OS TRÊS REINOS

1 - COMO CARACTERIZAM-SE OS REINOS MINERAL E VEGETAL?

RESP.: A matéria inerte que constitui o reino mineral, não possui nada mais do que uma força mecânica. Caracterizando-se pelas inúmeras variedadese combinações dos corpos simples da natureza, este reino constitui-se a partir da agregação da matéria sob o impulso das leis de atração e coesão que unem e equilibram os átomos em estruturas simples e/ou complexas.
As plantas, compostas de matéria inerte são dotadas de vitalidade, e embora possuindo fisiologia específica, não têm consciência de sua existência; não pensam e não tem mais do que vida orgânica. Assim, não experimentam sensações nem sofrem quando são mutiladas.

2 - DO PONTO DE VISTA DA INTELIGÊNCIA, EM QUE DIFERENCIAM-SE OS REINOS HOMINAL E ANIMAL?

RESP.: Comparando-se o homem e os animais, em relação à inteligência torna-se difícil estabelecer uma linha divisória entre ambos,pois certos animais têm notória superioridade sobre certos homens. Mas, nesse terreno, o homem é um ser à parte, que desce às vezes muito abaixo. Todavia, no físico o homem é como os animais e menos providos que muitos deles, pois suas necessidades de sobrevivência por exemplo, são providas pela própria natureza, ao passo que o homem precisa usar a inteligência para inventar os meios adequados a fi de suprir suas necessidades naturais.

3 - APÓS A MORTE, O PRINCÍPIO INTELIGENTE DOS ANIMAIS CONSERVA A SUA INDIVIDUALIDADE E A CONSCIÊNCIA DE SI MESMO? COMENTE

RESP.: Se possuem uma inteligência que lhes faculta certa habilidade de ação, é porque há neles um princípio independente da matéria,e que sobrevive ao corpo, a tal princípio pode-se didaticamente chamar de "alma", mas é inferior à do homem. Há entre a "alma" dos animais e a do homem tanta distância quanto a "alma" do homem e Deus. Posto que os animais não possuem "alma" propriamente dita, mas um principio espiritual, após a morte conservam a sua individualidade mas, não a consciência de si mesmo, uma vez que a vida inteligente permanece em estado latente.

4 - QUE PENSAIS DA DIVISÃO DA NATUREZA EM TRÊS REINOS, OU AINDA EM DUAS CLASSES: OS SERES ORGÂNICO E OS SERES INORGÂNICOS? ALGUNS FAZEM DA ESPÉCIE HUMANA UM QUARTO REINO. QUAL DESSAS DIVISÕES É A PREFERÍVEL?

RESP.: Todas são boas; isso depende do ponto de vista. Encarados sob o aspecto material, não há senão seres orgânicos e seres inorgânicos; do ponto de vista moral, há, evidentemente, quatro graus.

5 - AS PLANTAS TÊM CONSCIÊNCIA DE SUA EXISTÊNCIA?

RESP.: Não. Elas não pensam, não têm mais do que a vida orgânica.

6 - AS PLANTAS TÊM SENSAÇÕES? SOFREM QUANDO MUTILADAS?

RESP.: As plantas são fisicamente afetadas por ações sobre a matéria, mas não têm percepções; por conseguinte, não têm a sensação da dor.

7 - A FORÇA QUE ATRAI AS PLANTAS, UMAS PARA AS OUTRAS, É INDEPENDENTE DA SUA VONTADE?

RESP.: Sim, pois elas não pensam. É uma força mecânica da matéria que age na matéria, elas não poderiam opor-se.

8 - CERTAS PLANTAS, COMO A SENSITIVA E A DIONÉIA, POR EXEMPLO, TÊM MOVIMENTOS QUE ACUSAM UMA GRANDE SENSIBILIDADE E, EM ALGUNS CASOS, UMA ESPÉCIE DE VONTADE, COMO A ÚLTIMA, CUJOS LÓBULOS, APANHAM A MOSCA QUE VEM POUSAR SOBRE ELA, SUGAR-LHE, O SUCO, E À QUAL ELA PARECE HAVER PREPARADO UMA ARMADILHA PARA A MATAR. ESSAS PLANTAS SÃO ADOTADAS DA FACULDADE DE PENSAR? TÊM UMA VONTADE E FORMAM UMA CLASSE INTERMEDIÁRIA ENTRE A NATUREZA VEGETAL E ANIMAL? CONSTITUEM UMA TRANSIÇÃO DE UMA PARA A OUTRA?

