LUZ ESPIRITUAL
BIBLIOGRAFIA
01- COMO VIVEM OS ESPÍRITOS, pag, 82 02 - ESPÍRITOS E MÉDIUNS, pag. 29
03 - PERISPÍRITO, pag. 72, 162 04 - REGIÃO EM LITÍGIO, pag. 427

LEMBRETE: O NÚMERO DA PÁGINA PODE VARIAR DE ACORDO COM A EDIÇÃO DA OBRA CITADA.

LUZ ESPIRITUAL – COMPILAÇÃO

01 - LUZ ESPIRITUAL

Somente Jesus estava qualificado para efetuar a nossa redenção porque Ele conhece perfeitamente a nossa constituição total, de espírito alma e corpo porque Ele nos criou, assim como todas as coisas.

Somente Ele conhece também a nossa situação, relativa à nossa constituição natural, que é totalmente de trevas espirituais. De densas trevas produzidas pelo pecado que nos impedem de ver a Deus, compreendê-Lo, à sua vontade, e as coisas relativas ao reino dos céus.

João afirma no verso 4 que a vida estava em Cristo, e que esta vida era a luz dos homens.

Jesus é então o sol da justiça que permite que os nossos olhos espirituais sejam curados e vejam o mundo espiritual da verdade, celestial e divino.

Fora dEle, em relação ao entendimento das coisas do espírito, tudo é trevas.

Ele é o Deus vivo, que não é Deus de mortos, mas de vivos, porque tudo o que vive tem a sua origem em Deus, por meio de quem tudo subsiste. Todo espírito que está ligado a Deus vive e viverá eternamente. Mas fora de Deus tudo é morte.

O fato de ser a vida de Cristo a luz dos homens, isto está restringido no verso 5 àqueles que são de Cristo, porque aqueles que amam as trevas não podem compreender esta luz, espiritual, celestial e divina. E estas trevas espirituais significam morte espiritual. Assim como as trevas totais permanentes significam morte para a existência física.

Precisamos portanto, de luz espiritual para ter vida espiritual. E esta vida está somente em Jesus. É dele somente que a podemos receber. Por isso é necessário que aqueles que foram alcançados por essa maravilhosa luz, que andem continuamente na luz, porque ela lhes é necessária e vital.

Deus criou a humanidade para ser uma lâmpada que brilhe com a Sua luz, queimando com o óleo do Espírito Santo. João diz que a vida de Cristo é a luz dos homens, porque os cristãos devem ser como lâmpadas que emitem a luz de Cristo.

É a Palavra eterna na lâmpada que é o cristão, que o faz brilhar com o brilho que procede de Deus. Sem a Palavra que acende esta lâmpada, ela permanece apagada. Por isso se ordena aos cristãos que não apaguem o Espírito Santo, para não terem as suas próprias lâmpadas, que são suas vidas, apagadas.

Para que tenha luz, o cristão depende inteiramente de Deus, e portanto da Sua Palavra e do fogo do Espírito Santo. Deus uniu a ambos para que o cristão possa brilhar, e assim manifeste a vida eterna de Deus para iluminar este mundo de trevas.

A luz condenará as obras infrutíferas das trevas naqueles que permanecem no pecado, porque fará a exposição do que se ocultava nas trevas:

“Mas todas estas coisas, sendo condenadas, se manifestam pela luz, pois tudo o que se manifesta é luz.” (Ef 5.13).

É pela luz da revelação divina que o pecado pode ser condenado ou extirpado. E João nos diz que a vida está em Jesus, e que esta vida era a luz dos homens; isto é, somente quando a vida poderosa de Jesus se manifesta em alguém, que tal pessoa poderá vir para a luz de Deus e conhecer a Deus e compreender as coisas espirituais e divinas. Assim, fora de Cristo, não há tal possibilidade, porque vida e luz para os homens procedem dEle.

A vida eterna que nós necessitamos para escapar da morte eterna está somente em Cristo Jesus, e é nEle portanto que devemos buscá-la, e João nos indica o meio de obtê-la, a saber, por meio da Palavra e pelo andar na luz. É a luz de Cristo que ilumina o nosso entendimento e espírito para compreendermos as Escrituras.

Elas permanecem como um livro fechado para nós até que Cristo abra o nosso entendimento e se revele ao nosso espírito para que possamos compreendê-las; tal como fizera com os dois discípulos no caminho de Emaús, aos quais lhes abriu o entendimento para compreenderem tudo o que estava escrito acerca dEle nas Escrituras.

