XVI - O LAGO DE FOGO

XVI - O LAGO DE FOGO

O diabo, o sedutor deles foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde tambem se encontram não so' a besta como o falso profeta e serão atormentados dia e noite por séculos e séculos. APOCALIPSE - CAP. XX - VERS. 10.

Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que Ihes cabe sera' no lago que arde com fogo e enxofre, a saber: a segunda morte. APOCALIPSE - CAPITULO XXI - VERS. 8.


Passados alguns dias, o Instrutor Ulisses enviou-me uma mensagem para que comparecesse ao grande salão do Edificio da Evolução Para Todos os Planos. Quando la' cheguei, o amigo recebeu-me com um sorriso de satisfação:

- Tenho uma noticia muito interessante a lhe transmitir - avisou-me o Instrutor. - Sei que ira apreciar muito, pois se trata de uma oportunidade impar, relacionada a esse trabalho que esta' finalizando, para encaminhar aos nossos irmãos encarnados.

Confesso que me senti tornado por muita curiosidade, certamente um resquicio das inúmeras imperfeições que ainda não me desvencilhei, mas como ja havia adquirido a virtude da paciência, permaneci calado, porque o Instrutor em seguida esclareceu:

- Voce sabe que nosso trabalho, bem como o de outros irmãos bem-intencionados, devotados ao bem e ao esclarecimento, e acompanhado pelas Esferas Superiores da Espiritualidade. Dessa forma, nossos irmãos maiores, considerando a gravidade do momento e, acima de tudo, a oportunidade do esclarecimento aos nossos irmãos encarnados, autorizaram nossa visita ao novo planeta, que sera' o berço que acolhera nossos irmãos que daqui serão banidos, para que possamos transmitir nossas impressões de forma mais autêntica e fidedigna aos irmãos encarnados, para efeito de estudo e alerta muito oportunos.

Confesso que a emoção tomou conta do meu intimo. Não consegui conter as lágrimas que brotaram naturalmente de meus olhos, denunciando meu sentimento de alegria e gratidão. Era uma oportunidade, um privilégio a que não me considerava merecedor.

- Diante de Jesus e do Pai Eterno, todos somos devedores, Virgilio. Nenhum de nós pode se considerar merecedor, mas a tarefa exige, e nós somos os servidores imperfeitos que o Divino Mestre se utiliza para levar essa mensagem de tamanha importância aos nossos irmãos encarnados.

Apesar de toda alegria e contentamento, minha cabeça ficou fervilhando com mil questionamentos que brotavam incessantemente em meus pensamentos. Tinha conhecimento que o planeta a ser visitado se encontrava a alguns anos luz de distância. De que forma poderiamos chegar ate' la'? Sabia também que espiritos das esferas mais elevadas se deslocam a velocidade do pensamento, mas particularmente eu não detinha elevação nem conhecimento para deslocamentos a tamanha distância.

O Instrutor sorriu benevolente diante de meus pensamentos.

- Voce não deixa de ter razão, Virgilio. Todavia, nossa viagem foi autorizada por instâncias superiores, de forma que não seremos nos que nos deslocaremos, mas seremos conduzidos contando com o amparo daqueles que, pelo grau de elevação alcançados, ja' dominam as técnicas e os recursos necessários a essa grande viagem. Fique tranquilo, prepare-se adequadamente porque amanhã a noite nos reuniremos no Salão do Intercâmbio Espiritual para essa grandiosa experiencia.

Fiquei pensativo com as palavras do Instrutor advertindo que eu deveria me preparar adequadamente. O que isso significava? Como eu deveria me preparar?

- Sim, todos nos devemos nos preparar, Virgilio. Da mesma forma quando partimos em missão para regiôes de trevas, temos de estar devidamente preparados para o que vamos assistir, bem como para as vibrações que iremos enfrentar. Informo-te que, mesmo em aspectos diferenciados, o mesmo acontecera' com essa viagem.

O Instrutor fez breve pausa, e eu aguardei pacientemente que ele prosseguisse:

- Pois bem, esse evento guarda dois aspectos importantissimos.

