AURA
BIBLIOGRAFIA
01- A clarividência - pág. 19 02 - A vida nossa de cada dia - pág. 50
03 - A matéria psi - pág. 69 04 - Antologia do perispírito - ref. 740
05 - Chico e Emmanuel - pág. 59 06 - Cromoterapia técnica - pág. 75
07 - Conversando sobre a morte - pág. 65 08 - Dicionário Enc. Ilustrado - pág. 35
09 - Da alma Humana - pág. 67, 85, 89, 184 10 - Ernesto Bozzano - pág.28, 46
11 - Evolução em dois mundos - pág.129 12 - Forças sexuais da alma - pág. 36
13 - Mãos de luz - pág. 23, 37, 48, 56, 58 14 - Mecanismos da mediunidade - pág. 83
15 - Metapsiquica humana - pág. 134

16 - Missionário da luz- pág. 12

17 - O espiritismo - pág. 172 18 - O Livro dos Espíritos -q 141
19 - O passe magnético - pág. 24 20 - Pureza doutrinária - pág. 58
21 - Universo e vida - pág. 76 22 - Vozes do grande além - pág. 69

LEMBRETE: O NÚMERO DA PÁGINA PODE VARIAR DE ACORDO COM A EDIÇÃO DA OBRA CITADA.

AURA – COMPILAÇÃO

02 - A vida nossa de cada dia - Maria Cotroni Valenti - pág. 50

Trabalhos Negativos - Aura
É comum as pessoas procurarem o plantão de Orientação e Encaminhamento, dizendo que alguém lhes fez um trabalho negativo, e que, por isso, algo, ou tudo, em suas vidas, está correndo mal. Não podemos concordar nem afirmar o contrário. Geralmente, aconselha-se a não pensarem nisso, a procurarem desligar-se dessa idéia, nem quererem saber quem fez; não alimentarem sentimento de ódio, ou mesmo de mágoa; não procurarem vinganças, nem fazerem zombarias.

Incentiva-se a terem fé em Deus, a lerem o Evangelho, e a fazerem um tratamento espiritual. Salienta-se que nada pode mais que Deus e que o tratamento espiritual, acompanhado do esclarecimento, vai levá-las a ter pensamentos mais positivos e, por consequência, a libertarem-se de qualquer perturbação. Isto realmente acontece quando a pessoa leva a sério e resolve a por em prática o que aprendeu no Evangelho e nas palestras que antecedem aos passes. Aí surge a pergunta: Existem trabalhos negativos? E por que Deus permite que atinjam as pessoas?

Deus deixa a lei cumprir-se naturalmente. Acontece que nós somos, ainda, muito imperfeitos, temos pensamentos e atos negativos, além de sermos portadores de carmas. Vamos ver como funciona. Esses trabalhos dependem, quase sempre, da colaboração de médiuns que se prestam a isso, por ignorância, ou por interesses pessoais particulares. Podem, também, ser feitos apenas por espíritos desencarnados, inimigos das pessoas a serem atingidas.

Num ambiente adequado, o médium entra em contato com os espíritos que, também, se prestam a isso. Faz-se, então, uma barganha, um negócio. Como os inimigos desencarnados estão sempre por perto, aguardando uma oportunidade de vingança, as coisas tornam-se mais fáceis e os interesses se completam. Há, também, os espíritos que fazem o trabalho para ganhar alguma coisa, assim como existem, aqui na Terra, os profissionais contratados para fazerem o mal.

Devemos considerar, porém, que se o alvo estiver com as portas fechadas, isto é, se não houver um carma nesse sentido, ou invigilância por parte do alvo a ser atingido, ninguém consegue nada e o mal não se realiza. O que é invigilância? Vamos dar alguns exemplos: nós nos aperfeiçoamos de dentro para fora; temos uma aura que nos envolve, que é o reflexo do espírito. Vamos dizer que seja o nosso campo de proteção criado por nós. Pois bem, a aura vai se solidificando, impermeabilizando-se através das nossas conquistas espirituais.

O espírito vai-se aperfeiçoando através dos pensamentos e atos positivos e vai refletindo na aura. Vamos dizer que a aura é igual a uma peça de cerâmica em fase de fabricação. Quando a peça é esmaltada e está completa, não pega nem absorve manchas, porque o esmalte a impermeabiliza; mas, antes de esmaltar, antes de ser completa, ela é porosa e até a poeira penetra. Então, temos, na aura, a parte estável, que é a parte já esmaltada, solidificada, invulnerável, onde nada penetra. É a qualidade já conquistada pelo espírito. Nada a altera porque é uma conquista real.

