TRANSCOMUNICAÇÃO INSTRUMENTAL

1) Por quais mecanismos se processam as comunicações através dos chamados aparelhos da Transcomunicação Instrumental?

Foi Allan Kardec quem inegavelmente, interpretou o belo fenômeno da Transcomunicação Instrumental, desde o seu início, através do qual descobriu e confirmou a imortalidade da alma, e construiu, com os Espíritos, essa incomparável Doutrina, que é a Terceira Revelação. Naquela oportunidade, os instrumentos para a transcomunicação foram a mesa de pés de galo, a cestinha de vime, a ardósia, como já nos referimos antes... Hoje, graças ao avanço da tecnologia, são os gravadores, as chapas fotográficas sensíveis em câmaras de alta velocidade, os telefones, as televisões, os computadores...

O fenômeno se dá através da utilização pelos Espíritos. do ectoplasma humano, fornecido pelos médiuns, conforme aconteceu no passado. Não será necessário que o sensitivo se encontre no lugar onde se opera a transcomunicação, porquanto os agentes irão recolher a energia que lhes faculte o intercâmbio onde o mesmo se encontre. Inobstante, o médium, quase sempre é o próprio investigador, embora desconhecendo em si essa peculiaridade.

a) Os Espíritos, entâo, nâo sensibilizam as fitas magnéticas de modo próprio, se fazendo sempre necessário a participação do médium?

É indispensável a participação do médium, que fornece a energia hábil, sem a qual a sensibilização das fitas magnéticas não ocorre.

2) O avanço da TCI fará desaparecer alguns tipos de mediunidade?

O progresso sempre se desenvolve estruturado nas experiências e conquistas anteriores. Por maior que seja o conhecimento do intelectual e o seu desenvolvimento cultural, ele jamais dispensará a contribuição do alfabeto.

A moderna TCI (Transcomunicação Instrumental) repete de forma sofisticada as experiências do Codificador do Espiritismo através das anteriormente mesas pés de galo, das pranchetas, das ardósias seladas, nas quais os Espíritos gravavam mensagens, não constituindo realmente grande novidade. É certo que através da contribuição do desenvolvimento da eletrônica tornou-se mais fácil a comunicação dos Espíritos com os homens. Todavia, acreditamos que os médiuns jamais seriam dispensados ante a ocorrência do fenômeno da Transcomunicação Instrumental, mesmo porque os seus realizadores seriam os instrumentos embora sem que se dêem conta, como aliás sempre ocorreu.

Não identificamos, portanto, quais as faculdades mediúnicas que desapareceriam ante o avanço da TCI. Acreditamos que, se tornando mais comuns e aceitos os fenômenos mediúnicos, multiplicar-se-á o número de médiuns, e aqueles que exercem a faculdade ocultamente desvelar-se-ão, cooperando mais ativamente na construção do mundo melhor do futuro.

3) Através do avanço tecnológico, os instrumentos precisos poderão ser utilizados como meio de comunicação entre dois planos da vida, trazendo a mensagem dos Mentores Espirituais?

Sem qualquer dúvida, porquanto aí se encontram os obreiros da Transcomunicação Instrumental, demonstrando a possibilidade tornada factível e realizável. Ademais, estão reencarnados na Terra, os Missionários da Nova Era, que irão aprimorar as técnicas pertinentes à mesma, de forma que não pairem quaisquer dúvidas a esse respeito.

Convém, porém, não olvidarmos que o médium será sempre necessário como instrumento por oferecer a energia indispensável à obtenção do fenômeno, mesmo que, para tanto, não tenha consciencia do fato.

a) Por que ainda se nos apresentam tão precárias as imagens recebidas pelos aparelhos de Transcomunicação?

Porque, embora se apresentem sofisticados e especiais, esses instrumentos ainda são relativamente grosseiros para o mister específico das comunicações espirituais. Cabe aos experimentadores realizarem a tarefa que lhes compete, aprimorando as técnicas e tendo a humildade de reconhecer que lhes falta muito para entender os mecanismos das referidas experiências.