Primeiro: para essa viagem temos de nos preparar em oração e elevação de nossos pensamentos e sentimentos. A experiência no deslocamento a velocidade do pensamento exige um grau de desmaterialização máximo, que ainda não possuimos. Por meio do recurso da oração e do pensamento, teremos de buscar a condição mais sutil possivel de nossa condição espiritual, pois dessa forma, estaremos em melhor sintonia com as Esferas Superiores.

Segundo: o impacto da visão in loco do planeta e' muito agressivo. E' um planeta ainda em condições primitivas e seu diapasão vibratório e extremamente denso e pesado, caracteristico do grau evolutivo daquele orbe.

Dessa forma, vamos nos preparar adequadamente para que amanhã, exatamente as 21:00 horas, estejamos a postos para essa experiência memorável que, certamente, jamais apagaremos de nossa memória. Assim aconteceu.

No dia seguinte, segui para o Bosque das 'Aguas Claras onde procurei ficar em meditação, ouvindo o canto dos pássaros que chilreavam notas musicais alegres que invadiam todo espaço. Deitei-me sobre o gramado verde observando o céu azul e a luz do sol que inundava o infinito. Fechei os olhos e orei emocionado, sentindo que suave calor invadia meu intimo, enchendo de alegria meu coração que pulsava vibrante. Em pensamentos repletos de alegria e gratidão agradeci a Jesus por aquela oportunidade, rogando ao Divino Mestre que pudesse me tornar digno diante do seu amor, e que eu pudesse ser instrumento fiel naquela tarefa a que, por acréscimo de misericórdia, eu fora privilegiado.

Faltavam apenas quinze minutos, quando cheguei ao Salão do Intercâmbio Espiritual. La' estavam o Instrutor Ulisses e outros companheiros de elevada hierarquia da Colônia Irmão Nobrega. Fui recebido com muito carinho e respeito, atitude tipica de irmãos superiores que ja' venceram as quinquilharias dos sentimentos pequenos.

- Seja bem-vindo, Virgilio! - saudou-me um dos irmãos de elevada condição espiritual.

- Esse e' nosso irmão Flavius! - esclareceu-me o Instrutor. - E' um dos responsáveis por essa nossa viagem.

Sob orientação de Flavius, fizemos um circulo com as mãos juntas, enquanto o Amigo Espiritual proferia uma prece muito sentida. Observei que todos nos ficamos inundados por uma luz de tonalidade azul-claro e nuances lilás que desciam do alto da abóbada, iluminando todo ambiente. As facies de Flavius foram se tornando iluminadas enquanto a luz se propagava por todos nós. Observei maravilhado que eu tambem estava ficando fosforescente, enquanto sentia poderosa energia percorrer meu corpo perispiritual, com calor intenso e indizivel bem-estar.

- Mestre Jesus - proferia Flavius em sua prece -, te rogamos que nos abençoe nessa grandiosa Jornada que por sua misericórdia fomos agraciados. Permita-nos Senhor, ter a sabedoria e a humildade para traduzir em palavras de amor e advertência o resultado dessa experiência, para que o ser humano encarnado tenha uma pálida idéia de seu amor e misericórdia infinitos por todos aqueles que ainda recalcitrantes, nesse momento de transição planetária, persistem em percorrer caminhos tortuosos. Te rogamos, Senhor, que possa nos revestir de sua singela sabedoria, do modo quando desceu na escuridão de nosso planeta de expiação e provas para contar histórias através das parábolas inesqueciveis. Enfim, Te rogamos, Senhor, que nossa Jornada seja acima de tudo de amor e misericórdia, para que o ser humano busque o redil do Bom Pastor, envolvido pelo sentimento de alegria e desejo de estar contigo, mas que outros tambem procurem a segurança do seu cajado, mesmo que premido pelo receio e pelo medo do lago ardente. Assim seja!

Naquele instante, transpondo as barreiras das Esferas Superiores, um espirito de aparência feminina, de beleza impar, materializou-se em nosso meio. Todos nos nos curvamos respeitosos e emocionados diante daquela figura maravilhosa que se fazia presente em nosso ambiente.