Temos ainda a parte instável, que é sem "esmalte", a parte porosa que depende do carma e ou da proteção que dermos, no momento, pelos nossos pensamentos e nossas atitudes. Então, é esta parte que temos que vigiar e proteger, com pensamentos e atos positivos; assim como, na cerâmica, para não penetrar manchas. Ela é frágil, desprotegida ainda. Quando Jesus diz: "Orai e vigiai", não é para tomarmos conta do vizinho. Não importa se ele quer ou não nos prejudicar, o que importa é se nós estamos protegidos e preparados para repelir o mal.

Pode-se, também, comparar os trabalhos negativos às doenças. Se a bactéria encontrar um corpo frágil, desnutrido, ela se aninha e se desenvolve, mas se o corpo estiver resistente, ela é repelida e até destruída. A defesa do corpo é o tratamento material e a do espírito é o pensamento positivo, é a reforma íntima. Quando uma pessoa está, aparentemente, numa faixa vibratória superior e de repente cai — atingindo alguém ou sendo atingida — é porque esta conquista não era completa. No primeiro caso, sabemos que quem já tem conquistas reais, não se propõe a atingir negativamente o seu semelhante. No segundo caso, o mal penetra só até o ponto em que encontra resistência, isto é, a parte solidificada pelas conquistas nunca é atingida.

Assim, pode-se concluir, que só somos atingidos por trabalhos negativos se as consequências deles fazem parte do nosso carma, que é uma porta aberta, ou se afinam com nossos atos e pensamentos atuais e com nossas fraquezas (outra porta aberta). A captação dos ataques só se dá pela lei de Ação e Reação, ou seja, através do carma, ou da sintonia vibratória do momento. Portanto, se algo nos atingir é porque ainda não superamos certas tendências, não aprendemos a fechar as portas para este tipo de mal. O que quer dizer que ainda nos afinamos com ele, ainda vibramos nessa faixa. A conquista e a solidificação do bem vêm de dentro para fora.


06 - Cromoterapia técnica - Rene Nunes - pág. 75

A AURA HUMANA - (formação e funções)
A Aura Humana tem representado na ciência espiritualista, por todos esses muitos anos, um verdadeiro tabu.
A Aura de uns tempos para cá tem sido chamada também psicosfera, Noosfera, Espaço Psy e algumas outras denomições que nada acrescentam. Justamente, por esta razão, toda sorte de especulações tem sido feita, algumas absolutamente imaginárias, outras empíricas e fantasiosas e, uma pequena parcela, com um enfoque mais lógico e, a nosso ver, nulo perto daquilo que, realmente, seja possível existir.

Em cima dessas numerosas idéias, uma grande maioria vem apenas repetindo o que já foi dito, inclusive, sobre aquelas auras criadas pela imaginação e fantasia de alguns pesquisadores. Com isso, quantos erros já não foram cometidos na conceituação desse importantíssimo tema da vida do espírito encarnado. Em verdade, devido ao mecanismo da sua própria formação, os aspectos que a Aura toma, quanto à forma, largura, altura, cores, etc., pessoas abalizadas e muito bem intencionadas, tem escrito verdadeiras teses, dando-lhe uma figuração geométrica específica e repetindo sempre, com muita ênfase, aquelas cores, relativas ao sentimento/emoção, que todos já sabemos e que aliás, não estão erradas, propriamente, mas que essencialmente, não representam a parte principal da Aura, mas um fator mais ou menos secundário consequente de posturas mentais e emocionais.

Dissemos que as visões do campo exterior da Aura, são tatores mais ou menos secundários, porque só essa referência, não dará ao estudioso ou pesquisador, as condições de correção, senão muito remotas de um ajuste capaz de solucionar o problema físico/mental/emocional de uma pessoa em desequilíbrio. Muito pouco ou nada adiantará, projetarmos cores suavizantes e equilibradoras, ou mesmo, implantarmos por indução, uma cor áurica sobre alguém em desajuste Físico/Espiritual. Por que? Primeiro, porque uma ou algumas projeções mentais sobre o campo áurico, não solucionariam o problema. Apenas conseguiríamos, no máximo, proporcionar um pequeno alívio. Nada mais! As energias mais pesadas ou negativas, continuariam a ser produzidas e, logo tudo estaria como antes. Na segunda hipótese, se implantarmos por indução, uma cor bastante positiva e forte, a pessoa, pela sua própria fraqueza mental, não teria condições de preservá-la, porque se considerarmos que ela não consegue manter em equilíbrio as suas próprias energias, que são mais fracas, como poderia manter, por exemplo, uma mais forte, ali colocada por outra mente embora com o seu consentimento?

