SIMPATIAS E ANTIPATIAS

SIMPATIAS E ANTIPATIAS TERRENAS E/OU NO MUNDO ESPIRITUAL

1 - COMO SE EXPLICA A SIMPATIA E ANTIPATIA À LUZ DA DOUTRINA ESPÍRITA?

RESP.: Frequentemente durante a romagem terrena, dois seres sentem-se naturalmente atraídos um pelo outro, em circunstâncias aparente fortuitas; ou inversamente, a sensação que surge é de antipatia e rejeições. Estes personagens não se reconhecem, porém esta primeira impressão é resultante de encarnações anteriores, cujas experiências felizes ou desgradáveis emergem da memória espiritual de cada um.

2 - ALÉM DA SIMPATIA GERAL, DETERMINADA PELAS SEMELHANÇAS, HÁ AFEIÇÕES PARTICULARES ENTRE OS ESPÍRITOS?

RESP.: Sim, como entre os homens. Mas o liame que une os Espíritos é mais forte na ausência do corpo, porque não está mais exposto às vicissitudes das paixões.

3 - HÁ AVERSÕES ENTRE OS ESPÍRITOS?

RESP.: Não há aversões senão entre os Espíritos impuros, e são estes que excitam entre vós as inimizades e as dissensões.

4 - DOIS SERES QUE FORAM INIMIGOS NA TERRA CONSERVARÃO OS SEUS RESSENTIMENTOS NO MUNDO DOS ESPÍRITOS?

RESP.: Não; compreenderão que sua dissensão era estúpida, e o motivo, pueril. Apenas os Espíritos imperfeitos conservam uma espécie de animosidade, até que se purifiquem. Se não foi senão um interesse material o que os separou, não pensarão mais nele, por pouco desmaterializados que estejam. Se não houver antipatia entre eles, o motivo da dissensão não mais existindo, podem rever-se com prazer.

5 - A LEMBRANÇA DAS MÁS AÇÕES QUE DOIS HOMENS COMETERAM, UM CONTRA O OUTRO, É OBSTÁCULO À SUA SIMPATIA?

RESP.: SIM, ELA OS LEVA A SE DISTANCIAREM.

6 - QUE SENTIMENTO EXPERIMENTAM, APÓS A MORTE, AQUELES A QUEM FIZEMOS MAL NESTE MUNDO?

RESP.: Se são bons, perdoam, de acordo com o vosso arrependimento. Se são maus, podem conservar o ressentimento, e por vezes vos perseguir até numa outra existência. Deus pode permití-lo, como um castigo.

7 - AS AFEIÇÕES INDIVIDUAIS DOS ESPÍRITOS SÃO SUSCETÍVEIS DE ALTERAÇÃO?

RESP.: Não, porque eles não podem enganar-se, não usam mais a máscara sob a qual se ocultam os hipócratas e é por isso que as suas afeições são inalteráveis, quando eles são puros. O amor que os une é para eles a fonte de uma suprema felicidade.

8 - A AFEIÇÃO QUE DOIS SERES MANTIVERAM NA TERRA PROSSEGUE SEMPRE, NO MUNDO DOS ESPÍRITOS?

RESP.: Sim, sem dúvida, se ela se baseia numa verdadeira simpatia; mas se as causas de ordem física tiveram maior influência que a simpatia, ela cessa com as causas. As afeições entre os Espíritos são mais sólidas e mais duráveis que na Terra, porque não estão subordinadas ao capricho dos interesses materiais e do amor-próprio.

9 - AS ALMAS QUE DEVEM UNIR-SE ESTÃO PREDESTINADAS A ESSA UNIÃO, DESDE A SUA ORIGEM, E CADA UM DE NÓS TEM EM ALGUMA PARTE DO UNIVERSO "A SUA METADE", À QUAL UM DIA SE UNIRÁ FATALMENTE?

RESP.: Não; não existe união particular e fatal entre duas alma. A união existe entre todos os Espíritos, mas em graus diferentes, segundo a ordem que ocupam, a perfeição que adquiriram: quanto mais perfeitos, tanto mais unidos. Da discórdia nascem todos os males humanos; da concórdia resulta a felicidade completa.

