PREVENDO A APROXIMAÇÃO DA MORTE

Pai, em todas as coisas que vos pedimos, faça-se a vossa vontade e não a nossa, por saberdes, melhor do que nós, o que nos convém para nosso adiantamento moral e felicidade futura.

Meu Deus! Eu creio em Vós! Creio no vosso infinito poder! Creio na perfeição de toda a vossa criação! Creio nas vossas irrefutáveis leis! Creio na vida, entre nós, do Espírito mais perfeito que à terra baixou para exemplificar as vossas leis! Creio em todos os monumentos que esse Cristo entre nós ergueu e criou; que Ele incessantemente derrame sobre nós a sua benéfica proteção! Creio que a minha vinda a este planeta teve por único objetivo o meu aperfeiçoamento espiritual!

Creio na existência da minha alma antes e depois do meu ser em vida corporal! Creio, finalmente, em tudo o que é visível e invisível e que é obra vossa, ó meu Deus! ó meu Onipotente Senhor!... E porque assim o creio, sei que o meu corpo é um invólucro perecível da minha alma, e que, quando nele cessar a vida, eu despertarei no mundo espiritual, pois que seria negar-vos julgar que, depois de nos haverdes dado inteligência para vos conhecer, coração para sentir e aspirar ao futuro, a extinção da vida material mergulhar-me-ia no nada.

Senhor ! Sinto que se rompem os laços que unem minha alma ao corpo e que bem cedo serei chamado a dar conta dos atos da minha presente existência. Vou sofrer as consequências do bem e do mal que fiz. Todo o meu passado se desenrolará diante de mim e eu serei julgado segundo minhas obras, pois na vida espiritual não há ilusões nem subterfúgios. Nada levarei dos bens da terra, onde ficam honras, riquezas, prazeres, satisfação de vaidades e orgulho.

Nada disso, pois, me servirá de socorro na pátria espiritual, mas sim, só os atributos com que eu tenha ornado minha alma; isto é, as boas e más qualidades, ações e pensamentos que serão pesados na balança da divina Justiça. Serei julgado com tanto mais severidade, quanto a posição que me foi permitida na terra em tenha facultado o bem que não pratiquei. Senhor! Deus de Misericórdia! Oxalá o arrependimento penetre em todo o meu ser e ante Vós chegue com sinceros desejos de reparar meus erros, para que a vossa indulgência se estenda sobre mim.

Se for do vosso agrado prolongar minha existência, consenti que seja o tempo empregado em reparar o mal que fiz, segundo minhas forças. Se, porém, é chegada, sem apelo, a hora da minha passagem para a verdadeira pátria, fazei de que de mim se não afaste o consolador pensamento de que a vossa bondade permite o resgate das faltas, com a submissão a novas provas, para assim conseguir a felicidade dos escolhidos. Sim! Porque Vós, como bom Pai, a nenhum filho deserdais e todos podem, por seu trabalho e esforços, chegar, mais cedo ou mais tarde, a gozar a felicidade perfeita dos justos.

Sei que o meu Anjo Guardião e os bons Espíritos, meus protetores, junto de mim velam; possam eles auxiliar-me a obter o perdão dos irmãos encarnados ou desencarnados, a quem eu possa ter molestado com o meu orgulho, prejudicado com o meu egoísmo, ofendido com a minha severidade e injustiça, assim como eu, de coração, perdôo a quantos me hajam feito ou desejado fazer mal.

Bons Espíritos, dai-me as necessárias forças para eu não fraquejar no momento supremo da carne, reanimando-me na fé, para que Deus me permita sair breve da perturbação que causa a transição da vida corporal para a vida espiritual.