RETORNO DA VIDA CORPÓREA
A VIDA ESPIRITUAL

1 - EM QUE SE TRANSFORMA A ALMA NO INSTANTE DA MORTE?

RESP.: Volta a ser Espírito, ou seja, retorna ao mundo dos Espíritos, que ela havia deixado temporariamente.

2 - A ALMA CONSERVA A SUA INDIVIDUALIDADE APÓS A MORTE?

RESP.: Sim, não a perde jamais. O que seria ela, se não a conservasse?

3 - COMO A ALMA CONSTATA A SUA INDIVIDUALIDADE, SE NÃO TEM MAIS O CORPO MATERIAL?

RESP.: Tem um fluido que lhe é próprio, que tira da atmosfera do seu planeta e que representa a aparência da última encarnação: seu perispírito.

4 - A ALMA NÃO LEVA NADA DESTE MUNDO?

RESP.: Nada mais que a lembrança e o desejo de ir para um mundo melhor. Essa lembrança é cheia de doçura ou de amargor, segundo o emprego que tenha dado à vida. Quanto mais pura ela for, mais compreenderá a futilidade daquilo que deixou na Terra.

5 - QUE PENSAR DA OPINIÃO DE QUE A ALMA, APÓS A MORTE, RETORNA AO TODO UNIVERSAL?

RESP.: O conjunto dos Espíritos não constitui um todo? Quando estás numa assembléia, fazes parte integrante da mesma, e não obstante conservas a tua individualidade.

6 - QUE PROVA PODEMOS TER DA INDIVIDUALIDADE DA ALMA APÓS A MORTE?

RESP.: Não tendes esta prova pelas comunicações que obtendes? Se não estiverdes cegos, vereis; e se não estiverdes surdos, ouvireis; pois frequentemente uma voz vos fala e vos revela a existência de um ser que está ao vosso redor.

7 - EM QUE SENTIDO SE DEVE ENTENDER A VIDA ETERNA?

RESP.: É a vida do Espírito que é eterna: a do corpo é transitória, passageira. Quando o corpo morre, a alma retorna à vida eterna.

8 - NÃO SERIA MAIS EXATO CHAMAR VIDA ETERNA A DOS ESPÍRITOS PUROS, QUE TENDO ATINGIDO O GRAU DA PERFEIÇÃO, NÃO TÊM MAIS PROVAS A SOFRER?

RESP.: Essa é a felicidade eterna. Mas tudo isso é uma questão de palavras: chamai as coisas como quiserdes, desde que vos entendais.

9 - A SEPARAÇÃO DA ALMA E DO CORPO É DOLOROSA?

RESP.: Não; o corpo, frequentemente, sofre mais durante a vida que no momento da morte; neste a alma nada sente. Os sofrimentos que às vezes se provam no momento da morte são um prazer para o Espírito, que vê chegar o fim do seu exílio.

10 - COMO SE OPERA A SEPARAÇÃO DA ALMA E DO CORPO?

RESP.: Desligando-se os liames que a retinham, ela se desprende.

11 - A SEPARAÇÃO SE VERIFICA INSTANTANEAMENTE, NUMA TRANSIÇÃO BRUSCA? HÁ UMA LINHA DIVISÓRIA BEM MARCADA ENTRE A VIDA E A MORTE?

RESP.: Não a alma de desprende gradualmente e não escapa como um pássaro cativo que fosse libertado. Os dois estados se tocam e se confundem, de maneira que o Espírito se desprende pouco a pouco dos seus liames; estes se soltam e não se rompem.

12 - A SEPARAÇÃO DEFINITIVA ENTRE A ALMA E O CORPO PODE VERIFICAR-SE ANTES DA CESSAÇÃO COMPLETA DA VIDA ORGÂNICA?

RESP.: Na agonia, às vezes, a alma já deixou o corpo, que nada mais tem do que a vida orgânica. O homem não tem mais consciência de si mesmo, e não obstante ainda lhe resta um sopro de vida. O corpo é uma máquina que o coração põe em movimento. Ele se mantém enquanto o coração lhe fizer circular o sangue pelas veias e, para isso, não necessita da alma.

13 - NO MOMENTO DA MORTE A ALMA TEM ÀS VEZES UMA ASPIRAÇÃO OU ÊXTASE QUE LHE FAZ ENTREVER O MUNDO PARA O QUAL REGRESSA?

RESP.: A alma sente, muitas vezes, que se desatam os liames que a prendem ao corpo e então emprega todos os esforços para os desligar de uma vez. Já parcialmente separada da matéria, vê o futuro desenrolar-se ante ela e goza por antecipação do estado de Espírito.

14 - O EXEMPLO DA LARVA QUE PRIMEIRO SE ARRASTA PELA TERRA, DEPOIS SE FECHA NA CRISÁLIDA, NUMA MORTE APARENTE, PARA RENASCER NUMA EXISTÊNCIA BRILHANTE, PODE DAR-NOS UMA IDÉIA DA VIDA TERRENA, SEGUIDA DO TÚMULO E POR FIM DE UMA NOVA EXISTÊNCIA?