Essas questões foram objetos de demorado e reflexionado estudo, nas nossas relações diretas com o problema e que representou durante muito tempo, uma grande interrogação em todo trabalho que realizamos com energia e cores, principalmente, dos Chácras, da Aura da Saúde e dos campos áuricos do Corpo Físico do Ser encarnado. E, chegamos depois de alguns — anos de pesquisas, a seguinte conclusão: nada realmente poderíamos fazer com convicção, se não soubéssemos, como se dava a formação do chamado ovo áurico; quais as energias que o compunham; como elas eram produzidas ou captadas e a partir, desse ponto, como seria possível ajustá-la, complementá-la e até substituí-la, se fosse o caso, dentro de um processo racional e lógico, sobretudo compatível, muito embora, também soubéssemos que seria difícil ou senão impossível, no presente estágio do nosso trabalho, identificarmos todas as energias que compõem a Aura Humana, até por questão de merecimento, já que pouco ou nada, sabemos de física. Equacionada a questão no nosso ângulo passamos a pesquisar, primeiramente, quanto à sua formação e, como consequência a sua função na relação Corpo/Espírito e, por extensão, na sua manutenção.

Por esse caminho enveredamos. Só que não poderíamos deixar de registrar, a imensa contribuição do Reverendo Leadbeater com duas insuperáveis obras— "O Homem Visível e Invisível" e "Formas de Pensamento", este último, com a Dra. Annie Besant e o trabalho de Ramachácra intitulado "As 14 Lições da Filosofia Yogue", onde fala da Aura, todos três livros escritos há cerca de 80 anos! Há também o grandioso trabalho produzido por Semion Kirlian e sua mulher Valentine a chamado Kiiliangrafia, que tem o seu próprio ângulo e direção. Fora desses autores pouco foi acrescentado. O estudioso da matéria, apesar do muito que se tem escrito, continuará perguntando o que existe mais, além de já saber que na Aura Humana estão as energias mentais/sentimentais e emocionais; que ela tem o formato de um ovo, com a ponta para baixo; que tem muitas e variadas cores; que do corpo Físico, por um processo natural de expulsão, irradiam-se energias formando um campo eletromagnético chamado Aura da Saúde, como também que o seu tamanho é variável.

Certamente, poderiam ser relacionadas ainda, mais algumas questões, que terminariam por envolver toda a problemática energética do Espírito encarnado, mas só desejamos tratar a questão da Aura Humana e, sua relação com o Corpo Físico, por consequência o Perispírito. Para começar, vamos rememorar o que diz o Irmão Áureo (espirito) em "Universo e Vida", pag. 71, com relação a formação do campo vibratório do ser encarnado: "Os espíritos compostos, isto é, não puros que se movem nas faixas da evolução terrestre, absorvem progressivamente Quanta de Luz, que vão removendo elementos da carga psíquica do Ser, os quais liberados, geram através das correntes elétricas que produzem, campos magnéticos específicos.

Estruturando, desse modo a própria Aura, os Espíritos criam a Atmosfera Psíquica que os envolve e penetra, Atmosfera esta, carregada de eletricidade e magnetismo, de raios, ondas e vibrações. Trata-se de poderoso campo de força, gerando por circuitos eletromagnéticos fechados, nos quais se fazem sentir os parâmetros de resistência, indutância, asseguradores de compensação, equilíbrio e acúmulo de energias de sustentação. E assim, que o campo de força da própria Aura delimita o mundo individual de cada Espírito; mas não somente o delimita, como também o caracteriza, porque possui peso específico determinado, densidade própria e condições peculiares de colocação, sonoridade, velocidade eletrônica e ritmo vibratório.

