RETORNO À VIDA CORPORAL

1 - QUAL A INFLUÊNCIA DO ORGANISMO NA VIDA DO ESPÍRITO?

RESP.: A matéria não é mais que o envoltório do Espírito; como a roupa é o envoltório do corpo. O Espírito ao unir-se ao corpo, conserva os atributos da natureza espiritual. Contudo, se por um lado o exercício das faculdades depende dos órgãos que lhe servem de instrumentos, por outro lado, essas faculdades são enfraquecidas pela densidade da matéria qual um vidro opaco que limita a irradiação da luz.

2 - A MANIFESTAÇÃO DAS FACULDADES DO ESPÍRITO ESTÁ CONDICIONADA AOS ÓRGÃOS FÍSICOS? COMENTE.

RESP.: Os órgãos são os instrumentos da manifestação das faculdades da alma. Essa manifestação está subordinada ao desenvolvimento e ao grau de perfeição dos respectivos órgãos, como a excelência de um trabalho à excelência da ferramenta. Deste modo para o Espírito encarnado torna-se um dever zelar pela boa preservação do corpo físico, mantendo-o a salvo de vícios ou excessos de qualquer natureza que possam restringir a liberdade de expressão do Espírito.

3 - EXISTE UMA RELAÇÃO ENTRE O DESENVOLVIMENTO DO CÉREBRO E AS FACULDADES MORAIS E INTELECTUAIS?

RESP.: Por outro lado, importa em considerar que não há necessariamente uma relação entre o desenvolvimento dos órgãos cerebrais e o das faculdades morais e intelectuais, pois não são os órgãos que lhe dão as faculdades que impulsionam, o desenvolvimentodos órgãos. Se as faculdades tivessem os seus princípios nos órgãos, o homem seria uma máquina, sem livre-arbítrio e sem a responsabilidade dos seus atos. Efetivamente, a diversidade de aptidões entre os homens decorre das qualidades do Espírito, é assim que os gênios, sábios e artistas não o são porque o acaso lhes deu órgãos especiais, mas devido às conquistas do Espírito.

4 - O ESPÍRITO DE UMA CRIANÇA PODE SER MAIS EVOLUÍDO QUE O DE SEUS PAIS?

RESP.: Sim. Frequentemente ocorre ser o Espírito que anima o corpo de uma criança, tão desenvolvido, ou mais ainda, do que o de um adulto, conforme o seu progresso anterior. Enquanto criança, os órgãos da inteligência estando ainda em desenvolvimento, não lhe põe à disposição todas as faculdades de um adulto. A sua inteligência permanecerá limitada até que a idade amadureça e ele domine totalmente o novo organismo. A perturbação que acompanha a encarnação, não cessa de súbito com o nascimento e só se dissipa com o desenvolvimento dos órgãos.

5 - POR QUE O PERÍODO DE 1 A 7 ANOS É DECISIVO NA FORMAÇÃO DO CARÁTER E DA PERSONALIDADEDO ESPÍRITO REENCARNANTE?

RESP.: Segundo Emmanuel no livro "O Consolador", o Espírito no período infantil, até os sete anos, ainda se encontra em fase de adaptação à nova existência. Nessa idade, ainda não existe uma integração perfeita entre ele e a matéria orgânica. Suas recordações do plano espiritual são mais vivas, tornando-se mais susceptível de renovar o caráter e estabelecer novo caminho na consolidação dos princípios de responsabilidades, se encontrar nos pais legítimos representantes do colégio familiar. Eis por que o lar é tão importante para a edificação do homem e por que tão profunda é a missão dos pais perante as leis divinas, pois é aí, que a criança deve receber as bases do sentimento e do caráter.

6 - O ESTADO INFANTIL É UM TEMPO DE REPOUSO PARA O ESPÍRITO. EXPLIQUE?

RESP.: O estado infantil é uma necessidade do Espírito e corresponde aos desígnios da Providência, pois é um tempo de repouso para o Espírito. O objetivo da encarnação é o aperfeiçoamento do Espírito e o estado de infância torna-o acessível às impressões que recebe; sua nova fase de vida vai fundamentar-se nos novos registros inseridos a partir de então. Daí os novos rumos limitados e dependentes deles e o aumento da probabilidade de sucesso na nova vida. As sábias leis divinas colocam-no em um meio onde ele só haure o que é útil o que convém, junto daqueles e talvez capacitados a lhe auxiliar o adiantamento.

7 - COMO AGE O ESPÍRITO, NO PERÍODO INICIAL DE SUA ENCARNAÇÃO. DESENVOLVA.

