PROVAS

1 - NO ESTADO ERRANTE, ANTES DE NOVA EXISTÊNCIA CORPÓREA, O ESPÍRITO TEM CONSCIÊNCIA E PREVISÃO DO QUE LHE VAI ACONTECER DURANTE A VIDA?

RESP.: Ele mesmo escolhe o gênero de provas que deseja sofrer; nisto consiste o seu livre-arbítrio.

2 - NÃO É DEUS QUEM LHE IMPÕE AS TRIBULAÇÕES DA VIDA, COMO CASTIGO?

RESP.: Nada acontece sem a permissão de Deus, porque foi Ele quem estabeleceu todas as leis que regem o universo. Perguntareis agora por que Ele fez tal lei em vez de outra! Dando ao Espírito a liberdade de escolha, deixa-lhe toda a responsabilidade dos seus atos e das suas consequências; nada lhe estorva o futuro; o caminho do bem está à sua frente, como o do mal. Mas se sucumbir, ainda lhe resta uma consolação, a de que nem tudo se acabou para ele, pois Deus, na sua bondade, permite-lhe recomeçar o que foi mal feito. É necessário distinguir o que é obra da vontade de Deus e o que é da vontade do homem. Se um perigo vos ameaça, não fostes vós que o criastes, mas Deus; tivestes, porém, a vontade de vos expordes a ele, porque o consideraste um meio de adiantamento; e Deus o permitiu.

3 - SE O ESPÍRITO ESCOLHE O GÊNERO DE PROVAS QUE DEVE SOFRER, TODAS AS TRIBULAÇÕES DA VIDA FORAM PREVISTAS E ESCOLHIDAS POR NÓS?

RESP.: Todas, não é bem o termo, pois não se pode dizer que escolhestes e previstes tudo o que vos acontece no mundo, até as menores coisas. Escolheste o gênero de provas; os detalhes são consequências da posição escolhida, e frequentemente de vossas próprias ações. Se o espírito quis nascer entre malfeitores, por exemplo, já sabia a que deslize se expunha, mas não conhecia cada um dos atos que praticaria; esses atos são produtos de sua vontade ou do seu livre-arbítrio. O Espírito sabe que, escolhendo esse caminho, terá de passar por esse gênero de lutas; e sabe de que natureza são as vicissitudes que irá encontrar; mas não sabe quais os acontecimentos que o aguardam. Os detalhes nascem das circunstâncias e da força das coisas. Só os grandes acontecimentos, que influem no destino, estão previstos. Se tomas um caminho cheio de desvios, sabes que deves ter muitas precauções, porque corres o perigo de cair, mas não sabes quando cairás, e pode ser que nem caias, se fores bastante prudente. Se ao passar pela rua uma telha te cair na cabeça, não penses que estava escrito, como vulgarmente se diz.

4 - COMO O ESPÍRITO PODE QUERER NASCER ENTRE GENTE DE MÁ VIDA?

RESP.: É necessário ser enviado ao meio em que possa sofrer a prova pedida. Pois bem: o semelhante atrai semelhante, e para lutar contra o instinto do banditismo é preciso que ele se encontre entre gente dessa espécie.

5 - SE NÃO HOUVESSE GENTE DE MÁ VIDA NA TERRA, O ESPÍRITO NÃO PODERIA ENCONTRAR NELA O MEIO NECESSÁRIO A CERTAS PROVAS?

RESP.: E deveríamos lamentar isso? É o que acontece nos mundos superiores, onde o mal não tem acesso. É por isso que neles só existem bons Espíritos. Fazei que o mesmo aconteça, bem logo, em vossa Terra.

6 - O ESPÍRITO, NAS PROVAS QUE DEVE SOFRER PARA CHEGAR À PERFEIÇÃO, TERÁ DE EXPERIMENTAR TODOS OS GÊNEROS DE TENTAÇÕES? DEVERÁ PASSAR POR TODAS AS CIRCUNSTÂNCIAS QUE POSSAM PROVOCAR-LHE O ORGULHO, O CIÚME, A AVAREZA, A SENSUALIDADE, ETC..?

RESP.: Certamente que não, pois sabeis que há os que tomam, desde o princípio, um caminho que os afasta de muitas provas. Mas aquele que se deixa levar pelo mau caminho corre todos os perigos do mesmo. Um Espírito pode pedir riqueza e esta lhe ser dada; então, segundo o seu caráter, poderá tornar-se avarento ou pródigo, egoísta ou generoso, ou ainda entregar-se a todos os prazeres da sensualidade. Mas isso não quer dizer que ele devia cair forçosamente em todas essas tendências.