A mente espiritual é o seu fulcro, sua geratriz e seu núcleo de comando, através de todas as transformações que experimenta, inclusive, as que decorrem das reciclagens biológicas provocadas pelos fenômenos da morte física, da reencarnacão, da ovoidizacão, da regressão temporal e outros. É ainda através da Aura que o Espírito assimila, armazena e exterioriza os princípios cósmicos de que fundamentalmente se alimenta (sic) pois cada Espírito respira e vive, em faixas vibratórias comuns a todas as mentes a que se liga, no plano evolutivo que lhe é próprio."

Das palavras do Irmão Áureo, podemos ver com toda clareza a individualização do campo de forca (Aura) de cada Espírito, com suas características próprias e, é dentro desse campo de força, que o Espírito assimila e armazena seus princípios (energias), com os quais vai necessariamente abastecer-se, para não dizer, alimentar-se durante todo o tempo em que estiver encarnado. Mas, como isso acontece na vida física? Como uma Aura é formada durante a existência do SER encarnado? Na sua formação, o SER só tem como componente áurico sua própria energia espiritual. Após o nascimento, é que todo processo energético externo começa a formar-se com a energia que dispõe, ou seja, a energia espiritual. Isso ocorre porque um SER em formação não tem o seu mecanismo mental estruturado e em razão disso, sem poder exercer o seu livre arbítrio, socorre-se das energias mentais dos pais, para estabelecer com a energia espiritual que lhe é própria, o peso necessário para a captação da terceira energia conjunto— a telúrica ou alimentar.

Até os sete anos de idade física, mais ou menos, a Aura Humana não adquiriu ainda, os seus componentes definitivos pela ausência da energia mental individualizada e, por isso, recebendo diretamente a acão protetora dos pais, que se apresenta como fator decisório, abastecendo o pequeno SER de energias mentais. A partir dessa idade, na medida em que o SER começa exerecer o seu livre arbítrio, a Aura vai se constituindo forte e me lavei, ou problemática, libra e enfraquecida. Sendo a energia mental um dos componentes da Aura, certamente, a formação mental do SER, ditará sempre que tipo de energia ele produzirá no curso de sua existência física. A importância desse fator, ressalta a partir do momento, um que corno um dos componentes energéticos da AURA HUMANA, a energia mental, vai determinar o peso das outras energias componentes do conjunto. Essas energias deverão estar sempre em equilíbrio, para que a pessoa tenha uma saúde física e espiritual em boas condições.

Sendo o primeiro componente do conjunto energético da Aura Humana, a energia mental, indicará a formação de uma Aura sadia e equilibrada ou, uma Aura deficiente e enfraquecida. Dissemos acima primeiro componente, porque a Aura que estamos analisando é da matéria física e como tal, resultante da produção mental dessa matéria física, produção mental esta, sujeita a toda uma formação de educação, hábitos, alimentação, vícios e viciações e finalmente, a cultura e o livre arbítrio de cada um. O mecanismo da composição da Aura funciona assim: toda energia positiva que é produzida pela mente, vai alojar-se dentro do espaço denominado Aura Espiritual, que reagirá como copiador no campo próprio das energias cósmicas correspondentes, para a alimentação e fortalecimento dos corpos que ali se encontram — Perispírito e Duplo Etérico.

Da mesma forma, toda energia negativa que a mente produz aloja-se no campo da Repercussão Mental e que define no curso da existência, os condicionamentos psico-orgânicos daquele Ser. Ficamos sabendo que o segundo componente é a energia espiritual, a nós doada na mesma proporção da nossa energia mental. Só que a energia negativa que a mente física produz não serve como elemento captador. Assim, se produzimos uma energia mental mais forte e positiva, teremos da mesma forma, uma energia espiritual com equivalência de volume e peso. Se as duas, são energias fortalecidas pelo equilíbrio, teremos então uma captação das energias magnéticas, no mesmo nível e assim, com os três componentes fortes e equilibrados, a Aura física será obviamente, um campo alimentador sadio e de energias puramente luminosas.

Poderá também, funcionar da maneira inversa, se por qualquer razão o indivíduo produz uma energia mental mais enfraquecida, o componente espiritual será mais fraco (isso, porque as energias não devem ter pesos diferentes) e por consequência, a captação da energia magnética também será menor, resultando com isso, uma Aura menos forte. Vamos verificar então, um fato interessante que elucida uma porção de coisas com relação ao "modus vivendi". E aí, passamos a compreender toda importância que tem o princípio da educação e da formação de uma criança, do momento em que é concebida, até o final dos seus primeiros 7 a nos de vida, quando só está registrando os fatos e acontecimentos que provavelmente, irão marcar toda sua passagem terrena. Tudo começa e termina com a nossa capacidade de produzir a energia mental.