10 - EM QUE SENTIDO SE DEVE ENTENDER A PALAVRA "METADE", DE QUE CERTOS ESPÍRITOS SE SERVEM PARA DESIGNAR OS ESPÍRITOS SIMPÁTICOS?

RESP.: A expressão é inexata; se um Espírito fosse a metade de outro, uma vez separado estaria incompleto.

11 - DOIS ESPÍRITOS PERFEITAMENTE SIMPÁTICOS, QUANDO REUNIDOS, FICARÃO ASSIM PELA ETERNIDADE, OU PODEM SEPARAR-SE E UNIR-SE A OUTROS ESPÍRITOS?

RESP.: Todos os Espíritos são unidos entre si. Falo dos que já atingiram a perfeição. Nas esferas inferiores, quando um Espírito se eleva, já não tem a mesma simpatia pelos que deixou.

12 - DOIS ESPÍRITOS SIMPÁTICOS SÃO COMPLEMENTO UM DO OUTRO, OU ESSA SIMPATIA É O RESULTADO DE UMA AFINIDADE PERFEITA?

RESP.: A simpatia que atrai um Espírito para outro é o resultado da perfeita concordância de suas tendências, de seus instintos, se um devesse completar o outro, perderia a sua individualidade.

13 - A AFINIDADE NECESSÁRIA PARA A SIMPATIA PERFEITA CONSISTE APENAS NA SEMELHANÇA DOS PENSAMENTOS E SENTIMENTOS,OU TAMBÉM NA UNIFORMIDADE DOS CONHECIMENTOS ADQUIRIDOS?

RESP.: Na igualdade dos graus de elevação.

14 - OS ESPÍRITOS QUE HOJE NÃO SÃO SIMPÁTICOS, PODEM SÊ-LO MAIS TARDE?

RESP.: Sim, todos o serão. Assim, o Espírito que está hoje numa determinada esfera inferior, quando se aperfeiçoar, chegará à esfera em que se encontra o outro. Seu encontro se realizará mais prontamente, se o Espírito mais elevado, suportando mal as provas a que se submetera, tiver permanecido no mesmo estado.

15 - DOIS ESPÍRITOS SIMPÁTICOS PODEM DEIXAR DE SÊ-LO?

RESP.: Certamente, se um deles é preguiçoso.

16 - DOIS SERES QUE SE CONHECERAM E SE AMARAM, PODEM ENCONTRAR-SE NOUTRA EXISTÊNCIA CORPÓREA E SE RECONHECEREM?

RESP.: Reconhecerem-se, não, mas serem atraídos um pelo outro, sim; e frequentemente as ligações íntimas, fundadas numa afeição sincera, não provêm de outra causa. Dois seres se aproximam um do outro por circunstâncias aparentemente fortuitas, mas que são o resultado da atração de dois Espíritos que se buscam na multidão.

17 - NÃO SERIA MAIS AGRADÁVEL PARA ELES SE RECONHECEREM?

RESP.: Nem sempre. A recordação das existências passadas teria inconvenientes maiores do que pensais. Após a morte, eles se reconhecerão e saberão em que tempo estiveram juntos.

18 - A SIMPATIA TEM SEMPRE POR MOTIVO UM CONHECIMENTO ANTERIOR?

RESP.: Não; dois espíritos que tenham afinidades se procuram naturalmente, sem que se haja conhecido como encarnados.

19 - OS ENCONTROS QUE SE DÃO ALGUMAS VEZES ENTRE CERTAS PESSOAS, E QUE SE ATRIBUEM AO ACASO, NÃO SERIAM EFEITO DE UMA ESPÉCIE DE RELAÇÃO SIMPÁTICA?

RESP.: Há, entre os seres pensantes, ligações que ainda não conheceis. O magnetismo é a bússola dessa ciência, que mais tarde compreendereis melhor.