7 - COMO PODE O ESPÍRITO, QUE EM SUA ORIGEM É SIMPLES, IGNORANTE E SEM EXPERIÊNCIA, ESCOLHER UMA EXISTÊNCIA COM CONHECIMENTO DE CAUSA E SER RESPONSÁVEL PELA SUA ESCOLHA?

RESP.: Deus supre a sua inexperiência, traçando-lhe o caminho que deve seguir, como fazes com uma criança desde o berço. Mas deixa-lhe pouco a pouco a liberdade de escolher, à medida que o seu livre-arbítrio se desenvolve. É então que ele muitas vezes se extravia, tomando o mau caminho, por não ouvir os conselhos dos bons Espíritos. É a isso que podemos chamar a queda do homem.

8 - QUANDO O ESPÍRITO GOZA DO SEU LIVRE-ARBÍTRIO, A ESCOLHA DA EXISTÊNCIA CORPÓREA DEPENDE SEMPRE EXCLUSIVAMENTE DA SUA VONTADE, OU ESSA EXISTÊNCIA PODE LHE SER IMPOSTA PELA VONTADE DE DEUS, COMO EXPIAÇÃO?

RESP.: Deus sabe esperar: não precipita a expiação. Entretanto, pode impor certa existência a um Espírito, quando este, por sua inferioridade ou má vontade, não está apto a compreender o que lhe seria mais proveitoso, e quando vê que essa existência pode servir para a sua purificação, o seu adiantamento, e ao mesmo tempo servir-lhe de expiação.

9 - O ESPÍRITO FAZ A SUA ESCOLHA IMEDIATAMENTE APÓS A MORTE?

RESP.: Não, pois muitos crêem na eternidade das penas, e como já vos foi dito, isso é um castigo.

10 - O QUE ORIENTA O ESPÍRITO NA ESCOLHA DAS PROVAS?

RESP.: Ele escolhe as que lhe podem servir de expiação, segundo a natureza de suas faltas, e fazê-lo adiantar mais rapidamente. Uns podem impor-se uma vida de misérias e privações, para tentar suportá-la com coragem; outros, experimentar as tentações da fortuna e do poder, bem mais perigosas pelo abuso e o mau emprego que lhes pode dar e pelas más paixões que desenvolvem; outros, enfim, querem ser provados nas lutas que terão de sustentar no contato com o vício.

11 - SE ALGUNS ESPÍRITOS ESCOLHEM O CONTATO COM O VÍCIO, COMO PROVA, HÁ OS QUE O ESCOLHEM POR SIMPATIA E PELO DESEJO DE VIVER NUM MEIO ADEQUADO AOS SEUS GOSTOS, OU PARA PODEREM ENTREGAR-SE LIVREMENTE ÀS SUAS INCLINAÇÕES MATERIAIS?

RESP.: Há, por certo, mas só entre aqueles cujo senso moral é ainda pouco desenvolvido; a prova decorre disso, e eles a sofrem por tempo mais longo. Cedo ou tarde compreenderão que a satisfação das paixões brutais tem para eles consequências deploráveis, que terão de sofrer durante um tempo que lhes parecerá eterno. Deus poderá deixá-los nesse estado até que eles tenham comprendido suas faltas, pedindo por si mesmos o meio de resgatá-las em provas proveitosas.

12 - NÃO PARECE NATURAL QUE OS ESPÍRITOS ESCOLHAM AS PROVAS MENOS PENOSAS?

RESP.: Para vós, sim; para o Espírito, não. Quando ele está liberto da matéria, cessa a ilusão, e a sua maneira de pensar é diferente.

13 - O ESPÍRITO PODERIA FAZER A SUA ESCOLHA DURANTE A VIDA CORPORAL?

RESP.: Seu desejo pode ter influência. Isso depende da intenção. Mas, no estado de Espírito, frequentemente vê as coisas de maneira bem diversa. É o Espírito quem faz a escolha. Mas, ainda assim, ele pode fazê-la nesta vida material, porque o Espírito tem sempre os momentos em que se liberta da matéria.

14 - MUITAS PESSOAS DESEJAM GRANDEZAS E RIQUEZAS, MAS NÃO COMO EXPIAÇÃO NEM COMO PROVA?

RESP.: Sem dúvida; a matéria deseja essa grandeza para gozá-la, e o Espírito a deseja para conhecer-lhe as vicissitudes.