Reunidas as três energias principais, a carga psíquica do SER e a força perispiritual, incumbem-se de separar a energia áurica composta, em campos próprios de alimentação energética, que após a consolidação do uso do livre arbítrio termina por ficar assim constituída a partir do Corpo Físico: Aura Espiritual, Campo da Repercussão Mental, Campo Vibratório e Aura Cósmica. Cada segmento desses, tem sua função específica no conjunto áurico, como se segue:

AURA ESPIRITUAL

Está situada no espaço entre O a 1O cm do Corpo Físico. Recebe esse nome, porque ali está alojado o Perispírito (Espírito) e tem o amarelo claro e luminoso, como cor predominante. É o principal campo alimentadordo Sistema Físico/Espiritual, a nível de Ser encarnado.

CAMPO DA REPERCUSSÃO MENTAL

Está localizado entre a Aura Espiritual e o Campo Vibratório. Nesse espaço, alojam-se as energias negativas produzidas pela mente acionada principalmente pelo mecanismo mental/ emocional. Não possui um espaço determinado, sendo o mesmo de acordo com o volume das energias negativas, liberadas pela mente. Suas cores predominantes, são aquelas mais escuras e agressivas, como vermelho-escuro, marrom, cinza fechado, mostarda, etc.. O campo da repercussão mental, expandece-se primeiro sobre a Aura Espiritual, para depois ocupar áreas consideráveis, sobre o próprio Campo Vibratório. A maioria dos videntes quando consegue ver a Aura, estão apenas enfocando uma parte do Campo da Repercussão Mental, e não a Aura do Ser encarnado propriamente dita.

CAMPO VIBRATÓRIO

É o espaço que se segue à Aura Espiritual e o Campo da Repercussão Mental. Situa-se entre 25 e 6O cm do corpo para cima estão alojadas todas as reservas energéticas que deverão abastecer o mecanismo físico/espiritual. É um espaço muito colorido, pois no seu campo estão as energias luminosas verde, azul, amarela e rosa, que são filtradas na Aura Cósmica.

Aura cósmica

Espaço externo, acima de 60 cm do corpo, é o grande reservatório energético. É aí, que a mente capta as energias para o seu Campo vibratório e onde armazena todas as forças que irão suprir as necessidades da matéria física. Sua capacidade esta na razão direta do grau evolutivo do Espírito encarnado. Esses quatro espaços também podem ser classificados, para fins didáticos como Aura Exterior e Aura Interior, tomando-se, o como linha divisória, o segmento denominado Campo da Repercussão Mental. Esse incrível equipo energético é formado, evidentemente, com finalidade específica, qual seja, a de alimentar e abastecer o Corpo Físico, como parte do Perispírito, bem assim, o Duplo etérico, situado entre os dois. A Aura serve também de capa protetora contra a ação astral inferior.

As perguntas naturais e que fizemos tantas vezes, são as seguintes: como funciona o mecanismo da alimentação energética e; como poderá servir de capa protetora? Antes da resposta, vale lembrar que o Perispírito (sede do Espirito) está localizado dentro do espaço denominado Aura Espiritual e, o Duplo Etérico, por ser matéria volátil, apesar de mais densa, tanto fica alojado na Aura da Saúde, como frequenta, com toda liberdade, a Aura Espiritual. Sabemos também, em termos mais simples, que o Perispírito é uma espécie de matriz do Corpo Físico, composto de energias etéreo astrais, ainda fora do conhecimento humano e o Duplo Etérico formado por emanações do Corpo Físico e do Perispírito servindo entre outras importantes funções, de câmara de reciclagem energéticas no trajeto Perispírito/Corpo Físico e vice-versa, o que é feito através dos Chácras, em corte frontal as camadas áuricas seriam vistas assim:

Assim, as energias do Perispírito, chegam ao Corpo Físico através dos Chácras e, no percurso inverso, isto é, do Corpo Físico para o Perispírito passando através do canal energético do Plexo Solar. Nosso mecanismo, há uma lei cósmica que será sempre considerada, como um dos princípios básicos do fenômeno energético, a saber: "semelhante atrai semelhante", isto é, positivo com positivo e negativo com negativo. Como dissemos anteriormente, só a partir dos sete anos da idade física, o SER consegue ter um peso maior decisório pelo seu livre arbítrio. Com isso, começa mentalizar acões, fazer projetos, tomar atitudes pessoais independentes, etc. Desse esforço de libertação, passa a produzir suas próprias energias mentais, ainda um tanto vaciliantes, mas suas. À medida em que vai produzindo suas energias mentais, da mesma forma, Viu substituindo as ali implantadas como proteção.