RESP.: Uma pálida idéia. A imagem é boa, mas é necessário não tomá-la ao pé da letra, como sempre fazeis.

15 - QUE SENSAÇÃO EXPERIMENTA A ALMA NO MOMENTO EM QUE SE RECONHECE NO MUNDO DOS ESPÍRITOS?

RESP.: Depende. Se fizeste o mal com o desejo de fazê-lo, estarás, no primeiro momento, envergonhado de o haver feito. Para o justo, é muito diferente: ele se sente aliviado de um grande peso, porque não receia nenhum olhar perquiridor.

16 - O ESPÍRITO ENCONTRA IMEDIATAMENTE AQUELES QUE CONHECEU NA TERRA E QUE MORRERAM ANTES DELE?

RESP.: Sim, segundo a afeição que tenham mantido reciprocamente. Quase sempre eles o vêm receber na sua volta ao mundo dos Espíritos e o ajudam a libertar-se das faixas da matéria. Vê também a muitos que havia perdido de vista durante a passagem pela Terra; vê os que estão na erraticidade, bem como os que se encontram encarnados, que vai visitar.

17 - NA MORTE VIOLENTA OU ACIDENTAL, QUANDO OS ÓRGÃOS AINDA NÃO SE DEBILITARAM PELA IDADE OU PELAS DOENÇAS, A SEPARAÇÃO DA ALMA E A CESSAÇÃO DA VIDA SE VERIFICAM SIMULTANEAMENTE?

RESP.: Geralmente é assim; mas, em todos os casos, o instante que os separa é muito curto.

18 - APÓS A DECAPITAÇÃO, POR EXEMPLO, O HOMEM CONSERVA POR ALGUNS INSTANTES A CONSCIÊNCIA DE SI MESMO?

RESP.: Frequentemente ele conserva por alguns minutos, até que vida orgânica se extinga de uma vez. Mas muitas vezes a preocupação da morte lhe faz perder a consciência antes do instante do suplício.

19 - O ESPÍRITO SE LEMBRA DA SUA EXISTÊNCIA CORPÓREA?

RESP.: Sim, tendo vivido muitas vezes como homem, recorda-se do que foi. E te asseguro que, por vezes, ri-se de piedade de si mesmo.

20 - A LEMBRANÇA DA EXISTÊNCIA CORPÓREA SE APRESENTA AO ESPÍRITO DE MANEIRA COMPLETA E INOPINADA, APÓS A MORTE?

RESP.: Não; mas pouco a pouco, como alguma coisa que sai do nevoeiro, e à medida que nela vai fixando a sua atenção.

21 - O ESPÍRITO SE LEMBRA DETALHADAMENTE DE TODOS OS ACONTECIMENTOS DE SUA VIDA, ABRANGENDO O CONJUNTO, NUM GOLPE DE VISTA RETROSPECTIVO?

RESP.: Lembra-se das coisas na razão das consequências que acarretam para a sua situação de Espírito. Mas compreendes que há circunstâncias às quais ele não atribui nenhuma importância, e que nem mesmo procura recordar.

22 - PODERIA LEMBRÁ-LAS, SE O QUISESSE?

RESP.: Pode lembrar-se dos detalhes e dos incidentes mais minuciosos, sejam de acontecimentos, sejam mesmo os de seus pensamentos. Mas quando isso não tem utilidade, ele não o faz.

23 - ENTREVÊ A FINALIDADE DA VIDA TERRESTRE, COM RELAÇÃO À VIDA FUTURA?

RESP.: Seguramente que a vê e compreende, muito melhor do que quando vivia no corpo. Compreende a necessidade de purificação para chegar ao infinito, e sabe que a cada existência se livra de algumas impurezas.

24 - DE QUE MANEIRA A VIDA PASSADA SE DESENROLA NA MEMÓRIA DO ESPÍRITO? POR UM ESFORÇO DA SUA IMAGINAÇÃO, OU COMO UM QUADRO QUE ELE TENHA ANTE OS OLHOS?

RESP.: De uma e de outra forma. Todos os atos que tenham interesse para a sua lembrança são para ele como se estivessem presentes : os outros ficam mais ou menos no fundo da memória, ou completamente esquecidos. Quanto mais desmaterializado estiver, menos importância atribui às coisas materiais. Fazes muitas vezes a evocação de um Espírito errante, que acabou de deixar a Terra e que não se lembra dos nomes das pessoas que amava nem dos detalhes que para ti parecem importantes; é que pouco lhe interessam, e caem no esquecimento. Aquilo de que ele se lembra muito bem são os fatos principais, que o ajudam a progredir.

25 - O ESPÍRITO SE LEMBRA DE TODAS AS EXISTÊNCIAS QUE PRECEDERAM A QUE ACABOU DE DEIXAR?