Flavius cumprimentou-a com respeitosa reverencia.

- Seja bem-vinda, em nome de Jesus, irmã Clarissa! Estamos todos muito felizes com vossa presença!

Irmã Clarissa com simplicidade contagiante cumprimentou-nos com graça e respeito.

- Ora, Irmão Flavius, o amor do Cristo nos une a todos pela simplicidade do amor e dos sentimentos. Diante de Jesus somos todos irmãos menores.

Em seguida, abraçou-nos com demonstração de humildade e afeto genuino próprio de sua condição espiritual. Quando me abraçou, me senti envolvido por forte emoção. Meu coração pulsou descompassado e minhas pernas vergaram e instintivamente me ajoelhei diante de Irmã Clarissa! Minha emoção havia extravasado em lágrimas que brotavam de meus olhos, de forma que eu não conseguia segurar. Irmã Clarissa amparou-me enquanto eu osculava suas mãos em atitude de carinho e profundo respeito.

- Irmão Virgilio, levante-se! Sou apenas uma humilde servidora do Cristo, alguém que também errou muito, e que o infinito amor de Jesus um dia me amparou, me resgatando das profundezas do abismo. Não somos melhores que ninguém, apenas ja' vencemos algumas barreiras da inferioridade que alguns de nossos irmãos ainda lutam para vencer, para que um dia no futuro tambem se transformem em humildes servidores do bem.

A simplicidade de Irmã Clarissa era contagiante. Sabia que era um espirito de esferas mais elevadas que vinha ate' nos em nome do Divino Mestre em missão de amor e caridade.

Eu estava cheio de dúvidas a respeito de como nos deslocariamos a distância tão grande, mas não tinha coragem de perguntar. Observando meu interesse, o Instrutor veio em meu auxilio.

- Irmã Clarissa! - inquiriu respeitoso. - Nosso irmão Virgilio esta' incumbido de levar os esclarecimentos aos nossos irmãos encarnados e gostaria de fazer algumas perguntas. A senhora concorda em esclarecer o nosso irmão?

Irmã Clarissa voltou-se para mim com um sorriso divino estampado em sua fisionomia. Seus olhos irradiavam bondade e compreensão.

- Estou as ordens, Irmão Virgilio. Temos acompanhado seu trabalho com muito respeito, bem como o de outros irmãos de boa vontade. Pergunte o que deseja saber.

Encorajado pela simplicidade daquele espirito tão bondoso, disse que sabia da complexidade que envolvia o deslocamento para vencer aquela distância astronômica, que em meu conceito era algo inimaginável. Aleguei que tambem tinha conhecimento que existiam civilizações muito evoluidas pertencentes a outros sistemas que ja' dominavam técnicas avançadissimas em que os deslocamentos ocorriam através de dobras no tempo e no espaço, bem como ja haviam desenvolvido aparelhos que se utilizavam da energia magnética que permitiam voar a velocidade superior a luz. Entretanto, aleguei, que mesmo com o dominio dessa tecnologia, deslocar-se em uma viagem a um planeta pertencente a outro sistema solar, como era o caso em questão, demandaria alguns anos luz. Haveria como explicar de forma que pudesse transmitir aos encarnados qual seria o processo de nossa viagem? De que forma isso se daria? Compreendo, ponderei, que na condição de desencarnados, não havia termos de comparação, todavia teriamos de vencer uma distância real para alcançar um planeta na esfera material localizado a milhões e milhões incontáveis de quilômetros de nosso orbe terrestre.