15 - ATÉ QUE CHEGUE AO ESTADO DE PERFEITA PUREZA, O ESPÍRITO TEM DE PASSAR CONSTANTEMENTE POR PROVAS?

RESP.: Sim, mas elas não são como a entendeis. Chamais provas às tribulações materiais; ora, o Espírito, chegado a um certo grau, mesmo sem ser perfeito, não tem mais nada a sofrer. Mas tem sempre deveres que o ajudam a se aperfeiçoar, e que não são penosos para ele, a não ser os de ajudar os outros a se aperfeiçoarem.

16 - O ESPÍRITO PODE ENGANAR-SE QUANTO À EFICÁCIA DA PROVA QUE ESCOLHER?

RESP.: Pode escolher uma que esteja acima das suas forças, e então sucumbe. Pode também escolher uma que não lhe dê proveito algum, como um gênero de vida ociosa e inútil. Mas, nesse caso, voltando ao mundo dos Espíritos, percebe que nada ganhou e pede para recuperar o tempo perdido.

17 - A QUE SE DEVEM AS VOCAÇÕES DE CERTAS PESSOAS E SUA VONTADE DE SEGUIR UMA CARREIRA EM VEZ DE OUTRA?

RESP.: Parece-me que podeis responder por vós mesmos a esta questão. Não é a consequência de tudo o que dissemos sobre a escolha das provas e sobre o progresso realizado numa existência anterior.

18 - QUANDO O ESPÍRITO ESTUDA, NA ERRATICIDADE, AS DIVERSAS CONDIÇÕES EM QUE PODERÁ PROGREDIR, COMO JULGA PODER FAZÊ-LO, SE NASCER ENTRE CANIBAIS?

RESP.: Não são os Espíritos já adiantados que nascem entre os canibais, mas os Espíritos da mesma natureza dos canibais, ou que lhes são inferiores.

19 - OS ESPÍRITOS PROCEDENTES DUM MUNDO INFERIOR À TERRA, OU DUM MUNDO MUITO ATRASADO, COMO OS CANIBAIS, PODERIAM NASCER ENTRE OS POVOS CIVILIZADOS?

RESP.: Sim, há os que se extraviam, ao quererem subir muito alto; mas ficam deslocados entre vós, porque têm hábitos e instintos que se chocam com os vossos.

20 - UM HOMEM PERTENCENTE A UMA RAÇA CIVILIZADA PODERIA, POR EXPIAÇÃO, REENCARNAR-SE NUMA RAÇA SELVAGEM?

RESP.: Sim, mas isso depende do gênero da expiação. Um senhor que tenha sido duro para os seus escravos, poderá tornar-se escravo e sofrer os maus tratos que inflingiu a outros. Aquele que mandou numa época, pode, em outra existência, obedecer aos que se curvaram ante a sua vontade. É uma expiação, se ele abusou do poder, e Deus pode determiná-la. Um bom Espírito pode, para os fazer avançar, escolher uma vida de influência entre esses povos. Então se trata de uma missão.

21 - QUAL A DIFERENÇA ENTRE PROVAÇÃO E EXPIAÇÃO?

RESP.: A provação é a luta que ensina ao discípulo rebelde e preguiçoso a estrada do trabalho e da edificação espiritual. A expiação é a pena imposta ao malfeitor que comete um crime.

22 - A LEI DA PROVA E DA E EXPIAÇÃO É INFLEXÍVEL?

RESP.: Os tribunais da justiça humana, apesar de imperfeitos, por vezes não comutam as penas e não beneficiam os delinquentes com o "sursis"? A inflexibilidade e a dureza não existem para a misericórdia divina, que, conforme a conduta do Espírito encarnado, pode dispensar na lei, em benefício do homem, quando a sua existência já demonstre certas expressões do amor que cobre a multidão dos pecados.

23 - COMO SE VERIFICA A QUEDA DO ESPÍRITO?

RESP.: Conquistada a consciência e os valores racionais todos os Espíritos são investidos de uma responsabilidade, dentro das suas responsabilidades de ação; porém, são raros os que praticam seus legítimos deveres morais, aumentando os seus direitos divinos no patrimônio universal.
Colocada por Deus no caminho da vida, como discípulo que termina os estudos básicos, a alma nem sempre sabe agir em correlação com os bens recebidos do Criador, caindo pelo orgulho e pela vaidade, pela ambição ou pelo egoísmo, quebrando a harmonia divina pela primeira vez e penetrando em experiências penosas, a fim de restabelecer o equilíbrio de sua existência.

24 - A QUEDA DO ESPÍRITO SOMENTE SE VERIFICA NA TERRA?