Se o SER tem uma boa formação mental/social, ele irá certamente produzir energias mentais positivas, ou melhor, um tipo de energias de índices muito mais compatíveis e assim, ar as energias espirituais necessárias muito bem equilibradas trazendo para o campo áurico a 3ª parte, que são as energias magnéticas. O equilíbrio desse mecanismo que irá funcionar até o desencarne, parece-nos depender, principalmente, da energia mental produzida, naturalmente respeitados os processos espirituais inseridos (carmas). Não custa acrescentar, nesta fase, que chamaremos de fase da libertação, o Espírito do SER, tem muita ação sobre a mente física e, para a qual, emite sinais fortíssimos de defesa, liando se faz necessário. Infelizmente, esse contacto sempre dependerá de alguns fatores da formação, educação e da direção moral/social em que está sendo impulsionado e por isso, nem sempre o Espírito consegue manter sua matéria física, um caminho adequado à sua proposição encarnatória.

Por isso, se temos uma mente sadia, fortalecida por propósitos elevados de respeito, amor e fraternidade, só poderemos evoluir uma Aura grande, linda e luminosa. Se a mente é infelicitada pelo egoísmo, inveja, desrespeito, desamor, sexo, gula, ludo será exatamente ao contrário. Nossas cores terão a predominância característica do emocional com suas tonalidades mais escuras e agressivas. As energias serão pesadas e opressivas. Assim serão essas duas Auras: A luminosa e positiva e a negativa e pesada: fisica e espiritualmente, com o sistema nervoso em grande desequilíbrio, incapacidade mental, anemia, pressão sangüínea descontrolada, etc.
Então verificamos, simplesmente, a grande verdade da mente positiva. E há uma explicação, lógica e racional, para tudo ISSO.

Apresentamos os 3 campos da Aura Humana. Não custa repetir; Aura Espiritual, Campo da Repercussão Mental e Campo Vibratório que se harmonizam funcionando dentro do seguinte mecanismo: se tem um organismo fortalecido e equilibrado, ela será compacta e uniforme, com um calor idêntico em todas as suas partes; se a saúde claudica e o corpo ressente, ela acompanhará o ritmo, isto é, seus raios serão desencontrados e sua altura será pequena e a temperatura característica, terá teores diferentes, com partes mais frias ou, excessivamente quentes.

Em resumo, a captação energética da Aura Humana, funcionaria assim: a mente física projeta suas energias positivas diretamente para o Campo Vibratório e, nesse espaço, é estabelecido todo aquele mecanismo descrito no inicio desta explanacão, isto é, a energia mental ajusta-se a espiritual e as duas, à magnética, formando assim a estrutura energética da Aura Humana. Isso, acontece num Ser humano em equilibrio psíquico. Todavia, esse mecanismo, só será exercitado livremente, quando não tivermos problemas no Campo da Repercussão Juntai, que recordando, foi dito, ser o espaço entre a Aura Espiritual e o Campo Vibratório, onde se acumulam todas as negativas, produzidas pela mente física, resultantes processo mente/emoção/sentimento. Se o Campo da Repercussão Mental está muito impregnado de energias negativas, muito mais difícil será a passagem da energia mental positiva para a Aura Espiritual pela simples razão, de que se a mente está produzindo negativo, sua força de impulsão da vai enfraquecendo e diminuindo, na ordem direta do crescimento dos problemas físicos e mentais/emocionais, que geram a onda negativa.

Com isso, todo aquele mecanismo de captação e abastecimento é prejudicado. As energias mais pesadas (negativas) vão sendo produzidas, pelo egoísmo, orgulho, inveja, malicia, gula, sexo descontrolado, viciações mentais e vícios materiais, etc., etc., vão se acumulando no Campo da Repercussão Mental, de tal forma, que a partir de um determinado ponto, começa a interferir na transferência das energias do Campo Vibratório, para o Corpo Físico. A matéria física sendo mal alimentada energeticamente, passa a ter uma Aura da Saúde rnais fraca, como também, Duplo Etérico mais debilitado, pois sabemos que o segundo corpo é formado por emanações fluídicas do corpo denso.

