INTERVENÇÃO DOS ESPÍRITOS no Mundo Corpóreo

1 - OS ESPÍRITOS INFLUENCIAM NOSSA VIDA?

RESP.: Sempre teremos uma multidão de Espíritos ao nosso redor, que nos vêem e conhecem os nossos pensamentos. Sua influência sobre nós, portanto, é maior do que podemos supor e muito frequentemente são eles que nos dirigem.

2 - DE QUE FORMA OS ESPÍRITOS PODEM NOS CAUSAR ALGUM MAL?

RESP.: Os Espíritos ficam a nos sugerir pensamentos positivos ou negativos, mas nós somos senhores de nossa vontade. As sugestões nos vem a mente atraídos pelos nossos desejos e pensamentos pois a tentações estão no nosso íntimo.

3 - O QUE SÃO AS NOSSAS TENTAÇÕES?

RESP.: As tentações que abrigamos no mundo psíquico são o mal que ainda não conseguimos eliminar; são nossos maus hábitos, nossos vícios, nossas concepções errôneas, que muitas vezes nos fazem agir em sentido contrário ao que gostaríamos.

4 - O QUE SÃO ANJOS DA GUARDA, SEGUNDO O ESPIRITISMO?

RESP.: Em todos os tempos, os seres humanos sempre pressentiram a permanente atuação desses Espíritos - os anjos da guarda - que então eram considerados supranormais, até que o advento da Doutrina Espírita, tudo ficou esclarecido. Não se trata de seres à parte da criação, mas de entidades que assumem, como missão, o compromisso de nos assistir e velar por nós na existência terrena, aconselhando-nos sem afetar o nosso livre-arbítrio, guiando assim nossos passos. Eles sentem-se satisfeitos quando acatamos suas sugestões e repelimos o mal, e ficam ressentidos quando preferimos dar guarida às sugestões de Espíritos inferiores.

5 - O QUE SE ENTENDE POR ESPÍRITOS PROTETORES, FAMILIARES E SIMPÁTICOS?

RESP.: Alguns Espíritos ligam-se a uma determinada família, cujos membros estão unidos pela afeição, passando então a ser Espíritos familiares. Eles têm afeição e se unem a essas pessoas por laços mais ou menos duráveis com o fim de lhes serem úteis, dentro de suas limitações. São bons, porém, por vezes pouco adiantados e só atuam por ordem ou permissão dos Espíritos Protetores. Espíritos simpáticos são aqueles que sentem-se atraídos para o nosso lado por afeições particulares e ainda por uma certa similitude de gostos e sentimentos tanto para o bem como para o mal. De modo geral, a duração de suas relações é quase sempre subordinada às circunstâncias.

6 - OS ESPÍRITOS PROTETORES PODEM INTERFERIR EM NOSSO LIVRE-ARBÍTRIO?

RESP.: Todos os indivíduos deveriam procurar sentir a amiga e respeitável presença dos Espíritos Protetores, sem com isso desrespeitar o limite que existe entre eles, pois não lhes é permitido interferir nas atividades e decisões do homem. A ação dos Espíritos que vos querem bem é sempre regulada de maneira a vos deixar o livre-arbítrio, porque se não tivésseis responsabilidades não vos adiantaríeis na senda que vos deve conduzir a Deus.

7 - O PRESSENTIMENTO É SEMPRE UMA ADVERTÊNCIA?

RESP.: Sim. 1 - No mínimo um lembrete. É um chamado à razão. O pressentimento é o conselho íntimo e oculto de um Espírito que vos deseja o bem. 2 - É também a instrução da escolha anterior, é a vez do instinto. Cabe aqui salientar que por INTUIÇÃO entende-se a visão anterior do próprio sujeito, por INSPIRAÇÃO entende-se pensamentos de terceiros que lhe são sugeridos.

8 - COMO O ESPÍRITO PROTETOR PROCURA EVITAR QUE SEU PROTEGIDO FAÇA ALGO QUE LHE SEJA PREJUDICIAL?

RESP.: O Espírito Protetor que assiste o encarnado, nos momentos mais importantes de sua vida adverte-o, para evitar que faça algo que lhe seja prejudicial. Essas advertências referem-se tanto a questões de natureza moral quanto às de natureza material, pois, o Espírito Protetor objetiva sempre fazer com que tudo corra bem para que o homem possa vencer suas provas.

9 - COMO NOS MANTER RECEPTIVOS ÀS INSPIRAÇÕES QUE RECEBEMOS DOS ESPÍRITOS PROTETORES E FAMILIARES?