RESP.: Todo o seu passado se desenrola diante dele, como as etapas de um caminho que o viajante percorreu. Mas, como já dissemos, ele não se lembra, de maneira absoluta, de todos os atos, recordando-os apenas na razão da influência que tenham sobre o seu estado presente. Quando às primeiras existências, as que se podem considerar como a infância do Espírito, perdem-se no vazio e desaparecem na noite do esquecimento.

26 - COMO O ESPÍRITO CONSIDERA O CORPO QUE ACABOU DE DEIXAR?

RESP.: Como uma veste imprópria, que o incomodava, e da qual se sente feliz por se ter desembaraçado.

27 - QUE SENTIMENTO EXPERIMENTA À VISTA DO SEU CORPO EM DECOMPOSIÇÃO?

RESP.: Quase sempre o de indiferença, como por uma coisa a que não dá mais importância.

28 - AO FIM DE UM CERTO LAPSO DE TEMPO, O ESPÍRITO RECONHECE OS OSSOS OU OUTRAS COISAS QUE LHE TENHAM PERTENCIDO?

RESP.: Algumas vezes. Isso depende da maneira mais ou menos elevada pela qual considere as coisas terrestres.

29 - O RESPEITO QUE SE TEM PELAS COISAS MATERIAIS QUE OS ESPÍRITOS DEIXARAM ATRAI A SUA ATENÇÃO PARA ESSES OBJETOS, E ELES CONSIDERAM ESSE RESPEITO COM PRAZER?

RESP.: O Espírito se sente sempre feliz de ser lembrado. As coisas que dele conservamos avivam em nós a sua lembrança, mas é o pensamento o que o atrai para vós, e não os objetos.

30 - OS ESPÍRITOS CONSERVAM A LEMBRANÇA DOS SOFRIMENTOS QUE SUPORTARAM DURANTE A SUA ÚLTIMA EXISTÊNCIA CORPÓREA?

RESP.: Frequentemente a conservam, e essa lembrança os faz melhor avaliar a felicidade que podem desfrutar como Espíritos.

31 - O HOMEM QUE FOI FELIZ NESTE MUNDO LASTIMA OS GOZOS QUE PERDEU AO DEIXAR A TERRA?

RESP.: Somente os Espíritos inferiores podem lastimar os gozos que correspondem à impureza de sua natureza e que eles expiam pelo sofrimento. Para os Espíritos elevados, a felicidade eterna é mil vezes preferível aos prazeres efêmeros da Terra.

32 - AQUELE QUE INICIOU GRANDES TRABALHOS COM UMA FINALIDADE ÚTIL, E QUE OS VÊ INTERROMPIDOS PELA MORTE, LAMENTA TÊ-LOS DEIXADOS POR ACABAR?

RESP.: Não, porque vê que outros estão destinados a concluí-los. Ao contrário, trata de influenciar outros Espíritos humanos a continuá-los. Seu objetivo na Terra era o bem da humanidade; esse objetivo é o mesmo no mundo dos Espíritos.

33 - AQUELE QUE DEIXOU TRABALHOS DE ARTE OU DE LITERATURA CONSERVA PELAS SUAS OBRAS O AMOR QUE TINHA DURANTE A VIDA?

RESP.: Segundo sua elevação, julga-as de outra maneira e frequentemente reprova o que mais admirava.

34 - O ESPÍRITO SE INTERESSA AINDA PELOS TRABALHOS QUE SE FAZEM NA TERRA, PELO PROGRESSO DAS ARTES E DAS CIÊNCIAS?

RESP.: Isso depende de sua elevação ou da missão que possa ter a cumprir. Aquilo que vos parece magnífico é frequentemente bem pouca coisa para certos Espíritos, que o admiram como o sábio admira a obra de um escolar. Eles examinam o que pode provar a elevação dos Espíritos encarnados e seus progressos.

35 - OS ESPÍRITOS CONSERVAM, DEPOIS DA MORTE, O AMOR À PÁTRIA?

RESP.: É sempre o mesmo princípio: para os Espíritos elevados, a pátria é o Universo; na Terra, é onde possuem maior número de pessoas simpáticas.

36 - AS IDÉIAS DOS ESPÍRITOS SE MODIFICAM NA VIDA DE ESPÍRITO?

RESP.: Muito; sofrem modificações muito grandes, à medida que o Espírito se desmaterializa. Ele pode, às vezes, permanecer muito tempo com as mesmas idéias, mas pouco a pouco a influência da matéria diminui e ele vê as coisas mais claramente. É então que procura os meios de se melhorar.

37 - DESDE QUE O ESPÍRITO JÁ VIVEU A VIDA ESPÍRITA, ANTES DA SUA ENCARNAÇÃO, DE ONDE VEM O SEU ESPANTO AO REENTRAR NO MUNDO DOS ESPÍRITOS?

RESP.: Esse é apenas o efeito do primeiro momento e da perturbação que se segue ao despertar. Mais tarde, ele reconhece perfeitamente o seu estado, à medida que lhe volta a lembrança do passado e que se desfaz a impressão da vida terrestre.