Não foi João quem conceituou Jesus como luz, pois Ele próprio fizera tal afirmação acerca de Si mesmo durante o Seu ministério terreno, confirmando aquilo que as Escrituras do Velho Testamento afirmam sobre Ele, especialmente de que Ele seria luz para os gentios.

“o povo que estava sentado em trevas viu uma grande luz; sim, aos que estavam sentados na região da sombra da morte, a estes a luz raiou.” (Mt 4.16).

“E o julgamento é este: A luz veio ao mundo, e os homens amaram antes as trevas que a luz, porque as suas obras eram más.” (Jo 3.19).

“Então Jesus tornou a falar-lhes, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue de modo algum andará em trevas, mas terá a luz da vida.” (Jo 8.12).

Veja que foi Jesus quem disse que é a luz que dá vida aos homens, de maneira que aquele que não está na luz e que não é luz por ter recebido tal luz de Jesus, continua morto em seus pecados.

A vida eterna consiste portanto na manifestação desta luz no nosso viver.

“pois em ti está o manancial da vida; na tua luz vemos a luz.” (Sl 36.9).

*************************************************************************************

Ensinamento de Meishu Sama:

VIBRAÇÃO ESPIRITUAL E AURA

O corpo espiritual do homem tem uma forma idêntica à do seu corpo físico. A única diferença é a sua vestimenta espiritual que, no Ocidente, recebe o nome de aura.

O corpo espiritual irradia uma espécie de incessante vibração luminosa que forma a aura. A cor desta é geralmente branca, mas certas pessoas têm auras de tonalidade amarelo claro ou roxo claro. Sua espessura também varia. Geralmente é de três centímetros. A dos doentes, porém, é mais fina, diminuindo de acordo com a gravidade da doença. Pouco antes da morte, a aura desaparece por completo. Quando dizem que a sombra de uma pessoa é muito fraca, é por causa da pequenez de sua aura. O indivíduo saudável, ao contrário, tem a aura mais ampla. A das pessoas virtuosas, além de ser ainda maior, tem uma vibração luminosa mais forte. A dos heróis e eruditos é mais larga que a dos homens comuns, e a dos santos adquire uma grande amplitude.

A espessura da aura, porém, não é definitiva, pois modifica-se continuamente, de acordo com os pensamentos e atos do indivíduo. Quem pratica atos virtuosos baseados na justiça, tem uma aura espessa, mas quem comete atos malévolos tem a aura fina. Geralmente, a aura é invisível para o homem comum, embora haja pessoas que a enxergam. Qualquer indivíduo, entretanto, pode percebê-la, até certo ponto, desde que se concentre e fixe o olhar.

A amplitude da aura está intimamente relacionada com o destino. Quanto maior, mais feliz será o indivíduo e vice-versa: quanto menor, mais infeliz. Quem tem a aura ampla emite mais calor humano e proporciona uma sensação de bem-estar àqueles com quem entra em contato, atraindo muitas pessoas, porque as envolve com sua aura. O contato com uma pessoa de aura fina, ao contrário, produz uma sensação de frio, mal-estar e tristeza, fazendo com que não se tenha vontade de permanecer muito tempo ao seu lado. Por isso, esforçar-se por adquirir uma aura ampla é a base da felicidade. Mas como fazer para ampliá-la?

Antes de tudo, devo esclarecer a essência da aura. Todos os pensamentos e atos humanos pertencem ao bem e ao mal. A espessura da aura é proporcional à quantidade de pensamentos bons e maus. Internamente, quando uma pessoa pratica o bem, sente uma satisfação na consciência. Esses pensamentos se convertem em luz, somando-se a luz do corpo espiritual. Quando, ao contrário, os pensamentos e atos sãos maus, estes se convertem em nuvens do corpo espiritual. Externamente, quando se faz o bem aos outros, os pensamentos de gratidão das pessoas beneficiadas também se convertem em luz. Transmitidos através do fio espiritual para a pessoa que praticou o bem, aumentam a luz desta. Quando, ao contrário, a pessoa recebe transmissões de pensamentos de vingança, ódio, ciúme ou inveja, suas nuvens aumentam. Por isso, é preciso praticar o bem e proporcionar alegria aos outros, evitando provocar pensamentos de vingança, ódio ou ciúmes.

Esta é a razão pela qual pessoas que obtiveram um sucesso rápido, acumulando fortuna em pouco tempo, geralmente não tardam a conhecer o fracasso e a ruína. Tais pessoas, julgando que devem o êxito à sua própria capacidade, habilidade e esforço, tornam-se vaidosas e egoístas, entregando-se a uma vida luxuosa. Assim, acumulam nuvens provocadas pelos pensamentos de vingança, ódio ou ciúmes, emitidos pelas muitas pessoas as quais prejudicaram. Consequentemente, sua aura perde a luminosidade, diminui e o indivíduo finalmente se arruina.