Daí, tem início um terrível círculo vicioso, porque estando o Perispírito dentro da Aura Espiritual, conseqüentemente, uma importantíssima parte da sua sustentação é tirada dessas energias. Não tendo uma boa captação, por falta de energias adequadas, então da mesma forma, não terá uma boa emissão para o Corpo Físico. Para que possamos realmente, fazer compreender a importância desse conjunto, cujo funcionamento deve ser de total harmonia; vamos supor que por qualquer razão, o indivíduo passe a produzir uma parcela considerável de energias negati­vas (isso não é difícil) e algum tempo depois, essas energias negativas acumuladas no Campo da Repercussão Mental, começam a dificultar o abastecimento do Campo Vibratório. Não custa lembrar o detalhe muito importante: o aumento do negativo no Campo da Repercussão Mental, está na proporção direta do enfraquecimento do teor da energia mental emitida.

A consequência, é que irá captar menos energia espiritual e as duas, já enfraquecidas, também irão atrair menos energias magnéticas. Com isso, torna o processo de abastecimento da Aura Espiritual, que deve trabalhar com energias positivas, mais deficiente, por causa do grande volume de energias mais pesadas, alojadas, exatamente, entre os dois espaços. Não será difícil deduzir-se que dentro de uma Aura Espiritual enfraquecida, o Perispírito também terá uma alimentação insuficiente e, com isso, tornando deficiente sua emissão para o Corpo Físico. Após algum tempo, a matéria física com a mente física descontrolada, mal alimentada de energias perispirituais, naturalmente, terá a sua produção para manutenção do Duplo Etérico muito mais fraca. Enfraquecendo também o segundo corpo, conseqüentemente, diminuirá a força dos Chácras, tornando mais difícil ainda, a comunicação do Perispírito/Corpo Físico, e vice-versa.

Com a comunicação defeituosa do perispírito, o Corpo Fisico ficará cada vez mais sem condições e dessa forma, menos potentes ainda serão suas energias mentais, ficando estabelecido o círculo vicioso da má alimentação energética, que é o fator dinâmico de todas as "doenças" no SER encarnado. Neste ponto, com todos os os mecanismos de captação funcionando inadequadamente, a matéria enfraquecida, a mente em desajuste, o Perispírito e o Duplo Etérico com má alimentação, então, poderemos ficar, se não reagirmos, inteiramente ao sabor das forças espirituais menos esclarecidas e intrusas, que certamente irão enfraquecer, mais ainda, todo o sistema da formação energética do chamado ovo áurico.

É quando o SER encarnado chega aos grandes sofrimentos, as obsessões mais fortes e as possessões. Nessa fase, é provável que já tenha acontecido um outro fato, que concorrerá para enfraquecer mais, a matéria física- o desajuste dos corpos, que mal energizados, terminam por sair da sua linha magnética, com o Perispírito, deslocando-se para a esquerda ou direita do Corpo Físico, tornando mais difícil a via energética natural Perispírito/Corpo Físico.


11 - Evolução em dois mundos - André Luiz - pág.129

Mediunidade e corpo espiritual - AURA HUMANA —
Considerando-se toda célula em ação por unidade viva, qual motor microscópico, em conexão com a usina mental, é claramente compreensível que todas as agregações celulares emitam radiações e que essas radiações se articulem, através de sinergias funcionais, a se constituírem de recursos que podemos nomear por "tecidos de força", em torno dos corpos que as exteriorizam. Todos os seres vivos, por isso, dos mais rudimentares aos mais complexos se revestem de um "halo energético" que lhes corresponde à natureza.

No homem, contudo, semelhante projeção surge profundamente enriquecida e modificada pelos fatores do pensamento contínuo que, em se ajustando às emanações do campo celular, lhe modelam, em derredor da personalidade, o conhecido corpo vital ou duplo etéreo de algumas escolas espiritualistas, duplicata mais ou menos radiante da criatura. Nas reentrâncias e ligações sutís dessa túnica eletromagnética de que o homem se entraja, circula o pensamento, colorindo-a com as vibrações e imagens de que se constitui, aí exibindo, em primeira mão, as solicitações e os quadros que improvisa, antes de irradiá-los no rumo dos objetos e das metas que demanda.