20 - DE ONDE VEM A REPULSA INSTINTIVA QUE SE EXPERIMENTA POR CERTAS PESSOAS, À PRIMEIRA VISTA?

RESP.: Espíritos antipáticos, que se percebem e se reconhecem, sem se falarem.

21 - A ANTIPATIA INSTINTIVA É SEMPRE UM SINAL DE NATUREZA MÁ?

RESP.: Dois Espíritos não são necessariamente maus, pelo fato de não serem simpáticos. A antipatia pode originar-se de uma falta de similitude do modo de pensar. Mas, à medida que eles se elevam, os matizs se apagam e a antipatia desaparece.

22 - A ANTIPATIA ENTRE DUAS PESSOAS NASCE EM PRIMEIRO LUGAR NAQUELA CUJO ESPÍRITO É O PIOR OU O MELHOR?

RESP.: Numa e noutra, mas as causas e os efeitos são diferentes. Um Espírito mau sente antipatia por quem quer que o possa julgar e desmascarar; vendo uma pessoa pela primeira vez, percebe que ela vai desaprová-lo; seu afastamento se transforma então em ódio, inveja, e lhe inspira o desejo de fazer o mal. O bom Espírito sente repulsa pelo mau porque sabe que não será compreendido por ele e que ambos não participam dos mesmos sentimentos; mas, seguro de sua superioridade, não sente contra o outro nem ódio, nem inveja; contenta-se em evitá-lo e lastimá-lo.

23 - COMO DEVEMOS ENTENDER A SIMPATIA E A ANTIPATIA?

RESP.: A simpatia ou a antipatia têm as suas raízes profundas no espírito, na sutilíssima entrosagem dos fluidos peculiares a cada um e, quase sempre, de modo geral, atestam uma renovação de sensações experimentadas pela criatura, desde o pretérito delituoso, em iguais circunstâncias. Devemos, porém, considerar que toda antipatia, aparentemente a mais justa, deve morrer para dar lugar à simpatia que edifica o coração para o trabalho construtivo e legítimo da fraternidade.

24 - PODEREMOS OBTER UMA DEFINIÇÃO DA AMIZADE?

RESP.: Na gradação dos sentimentos humanos, a amizade sincera é bem o oásis de repouso para o caminheiro da vida, na sua jornada de aperfeiçoamento. Nos trâmites da Terra, a amizade leal é a mais formosa modalidade do amor fraterno, que santifica os impulsos do coração nas lutas mais dolorosas e inquietantes da existência. Quem sabe ser amigo verdadeiro é, sempre, o emissário da ventura e da paz, alistando-se nas fileiras dos discípulos de Jesus, pela iluminação natural do espírito que, conquistando as mais vastas simpatias entre os encarnados e as entidades bondosas do Invisível, sabe irradiar por toda parte as vibrações dos sentimento purificadores. Ter amizade é ter coração que ama e esclarece, que compreende e perdoa, nas horas mais amargas da vida. Jesus é o Divino Amigo da Humanidade. Saibamos compreender a sua afeição sublime e transformaremos o nosso ambiente afetivo num oceano de paz e consolação perenes.

25 - O INSTITUTO DA FAMÍLIA É ORGANIZADO NO PLANO ESPIRITUAL, ANTES DE PROJETAR-SE NA TERRA?

RESP.: O colégio familiar tem suas origens sagradas na esfera espiritual. Em seus laços, reúnem-se todos aqueles que se comprometeram, no Além, a desenvolver na Terra uma tarefa construtiva de fraternidade real e definitiva. Preponderam nesse instituto divino os elos do amor, fundidos nas experiências de outras eras; todavia, aí acorrem igualmente os ódios e as perseguições do pretérito obscuro, a fim de se transfundirem em solidariedade fraternal, com vistas ao futuro. É nas dificuldades provadas em comum, nas dores e nas experiências recebidas na mesma estrada de evolução redentora, que se olvidam as amarguras do passado longínquo, transformando-se todos os sentimentos inferiores em expressões regeneradas e santificantes. Purificadas as afeições, acima dos laços do sangue, o sagrado instituto da família se perpetua no Infinito, através dos laços imperecíveis do Espírito.

