

93 - DE ALGUM MODO, PODE-SE CONCEBER A FELICIDADE NA TERRA?

RESP.: Se todo espírito tem consigo a noção da felicidade, é sinal que ela existe e espera as almas em alguma parte. Tal como sonhada pelo homem do mundo, porém, a felicidade não pode existir, por enquanto, na face do orbe, porque, em sua generalidade, as criaturas humanas se encontram intoxicadas e não sabem contemplar a grandeza das paisagens exteriores que as cercam no planeta.
Contudo, importa observar que é no globo terrestre que a criatura edifica as bases da sua ventura real, pelo trabalho e pelo sacrifício, a caminho das mais sublimes aquisições para o mundo divino de sua consciência.

94 - ONDE ENCONTRAMOS O MAIOR AUXÍLIO PARA NOSSA REDENÇÃO ESPIRITUAL?

RESP.: No trabalho de nossa redenção individual ou coletiva, a dor é sempre o elemento amigo e indispensável. E a redenção de um Espírito encarnado, na Terra, consiste no resgate de todas as suas dívidas, com a consequente aquisição de valores morais passíveis de serem conquistados nas lutas planetárias, situação essa que eleva a personalidade espiritual a novos e mais sublimes horizontes na vida do Infinito.

95 - POR QUE O EVANGELHO NÃO NOS FALA DAS ALEGRIAS DA VIDA HUMANA?

RESP.: O Evangelho não podia trazer os cenários do riso mascarado do mundo, mas a verdade é que todas as lições do Mestre Divino foram efetuadas nas paisagens da mais perfeita alegria espiritual. Sua primeira revelação foi nas bodas de Caná, entre os júbilos sagrados da família. Seus ensinamentos, à margem das águas do Tiberíades, desdobraram-se entre criaturas simples e alegres, fortalecidas na fé e no trabalho sadio.
Em Jerusalém, contudo, junto das hipocrisias do Templo, ou em face dos seus algozes empedernidos, o Mestre Divino não poderia sorrir alentando a mentira ou desenvolvendo os métodos da ingratidão e da violência. Eis por que, em seu ambiente natural, toda a história evangélica é sempre um poema de luz, de amor, de encantamento e de alegria.

96 - TODOS OS ESPÍRITOS QUE PASSARAM PELA TERRA TIVERAM AS MESMAS CARACTERÍSTICAS EVOLUTIVAS, NO QUE SE REFERE AO PROBLEMA DA DOR?

RESP.: Todas as entidades espirituais encarnadas no orbe terrestre são Espíritos que se resgatam ou aprendem nas experiências humanas, após as quedas do passado, com exceção de Jesus-Cristo, fundamento de toda a verdade neste mundo, cuja evolução se verificou em linha reta para Deus, e em cujas mãos angélicas repousa o governo espiritual do planeta, desde os seus primódios.

97 - EXISTEM LUGARES DE PENITÊNCIA NO PLANO ESPIRITUAL? E ACASO PODERÁ HAVER SOFRIMENTO ETERNO PARA OS ESPÍRITOS INVETERADOS NO ERRO E NA REBELDIA?

RESP.:Considerando a penitência em sua feição expiatória, existem numerosos lugares de provações na esfera para vós invisível, destinados à regeneração e preparo de entidades perversas ou renitentes no crime,a fim de conhecerem as primeiras manifestações do remorso e do arrependimento, etapas iniciais da obra de redenção.
Quanto à idéia do sofrimento eterno, se houvesse Espíritos eternamente inveterados no crime, haveria para eles um sofrimento continuado, como o seu próprio erro. O Pastor, porém, não quer se perca uma só de suas ovelhas. Dia virá em que a consciência mais denegrida experimentará, no íntimo, a luz radiosa da alvorada de Seu amor.

98 - O ESPÍRITO, ANTES DE REENCARNAR, ESCOLHE TAMBÉM AS CRENÇAS OU CULTOS A QUE SE DEVERÁ SUBMETER NAS EXPERIÊNCIAS DA VIDA?

RESP.: Todos os Espíritos, reencarnando no planeta, trazem consigo a idéia de Deus, identificando-se de modo geral nesse sagrado princípio. Os cultos terrestres, porém, são exteriorizações desse princípio divino, dentro do mundo convencional, depreendendo-se daí que a Verdade é uma só, e que as seitas terrestres são materiais de experiência e de evolução, dependendo a preferência de cada um do estado evolutivo em que se encontre no aprendizado da existência humana, e salientando-se que a escolha está sempre de pleno acordo com o seu estado íntimo, seja na viciosa tendência de repousar nas ilusões do culto externo, seja, pelo esforço sincero de evolutir, na pesquisa incessante da edificação divina.

99 - DESDE QUANDO HÁ O INTERCÂMBIO COM O ALÉM?