RESP.: Quantas vezes o indivíduo lamenta não ter ouvido a voz da consciência, pois se o tivesse feito, sua situação seria bem diferente ou bem melhor, porisso é muito importante que se mantenha vigilante no tocante às inspirações que lhe são sugeridas pelo Espírito Protetor ou por Espíritos Simpáticos. Muitas vezes, quando o homem não obedece à voz da consciência, os Espíritos protetores procuram influenciar outras pessoas de sua amizade, para que lhe dêem conselhos salutares, de forma incisiva, objetivando sempre o seu bem.

10 - EXISTEM "PACTOS" PARA A DOUTRINA ESPÍRITA?

RESP.: Não existem, verdadeiramente, pactos, pois estes consistem em se dar algo, obtendo determinada coisa em troca. O que existe de fato, são pessoas de má natureza, que simpatizam-se com Espíritos inferiores. Na verdade, pode acontecer de uma pessoa que não se simpatiza com o vizinho e deseja prejudicá-lo, chamar por Espíritos inferiores, os quais identificam-se com ela pelo desejo de praticar o mal. No entanto, este não significa que o vizinho não possa livrar-se deles por meio de bons pensamentos, de preces e de uma vontade resoluta.

11 - COMO EXPLICAR O CHAMADO "PODER OCULTO"?

RESP.: A crença de que alguém possa ser dotado de poderes mágicos deve ser excluída da mente de pessoas sensatas. Somente aqueles que são supersticiosos, ou ignorantes das leis da natureza, podem admitir a existência de criaturas com poderes sobrenaturais. Tais poderes, portanto, referem-se simplesmente à ação natural dos fluidos magnéticos, cuja intensidade varia não só de indivíduo para indivíduo, mas principalmente da condição moral de cada um.

12 - PODE O SUPOSTO PODER DE UM TALISMÃ ATRAIR UM ESPÍRITO?

RESP.: No entanto, aquele que, com ou sem razão, confia naquilo a que se chama poder de um talismã, pode, por essa mesma confiança, atrair um Espírito, porque então é o, pensamento que age: o talismã é um signo que ajuda a dirigir o pensamento. Neste caso, a natureza do Espírito atraído depende da pureza da intenção e da elevação de pensamentos. No entanto, qualquer que seja o caso, esse tipo de crença indica estreiteza de idéias, que podem dar azo a Espíritos imperfeitos e zombeteiros.

13 - TODOS OS ESPÍRITOS TRABALHAM PELA HARMONIA DO UNIVERSO?

RESP.: Todos os Espíritos de certa forma contribuem para a harmonia do Universo. É assim que também a vida espírita é uma ocupação contínua, mas nada tem de penosa como a da Terra, pois, está sujeita a fadiga corpórea nem as angústias da necessidade.

14 - QUAIS AS OCUPAÇÕES DOS ESPÍRITOS EVOLUÍDOS?

RESP.: Os Espíritos de maior evolução que já atingiram a perfeição espiritual, não ficam na ociosidade, o que seria para eles um verdadeiro suplício. Suas ocupações consistem em, ao vivenciar em si mesmos as leis de Deus, transmití-las por todo o Universo e velar por sua execução. Eles são encarregados de dirigir, nos diversos setores evolutivos do gênero humano nas tarefas específicas que objetivam contribuir para o trabalho, tarefa grandiosa de impulsionar o progresso.

15 - COMO SE CARACTERIZAM OS ESPÍRITOS MISSIONÁRIOS?

RESP.: Amar e servir são as diretrizes do Espírito que anseia alçar vôo para a perfeição. Dividindo a felicidade com outros, o Espírito que se compraz em servir a Deus vivencia uma alegria e um bem-estar indefinível. É assim que muitos Espíritos têm missões a cumprir, as quais realizam-se tanto no plano espiritual quanto no plano material. No caso dos Espíritos encarnados estes podem servir de instrumento a um Espírito para executar uma coisa útil, por exemplo, um Espírito julga que seria bom escrever um livro que ele escreveria se tivesse encarnado; procura o escritor mais apto a compreender o seu pensamento e a executá-lo: dá-lhe então a idéia e o dirige na execução.

16 - OS ESPÍRITOS VÊEM TUDO O QUE FAZEMOS?

RESP.: Podem vê-lo, pois estais incessantemente rodeados por eles. Mas cada um só vê aquelas coisas a que dirige a sua atenção, porque eles não se ocupam das que não lhes interessam.

17 - OS ESPÍRITOS PODEM CONHECER OS NOSSOS PENSAMENTOS MAIS SECRETOS?

RESP.: Conhecem, muitas vezes, aquilo que desejaríeis ocultar a vós mesmos; nem atos, nem pensamentos podem ser dissimulados para eles.

