PORQUE ADOECEMOS VOL. I

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MINAS GERAIS

NOVOS HORIZONTES DO CONHECIMENTO MÉDICO ESPÍRITA

PREFÁCIO

É inegável que estamos enfrentando uma imensa crise.

Há deterioração do ambiente social com o aumento das depressões, das neuroses em geral e da esquizofrenia, além de sinais evidentes facilmente observáveis pelo número crescente de crimes violentos, suicídios de pessoas jovens, dificuldades de aprendizagem e distúrbios no comportamento de crianças, crescimento do número de alcoólatras e de consumidores de drogas, percentagem maior de mortes no trânsito e daquelas causadas por doenças degenerativas - câncer, moléstias cardíacas, cerebrais, etc.

Acrescente-se ainda as anomalias econômicas: inflação desenfreada, desemprego, distribuição desigual da renda e injusta da riqueza e uma conscientização de que os nossos recursos naturais estão se exaurindo.

Como bem salientou Fritjof Capra (O Ponto de Mutação), não se trata de crises dissociadas. Estamos vivendo uma única, grande e complexa crise que está a exigir transformações profundas de nossas instituições.

A história já assinalou inúmeras outras mudanças, mas nenhuma tão abrangente quanto esta. Em geral, esses indicadores citados surgem uma a três décadas antes da transformação central. Segundo Capra, eles surgiram na década de 60, de modo que estamos vivendo os últimos momentos do prazo assinalado para a grande mudança.

Nota-se uma perda de flexibilidade, de harmonia, a sociedade como um todo entra em colapso cultural. Mas, o desafio do ambiente natural ou social provoca uma resposta criativa numa sociedade ou em um determinado grupo, induzindo-os a iniciarem um novo processo de civilização.

Capra, tomando por base a interpretação histórica de Toynbee ressalta: "... durante o doloroso processo de desintegração, a criatividade da sociedade - sua capacidade de resposta a desafios - não se acha completamente perdida.

Embora a corrente cultural principal tenha se petrificado, após insistir em idéias fixas e padrões rígidos de comportamento, minorias criativas aparecerão em cena e darão prosseguimento ao processo de desafio e resposta."

Temos afirmado, constantemente, que o movimento espírita constitui uma das minorias criativas deste mundo, porque está apontando caminhos para a construção de uma nova era, induzindo a um novo processo de civilização, onde haja a primazia do espírito sobre a matéria e onde o amor possa realmente se traduzir em fraternidade genuína entre todos os povos.

Temos ressaltado também que as atividades dos médicos espíritas brasileiros reforçam a contribuição positiva dessa minoria criativa.

A fundação da Associação Médico-Espirita do Brasil (AME-Brasil), a 17 de junho deste ano, representa o coroamento dos esforços de inúmeros colegas que têm sentido de perto a necessidade de mudança do paradigma materialista no qual se fundamenta a Medicina ortodoxa. Felizmente, em simpósios, jornadas, congressos e também em livros e boletins os médicos e profissionais de saúde espíritas têm procurado levar a sua contribuição, veiculando essas idéias libertadoras a fim de favorecer um debate mais amplo e enriquecedor. Sem dúvida, para o novo renascimento que já se pronuncia na face da Terra, depois das sombras destas últimas décadas de transformação, é fundamental que a ciência médica aceite o Espírito como prioritário na condução dos destinos humanos.

Aqui está, leitor amigo, mais um esforço dos companheiros da Associação Médico Espírita de Minas Gerais enfeixado neste livro. Nele, entrelaçam-se perfeitamente os ensinos da Medicina tradicional e o enfoque médico-espírita, destacando as várias facetas da contribuição valiosa que o Espiritismo tem a oferecer à prática médica diuturna. Temas como estes - Predisposições Mórbidas; Importância da Integração dos Aspectos Científicos, doutrinários e Evangélicos na Vida do Profissional de Saúde Espírita; Por Que Adoecemos?; Neurose, Egoísmo e Rebeldia; Sono e Sonhos; Psicoses e Vivências Passadas; Doação de Órgãos; Epilepsia e Obsessão; Jesus - Médico e Terapeuta, desenvolvidos neste volume, constituem importante contribuição para esse debate.

Ressalte-se, nele, como tônica básica a mudança radical conceituai que o Espiritismo propõe à ciência médica, sobretudo no âmbito das psicoses, neuroses e moléstias mentais, partindo de uma definiçao revolucionária de saúde e que tem implicações profundas no processo de reeducação da alma humana.

De parabéns, portanto, os companheiros da AME-MG que estas sementes produzam frutos , é o nosso desejo mais sincero

Marlene Rossi Severino Nobre Médica Genicologista Presidente da AME- Brasil e AME- SP

São Paulo, Primavera de 1995

..APRESENTAÇÃO

..PREDISPOSIÇÕES MÓRBIDAS
..A IMPORTÂNCIA DA INTEGRAÇÃO DOS ASPECTOS... ..
..POR QUE ADOECEMOS?
..NEUROSE, EGOÍSMO E REBELDIA
..SONO E SONHOS
..PSICOSES E VIVÊNCIAS PASSADAS I
..PSICOSES E VIVÊNCIAS PASSADAS II
..DOAÇÃO DE ÓRGÃOS I
..DOAÇÃO DE ÓRGÃOS II
..EPILEPSIA E OBSESSÃO
..O MESTRE NA SAÚDE