RESP.: Desde o aparecimento do Homem. Está em todas as culturas. No Velho Testamento, ressalta o contato de Saul com o Espírito Samuel, na famosa consulta à necromante de Endor.

100 - NECROMANTE?

RESP.: Era o nome que se dava às pessoas que conversavam com os mortos. Usava-se também a expressão pitonisa, mulher capaz de adivinhar o futuro.

101 - ELA ADIVINHOU O FUTURO DE SAUL?

RESP.: Mais exatamente, transmitiu a manifestação do Espírito de Samuel, que anunciou, inclusive, que Saul morreria no dia seguinte numa batalha contra os filisteus.

102 - ENTÃO O ESPIRITISMO NÃO TROUXE NOVIDADE NESSE PARTICULAR?

RESP.: A novidade foi a disciplina desse intercâmbio, estabelecendo normas para que seja cultivado de forma produtiva, favorecendo um melhor entendimento a respeito da vida no Além e da relação que há entre o plano físico e o espiritual.

103 - QUE DIZER DA PROIBIÇÃO DE MOISÉS, QUE AMEAÇAVA COM A PENA DE MORTE AQUELES QUE EVOCASSEM OS MORTOS?

RESP.: Moisés ameaçou muita gente com a pena de morte, até mesmo os que se atreviam a realiar qualquer tarefa no sábado, algo inconcebível nos dias atuais. Legislou para o seu tempo, para as necessidades de sua época. Nada tem a ver com os dias atuais.

104 - MAS NÃO ERA DEUS QUEM O INSPIRAVA?

RESP.: Dizer que Deus inspirava normas como cortar a mão dos que roubavam ou condenar à morte por apedrejamento a mulher adúltera, seria mesquinhar o Criador. Moisés tinha o mau hábito de atribuir ao Todo-Poderoso suas extravagâncias, a fim de que fossem observadas.

105 - POR QUE MOISÉS PROIBIU O CONTATO COM OS MORTOS?

RESP.: Os judeus estavam viciados em consultar os Espíritos, a pretexto de interesses pessoais. Ao invés de coibir os abusos, Moisés encasquetou de suprimir o intercâmbio. Foi um erro. Agiu como um pai que proibe o filho de comer porque ele se comporta mal à mesa. Seria mais razoável ensinar-lhe boas maneiras.

106 - ANTE A PROPAGAÇÃO DAS IDÉIAS ESPÍRITAS, A TEOLOGIA ORTODOXA ACABARÁ POR RECONHECER A POSSIBILIDADE DE CONTATO COM OS MORTOS?

RESP.: Sem dúvida. Dia virá em que os teólogos lamentarão o tempo perdido e a veemência com que combateram esse intercâmbio. Se o exercitassem, seriam menos especulativas e mais condizentes com a realidade suas idéias a respeito da Vida Espiritual.

107 - QUAL O SIGNIFICADO DA PALAVRA ESPÍRITO?

RESP.: Como costuma acontecer com boa parte dos termos, na língua portuguesa, ela tem vários significados: entidade sobrenatural, sopro criador de Deus, princípio vital, pensamento, mente, inteligência. Para o Espiritismo, conforme está em O Livro dos Espíritos, questão 76, são os seres inteligentes da Criação. Povoam o Universo, fora do mundo material.

108 - ESSE "FORA DO MUNDO MATERIAL" SIGNIFICA QUE NÃO ESTÃO NA TERRA? POR QUE, ENTÃO, SÃO OBSERVADOS, FREQUENTEMENTE, AGINDO ENTRE OS HOMENS?

RESP.: Vivem numa dimensão espiritual que interpenetra a nossa. Se morrêssemos neste momento, afastando-nos do corpo, estaríamos de imediato nela, embora na crosta terrestre, ao lado de nosso corpo. Imaginemos que vivêssemos num mundo de duas dimensões, como ocorre com as sombras. Se viéssemos para a terceira dimensão, continuaríamos em contato com a segunda, observando-a, nas não seríamos vistos por seus habitantes.

109 - OS ESPÍRITOS FICAM SEMPRE AO LADO DOS HOMENS?

RESP.: A dimensão espiritual estende-se muito além do plano físico, envolvendo o infinito. Permanecem na Terra, jungidos aos homens os Espíritos ainda presos às paixões e seduções da vida material.

110 - ISSO SIGNIFICA QUE À MEDIDA QUE O ESPÍRITO EVOLUI, TENDE A DESLIGAR-SE DOS LAÇOS AFETIVOS QUE FICARAM NA TERRA?

RESP.: Ao contrário. Quanto mais evoluído é o Espírito, mais se estreitam os laços de afetividade. Apenas tendem a desaparecer os impulsos passionais, o amor egoísticos que pretende controle sobre o ser amado. Aqueles que nos amam, nos acompanham, nos inspiram, nos ajudam, nos acompanham, sem nada impor ou violentar nossa vontade, a espera de que nos ajustemos às Leis Divinas, para que o reencontro no Plano Espiritual ocorra em bases de vitória sobre as fragilidades humanas.