18 - ASSIM SENDO, PARECERIA MAIS FÁCIL OCULTAR-SE UMA COISA A UMA PESSOA VIVA, POIS NÃO O PODEMOS FAZER A ESSA MESMA PESSOA DEPOIS DE MORTA?

RESP.: Certamente, pois quando vos julgais bem escondido, tendes muitas vezes ao vosso lado uma multidão de Espíritos que vos vêem.

19 - QUE PENSAM DE NÓS OS ESPÍRITOS QUE ESTÃO AO NOSSO REDOR E NOS OBSERVAM?

RESP.: Isso depende. Os Espíritos levianos riem das pequenas traquinices que vos fazem e zombam das vossas impaciências. Os Espíritos sérios lamentam as vossas trapalhadas e tratam de vos ajudar.

20 - OS ESPÍRITOS INFLUEM SOBRE OS NOSSOS PENSAMENTOS E AS NOSSAS AÇÕES?

RESP.: Nesse sentido, a sua influência é maior do que supondes, porque muito frequentemente são eles que vos dirigem.

21 - TEMOS PENSAMENTOS PRÓPRIOS E OUTROS QUE NOS SÃO SUGERIDOS?

RESP.: Vossa alma é um Espírito que pensa; não ignorais que muitos pensamentos vos ocorrem, a um só tempo, sobre o mesmo assunto e frequentemente bastante contraditórios. Pois bem: nesse conjunto há sempre os vossos e os nossos, e é isso o que vos deixa na incerteza, porque tendes em vós duas idéias que se combatem.

22 - COMO DISTINGUIR OS NOSSOS PRÓPRIOS PENSAMENTOS DOS QUE NOS SÃO SUGERIDOS?

RESP.: Quando um pensamento vos é sugerido, é como uma voz que vos fala. Os pensamentos próprios são, em geral, os que vos ocorrem no primeiro impulso. De resto, não há grande interesse para vós nessa distinção, e é frequentemente útil não o saberdes: o homem age mais livremente; se decidir pelo bem, o fará de melhor vontade; se tomar o mau caminho, sua responsabilidade será maior.

23 - OS HOMENS DE INTELIGÊNCIA E DE GÊNIO TIRAM SEMPRE SUAS IDÉIAS DE SI MESMOS?

RESP.: Algumas vezes as idéias surgem de seu próprio Espírito, mas frequentemente lhe são sugeridas por outros Espíritos, que os julgam capazes de as compreender e dignos de as transmitir. Quando eles não as encontram em si mesmos, apelam para a inspiração; é uma evocação que fazem, sem o suspeitar.
Se fosse útil que pudéssemos distinguir claramente os nossos próprios pensamentos daqueles que nos são sugeridos, Deus nos teria dado o meio de fazê-lo, como nos deus o de distinguir o dia e a noite. Quando uma coisa permanece vaga é que assim deve ser para o nosso bem.

24 - DIZ-SE ALGUMAS VEZES QUE O PRIMEIRO IMPULSO É SEMPRE BOM; ISTO É EXATO?

RESP.: Pode ser bom ou mau, segundo a natureza do Espírito encarnado. É sempre bom para aquele que ouve as boas inspirações.

25 - COMO DISTINGUIR SE UM PENSAMENTO SUGERIDO VEM DE UM BOM OU DE UM MAU ESPÍRITO?

RESP.: Examinai-o: os bons Espíritos não aconselham senão o bem; cabe a vós distinguir.

26 - COM QUE FIM OS ESPÍRITOS IMPERFEITOS NOS INDUZEM AO MAL?

RESP.: Para vos fazer sofrer como eles.

27 - ISSO LHES DIMINUI OS SOFRIMENTOS?

RESP.: Não, mas eles o fazem por inveja dos seres mais felizes.

28 - QUE ESPÉCIE DE SOFRIMENTOS QUEREM FAZER-NOS PROVAR?

RESP.: Os que decorrem de pertencer a uma ordem inferior e estar distante de Deus.

29 - POR QUE PERMITE DEUS QUE OS ESPÍRITOS NOS INCITEM AO MAL?

RESP.: Os Espíritos imperfeitos são os instrumentos destinados a experimentar a fé e a constância dos homens no bem. Tu, sendo Espírito, deves progredir na ciência do infinito, e é por isso que passas pelas provas do mal até chegar ao bem. Nossa missão é a te pôr no bom caminho, e quando más influências agem sobre ti, és tu que as chamas, pelo desejo do mal, porque os Espíritos inferiores vêm em teu auxílio no mal, quando tens a vontade de o cometer; eles não podem ajudar-te no mal, senão quanto tu desejas o mal. Se és inclinado ao assassínio, pois bem! terás uma nuvem de Espíritos que entreterão esse pensamento em ti; mas também terás outros, que tratarão de influenciar para o bem, o que faz que se reequilibre a balança e te deixe senhor de ti.
É Assim que Deus deixa à nossa consciência a escolha da rota que devemos seguir, e a liberdade de ceder a uma ou a outra das influências contrárias que se exercem sobre nós.