RESP.: Tudo é transição na Natureza, pelo fato mesmo de que nada é semelhante e no entanto tudo se liga. As plantas não pensam e, por conseguinte, não têm vontade. A ostra que se abre e todos os zoófitos não têm pensamento: nada mais possuem que um instinto natural e cego.

9 - NÃO HÁ NAS PLANTAS, COMO NOS ANIMAIS, UMA ESPÉCIE DE INSTINTO DE CONSERVAÇÃO QUE AS LEVA A PROCURAR AQUILO QUE LHES PODE SER ÚTIL E A FUGIR DO QUE LHES PODE PREJUDICAR?

RESP.: Há, se o quiserdes, uma espécie de instinto: isso depende da extensão que se atribua a essa palavra; mas é puramente mecânico.Quando, nas reações químicas, vedes dois corpos se unirem, é que eles se afinam, quer dizer que há afinidade entre eles; mas não chamais a isso de instinto.

10 - NOS MUNDOS SUPERIORES AS PLANTAS SÃO, COMO OS OUTROS SERES, DE NATUREZA MAIS PERFEITA?

RESP.: Tudo é mais perfeito; mas as plantas são sempre plantas, como os animais são sempre animais e os homens sempre homens.

11 - SE COMPARAMOS O HOMEM E OS ANIMAIS, EM RELAÇÃO À INTELIGÊNCIA, PARECE DIFÍCIL ESTABELECER A LINHA DE DEMARCAÇÃO, POR QUE CERTOS ANIMAIS TÊM, NESSE TERRENO, NOTÓRIA SUPERIORIDADE SOBRE CERTOS HOMENS. ESSA LINHA DE DEMARCAÇÃO PODE SER ESTABELECIDA DE MANEIRA PRECISA?

RESP.: Sobre esse assunto os vossos filósofos não estão muito de acordo. Uns querem que o homem seja animal, e outros que o animal seja um homem. Estão todos errados. O homem é um ser à parte, que desce às vezes muito abaixo, ou que pode se elevar muito alto. No físico, o homem é como os animais e menos bem provido que muitos dentre deles; a Natureza lhes deus tudo aquilo que o homem é obrigado a inventar com a sua inteligência, para prover às suas necessidades e à sua conservação. Seu corpo se destrói como o dos animais, isto é certo, mas o seu Espírito tem um destino que só ele pode compreender, porque só ele é completamente livre. Pobres homens, que vos rebaixais mais do que os brutos! Não sabeis distinguir-vos deles? Reconhecei o homem pelo pensamento de Deus.

12 - PODEMOS DIZER QUE OS ANIMAIS SÓ AGEM POR INSTINTO?

RESP.: Ainda nisso há um sistema. É bem verdade que o instinto domina na maioria dos animais; mas não vês que há os que agem por uma vontade determinada? É que têm inteligência, porém ela é limitada.

13 - OS ANIMAIS TÊM LINGUAGEM?

RESP.: Se pensais numa linguagem formada de palavras e de sílabas, não; mas num meio de se comunicarem entre si, então, sim. Eles se dizem muito mais coisas do que supondes, mas a sua linguagem é limitada, como as próprias idéias, às suas necessidades.

14 - HÁ ANIMAIS QUE NÃO POSSUEM VOZ; ESSES NÃO PARECEM DESTITUÍDOS DE LINGUAGEM?

RESP.: Compreendem-se por outros meios. Vós, homens, não tendes mais do que a palavra para vos comunicardes? E dos mudos, que dizeis? Os animais, sendo dotados da vida de relação, têm meios de se prevenirem e de exprimirem as sensações que experimentaram Pensas que os peixes não se entendem? O homem não tem o privilégio da linguagem, mas a dos animais é instintiva e limitada pelo círculo exclusivo das suas necessidades e das suas idéias, enquanto a do homem é perfectível e se presta a todas as concepções da sua inteligência.