À semelhança do que aconteceu com Allan Kardec - com a diferença que o Codificador se deixou inspirar e conduzir pelos seus Mentores Espirituais - lentamente os métodos serão aperfeiçoados e os resultados se farão mais expressivos e probantes.

b) Logo poderemos ter acesso de maneira mais direta a alguma rede de comunicação existente no plano espiritual, de forma a facilitar a comunicação entre os dois planos?

É evidente que já estão colocados em sintonia os equipamentos de ambos os planos - o físico e o espiritual- mediante cuja colaboração recíproca, se vêm obtendo mensagens autênticas da Espiritualidade, apesar de alguns equívocos que vêm sucedendo.

Na razão direta em que a criatura desenvolva os sentimentos morais e se modifique interiormente, criará condições próprias para lograr o objetivo que deseja.

4) O desenvolvimento da tecnologia de telecomunicações irá permitir a ampliação dos contatos entre o mundo espiritual e o material, a ponto da Transcomunicação instrumental tornar-se reconhecida pela ciência no próximo século?

Não padece dúvida que a obstinação do materialismo, lentamente vem sendo vencida pelo Espiritismo e pela demonstração de vários outros setores das várias ciências, confirmando a sobrevivência do ser aos despojos materiais. Cada dia é maior o número dos investigadores que se vêm utilizando dos recursos da tecnologia para corroborar a realidade da vida fora do revestimento material, assim como da espiritualização da matéria, que volve sempre ao campo da energia.

A Transcomunicação Instrumental se tornará tão natural, qual agora ocorre com os fenômenos da mediunidade, que será totalmente inexeqüível negar-lhe a legitimidade dos fatos comprovados. Contudo, é da natureza humana a característica de combater, de contestar, de reagir, o que, de certo modo, sendo muito saudável esse comportamento para o desenvolvimento do ser, até que se alterem as certezas ...

O importante, no entanto, não é o fato de ser aceita a comunicação espiritual de forma incontestável, mas o aplicar desse conhecimento à conduta, de forma que o indivíduo se transforme para melhor e trabalhe com segurança os seus valores, direcionando-os para Deus, crescendo interiormente, à medida que se convença dessa realidade.

5) Os conhecimentos doutrinários trazidos pela Codiflcação deverão ter divulgação através desses canais? Em caso afirmativo, não se estariam seguindo os mesmos caminhos das religiões tradicionais com a utilização da persuasão? Não se estaria contradizendo Kardec, quando afirma ser o Espiritismo não proselitista?

A luz da verdade deve brilhar no velador, a fim de que todos a vejam e se norteiem. O Espiritismo é doutrina de libertação e, para que logre o seu objetivo, necessita ser divulgado por todos os meios ao alcance, particularmente aqueles que mais facilmente atingem as multidões. O próprio Codificador utilizou-se desses recursos, conforme as possibilidades da sua época. Realizou viagens de divulgação doutrinária, criou uma Revista mensal, escreveu livros para perpetuar os ensinamentos, estimulou o surgimento de Instituições, sendo que, ele mesmo, fundou a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas.

Entre apresentar uma idéia e impô-la, existe uma imensa distância. Fazer proselitismo é entrar em disputas, estimulando vaidades e pretensões absurdas, sem sustentação de lógica e de credibilidade. Esse é um recurso característico do fanatismo, que não encontra guarida nos postulados espíritas.

Silenciar a divulgação da Doutrina, seria asfixiá-la em injustificável conduta. Os Espíritos, ao se comunicarem, têm como meta despertar as criaturas humanas, a fim de que tomem conhecimento das suas responsabilidades e da continuidade da vida após o túmulo, facultando-lhes preparar-se para acordarem lúcidas na imortalidade, na qual estamos todos mergulhados.

Espírito Vianna de Carvalho