30 - PODE O HOMEM SE AFASTAR DA INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS QUE O INCITAM AO MAL?

RESP.: Sim, porque eles só se ligam aos que os solicitam por seus desejos ou os atraem por seus pensamentos.

31 - OS ESPÍRITOS CUJA INFLUÊNCIA É NÃO ACEITA PELA VONTADE DO HOMEM RENUNCIAM ÀS SUAS TENTATIVAS?

RESP.: Que queres que eles façam? Quando nada têm a fazer, abandonam o campo. Não obstante, espreitam o momento favorável, como o gato espreita o rato.

32 - POR QUE MEIO SE PODE NEUTRALIZAR A INFLUÊNCIA DOS MAUS ESPÍRITOS?

RESP.: Fazendo o bem e colocando toda a vossa confiança em Deus, repelis a influência dos Espíritos inferiores e destruís o império que desejam ter sobre vós. Guardai-vos de escutar as sugestões dos Espíritos que suscitam em vós os maus pensamentos, que insuflam a discórdia e excitam em vós todas as más paixões. Desconfiai sobretudo dos que exaltam o vosso orgulho, porque eles atacam na vossa fraqueza. Eis por que Jesus vos faz dizer na oração dominical: "Senhor, não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal".

33 - OS ESPÍRITOS QUE PROCURAM INDUZIR-NOS AO MAL, E QUE ASSIM PÕEM À PROVA A NOSSA FIRMEZA NO BEM, RECEBERAM A MISSÃO DE O FAZER, E SE É UMA MISSÃO QUE ELES CUMPREM, TERÃO RESPONSABILIDADE NISSO?

RESP.: Nenhum Espírito recebe a missão de fazer o mal; quando ele o faz, é pela sua própria vontade e, portanto, terá de sofrer as consequências. Deus pode deixá-lo fazer para vos provar, mas jamais o ordena, e cabe a vós repelí-lo.

34 - QUANDO EXPERIMENTAMOS UM SENTIMENTO DE ANGÚSTIA, DE ANSIEDADE INDEFINÍVEL, OU DE SATISFAÇÃO INTERIOR SEM CAUSA CONHECIDA, ISSO DECORRE UNICAMENTE DE UMA DISPOSIÇÃO FÍSICA?

RESP.: É quase sempre um efeito das comunicações que, sem o saber, tivestes com os Espíritos, ou das relações que tivestes com eles durante o sono.

35 - OS ESPÍRITOS QUE DESEJAM INCITAR-NOS AO MAL LIMITAM-SE A APROVEITAR AS CIRCUNSTÂNCIAS?

RESP.: Eles aproveitam a circunstância, mas frequentemente a provocam, empurrando-vos sem o perceberdes para o objeto da vossa ambição. Assim, por exemplo, um homem encontra no seu caminho uma certa quantia; não acrediteis que foram os Espíritos que puseram o dinheiro ali, mas eles podem dar ao homem o pensamento de se dirigir àquela direção, e então lhe sugerem apoderar-se dele, enquanto outros lhe sugerem devolver o dinheiro ao dono. Acontece o mesmo em todas as outras tentações.

36 - OS ESPÍRITOS EXERCEM INFLUÊNCIA SOBRE OS ACONTECIMENTOS DA VIDA?

RESP.: Seguramente, pois que te aconselham.

37 - EXERCEM ESSA INFLUÊNCIA DE OUTRA MANEIRA, ALÉM DOS PENSAMENTOS QUE SUGEREM, OU SEJA, TÊM UMA AÇÃO DIRETA SOBRE A REALIZAÇÃO DAS COISAS?

RESP.: Sim, mas não agem nunca fora das leis naturais.

38 - TENDO OS ESPÍRITOS AÇÃO SOBRE A MATÉRIA, PODEM PROVOCAR CERTOS EFEITOS COM O FIM DE PRODUZIR UM ACONTECIMENTO? POR EXEMPLO, UM HOMEM DE PERECER: SOBE ENTÃO EM UMA ESCADA, ESTA SE QUEBRA E ELE MORRE. FORAM OS ESPÍRITOS QUE FIZERAM QUEBRAR A ESCADA, PARA QUE SE CUMPRA O DESTINO DESSE HOMEM?

