A escolaridade dos Espíritas

Uma pesquisa do IBGE realizada no ano 2000 revelou que os espíritas
são os que têm mais escolaridade entre todas as doutrinas e religiões.

Informação estatística do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 2000 revelou algo importante para qualquer pessoa. O IBGE considerou as diversas doutrinas e religiões existentes, relacionando-as com o nível de escolaridade da cada um. O resultado revelou que os espíritas apresentam maior instrução entre todos, quase o dobro dos católicos e 50% a mais do que os protestantes.

Considerando o nível educacional da população religioosa, a pesquisa revelou que os espíritas possuem maior escolaridade, entre os adeptos de todas as outras religiões.

A primeira estatística do Espiritismo foi realizada pelo próprio Allan Kardec, em 1869. O registro, valioso, se encontra na Revista Espírita de outubro de 1869, em Estatística do Espiritismo, em que Allan Kardec apresentou vários aspectos para avaliar o Espiritismo. Entre eles, estava a escolaridade, cujos resultados transcrevemos:

"Sob o aspecto da instrução. O grau de instrução é muito fácil de apreciar pela correspondência; sobre 100: instrução cuidada, 30; simples letrados, 30; instrução superior, 20; meio letrados, 10; iletrados, 6; sábios oficiais, 4" (Allan Kardec, Revista Espírita, janeiro de 1869, página 4).

As pessoas preparadas representavam 80% do total (somatória dos que tinham instrução cuidada, dos letrados e dos que possuíam instrução superior).

Quando Allan Kardec analisou a questão profissional, ele chegou às seguintes conclusões:

"Profissões liberais e funções diversas. Nós os agrupamos em dez categorias, classificadas segundo a proporção dos adeptos que elas forneceram ao Espiritismo".

1º - Médicos homeopatas. Magnetistas;

2º - Engenheiros. Professores primários; senhores e senhoras de pensão. Professores livres;

3° - Cônsules. Padres católicos;

4° - Pequenos empregados. Músicos. Artistas líricos. Artistas dramáticos;

5° - Porteiros. Comissários de polícia;

6° - Médicos alopatas. Homens de letras. Estudantes;

7° - Magistrados. Altos funcionários. Professores oficiais e dos liceus. Pastores protestantes;

8° - Jornalistas. Artistas pintores. Arquitetos. Cirurgiões;

9° - Notários. Advogados. Procuradores judiciais. Agentes de negócios;

10° - Agentes de câmbio. Banqueiros" (Allan Kardec, janeiro de 1869, página 5).

Observamos que engenheiros, médicos, magistrados, professores, arquitetos, homens de letras, jornalistas e altos funcionários estavam entre os mais interessados pelo Espiritismo.

Todas estas evidências fizeram o Codificador concluir sobre os adeptos do Espiritismo: ''(. .. ] Que a grande maioria dos espíritas se encontra entre as pessoas esclarecidas e não entre as ignorantes. Por toda a parte, o Espiritismo se propagou de alto o baixo da escala social, e em nenhuma parte desenvolveu-se em primeiro lugar nas classes inferiores" (Allan Kardec, Revista Espírita, janeiro de 1869).

Passados 145 dessa constatação, verificamos que esse quadro não se alterou, pois a situação sociológica, psicológica e educacional dos adeptos é a mesma; o Espiritismo continua a se propagar com maior facilidade entre os que têm mais instrução.

Vejamos os resultados de estatística do IBGE em 2000:

- Espíritas: 9,6 anos de estudo;

- Da umbanda e candomblé: 7,2 anos de estudo;

- Evangélicos: 6,9 anos de estudo;

- Católicos apostólicos romanos: 5,8 anos de estudo;

- Sem religião: 5,6 anos de estudo;

- Evangélicos Pentecostais: 5,3 anos de estudo.

O resultado não surpreende quem sabe que o Espiritismo é uma fé racional para compreender o mundo e a vida, que veio no momento certo para atender os anseios de cada um. É por isso que a situação psicológica dos adeptos não se alterou e nunca vai se alterar, pois se o conteúdo da Doutrina Espírita atende às conquistas filosóficas e científicas modernas, e os mais estudados é que têm acesso a essa realidade, é natural que seja entre esses que ela tenha maior facilidade de propagação.

Por isso, a Doutrina só surgiu em 1857, pois precisava eclodir o pensamento (Iluminismo e Enciclopedismo) em todo o mundo para clarear o entendimento humano. Diferentemente de outras doutrinas, o Espiritismo não possui dogmas, não tem cerimoniais, rituais, hierarquia e tampouco alimenta qualquer tipo de repetição para manter prosélitos. Pelo contrário, além de demonstrar de onde viemos, para onde vamos e explicar a finalidade da vida na Terra, mantém o livre-arbítrio e apresenta sugestões de comportamento baseadas no Evangelho de Jesus, apresentado como um guia de conduta e de sabedoria psicológica.

Com relação a esse assunto, muito bem asseverou o Codificador: "Não há fé inabalável senão a que pode olhar a razão face a face em todas as idades da humanidade, destrói o império da fé cega, que aniquila a razão e da obediência passiva que embrutece; emancipa a inteligência do homem e levanta a sua moral" (Allan Kardec. Revista Espírita, outubro de 1866, in "Os Tempos São Chegados").

Por Washington Fernandes - Revista Espiritismo & Ciência