SOCIALISMO

1) Vários revolucionários pregaram mudanças sociais, justiça social, distribuição de Renda, igualdade entre os homens. etc. Não seria um paradoxo constatar-se que os movimentos que mais trataram de igualdade e justiça foram baseados numa visão materialista da História e da realidade? Um dos maiores defensores da justiça social, Karl Marx, era um revolucionário materialista. Seria possível seguir a Doutrina Espírita sem abrir mão de alguns conceitos marxistas (lutas de classes, alienação do trabalhador; modo de produção, mais-valia, entre outros), ou o marxismo seria uma boa explicação para as diferenças impostas pelos processos reencarnatórios?

Infelizmente, o egoísmo, essa terrivel chaga da Humanidade, que um dia há de desaparecer da Terra, tem sido o grande responsável pelas misérias humanas. Não obstante as religiões preconizarem o amor e demonstrarem que o mesmo é a única solução para os magnos problemas existenciais, sociais e humanos, a sua prática, nessas diferentes doutrinas, tem sido essencialmente caracterizada pela sua ausência, pela crueldade, pelos crimes hediondos, de modo que cada qual exerça sobre as demais uma predominância injustificável. Falindo nos seus objetivos mais elevados, que são os de dignificar o ser humano e conduzi-lo com segurança no rumo da felicidade, as organizações religiosas têm-se ligado aos Estados, a fim de sobreviverem, tomando as rédeas do poder nas suas mãos vigorosas e vivendo os seus adeptos distanciados dos seus ensinamentos libertadores. Como conseqüência, incontáveis homens idealistas, decepcionados com a conduta dos religiosos, abdicaram da fé cega e irracional adotando o comportamento materialista, tomados de paixão ardorosa pela tentativa de solucionarem os terríveis problemas sociais, econômicos e morais. Sem os estímulos nem a segurança de uma fé religiosa racional, infelizmente, descambam, também, por sua vez, em outra ordem de crimes, tomando-se cruéis e destruidores, procurando justificar os meios ignóbeis que usam para verem triunfar os seus objetivos com a perspectiva de que desejam fins nobres. Nunca, porém, os instrumentos do terror podem servir de mecanismos dignos para serem alcançados resultados felizes.

Através do Espiritismo, que conclama o homem à responsabilidade, é factível estabelecer-se a justiça social, evitando-se as lutas de classe com mão armada, a alienação do trabalhador, dando-lhe dignidade, facultando-lhe estímulos para progredir através de maior e melhor produção, sem que se torne necessário induzi-lo à derrubada dos dominadores de um momento, de forma que sejam futuros títeres conforme tem ocorrido.

O marxismo seria uma proposta sócio-econômica feliz, não se assentasse no materialismo dialético, cuja eficiência ficou falida, na recente experiência dos países socialistas do bloco soviético como de outros Estados.

Através dos mecanismos da reencarnação os fenômenos sociais e econômicos se harmonizarão, porque o homem compreenderá, por fim, que mediante a forma como semear, assim colherá e somente através de uma conduta compatível com o amor, em regime de consciência de si mesmo, é que logrará transformar-se, alterando para melhor a sociedade na qual se encontra.

2) Quais erros ou incongruências podem ser apontados no materialismo histórico dialético? Como tem pesado nas mudanças sociais deste final de século?

O materialismo, sob qualquer forma em que se apresente, é sempre uma atitude de rebeldia do homem em relação à vida, porque não lhe soluciona o problema existencial em toda a complexidade na qual se apresenta. Pode atender a algumas exigências imediatas, mas não aos profundos questionamentos morais, espirituais, eternos. Na sua proposta específica se encontra o erro fundamental: matar Deus e a alma, que é também a forma de matar o homem ...

Face às posturas das religiões dominantes, aliadas sempre ao poder temporal e compactuando com as injustiças sociais, foi aberto espaço para a revolução do pensamento, que deu origem ao materialismo histórico, ao dialético, que trouxe inestimável contribuição social durante largo período deste século, não havendo resolvido porém o problema do homem em si mesmo, inquieto e sofredor, que derrapou pela senda da violência, por falta de suporte moral e espiritual. Embora haja contribuído para despertar algumas consciências para os inalienáveis direitos da criatura humana, realmente não tem sido de relevante valia para as mudanças sociais deste final de milênio, em razão do seu total fracasso nos países que lhe têm sofrido o talante e onde a miséria não é menor do que nos outros de conduta igualmente perversa, graças ao capitalismo devorador.

