48 - TENHA CUIDADO COM OS JULGAMENTOS

TENHA CUIDADO COM OS JULGAMENTOS

Você será julgado e reprovado a respeito de suas condutas e formas de pensar por parte de pessoas que você não esperava que fossem adotar essa forma de agir.

Nem todos estão aptos ou querem entender suas razões e intenções e, por isso mesmo, farão juízos apressados e injustos.

Isso, de certa forma, é comum e até você pode fazer isso com alguém.

0 que há de mais sutil nos julgamentos é o seu funcionamento psicológico.

Entender isso vai te orientar em relação a como lidar com esse comportamento em si e nos outros.

O ato de julgar na relação humana implica três movimentos emocionais e psíquicos:

A. A percepção de quem julga é inegavelmente incompleta e parcial.

Ninguém consegue entrar no mundo íntimo do outro e radiografar com exatidão as raízes de uma conduta.

B. Ocorre a projeção de necessidades, a qual expressa, na acusação do outro, a existência de algo que faz parte do conjunto de assuntos ainda não resolvidos completamente na vida interior de quem julga.

C. A atenuação da inveja é talvez o movimento mais presente no julgamento.

0 ato de acusar pode ser considerado como uma válvula de escape para o incômodo emocional que a vida de alguém gera em outra pessoa.

Pensando bem, quem te julga faz isso porque está precisando entender dentro de si qual a razão de sua vida pessoal estar incomodando tanto a ela a ponto de ter que te sentenciar.

Essa reflexão também serve para quando você julga os outros.

WANDERLEY OLIVEIRA