Irmã Clarissa sorriu benevolente diante de minhas dúvidas. - Em primeiro lugar, Virgilio, e compreensivel que existam dificuldades para raciocinar em termos de distância, quando nos encontramos ainda reféns da matéria e do tempo. Espiritos que ja venceram a barreira da matéria se libertaram dessas limitações, considerando que habitam dimensões diferentes a que circunscreve aqueles que ainda estão afeitos a esfera material de um planeta que gira em torno de seu eixo e que faz seu giro cósmico pelo espaço em torno da estrela a cujo sistema pertence. Cria-se a limitação do tempo e do espaço e raciocina-se em quilômetros ou anos luz, para expressar distâncias astronômicas em escala cósmica. E' natural que assim seja. Nosso caso e' diferente, como voce mesmo ja' adiantou. Na condição que nos encontramos, a matéria que envolve nosso corpo perispiritual, embora seja extremamente sutil, representa um sério empecilho para nosso objetivo. Dessa forma, estaremos provendo os recursos necessários para que através de nosso concurso possam efetuar essa viagem sem que sejam derrogadas as leis superiores do conhecimento, nem as da matéria.

- E' extremamente complicado explicar através de palavras terrenas a complexidade do processo, entretanto, vamos procurar simplificar o máximo possivel para facilitar o entendimento de nossos irmãos encarnados, fazendo uma analogia utilizando a similaridade da tecnologia terrena. Como ja' dissemos, a matéria mesmo que rarefeita sofreria impactos violentissimos que levaria a desintegração molecular quando submetida ao processo de deslocamento, semelhante ao que vamos experimentar. Por essa razão, sera' criado, atraves de energia mental superior, um modulo de segurança para que todos os que estejam a bordo nessa viagem possam ser levados com absoluta segurança, incólumes aos efeitos do deslocamento. Voce não deve se preocupar como isso efetivamente ocorre, nem com o tempo que sera' demandado. Mesmo porque voces não terão consciência do que ocorre, pois estarão adormecidos e inconscientes. Quando despertarem, ja' estaremos em segurança no planeta que e' o destino de nossa viagem.

Observei que irmã Clarissa procurava se expressar sempre de forma muito cuidadosa ao mencionar que nos ainda nos encontravamos em condição de materialidade perispiritual, posicionando-se como se ela também estivesse na mesma condição. Todavia, sua envergadura espiritual era elevada, pois Irmã Clarissa era habitante de Esferas Superiores. Apenas que, momentaneamente, por necessidade daquela missão, se encontrava materializada em nosso meio, em virtude de condensação de fluidos sutilissimos que lhe permitiam se fazer presente em nossa faixa vibratória.

Após essas palavras, irmã Clarissa convidou-nos a dar-mos as mãos formando um circulo. Ato continuo, nossa irmã convidou-nos a união de pensamentos acompanhando sua prece. Da abóbada do ambiente onde nos encontravamos, começou a se formar uma cúpula de energia fosforescente que se materializava e se propagava a medida que Irmã Clarissa prosseguia em sua prece.

A beleza da cúpula que se formava e que eu registrava em minha retina espiritual era de uma beleza que eu não conseguia descrever em palavras humanas. Sentia que aquela energia transcendia a tudo que eu ja tivera oportunidade de observar antes, considerando que, diante de meus olhos, aquela energia translúcida assumia forma tangivel com contornos harmônicos em forma oval. Imaginei que aquele seria o modulo de segurança a que Irmã Clarissa havia se referido minutos antes.

Não demorei muito em minhas observações, porque a convite de nossa Irmã, fechamos os olhos em estado de oração e adormecemos profundamente.

Quanto tempo demandou em termos de comparação com o tempo terrestre? Não fazia a menor idéia, porque perdera completamente a noção de tempo e espaço. Certamente, no momento oportuno Irmã Clarissa traria o esclarecimento que necessitava em minha curiosidade de aprendiz. O que pude notar em minha limitada percepção e que o estado de adormecimento foi profundo, sem sonhos ou qualquer lembrança. Parecia-me que o tempo havia parado e que tudo no Universo havia ficado na condição estática e imóvel. Seria apenas minha impressão ou alguma confusão mental que eu tivera quando daquele deslocamento? Na limitação de minha percepção, a impressão que eu tinha e de que havia adormecido por breves segundos ou minutos e quando voltei a consciência, a semelhança de alguém que acorda após uma noite de sono intenso e profundo, estava um tanto quanto confuso sem ter idéia exata do dia nem onde me encontrava, se era sábado, domingo ou uma segunda-feira, como muitas vezes acontecera comigo quando encarnado. Pelo menos, era essa a impressão que experimentei.