Aí temos, nessa conjugação de forcas físico-químicas e mentais, a aura humana, peculiar a cada indivíduo, interpenetrando-o, ao mesmo tempo que parece emergir dele, à maneira de campo ovóide, não obstante a feição irregular em que se configura, valendo por espelho sensível em que todos os estados da alma se estampam com sinais característicos e em que todas as idéias se evidenciam, plasmando telas vivas, quando perduram em vigor e semelhança como no cinematógrafo comum. Fotosfera psíquica, entretecida em elementos dinâmicos, atende à cromática variada, segundo a onda mental que emitimos, retratando-nos todos os pensamentos em cores e imagens que nos respondem aos objetivos e escolhas, enobrecedores ou deprimentes.

MEDIUNIDADE INICIAL — A aura é, portanto, a nossa plataforma onipresente em toda comunicação com as rotas alheias, antecâmara do Espírito, em todas as nossas atividades de intercâmbio com a vida que nos rodeia, através da qual somos vistos e examinados pelas Inteligências Superiores, sentidos e reconhecidos pelos nossos afins, e temidos e hostilizados ou amados e auxiliados pelos irmãos que caminham em posição inferior à nossa.

Isso porque exteriorizamos, de maneira invariável, o reflexo de nós mesmos, nos contatos de pensamento a pensamento, sem necessidade das palavras para as simpatias ou repulsões fundamentais. É por essa couraça vibratória, espécie de carapaça fluídica, em que cada consciência constrói o seu ninho ideal, que começaram todos os serviços da mediunidade na Terra, considerando-se a mediunidade como atributo do homem encarnado para corresponder-se com os homens liberados do corpo físico.

Essa obra de permuta, no entanto, foi iniciada no mundo sem qualquer direção consciente, porque, pela natural apresentação da própria aura, os homens melhores atraíram para si os Espíritos humanos melhorados, cujo coração generoso se voltava, compadecido, para a esfera terrena, auxiliando os companheiros da retaguarda, e os homens rebeldes à Lei Divina aliciaram a companhia de entidades da mesma classe, transformando-se em pontos de contato entre o bem e o mal ou entre a Luz e a Sombra que se digladiam na própria Terra.

Pelas ondas de pensamento a se enovelarem umas sobre as outras, segundo a combinação de frequência e trajeto, natureza e objetivo, encontraram-se as mentes semelhantes entre si, formando núcleos de progresso em que homens nobres assimilaram as correntes mentais dos Espíritos Superiores, para gerar trabalho edificante e educativo, ou originando processos vários de simbiose em que almas estacionárias se enquistaram mutuamente, desafiando debalde os imperativos da evolução e estabelecendo obsessões lamentáveis, a se elastecerem sempre novas, nas teias do crime ou na etiologia complexa das enfermidades mentais.

A intuição foi, por esse motivo, o sistema inicial de intercâmbio, facilitando a comunhão das criaturas, mesmo a distância, para transfundi-las no trabalho sutil da telementação, nesse ou naquele domínio do sentimento e da idéia, por intermédio de remoinhos mensuráveis de força mental, assim como na atualidade o remoinho eletrônico infunde em aparelhos especiais a voz ou a figura de pessoas ausentes, em comunicação recíproca na radiotelefonia e na televisão.

SONO E DESPRENDIMENTO — Releva, contudo, assinalar que, em se iniciando a criatura na produção do pensamento contínuo, o sono adquiriu para ela uma importância que a consciência em processo evolutivo, até aí, não conhecera. Usado instintivamente pelo elemento espiritual, como recurso reparador, no refazimento das células em serviço, semelhante estado fisiológico carreou novas possibilidades de realização para quantos se consagrassem ao trabalho mais amplo de desejar e mentalizar.

Ansiando livrar-se da fadiga física, após determinada quota de tempo no esforço da vigília diária e, por isso mesmo, entregue ao relaxamento muscular, o homem operante e indagador adormecia com a idéia fixada a serviços de sua predileção. Amadurecido para pensar e lançando de si a substância de seus propósitos mais íntimos, ensaiou, pouco a pouco, tal como aprendera, vagarosamente, o desprendimento definitivo nas operações da morte, o desprendimento parcial do corpo sutil, durante o sono, desenfaixando-o do veículo de matéria mais densa, embora sustentando-o, ligado a ele, por laços fluídico-magnéticos, a se dilatarem levemente dos plexos e, com mais segurança, da fossa rombóide. (...)