3) Como podemos interpretar a crise do Socialismo? Devemos acreditar na reinvenção de novas formas de solidariedade? (Socialismo visto como norte social, como projeto de sociedade.)

Toda doutrina que se torna arbitrária, violentando os direitos humanos, por mais triunfante é sempre de efêmera duração. O homem nasceu para ser livre - nem libertino, nem escravo porquanto essa é Lei do Universo.

Dessa forma, quando a proposta socialista, embora os seus fundamentos materialistas, foi transformada em arma de dominação, passou a falhar nas próprias bases, que são a felicidade do ser e o equilíbrio sócio-econômico da Humanidade. No entanto, sem o conceito da imortalidade da alma e da Justiça Divina, da vigência do amor como norte espiritual do ser e da solidariedade - que é uma forma humanitária de caridade - qualquer proposta de felicidade para a sociedade tombará por falta de sustentação emocional e moral, porque serão aplicados quaisquer meios como tentativa de justificar os fins que pretendem ser dignificadores.

4) O fato social religioso foi decisivo na reestruturação da perestroika, que se tornou necessária para a manutenção dos países soviéticos?

Somos de parecer que os fatores predominantes na reestruturação da perestroika foram os de natureza sociopolítica e sócio-econômica. A "União das Repúblicas Socialistas Soviéticas encontrava-se exaurida economicamente para poder manter o seu programa militar. As necessidades de vária ordem assolavam em toda parte gerando inquietação social que a mão de ferro da ditadura esmagava cruelmente. A fome grassava e a dominação política do partido comunista gerava insatisfações, em razão das vantagens desfrutadas pelos membros do Politiburo, enquanto o povo sofria vergonhosamente asfixiado pelo poder. A filosofia da Revolução de 1917, que se apresentava como salvadora dos oprimidos, estava esquecida, e dominava o terror onde se houvera instalado, gerando novas classes operárias cujo patrão perverso era o Estado, insensível e insatisfeito sempre, exigindo mais subserviência e produção. Como toda ditadura é poder arbitrário, e sobrevive através da traição, da perseguição, do crime disfarçado com o manto da legalidade, já não havia como sobreviver. Diante desse quadro assustador, o senhor Mikhail Gorbachev, conhecendo o drama do seu povo e das demais Repúblicas sob sua governança, inspirado pelas Forças Poderosas do Bem, levantou-se e abriu as portas da colossal fortaleza para que a liberdade entrasse vitoriosa.

Certamente, a religião submetida não contribuiu, tão decisivamente, para a libertação do povo oprimido, porque as Doutrinas ortodoxas também estavam comprometidas com o poder temporal e, com o seu luxo e dogmas, têm pouco para oferecer à sociedade. Mas, o sentimento religioso, que é inato na criatura humana, não mais suportou a opressão gigantesca e asfixiante, e reagiu em favor da ruptura das algemas escravagistas.

5) As recentes quedas dos regimes econômicos socialistas do leste europeu podem repercutir negativamente na legislação dos povos do ocidente?

A economia socialista, nas bases do materialismo ateu, não conseguiu resolver o problema dos povos para os quais foi dirigida. Enquanto esteve sob a mão de ferro dos regimes totalitários parecia atender as problemáticas existentes nos países, onde era aplicada. No entanto, quando tombaram as restrições impiedosas, constatou-se a crueldade das suas fórmulas e aplicações como forma de manter as populações que lhes padeciam as exigências.

A distribuição de riquezas sob o comando de governos cruéis peca pela base, porque novas classes privilegiadas substitem as que foram esmagadas, passando a desfrutar de favores, benefícios injustificáveis.

Da mesma forma, a economia nas bases do capital conforme vem sendo aplicada, fomenta a miséria dos povos que abastece os poderosos, aumentando-lhes a fortuna enquanto os menos favorecidos continuam impossibilitados de libertar-se da miséria.

Assim sendo. não cremos que a decadência dos regimes socialistas do leste europeu provoquem significativas alterações na legislação dos povos ocidentais.

Espírito Vianna de Carvalho