Todavia, não tive tempo para mais divagações, pois através das paredes translúcidas do modulo de segurança, podia descortinar uma visão absolutamente fantastica que se estendia diante de nossos olhos.

Observei que o Instrutor Ulisses parecia estar também em estado de graça. Irmã Clarissa ao nosso lado transmitia-nos a segurança da irmã amorosa que se preocupa com a segurança de seus irmãos menores.

- Estão todos bem? - ela nos perguntou com um sorriso.

Flavius e o Instrutor Ulisses aquiesceram e eu os acompanhei. Irmã Clarissa não esperou que eu formulasse qualquer questionamento, respondendo a minha indagação de segundos antes.

- Caro Virgilio, não temos meios comparativos para precisar em termos de raciocinio terrestre quanto tempo demandou essa viagem. Posso apenas te assegurar que foram apenas breves momentos, nada mais. Um dia voce ira' entender o que efetivamente aconteceu. Por ora, apenas tenha a compreensão que simplesmente aconteceu. E' o que nos importa.

Não me detive mais em questionamentos improdutivos. Irmã Clarissa havia deixado claro que eu ainda não tinha condições de entendimento para assimilar e transmitir aos nossos irmãos encarnados algo que para mim ainda era incompreensivel.

Um dia quem sabe!

Fiquei impressionado com a dimensão do planeta que se apresentava a nossa frente. De coloração avermelhada, parecia-me abrasado por um calor escaldante em função da luz que recebia da estrela a qual aquele planeta estava afeito em seu giro gravitacional.

- Apresento-lhes, irmãos, o planeta que sera' o berço de nossos irmãos que virão da Terra! - Irmã Clarissa esclareceu-nos. - Sua dimensão fisica e' quase dez vezes superior ao volume do planeta terreno e a estrela ao qual gravita e mais de uma centena de vezes maior que o sol terrestre. Esse planeta encontra-se ainda em estado primitivo e a regiao equatorial encontra-se em estado de ebulição, onde existem manifestações vulcânicas intensas que expelem lavas a grandes altitudes, alem de gases sulfurosos e geiseres incandescentes.

Imediatamente, veio-me a mente as palavras do Apóstolo João em sua visão apocaliptica dizendo que a besta, o dragão, o falso profeta, os mentirosos, os idólatras e todos os demais reprovados, seriam lançados no lago de fogo e enxofre onde haveria choro e ranger de dentes.58 - Exatamente, Irmão Virgilio! - prosseguiu Irmã Clarissa. - João observou em sua visão simbólica o local para onde seriam desterrados os que hoje no planeta terreno procuram a porta larga da vida, vivendo as sensações dos sentidos materializados sem se importar com as consequências. Esse planeta, que sera' o berço desses irmãos, e extremamente inóspito em comparação as condições da Terra. Nenhum ser humano nas condições fisicas, de que e dotado no ambiente terrestre, teria condições de sobreviver nesse ambiente. Nossos irmãos que para ca' migrarão, terão suas constituições perispirituais readequadas para as condições climáticas apropriadas ao novo planeta. Aqui e o lago de fogo onde o enxofre incandescente explode incessantemente nas erupções vulcânicas que cobrem a crosta planetária na região equatorial.

Sinceramente, encontrava-me em estado de profunda admiração por tudo que podia ver. Diante de meus olhos desfilava o planeta que em sua visão o Apóstolo João havia mencionado como uma estrela em fogo, denominando-a de Absinto. Da distância em que nos encontravamos era possivel observar o lento giro daquele gigantesco planeta avermelhado, a semelhança de uma brasa incandescente suspenso no espaço cósmico.

Meu coracao pulsava de alegria e gratidao pela opor¬tunidade que por acrescimo de misericordia me fora facul-tada, para os estudos de um humilde aprendiz diante da graca Divina!

Cerrei meus olhos, e com o coração pulsando de gratidão, orei agradecido ao Senhor da Vida!

IRMÃO VIRGILIO