RESP.: É bem verdade que os Espíritos têm influência sobre a matéria, mas para o cumprimento das leis da Natureza e não para as derrogar, fazendo surgir em determinado ponto um acontecimento inesperado e contrário a essas leis. No exemplo que citas, a escada se quebra porque está carunchada ou não era bastante forte para suportar o peso do homem; se estivesse no destino desse homem morrer dessa maneira, eles lhe inspirariam o pensamento de subir na escada que deveria quebrar-se com o seu peso, e sua morte se daria por um motivo natural, sem necessidade de um milagre para isso.

39 - TOMEMOS OUTRO EXEMPLO, NO QUAL NÃO INTERVENHA O ESTADO NATURAL DA MATÉRIA. UM HOMEM DEVE MORRER DE RAIO: ESCONDE-SE EMBAIXO DE UMA ÁRVORE, O RAIO ESTALA E ELE MORRE. OS ESPÍRITOS PODERIAM TER PROVOCADO O RAIO, DIRIGINDO- SOBRE ELE?

RESP.: É ainda a mesma coisa. O raio explodiu sobre aquela árvore, naquele momento, porque o fato estava nas leis da Natureza. Não foi dirigido para a árvore porque o homem lá se encontrava, mas ao homem foi dada a inspiração de se refugiar numa árvore, sobre a qual ele deveria explodir. A árvore não seria menos atingida, se o homem estivesse ou não sob ela.

40 - UM HOMEM MAL INTENCIONADO DISPARA UM TIRO CONTRA OUTRO, MAS O PROJÉTIL PASSA APENAS DE RASPÃO, SEM O ATINGIR. UM ESPÍRITO BENFAZEJO PODE TER DESVIADO O TIRO?

RESP.: Se o indivíduo não deve ser atingido, o Espírito benfazejo lhe inspirará o pensamento de se desviar, ou ainda poderá ofuscar o seu inimigo, de maneira a lhe perturbar a pontaria; porque o projétil, uma vez lançado, segue a linha de sua trajetória.

41 - QUE SE DEVE PENSAR DAS BALAS ENCANTADAS, A QUE SE REFERM ALGUMAS LENDAS E QUE ATINGEM FATALMENTE O ALVO?

RESP.: Pura imaginação; o homem gosta do maravilhoso e não se contempla com as maravilhas da Natureza.

42 - OS ESPÍRITOS QUE DIRIGEM OS ACONTECIMENTOS DA VIDA PODEM SER CONTRARIADOS POR ESPÍRITOS QUE TENHAM DESEJOS EM CONTRÁRIO?

RESP.: O que Deus quer deve acontecer, se há retardamento ou empecilho, é por sua vontade.

43 - OS ESPÍRITOS LEVIANOS E BRINCALHÕES NÃO PODEM PROVOCAR ESSES PEQUENOS EMBARAÇOS QUE SE ANTEPÕEM AOS NOSSOS PROJETOS E TRANSTORNAR AS NOSSAS PREVISÕES? EM UMA PALAVRA, SÃO ELES OS AUTORES DO QUE VULGARMENTE CHAMADOS OS PEQUENOS TRANSTORNOS DA VIDA?

RESP.: Eles se comprazem nessas traquinices, que são provas para vós, destinadas a exercitar a vossa paciência; mas se cansam, quando vêem que nada conseguem. Entretanto, não seria justo nem exato responsabilizá-los por todas as vossas frustrações, das quais vós sois os principais autores, pelo vosso estouvamento. Convence-te, pois, de que se a tua baixela se quebra, é antes em virtude do teu descuido do que por culpa dos Espíritos.

44 - OS ESPÍRITOS QUE PROVOCAM DISCÓRDIAS AGEM EM CONSEQUÊNCIA DE ANIMOSIDADES PESSOAIS, OU ATACAM AO PRIMEIRO QUE ENCONTRAM, SEM MOTIVO DETERMINADO, POR SIMPLES MALÍCIA?

RESP.: Por uma e outra coisa; às vezes trata-se de inimigos que fizestes nesta ou em existência anterior, e que vos perseguem; de outras vezes, não há nenhum motivo.

45 - O RANCOR DOS SERES QUE NOS FIZERAM MAL NA TERRA EXTINGUE-SE COM A SUA VIDA CORPÓREA?

RESP.: Muitas vezes reconhecem sua injustiça e o mal que fizeram, mas muitas vezes também vos perseguem com o seu ódio, se Deus o permite, para continuar a vos experimentar.

46 - PODE-SE PÔR TERMO A ISSO, E POR QUE MEIO?