15 - OS ANIMAIS TÊM LIVRE-ARBÍTRIO?

RESP.: Não são simples máquinas, como supondes, mas sua liberdade de ação é limitada pelas suas necessidades e não pode ser comparada à do homem. Sendo muito inferiores a este, não têm os mesmo deveres. Sua liberdade é restrita aos atos da vida material.

16 - DE ONDE VEM A APTIDÃO DE CERTOS ANIMAIS PARA IMITAR A LINGUAGEM DO HOMEM, E POR QUE ESSA APTIDÃO SE ENCONTRA MAIS ENTRE AS AVES DO QUE ENTRE OS SÍMIOS, POR EXEMPLO, CUJA FORMAÇÃO TEM MAIS ANALOGIA COM A DAQUELE?

RESP.: Conformação particular dos órgãos vocais, secundada pelo instinto de imitação. O símio imita os gestos; certos pássaros imitam a voz.

17 - POIS SE OS ANIMAIS TÊM UMA INTELIGÊNCIA QUE LHES DÁ UMA CERTA LIBERDADE DE AÇÃO, HÁ NELES UM PRINCÍPIO INDEPENDENTE DA MATÉRIA?

RESP.: Sim, e que sobrevive ao corpo.

18 - ESSE PRINCÍPIO É UMA ALMA SEMELHANTE À DO HOMEM?

RESP.: É também uma alma, se o quiserdes; isso depende do sentido em que se tome a palavra; mas é inferior à do homem. Há, entre a alma dos animais e a do homem, tanta distância quanto entre a alma do homem e Deus.

19 - A ALMA DOS ANIMAIS CONSERVA APÓS A MORTE SUA INDIVIDUALIDADE E A CONSCIÊNCIA DE SI MESMA?

RESP.: Sua individualidade, sim, mas não a consciência de si mesma. A vida inteligente permanece em estado latente.

20 - A ALMA DOS ANIMAIS PODE ESCOLHER A ESPÉCIE EM QUE PREFIRA ENCARNAR-SE?

RESP.: Não; ela não tem o livre-arbítrio.

21 - A ALMA DO ANIMAL, SOBREVIVENDO AO CORPO, FICA NUM ESTADO ERRANTE, COMO A DO HOMEM APÓS A MORTE?

RESP.: Fica numa espécie de erraticidade, pois não está unida a um corpo. Mas não é um Espírito errante. O Espírito errante é um ser que pensa e age por sua livre vontade; o dos animais não tem a mesma faculdade. É a consciência de si mesmo que constitui o atributo principal do Espírito. O Espírito do animal é classificado, após a morte, pelos Espíritos incumbidos disso, e utilizado quase imeditamente; não dispõe de tempo para se pôr em relação com outras criaturas.

22 - OS ANIMAIS SEGUEM UMA LEI PROGRESSIVA, COMO OS HOMENS?

RESP.: Sim, e é por isso que nos mundos superiores, onde os homens são mais adiantados, os animais também o são, dispondo de meios de comunicação mais desenvolvidos. São porém, sempre inferiores e submetidos aos homens, sendo para estes servidores inteligentes.

23 - OS ANIMAIS PROGRIDESM COMO HOMEM, POR SUA PRÓPRIA VONTADE, OU PELA FORÇA DAS COISAS?

RESP.: Pela força das coisas; e é por isso que, para eles, não existe expiação.

24 - NOS MUNDOS SUPERIORES, OS ANIMAIS CONHECEM DEUS?

RESP.: Não. O homem é um deus para eles, como antigamente os Espíritos foram deuses para os homens.

25 - OS ANIMAIS, MESMO APERFEIÇOADOS NOS MUNDOS SUPERIORES, SENDO SEMPRE INFERIORES AOS HOMENS, DISSO RESULTARIA QUE DEUS TIVESSE CRIADO SERES INTELECTUAIS PERPETUAMENTE VOTADOS À INFERIORIDADE,O QUE PARECE EM DESACORDO COM A UNIDADE DE VISTAS E DE PROGRESSO QUE SE ASSINALAM EM TODAS AS SUAS OBRAS?