RESP.: No período inicial da nova encarnação, o Espírito age realmente como criança pois, as idéias que marcarão seu caráter estão adormecidas. Por isto é mais dócil nesta fase, tornando-se mais acessível às impressões que podem modificar sua condição evolutiva.

8 - OS ESPÍRITOS CONHECEM A ÉPOCA EM QUE TERÃO DE SE REENCARNAR?

RESP.: Eles a pressentem, como o cego sente o fogo de que se aproxima. Sabem que devem retomar um corpo, como sabeis que deveis morrer um dia, mas ignoram quando isso acontecerá.

9 - A REENCARNAÇÃO É, PORTANTO, UMA NECESSIDADE DA VIDA ESPÍRTA, COMO A MORTE É UMA NECESSIDADE DA VIDA CORPÓREA?

RESP.: Seguramente que é.

10 - TODOS OS ESPÍRITOS SE PREOCUPAM COM A SUA REENCARNAÇÃO?

RESP.: Há os que absolutamente não pensam nela, que nem mesmo a compreendem, se recuar ante a prova. Porque entre os Espíritos há também indiferentes e poltrões; mas não o faz impunemente, pois sofre com isso, como aquele que recusa o remédio que o pode curar.

11 - SE UM ESPÍRITO SE SENTISSE BASTANTE FELIZ NUMA CONDIÇÃO MEDIANA ENTRE OS ESPÍRITOS ERRANTES E NÃO TIVESSE A AMBIÇÃO DE SE ELEVAR, PODERIA PROLONGAR INDEFINIDAMENTE ESSE ESTADO?

RESP.: Não indefinidamente; cedo ou tarde, o Espírito sente a necessidade de avançar; todos devem elevar-se, pois esse é o destino de todos.

12 - A UNIÃO DA ALMA COM ESTE OU AQUELE CORPO ESTÁ PREDESTINADA, OU NO ÚLTIMO MOMENTO É QUE FAZ A ESCOLHA?

RESP.: O Espírito é sempre designado com antecedência. Escolhendo a prova que deseja sofrer, o Espírito pede para encarnar; Deus, que tudo sabe e tudo vê com antecedência que tal alma se unirá a tal corpo.

13 - O ESPÍRITO TEM O DIREITO DE ESCOLHER O CORPO OU SOMENTE O GÊNERO DE VIDA QUE LHE DEVE SERVIR DE PROVA?

RESP.: Ele pode escolher também o corpo, porque as imperfeições do corpo são provas que o ajudam no seu adiantamento, se ele vencer os obstáculos encontrados; mas a escolha nem sempre depende dele, que pode pedi-la.

14 - PODE O ESPÍRITO, NO ÚLTIMO MOMENTO, RECUSAR O CORPO ESCOLHIDO?

RESP.: Se o recusasse, sofreria muito mais do que aquele que não tivesse tentado nenhuma prova.

15 - PODERIA ACONTECER QUE UM CORPO QUE DEVE NASCER NÃO ENCONTRASSE ESPÍRITO PARA ENCARNAR-SE NELE?

RESP.: Deus proveria isso. A criança, quando deve nascer para viver, tem sempre uma alma predestinada; nada é criado sem um desígnio.

16 - A UNIÃO DO ESPÍRITO COM DETERMINADO CORPO PODE SER IMPOSTA POR DEUS?

RESP.: Pode ser imposta, da mesma maneira que as diferentes provas, sobretudo quando o Espírito ainda não está apto a fazer uma escolha com conhecimento de causa. Como expiação, o Espírito pode ser constrangido a se unir ao corpo de uma criança que, por seu nascimento e pela posição que terá no mundo, poderá tornar-se para ele um meio de castigo.

17 - SE ACONTECESSE QUE MUITOS ESPÍRITOS SE APRESENTASSEM PARA OCUPAR UM MESMO CORPO QUE VAI NASCER, O QUE DECIDIRIA ENTRE ELES?

RESP.: Muitos podem pedi-lo, mas é Deus quem julga, em casos assim, qual é o mais capaz de preencher a missão a que a criança se destina. Mas, como já disse, o Espírito é designado antes do instante em que deve unir-se ao corpo.

18 - O MOMENTO DA ENCARNAÇÃO É SEGUIDO DE PERTURBAÇÃO SEMELHANTE AO QUE SE VERIFICA NA DESENCARNAÇÃO?

RESP.: Muito maior, e sobretudo mais longa. Na morte, o Espírito sai da escravidão; no nascimento, entra nela.

19 - O INSTANTE EM QUE O ESPÍRITO DEVE ENCARNAR-SE É PARA ELE UM INSTANTE SOLENE? CUMPRE ELE ESSE ATO COMO COISA GRAVE E IMPORTANTE?