Essa também é a causa da ruína de famílias que foram prósperas durante gerações. Quem ocupa uma posição social superior é beneficiado pelo país e a sociedade. Portanto, deve retribuir beneficiando amplamente a sociedade e, por meio desses gestos, apagar continuamente as próprias nuvens. A maioria, porém, só pensa em seus desejos egoístas e pratica poucos atos altruístas, aumentando a quantidade de suas nuvens. Por isso, embora ostentem magnificência, o seu espírito é miserável. Consequentemente, pela lei da procedência do espírito sobre a matéria, finalmente se arruinam. Pouco antes do grande terremoto de Tóquio, um vidente me disse: "Embora seja uma cidade de arranha-céus, Tóquio, sob o ponto de vista espiritual, é um aglomerado de favelas". Mais tarde, o que ele viu se concretizou de modo assombroso.

Quando o famoso multimilionário John Davison Rockefeller ainda era office-boy nos Estados Unidos, começou a contribuir para a Igreja Católica, achando que o homem deve praticar boas ações. Inicialmente, contribuía com 5 cents por semana. À medida que ia aumentando o seu salário, ele aumentava o valor das contribuições. Finalmente, fundou a Instituição Rockefeller. Todas as suas contribuições foram anotadas num caderno que foi guardado como um tesouro por sua família.

Outro exemplo é o de Andrew Carnegie, que fundou a maior usina siderúrgica dos Estados Unidos. Pouco antes de morrer, Carnegie decidiu fazer o que sempre pregara: doou toda a sua fortuna de bilhões de dólares a obras sociais. Para o seu herdeiro, deixou apenas um milhão de dólares e o custeio de seus estudos universitários. Só no ano de 1903, as suas contribuições para universidades, bibliotecas e laboratórios foram da ordem de 10 milhões de dólares. Mas o montante de suas contribuições anônimas foi duas ou três vezes maior. Logo após a Segunda Guerra Mundial, Carnegie destinou uma enorme soma para a Fundação da Paz Internacional. Uma parte dessa contribuição permitiu que se fizessem profundas pesquisas sobre a relação entre a guerra e a criminalidade. Esses estudos forma completados pelo professor Walter Lippmann e publicados num livro que contribuiu enormemente para a felicidade mundial.

Quando pensamos nesses fatos, compreendemos de onde vem a prosperidade dos Estados Unidos. Comparativamente, o empresariado japonês foi muito egoísta. A ruína dos grandes empresários japoneses após a Segunda Guerra não ocorreu por acaso.

Quanto mais fina for a aura de um indivíduo, mais facilmente ele sofrerá infortúnios e acidentes, porque o seu cérebro, devido às nuvens, não funciona adequadamente. Falta-lhe o correto discernimento e o poder de decisão, além do que ele não consegue prever as coisas. Por isso, sonhando com o êxito instantâneo, apressa-se, pondo tudo a perder e acumulando mais nuvens. Esse tipo de pessoa pode ter um pequeno sucesso mas, a longo prazo, infalivelmente malogra.

Quando a política de um país vai mal, é porque os seus políticos tem a aura fina. Ao mesmo tempo, o povo que sofre as consequências dessa má política também tem a aura fina. Isto é inevitável.

Quem tem muitas nuvens está sujeito a sofrer ações purificadoras; facilmente contrai doenças ou sofre acidentes. Quem sofre um acidente de trânsito é porque tem a aura fina. Quem tem a aura espessa escapa do perigo em qualquer circunstância. Por exemplo, quando há um choque de veículos, o espírito de um bonde ou de um carro atinge aquele que tem a aura fina, mas não atinge quem tem a aura espessa. Há pessoas que, mesmo sendo atropeladas, não sofrem o menor arranhão. Isto se deve a espessura e elasticidade de sua aura.

Quando pensamos nessas coisas, vemos que o único meio para ser afortunado é praticar o bem e a virtude, ampliando a própria aura. Muitas pessoas se queixam de ter nascido sem sorte. Obviamente, é porque desconhecem esses fatos.

Também no caso do Johrei, quando a pessoa que o ministra tem uma aura espessa, obtém melhores resultados. Quanto maior o número de pessoas salvas por adepto e quanto mais pensamentos de gratidão receber, mais espessa se tornará a sua aura e mais eficiente será o seu Johrei.

*******************************************************************************************************************************************