RESP.: A Terra é um plano de vida e de evolução como outro qualquer, e, nas esferas mais variadas, a alma pode cair, em sua rota evolutiva, porquanto precisamos compreender que a sede de todos os sentimentos bons ou maus, superiores ou indignos, reside no âmago do espírito imperecível e não na carne que se apodrecerá com o tempo.

25 - COMO SE PROCESSA A PROVAÇÃO COLETIVA?

RESP.: Na provação coletiva verifica-se a convocação dos Espíritos encarnados, participantes do mesmo débito, com referência ao passado delituoso e obscuro. O mecanismo da justiça, na lei das compensações funciona então espontaneamente, através dos prepostos do Cristo, que convocam os comparsas na dívida do pretérito para os resgates em comum, razão por que, muitas vezes, intitulais "doloroso acaso" às circunstâncias que reúnem as criaturas mais díspares no mesmo acidente, que lhes ocasiona a morte do corpo físico ou as mais variadas mutilações, no quadro dos seus compromissos individuais.

26 - A INCREDULIDADE É UMA PROVAÇÃO?

RESP.: O ateísmo ou a incredulidade absoluta não existe, a não ser no jogo de palavras dos cérebros desesperados, nas teorias do mundo, porque, no íntimo, todos os Espíritos se idenficam com a idéia de Deus e da sobrevivência do ser, que lhes é inata. Essa idéia superior pairará acima de todos os negativismos e sairá vitoriosa de todos os decretos de força que se organizem nos Estados terrenos porque constitui a luz da vida e a mais preciosa esperança das almas.

27 - SOMENTE SE RECEBE A OFENSA A QUE SE FEZ JUS NO CUMPRIMENTO DAS PROVAS? E CONSIDERANDO A INTENSIDADE DESSA OU DAQUELA PROVAÇÃO, PODERÁ ALGUÉM REENCARNAR FADADO AO SUICÍDIO E AO CRIME?

RESP.: Receberemos a dor de acordo com as necessidades próprias, com vistas ao resgate do passado e à situação espiritual do futuro. No capítulo da ofensa, quando a recebemos de alguém que se encontra dentro do nosso nível de compreensão e do plano evolutivo, é certo que se trata de provação bem amarga, indispensável ao nosso processo de regeneração própria.
Existem, porém, no mundo, as pedradas da ignorância e da má fé, partidas dos sentimentos inferiores, e convém que o cristão esteja preparado e sereno, de modo a não recebê-las com sensibilidade doentia, mas com o próposito de trabalho e esforço próprio, conhecendo que as mesmas fazem parte do seu plano de vida temporária, onde veio para se educar, colaborando ao mesmo tempo na educação de seus semelhantes.
Relativamente ao suicídio é oportuno repetir que a obra de Deus é a do amor e do bem, de todos os planos da vida, e devemos reconhecer que, se muitos Espíritos reencarnam com a prova das tentações ao suicídio e ao crime, é porque esses devem agir como alunos que, havendo perdido uma prova em seu curso, voltam ao estudo da mesma no ano seguinte, até obterem conhecimento e superioridade na matéria.
Muitas almas efetuam a repetição de um mesmo esforço e, por vezes, sucumbem na luta, sem perceberem a necessidade de vigilância sem que possamos, de modo algum, imputar a Deus o fracasso de suas esperanças, porque a Providência Divina concede a todos os seres as mesmas oportunidades de trabalho e de habilitação.

28 - NAS LEIS DA FRATERNIDADE, COMO RECONHECER NA TERRA, O ESPÍRITO EM MISSÃO?

RESP.: Precisamos considerar que o Espírito em missão experimenta, igualmente, as suas provas no trabalho a realizar, com a diferença de permanecer menos acessível ao efeito dos sofrimentos humanos, pela condição de superioridade espiritual. Podereis, todavia, identificar a missão da alma pelos atos e palavras, na exemplificação e no ensino da tarefa que foi chamada a cumprir, porque um emissário de amor deixa em todos os seus passos o luminoso selo do bem.

29 - Qual deve ser a nossa atitude perante as provas da vida?

RESP.: Diante das provas inquietantes que se demoram conosco, aprendamos a refletir, para auxiliar, melhorar, amparar e servir aqueles que nos cercam.

30 - Quais as relações entre presente, o passado e o futuro?

RESP.: Todos estamos no presente, com o ensejo de construir o futuro, mas envolvidos nas consequências do passado que nos é próprio. Isso porque tudo aquilo que a criatura semeie, isso mesmo colherá.