RESP.: É como um vianjante que embarca para uma travessia perigosa e não sabe se vai encontrar a morte nas vagas que afronta.

20 - A INCERTEZA DO ESPÍRITO, QUANTO À EVENTUALIDADE DO SUCESSO DAS PROVAS QUE VAI SOFRER NA VIDA, É PARA ELE UMA CAUSA DE AFLIÇÃO, ANTES DA ENCARNAÇÃO?

RESP.: Uma grande aflição, pois as provas da sua existência o retardarão ou farão avançar, segundo as tiver bem ou mal suportado.

21 - NO MOMENTO DE SUA REENCARNAÇÃO O ESPÍRITO É ACOMPANHADO POR OUTROS ESPÍRITOS, SEUS AMIGOS, QUE ASSISTEM À SUA PARTIDA DO MUNDO ESPÍRITA, COMO O VÃO RECEBER NA VOLTA?

RESP.: Isso depende da esfera em que o Espírito habita. Se está nas esferas em que reina a afeição, os Espíritos que o amam o acompanham até o derradeiro momento, encorajam-no, e frequentemente mesmo, seguem-no durante a vida.

22 - OS ESPÍRITOS AMIGOS, QUE NOS SEGUEM DURANTE A VIDA SÃO, POR VEZES, OS QUE VEMOS EM SONHO, QUE NOS TESTEMUNHAM A SUA AFEIÇÃO E QUE SE NOS APRESENTAM COM FEIÇÕES DESCONHECIDAS?

RESP.: Muito frequentemente o são; eles vêm visitar-nos, como ides ver um prisioneiro nas grades.

23 - EM QUE MOMENTO A ALMA SE UNE AO CORPO?

RESP.: A união começa na concepção, mas não se completa senão no instante do nascimento. Desde o momento da concepção, o Espírito designado para tomar determinado corpo a ele se liga por um laço fluídico que se vai encurtando cada vez mais, até o instante em que a criança vem à luz; o grito que então escapa de seus lábios anuncia que a criança entrou para o número dos vivos e dos servos de Deus.

24 - A UNIÃO ENTRE O ESPÍRITO E O CORPO É DEFINIDA DESDE O MOMENTO DA CONCEPÇÃO?DURANTE ESSE PRIMEIRO PERÍODO O ESPÍRITO PODERIA RENUNCIAR A TOMAR O CORPO QUE LHE FOI DESIGNADO?

RESP.: A união definitiva, no sentido em que outro Espírito não poderia substituir o que foi designado para o corpo, mas, como os laços que o prendem são mais frágeis, fáceis de romper, podem ser rompidos pela vontade do Espírito que recua ante a prova escolhida. Nesse caso, a criança não vinga.

25 - QUE ACONTECE AO ESPÍRITO, SE O CORPO QUE ELE ESCOLHEU MORRE ANTES DE NASCER?

RESP.: Escolhe outro.

26 - QUAL PODE SER A UTILIDADE DESSAS MORTES PREMATURAS?

RESP.: As imperfeições da matéria, na maioria das vezes, são a causa dessas mortes.

27 - QUE UTILIDADE PODE TER PARA UM ESPÍRITO A SUA ENCARNAÇÃO NUM CORPO QUE MORRE POUCOS DIAS DEPOIS DE NASCER?

RESP.: O ser ainda não tem consciência bastante desenvolvida da sua existência; a importância da morte é quase nula; frequentemente, como já dissemos, trata-se de uma prova para os pais.

28 - O ESPÍRITO SABE, COM ANTECEDÊNCIA, QUE O CORPO POR ELE ESCOLHIDO NÃO TEM POSSIBILIDADE DE VIVER?

RESP.: Sabe, algumas vezes, mas, se o escolheu por esse motivo, é que recua ante a prova.

29 - QUANDO FALHA UMA ENCARNAÇÃO PARA O ESPÍRITO, POR UMA CAUSA QUALQUER, É ELA SUPRIDA IMEDITAMENTE POR OUTRA EXISTÊNCIA?

RESP.: Nem sempre imeditamente; o Espírito necessita de tempo para escolher de novo, a menos que a reencarnação instantânea decorra de uma determinação anterior.

30 - O ESPÍRITO, UMA VEZ UNIDO AO CORPO DA CRIANÇA, E NÃO PODENDO MAIS RETROCEDER, LAMENTA ALGUMAS VEZES A ESCOLHA FEITA?

RESP.: Queres perguntar se, como homem,ele se queixa da vida que tem? Se desejaria outra? Sim. Se lamenta a escolha feita? Não, porque não sabe que a escolheu. O Espírito, uma vez encarnado, não pode lamentar uma escolha de que não tem consciência, mas pode achar muito pesada a carga. E, se a considera acima de suas forças, é então que recorre ao suicídio.