RESP.: Sim, pode-se orar por eles, e ao se lhes retribuir o mal com o bem acabarão por compreender os seus erros. De resto, se souberdes colocar-vos acima de suas maquinações, cessarão de fazê-las ao verem que nada lucram.

47 - OS ESPÍRITOS TÊM O PODER DE DESVIAR OS MALES DE CERTAS PESSOAS, ATRAINDO PARA ELAS A PROSPERIDADE?

RESP.: Não o podem fazer inteiramente, porque há males que pertencem aos desígnios da Providência; mas minoram as vossas dores, dando-vos paciência e resignação.

48 - PODEM OS ESPÍRITOS FAZER QUE SE OBTENHAM OS DONS DA FORTUNA, DESDE QUE SOLICITADOS NESSE SENTIDO?

RESP.: Às vezes, como prova, mas frequentemente se recusam, como se recusa a uma criança um pedido inconsiderado.

49 - SÃO OS BONS OU OS MAUS ESPÍRITOS QUE CONCEDEM ESSES FAVORES?

RESP.: Uns e outros. Isso depende da intenção. Mas, em geral, são os Espíritos que querem arrastar-vos ao mal e que encontram um meio fácil de o fazer, nos prazeres que a fortuna proporciona.

50 - QUANDO OS OBSTÁCULOS PARECEM VIR FATALMENTE CONTRA OS NOSSOS PROJETOS, SERIA POR ISSO INFLUÊNCIA DE ALGUM ESPÍRITO?

RESP.: Algumas vezes são os Espíritos; outras vezes, e o mais frequente, é que vos colocastes mal. A posição e o caráter influem muito. Se vos obstinais numa senda que não é a vossa, os Espíritos nada têm com isso; sois vós mesmos que vos tornais o vosso mau gênio.

51 - QUANDO NOS ACONTECE ALGUMA COISA FELIZ, É AO NOSSO ESPÍRITO PROTETOR QUE A DEVEMOS AGRADECER?

RESP.: Agradecei sobretudo a Deus, sem cuja permissão nada se faz, e depois aos bons Espíritos, que foram os seus agentes.

52 - QUE ACONTECERIA SE ESQUECÊSSEMOS DE AGRADECER?

RESP.: O que acontece aos ingratos.

53 - HÁ ENTRETANTO MUITA GENTE QUE NÃO ORA NEM AGRADECE, E PARA QUEM TUDO SAI BEM?

RESP.: Sim, mas é necessário ver o fim; pagarão bem caro essa felicidade passageira que não merecem, porque, quanto mais tenham recebido, mais terão de restituir.

54 - OS GRANDES FENÔMENOS DA NATUREZA, ESSES QUE SE CONSIDERAM COMO PERTURBAÇÕES DOS ELEMENTOS, SÃO DEVIDOS AS CAUSAS FORTUITAS OU TÊM, PELO CONTRÁRIO, UM FIM PROVIDENCIAL?

RESP.: Tudo tem uma razão de ser e nada acontece sem a permissão de Deus.

55 - ESSES FENÔMENOS SEMPRE VISAM AO HOMEM?

RESP.: Algumas vezes têm uma razão de ser diretamente relacionada ao homem, mas frequentemente não têm outro objetivo que o restabelecimento do equilíbrio e da harmonia das forças físicas da Natureza.

56 - CONCEBEMOS PERFEITAMENTE QUE A VONTADE DE DEUS SEJA A CAUSA PRIMÁRIA, NISSO COMO EM TODAS AS COISAS; MAS, COMO SABEMOS QUE OS ESPÍRITOS PODEM AGIR SOBRE A MATÉRIA E QUE ELES SÃO OS AGENTES DA VONTADE DE DEUS, PERGUNTAMOS SE ALGUNS DENTRE ELES NÃO EXERCERIAM UMA INFLUÊNCIA SOBRE OS ELEMENTOS PARA OS AGITAR, ACALMAR OU DIRIGIR.?

RESP.: Mas é evidente; isso não pode ser de outra maneira. Deus não se entrega a uma ação direta sobre a Natureza, mas tem os seus agentes dedicados, em todos os graus da escala dos mundos.

57 - A MITOLOGIA DOS ANTIGOS É INTEIRAMENTE FUNDADA SOBRE AS IDÉIAS ESPÍRITAS, COM A DIFERENÇA DE QUE CONSIDERAVAM OS ESPÍRITOS DIVINDADES. ORA, ELES NOS REPRESENTAM ESSES DEUSES OU ESSES ESPÍRITOS COM ATRIBUIÇÕES ESPECIAIS. ASSIM, UNS ERAM ENCARREGADOS DOS VENTOS, OUTROS DO RAIO, OUTROS DE PRESIDIR A VEGETAÇÃO ETC.. ESSA CRENÇA É DESTITUÍDA DE FUNDAMENTO?