RESP.: Tudo se encadeia na Natureza, por liames que não podeis ainda perceber, e as coisas aparentemente mais disparatadas têm pontos de contato que o homem jamais chegará a compreender, no seu estado atual. Pode entrevê-los, por um esforço de sua inteligência, mas somente quando essa inteligência tiver atingido todo o seu desenvolvimento e se libertado dos preconceitos, do orgulho e da ignorância poderá ver claramente na obra de Deus. Até lá, suas idéias limitadas lhe farão ver as coisas de um ponto de vista mesquinho e acanhado. Sabei que Deus nunca se contradiz e que tudo, na Natureza, se harmoniza por meio de leis gerais, que jamais se afastam da sublime sabedoria do Criador.

26 - A INTELIGÊNCIA É ASSIM UMA PROPRIEDADE COMUM, UM PONTO DE ENCONTRO ENTRE A ALMA DOS ANIMAIS E A DO HOMEM?

RESP.: Sim, mas os animais não têm senão a inteligência da vida material; nos homens, a inteligência produz a vida moral.

27 - SE CONSIDERARMOS TODOS OS PONTOS DE CONTATO EXISTENTES ENTRE O HOMEM E OS ANIMAIS, NÃO PODERÍAMOS PENSAR QUE O HOMEM POSSUI DUAS ALMAS: A ALMA ANIMAL E A ALMA ESPÍRITA; E QUE, SE ELE NÃO TIVESSE ESTA ÚLTIMA, PODERIA VIVER, MAS COMO OS ANIMAIS? DIZENDO DE OUTRA MANEIRA: O ANIMAL É UM SER SEMELHANTE AO HOMEM, MENOS A ALMA ESPÍRITA? DISSO RESULTARIA QUE OS BONS E OS MAUS INSTINTOS DO HOMEM SERIAM O EFEITO DA PREDOMINÂNCIA DE UMA OU DE OUTRA DESSAS DUAS ALMAS?

RESP.: Não, o homem não tem duas almas, mas o corpo tem os seus instintos, que resultam da sensação dos órgãos. Não há no homem senão uma dupla natureza: a natureza animal e a espiritual; pelo seu corpo, participa da natureza dos animais e dos seus instintos; pela sua alma, participa da natureza dos Espíritos.

28 - ASSIM, ALÉM DAS SUAS PRÓPRIAS IMPERFEIÇÕES, DE QUE O ESPÍRITO DEVE DESPOJAR-SE, DEVE ELE LUTAR CONTRA A INFLUÊNCIA DA MATÉRIA?

RESP.: Sim, quanto mais inferior é ele, mais apertados são os laços entre o Espírito e a matéria. Não o vedes? Não, o homem não tem duas almas; a alma é sempre única, um ser único. A alma do animal e a do homem são distintas entre si, de tal maneira que a de um não pode animar o corpo criado para o outro. Mas se o homem não possui uma alma animal, que por suas paixões o coloque no nível dos animais, temo seu corpo, que o rebaixa frequentemente a esse nível, porque o seu corpo é um ser dotado de vitalidade, que tem instintos, mas ininteligentes e limitados ao interesse de sua conservação.

29 - DE ONDE TIRAM OS ANIMAIS O PRINCÍPIO INTELIGENTE QUE CONSTITUI A ESPÉCIE PARTICULAR DE ALMA DE QUE SÃO DOTADOS?

RESP.: Do elemento inteligente universal.

30 - A INTELIGÊNCIA DO HOMEM E A DOS ANIMAIS EMANAM, PORTANTO, DE UM PRINCÍPIO ÚNICO?

RESP.: Sem dúvida nenhuma; mas no homem ela passou por uma elaboração que a eleva sobre a dos brutos.

31 - FICOU DITO QUE A ALMA DO HOMEM, EM SUA ORIGEM, ASSEMELHA-SE AO ESTADO DE INFÂNCIA DA VIDA CORPÓREA, QUE A SUA INTELIGÊNCIA, QUE A SUA INTELIGÊNCIA APENAS DESPONTA E QUE ELA ENSAIA PARA A VIDA. ONDE CUMPRE ESSA PRIMEIRA FASE?