111 - QUAL A DIFERENÇA ENTRE ALMA E ESPÍRITO?

RESP.: São sinônimos. Kardec estabelece uma distinção. Alma seria o Espírito encarnado. Espírito seria a alma desencarnada. No Brasil não pegou. Aqui dizemos simplesmente Espírito encarnado e Espírito desencarnado.

112 - QUAL O OBJETIVO DE DEUS AO CRIAR ESPÍRITOS?

RESP.: Essa é uma boa pergunta para fazermos ao próprio Criador, cujos desígnios são indevassáveis para a frágil mentalidade humana.

113 - DEUS CRIA O ESPÍRITO NO MOMENTO DA CONCEPÇÃO, COMO ENSINAM AS RELIGIÕES TRADICIONAIS?

RESP.: Se, conforme a questão citada, os Espíritos povoam o Universo, fora do mundo material, forçoso admitir que já existiam antes de sua vinda à Terra. Consequentemente, sua criação não pode ser vinculada à concepção.

114 - ISSO SIGNIFICA QUE NOSSO FILHOS TÊM UMA HISTÓRIA ANTERIOR, QUE DESCONHECEMOS?

RESP.: Sim, todos nós. Não é novidade. No célebre diálogo com Nicodemos, Jesus explica que o Espírito sopra onde quer; não sabemos de onde vem, nem para onde vai. Se surgisse a partir da concepção, saberíamos que fora criado naquele momento, vindo de Deus.

115 - Como nascem os Espíritos?

RESP.: Questões dessa natureza são inabordáveis para a frágil inteligência humana. Não obstante, sabemos que o Espírito não é criado num átimo, instantaneamente, no momento da concepção, como sugere a teologia ortodoxa.

116 - O ser humano nasce a partir de uma gestação no ventre materno, que se estende por nove meses. E o Espírito?

RESP.: Diríamos que há uma gestação no ventre da Natureza, com prolongado estágio entre os seres inferiores, envolvendo longas eras, sob orientação de técnicos da Espiritualidade e estímulos do instinto.

117 - Isso significa que animais e vegetais têm Espírito?

RESP.: Possuem um princípio espiritual. Ao perpassar de longas eras ele desenvolve-se em complexidade, até atingir o estágio que lhe permita exercitar a razão. Paralelamente, conquista o livre-arbítrio e passa a desdobrar suas experiências evolutivas não mais sob o domínio dos instintos, mas a partir de suas próprias iniciativas.

118 - Um rato, um cachorro, um inseto, uma ave, um peixe ou qualquer vegetal, todos possuem um princípio espiritual em evolução? E todos serão, um dia, Espíritos?

RESP.: Exatamente. Não há vida sem a contra-parte espiritual. O princípio espiritual que a todos anima será Espírito, o ser pensante, um dia. Há uma unidade de vistas na obra da Criação. Deus não admite privilégios. Estamos todos a caminho de gloriosa destinação.

119 - Isso explica por que há indivíduos que guardam um jeito animalizado, agressivos como um leão, covardes como uma hiena, venenosos como uma cobra... Estagiaram por lá há pouco?

RESP.: Comportamentos assim exprimem nossa natureza ainda mais próxima da animalidade, distante da angelitude. Todavia, não revelam uma vivência recente, porquanto a transição do princípio espiritual, a alma dos seres inferiores, para o ser pensante, não ocorre na Terra, mas em outros planos do Infinito, demandando largo tempo.

120 - Há uma escala a ser observada pelo princípio espiritual em evolução, envolvendo espécies e raças, no reino vegetal e animal? Arbusto, árvore, inseto, peixe, ave, mamíferos...

RESP.: A lógica nos diz que existe esse escalonamento, mas não sabemos como se opera e não deve envolver todas as espécies e todas as raças, mesmo porque, no dinamismo da evolução, surgem e desaparecem espécies ao longo de milhões de anos que sustentam os processos evolutivos.

121 - Se o princípio espiritual passa por vários estágios nos reinos inferiores, isso significa que ele está submetido à reencarnação?

RESP.: Sim, faz parte do processo. O princípio espiritual desdobra experiências reencarnatórias, sempre conduzido pelo instinto, desenvolvendo-se em complexidade, conquistando estágios superiores, até atingir condições para transformar-se num Espírito.

122 - Se o princípio espiritual que anima um cachorro é imortal e irá para a Espiritualidade quando morrer seu corpo, isso significa que poderemos reencontrar animais de estimação, quando partirmos para o Além'?

RESP.: É possível, mas improvável, já que, normalmente, a alma dos animais permanece pouco tempo na Espiritualidade. E logo reconduzida à vida física.