RESP.: Tão pouco destituída de fundamento, que está ainda muito aquém da verdade.

58 - PELA MESMA RAZÃO, PODERIA, ENTÃO, HAVER ESPÍRITOS HABITANDO O INTERIOR DA TERRA E PRESIDINDO AOS FENÔMENOS GEOLÓGICOS?

RESP.: Esses Espíritos não habitam precisamente a Terra, mas presidem e dirigem os fenômenos, segundo as suas atribuições. Um dia tereis a explicação de todos esses fenômenos e os compreendereis melhor.

59 - OS ESPÍRITOS QUE PRESIDEM OS FENÔMENOS DA NATUREZA FORMA UMA CATEGORIA ESPECIAL NO MUNDO ESPÍRITA, SÃO SERES À PARTE OU ESPÍRITOS QUE FORAM ENCARNADOS, COMO NÓS?

RESP.: Que o serão, ou que o foram.

60 - ESSES ESPÍRITOS PERTENCEM ÀS ORDENS SUPERIORES OU INFERIORES DA HIERARQUIA ESPÍRITA?

RESP.: Segundo o seu papel for mais ou menos material ou inteligente: uns mandam, outros executam; os que executam as ações materiais são sempre de uma ordem inferior, entre os Espíritos como entre os homens.

61 - NA PRODUÇÃO DE CERTOS FENÔMENOS, DAS TEMPESTADES, POR EXEMPLO, É SOMENTE UM ESPÍRITO QUE AGE OU SE REÚNEM EM MASSA?

RESP.: Em massas inumeráveis.

62 - OS ESPÍRITOS QUE AGEM SOBRE OS FENÔMENOS DA NATUREZA AGEM COM CONHECIMENTO DE CAUSA, EM VIRTUDE DE SEU LIVRE-ARBÍTRIO, OU POR UM IMPULSO INSTINTIVO E IRREFLETIDO?

RESP.: Uns sim; outros não. Faço uma comparação: figurai essas miríades de animais que pouco a pouco fazem surgir do mar as ilhas e os arquipélagos; acreditais que não há nisso um objetivo providencial, e que essa transformação da face do globo não seja necessária para a harmonia geral? São, entretanto, animais do último grau os que realizam essas coisas, enquanto vão provendo as suas necessidades e sem se perceberem que são instrumentos de Deus.

63 - NUMA BATALHA HÁ ESPÍRITOS QUE A ASSISTEM E QUE AMPARAM CADA UMA DAS FORÇAS EM LUTA?

RESP.: Sim, e que estimulam a sua coragem.

64 - NUMA GUERRA, A JUSTIÇA ESTÁ SEMPRE DE UM LADO; COMO OS ESPÍRITOS TOMAM PARTIDO A FAVOR DO ERRADO?

RESP.: Sabeis perfeitamente que há Espíritos que só buscam a discórdia e a destruição. Para eles a guerra é a guerra; a justiça da causa pouco lhes importa.

65 - CERTOS ESPÍRITOS PODEM INFLUENCIAR O GENERAL NA CONCEPÇÃO DOS SEUS PLANOS DE CAMPANHA?

RESP.: Sem nenhuma dúvida. Os Espíritos podem influenciá-lo nesse sentido, como em todas as concepções.

66 - OS MAUS ESPÍRITOS PODERIAM SUSCITAR-LHE PLANOS ERRADOS, COM VISTAS À DERROTA?

RESP.: Sim, mas não tem ele o seu livre-arbítrio? Se o seu raciocínio não lhe permite distinguir uma idéia certa de uma falsa, terá de sofrer as consequências e faria melhor em obedecer do que em comandar.

67 - O GENERAL PODE, ALGUMAS VEZES, SER GUIADO POR UMA ESPÉCIE DE DUPLA VISTA, UMA VISÃO INTUITIVA QUE LHE MOSTRE POR ANTECIPAÇÃO RESULTADO DOS SEUS PLANOS?

RESP.: É frequentemente o que acontece com o homem de gênio. É o que ele chama inspiração e lhe permite agir com uma espécie de certeza. Essa inspiração lhe vem dos Espíritos que o dirigem e se servem das faculdades de que ele é dotado.

68 - NO TUMULTO DO COMBATE, O QUE ACONTECE AOS ESPÍRITOS DOS QUE SUCUMBEM? AINDA SE INTERESSAM PELA LUTA, APÓS A MORTE?

RESP.: Alguns continuam a se interessar, outros se afastam.