RESP.: Numa série de existências que precedem o período que chamais de Humanidade.

32 - PARECE, ASSIM, QUE A ALMA TERIA SIDO O PRINCÍPIO INTELIGENTE DOS SERES INFERIORES DA CRIAÇÃO?

RESP.: Não dissemos que tudo se encadeia na Natureza e tende à unidade? É nesses seres, que estais longe de conhecer inteiramente, que o princípio inteligente se elabora, se individualiza pouco a pouco, e ensaia para a vida, como dissemos. É, de certa maneira, um trabalho preparatório, como o da germinação, em seguida ao qual o princípio inteligente sofre uma transformação e se torna Espírito. É então que começa para ele o período de humanidade e, com este, a consciência do seu futuro, a distinção do bem e do mal e a responsabilidade dos seus atos. Como depois do período da infância vem o da adolescência, depois a juventude e por fim a idade madura. Nada há, de resto, nessa origem, que deva humilhar o homem. Os grandes gênios sentem-se humilhados por terem sido fetos informes no ventre materno? Se alguma coisadeve humilhá-los é a sua inferioridade perante Deus e sua impotência para sondar a profundeza de seus desígnios e a sabedoria das leis que regulam a harmonia do Universo. Reconhecei a grandeza de Deus nessa admirável harmonia que faz a solidariedade de todas as coisas na Natureza. Crer que Deus pudesse ter feito qualquer coisa sem objetivo e criar seres inteligentes sem futuro seria blasfemar contra a sua bondade, que se entende sobre todas as suas criaturas.

33 - ESSE PERÍODO DE HUMANIDADE COMEÇA NA TERRA?

RESP.: A Terra não é o ponto de partida da primeira encarnação humana. O período de humanidade começa, em geral, nos mundos ainda mais inferiores. Essa, entretanto, não é uma regra absoluta e poderia acontecer que um Espírito, desde o seu início humano, estivesse apto a viver na Terra. Esse caso não é frequente, e seria antes uma exceção.

34 - O ESPÍRITO DO HOMEM, APÓS A MORTE, TEM CONSCIÊNCIA DAS EXISTÊNCIAS QUE PRECEDERAM, PARA ELE, O PERÍODO DE HUMANIDADE?

RESP.: Não, porque não é senão desse período que começa para ele a vida de Espírito, e é mesmo difícil que se lembre de suas primeiras existências como homem, exatamente como o homem não se lembra mais dos primeiros tempos de sua infância, e ainda menos, do tempo que passou no ventre materno. Eis porque os Espíritos vos dizem que não sabem como começaram.

35 - O ESPÍRITO, TENDO ENTRADO NO PERÍODO DE HUMANIDADE, CONSERVA OS TRAÇOS DO QUE HAVIA SIDO PRECEDENTEMENTE, OU SEJA, DO ESTADO EM QUE SE ENCONTRAVA NO PERIODO QUE SE PODERIA CHAMAR ANTI-HUMANO?

RESP.: Isso depende da distância que separa os dois períodos e do progresso realizado. Durante algumas gerações ele pode conservar um reflexo mais ou menos pronunciado do estado primitivo, porque nada na Natureza se faz por transição brusca; há sempre anéis que ligam extremidades da cadeia dos seres e dos acontecimentos. Mas esses traços desaparecem com o desenvolvimento do livre-arbítrio. Os primeiros progressos se realizam lentamente, porque não são ainda secundados pela vontade, mas seguem uma progressão mais rápida, à medida que o Espírito adquire consciência mais perfeita de si mesmo.

36 - OS ESPÍRITOS QUE DISSERAM QUE O HOMEM É UM SER À PARTE NA ORDEM DA CRIAÇÃO ENGANARAM-SE, ENTÃO?

RESP.: Não, mas a questão não havia sido desenvolvida, e há coisas que não podem vir senão a seu tempo. O homem é, de fato, um ser à parte, porque tem faculdades que o distinguem de todos os outros e tem outro destino. A espécie humana é a que Deus escolheu para a encarnação dos seres que O podem conhecer.