31 - NO INTERVALO DA CONCEPÇÃO AO NASCIMENTO, O ESPÍRITO GOZA DE TODAS AS SUAS FACULDADES?

RESP.: Mais ou menos, segundo a fase, porque não está ainda encarnado, mas ligado ao corpo. Desde o instante da concepção, a perturbação começa a envolver o Espírito, advertindo-o assim de que chegou o momento de tomar uma nova existência; essa perturbação vai crescendo até o nascimento. Nesse intervalo, seu estado é mais ou menos o de um Espírito encarnado, durante o sono do corpo. À medida que o momento do nascimento se aproxima, suas idéias se apagam, assim como a lembrança do passado se apagadesde que entra na vida. Mas essa lembrança lhe volta pouco a pouco à memória, no seu estado de Espírito.

32 - NO INSTANTE DO NASCIMENTO O ESPÍRITO RECOBRA IMEDIATAMENTE A PLENITUDE DE SUAS FACULDADES?

RESP.: Não; elas se desenvolvem gradualmente, com os órgãos. Ele se encontra numa nova existência; é preciso que aprenda a se servir dos seus instrumentos; as idéias lhe voltam pouco a pouco, como um homem que acorda e se encontra numa posição diferente da que ocupava antes de dormir.

33 - A UNIÃO DO ESPÍRITO COM O CORPO NÃO ESTANDO COMPLETA E DEFINITIVAMENTE CONSUMADA, SENÃO DEPOIS DO NASCIMENTO, PODE CONSIDERAR-SE O FETO COMO TENDO UMA ALMA?

RESP.: O Espírito que o deve animar existe, de qualquer maneira, fora dele. Propriamente falando, ele não tem uma alma, pois a encarnação está apenas em vias de se realizar, mas está ligado à alma que deve possuir.

34 - COMO SE EXPLICA A VIDA INTRA-UTERINA?

RESP.: É a da planta que vegeta. A criança vive a vida animal. O homem a possui em si a vida animal e a vida vegetal, que completa, ao nascer, com a vida espiritual.

35 - HÁ, COMO O INDICA A CIÊNCIA, CRIANÇAS QUE DESDE O VENTRE DA MÃE NÃO TÊM POSSIBILIDADE DE VIVER? e COM QUE FIM ACONTECE ISSO?

RESP.: Isto acontece frequentemente, e Deus o permite como prova, seja para os pais, seja para o Espírito destinado a encarnar.

36 - HÁ CRIANÇAS NATIMORTAS QUE NÃO FORAM DESTINADAS À ENCARNAÇÃO DE UM ESPÍRITO?

RESP.: Sim, há as que jamais tiveram um Espírito destinado aos seus corpos: nada devia cumprir-se nelas. É somente pelos pais que essa criança nasce.

37 - UM SER DESSA NATUREZA PODE CHEGAR AO TEMPO NORMAL DE NASCIMENTO?

RESP.: Sim, algumas vezes, mas então não vive.

38 - TODA CRIANÇA QUE SOBREVIVE TE, NECESSARIAMENTE, UM ESPÍRITO ENCARNADO?

RESP.: Que seria ela, sem o Espírito? Não seria um humano.

39 - QUAIS SÃO, PARA O ESPÍRITO, AS CONSEQUÊNCIAS DO ABORTO?

RESP.: Uma existência nula e a recomeçar.

40 - O ABORTO PROVOCADO É UM CRIME, QUALQUER QUE SEJA A ÉPOCA DA CONCEPÇÃO?

RESP.: Há sempre crime, quando se transgride a lei de Deus. A mãe, ou qualquer pessoa, cometerá sempre um crime ao tirar a vida à criança antes do seu nascimento, porque isso é impedir a alma de passar pelas provas de que o corpo devia ser o instrumento.

41 - NO CASO EM QUE A VIDA DA MÃE ESTIVESSE EM PERIGO PELO NASCIMENTO DA CRIANÇA, HAVERIA CRIME EM SACRIFICAR A CRIANÇA PARA SALVAR A MÃE?

RESP.: É preferível sacrificar o ser que não existe a sacrificar o que existe.

42 - É RACIONAL TER PELOS FETOS O MESMO RESPEITO QUE SE TEM PELO CORPO DE UMA CRIANÇA QUE TIVESSE VIVIDO?

RESP.: Em tudo isto vede a vontade de Deus e a sua obra, e não trateis levianamente as coisas que deveis respeitar. Por que não respeitar as obras da Criação, que às vezes são incompletas pela vontade do Criador? Isso pertence aos desígnios, que ninguém é chamado a julgar.