26 - AS FAMÍLIAS ESPIRITUAIS NO PLANO INVISÍVEL SÃO AGRUPADAS EM FALANGES E AUMENTAM OU DIMINUEM, COMO SE VERIFICA NA TERRA?

RESP.: Os núcleos familiares do Além agrupam-se, igualmente, em falanges, continuando aí a obra de iluminação e de redenção de alguns componentes dos grupos, elementos mais rebeldes ou estacionários, que são impelidos, pelos seus companheiros afins, aos esforços edificantes, na conquista do amor e da sabedoria. De maneira natural, todos esses núcleos se dilatam, à medida que se aproximam da compreensão do Onipotente, até alcançarem o luminoso plano de unificação divina, com as aquisições eternas e inalienáveis do Infinito.

27 - AS FAMÍLIAS ESPIRITUAIS POSSUEM TAMBÉM UM CHEFE?

RESP.: Todas as coletividades espirituais estão reunidas, em suas características familiares, pelas santas afinidades d'alma, e cada uma possui o seu grande mentor nos planos mais elevados, de onde promanam as substâncias eternas do amor e da sabedoria.

28 - PODERÍAMOS RECEBER ALGUM ESCLARECIMENTO SOBRE A LEI DAS AFINIDADES ENTRE OS ESPÍRITOS DESENCARNADOS?

RESP.: Na Terra, as criaturas humanas muitas vezes revelam as suas afinidades nos interesses materiais, que podem dissimular a verdadeira posição moral da personalidade; no mundo dos Espíritos elevados, porém, as afinidades legítimas se revelam sem qualquer artifício pelos sentimentos mais puros.

29 - NO CAPÍTULO DAS AFEIÇÕES TERRENAS, O CASAR OU NÃO CASAR ESTÁ FORA DA VONTADE DOS SERES HUMANOS?

RESP.: O matrimônio na Terra é sempre uma resultante de determinadas resoluções, tomadas na vida do Infinito, antes da reencarnação dos Espíritos, seja por orientação dos mentores mais elevados, quando a entidade não possui a indispensável educação para manejar as suas próprias faculdades, ou em consequência de compromissos livremente assumidos pelas almas, antes de suas novas experiências no mundo; razão pela qual os consórcios humanos estão previstos na existência dos indivíduos, no quadro escuro das provas expiatórias, ou no acervo de valores das missões que regeneram e santificam.

30 - A INDIFERENÇA NAS MANIFESTAÇÕES DE SENSIBILIDADE AFETIVA, DENTRO DOS PROCESSOS DE EVOLUÇÃO DA VIDA NA TERRA, NAS HORAS DE DOR E DE ALEGRIA, É ATITUDE JUSTIFICÁVEL COMO MEDIDA DE VIGILÂNCIA ESPIRITUAL?

RESP.: A indiferença que se traduz por cristalização dos sentimentos é sempre perigosa para a vida da alma; todavia, existem atitudes no domínio da exteriorização emocional, que se justificam pela nobreza de suas expressões educativas.

31 - COMO ENTENDER O SENTIMENTO DA CÓLERA NOS TRÂMITES DA VIDA HUMANA?

RESP.: A cólera não resolve os problemas evolutivos e nada mais significa que um traço de recordação dos primórdios da vida humana em suas expressões mais grosseiras. A energia serena edifica sempre, na construção dos sentimentos purificadores; mas a cólera impulsiva, nos seus movimentos atrabiliários, é um vinho envenenado de cuja embriaguez a alma desperta sempre com o coração tocado de amargorosos ressaibos.

32 - O REMORSO É UMA PUNIÇÃO?

RESP.: O remorso é a força que prepara o arrependimento, como este é a energia que precede o esforço regenerador. Choque espiritual nas suas características profundas, o remorso é o interstício para a luz, atravéz do qual recebe o homem a cooperação indireta de seus amigos do Invisível, a fim de retificar seus desvios e renovar seus valores morais, na jornada para Deus.