69 - OS ESPÍRITOS QUE SE COMBATIAM QUANDO VIVOS, APÓS A MORTE SE RECONHECEM COMO INIMIGOS E CONTINUAM AINDA EXCITADOS UNS CONTRA OS OUTROS?

RESP.: Nesses momentos, o Espírito jamais se mostra calmo. No primeiro instante ele ainda pode odiar o seu inimigo, e mesmo o perseguir. Mas quando as idéias se lhe acalmarem, verá que a sua animosidade não tem razão de ser. Não obstante, poderá ainda conservar resquício maiores ou menores, de acordo com o seu caráter.

70 - OUVE AINDA O FRAGOR DA BATALHA?

RESP.: Sim, perfeitamente.

71 - O ESPÍRITO QUE ASSISTE FRIAMENTE A UM COMBATE, COMO ESPECTADOR TESTEMUNHA A SEPARAÇÃO ENTRE A ALMA E O CORPO? E COMO ESSE FENÔMENO SE APRESENTA A ELE?

RESP.: Há poucas mortes instantâneas. Na maioria das vezes, o Espírito cujo corpo foi mortalmente ferido não tem consciência disso no mesmo instante. Quando começa a retomar consciência é que se pode distinguir o Espírito a mover-se ao lado do cadáver. Isso parece tão natural que a vista do corpo morto não produz nenhum efeito desagradável. Toda a vida tendo sido transportada para o Espírito, somente ele chama a atenção e é com ele que o espectador conversa ou a quem dá ordens.

72 - NO CASO DAS PERSEGUIÇÕES DOS INIMIGOS ESPIRITUAIS, A AÇÃO DELES SE REALIZA SEM O CONHECIMENTO DOS NOSSOS GUIAS AMOROSOS E ESCLARECIDOS?

RESP.: As chamadas atuações do plano invisível, de qualquer natureza, não se verificam à revelia de Jesus e de seus prepostos, mentores do homem na sua jornada de experiências para o conhecimento e para a luz. As perseguições de um inimigo invisível têm um limite e não afetam o seu objeto senão de sua necessidade própria, porquanto, sob os olhos amoráveis dos vossos guias do plano superior, todos esses movimentos têm uma finalidade sagrada, como a de ensinar-vos a fortaleza moral, a tolerância, a paciência, a conformação, nos mais sagrados imperativos da fraternidade e do bem.

73 - OS ESPÍRITOS DESENCARNADOS SE DIVIDEM, IGUALMENTE, NAS ESFERAS MAIS PRÓXIMAS DA TERRA, EM SERES FEMININOS E MASCULINOS?

RESP.: Nas esferas mais próximas do planeta, as almas desencarnadas conservam as características que lhes eram mais agradáveis nas atividades da existência material, considerando-se que algumas, que perambulam no mundo com uma veste orgânica imposta pelas circunstâncias da tarefa a realizar junto às criaturas terrenas, retomam as suas condições anteriores à reencarnação, então enriquecidas, se bem souberem cumprir os seus deveres no plano das dores e das dificuldades materiais. Dilatando, porém, a questão, devemos ponderar que os Espíritos, com esses ou aqueles traços característicos, estão em marcha para Deus, purificando todos os sentimentos e embelezando as próprias faculdades, a fim de refletirem a luz divina, transformando-se, então, nessas ou naquelas condições, em perfeitos executores dos desígnios do Eterno.

74 - DEVEMOS CONTAR, DE MANEIRA ABSOLUTA, COM O AUXÍLIO DOS GUIAS ESPIRITUAIS EM NOSSAS REALIZAÇÕES HUMANAS?

RESP.: Um guia espiritual poderá cooperar sempre em vossos trabalhos, seja auxiliando-vos nas dificuldades, de maneira indireta, ou confortando-vos na dor, estimulando-vos para a edificação moral, imprescindível à iluminação de cada um; entretanto, não deveis tomar as suas expressões fraternas por promessa formal, no terreno das realizações do mundo, porquanto essas realizações dependem do vosso esforço próprio e se acham entrosadas no mecanismo das provações indispensáveis ao vosso aperfeiçoamento.

75 - OS CHAMADOS "HOMENS DE SORTE" SÃO GUIADOS PELOS ESPÍRITOS AMIGOS?

RESP.: Aquilo que convencionastes apelidar "sorte" representa uma situação natural no mapa de serviços do Espírito reencarnado, sem que haja necessidade de admitirdes a intervenção do plano invisível na execução das experiências pessoais. A "sorte" é também uma prova de responsabilidade no mecanismo da vida, exigindo muita compreensão da criatura que recebe, no que se refere à misericórdia divina, a fim de não desbaratar o patrimônio de possibilidades sagradas que lhe foi conferido.