PELOS ESPÍRITOS OBSESSORES

Senhor ! Pai Amantíssimo ! Nós vos imploramos misericordia para o espírito que obseda o nosso irmão .... Fazei-lhe, Senhor, antever as vossas divinas luzes para que ele compreenda o falso caminho em que se embrenhou.

Bons Espíritos, ajudai-nos a fazer-lhe compreender que tudo tem a perder, fazendo o mal, e tudo a ganhar, praticando o bem. Espírito que vos ocupais em atormentar ...., escutai-nos ! É em nome de Deus Todo-Poderoso que vos falamos. Se refletirdes, compreendereis que o mal jamais pode vencer o bem, e, consequentemente, não podeis ser mais poderoso do que os bons Espíritos. Estes podem livrar a vítima da vossa influência, e se não fizerem é porque ..... tem de sofrer esta provação, mas quando chegar o seu termo, os bons Espíritos vos tirarão a influência que sobre ele exerceis e o mal que lhe tende feito, longe de o prejudicar, servirá para o seu adiantamento e será, por isso, feliz, tornando-se a vossa maldade em pura perda para vós e sobre vós recairá.

Deus, que é onipotente, e os bons Espíritos, seus delegados, que mais poderoso são do que vós, poderão por termo a essa obsessão e, perante sua autoridade, a vossa obstinação se anulará. Mas, porque Deus é bom, deixa-vos o mérito de vós próprios reconhecerdes o mal que fazeis e por vossa vontade cessar semelhante perseguição. É uma dilação que vos é concedida; se não a aproveitardes, passareis por deploráveis consequências, pois que grandes castigos e cruéis sofrimentos vos advirão da vossa persistência do mal, e então vos vereis forçado a implorar piedade à vossa vítima, que já vos perdoou e que por vós ora, - o que apressará a sua libertação.

Refleti, portanto, enquanto é tempo, pois a justiça divina cairá sobre vós, como sobre todos os espíritos rebeldes. Lembrai-vos que o mal que fazeis terá forçosamente um termo e, enquanto nele persistirdes, em vós próprios ireis gravando os germes da angústias e sofrimentos futuros que mais se irão acumulando. Quanto na terra, não sacrificaste, de certo, uma satisfação efêmera por um benefício duradouro? Pois hoje, como espírito, com mais razão o deveis fazer.

Qual o lucro que tirais do vosso procedimento? O triste prazer de atormentar alguém, sem que a vossa razão anteveja a infelicidade que assim preparais para o futuro. A par de tudo isso, se quiserdes, poderei ver a sorte dos bons Espíritos, em tudo preferível à vossa, e então compreendereis o que perdeis. Todavia, dela podeis participar quando vos aprouver. Basta para isso, elevar o vosso pensamento a Deus, pedir-lhe que permita que os Bons Espíritos vos auxiliem a praticar o bem e a fugir do mal.

Esforçai-vos, pois, em entrar no bom caminho e sereis auxiliado. Fazei com que, em breve possamos recitar convosco a prece dos Espíritos arrependidos. Não mais vos coloqueis entre os maldosos, e Deus permitirá que possais ser contado entre os bons, que o servem e o amam.